Síndrome de Alport

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Síndrome de Alport
Classificação e recursos externos
CID-10 Q87.8
CID-9 759.89
OMIM 301050 104200 203780 300195
DiseasesDB 454
MedlinePlus 000504
eMedicine med/110
MeSH D009394
Star of life caution.svg Aviso médico

A síndrome de Alport é uma doença genética caracterizada por provocar a perda progressiva da função renal e auditiva.

Também pode afectar o sistema visual. A presença de sangue na urina (hematúria) é quase sempre encontrada nesta condição.

Foi identificada pela primeira vez numa família inglesa, por Arthur Cecil Alport, em 1927.

Causas[editar | editar código-fonte]

Esta síndrome é causada por mutações nos genes COL4A3, COL4A4 e COL4A5, responsáveis pela síntese do colágeno. Mutações em qualquer destes genes impedem que a rede de colagénio tipo IV seja produzida. As membranas basais são finas estruturas laminares que separam e suportam as células. Quando mutações previnem a formação das fibras de colagénio tipo IV, as membranas basais das células renais não são capazes de filtrar correctamente o sangue, permitindo que o sangue e proteínas passem para a urina.

Padrões de hereditariedade[editar | editar código-fonte]

A síndrome de Alport pode ter diferentes padrões de hereditariedade dependentes do tipo de mutações genéticas.

  • Na maior parte dos portadores desta síndrome, a condição é herdada como ligada ao cromossoma X, devido a mutações no gene COL4A5. Uma condição denomina-se ligada ao cromossoma X quando o gene envolvido na desordem está localizado no cromossoma X. Nos indivíduos do sexo masculino, que têm apenas um cromossoma X, uma cópia alterada deste gene é suficiente para causar uma síndrome de Alport severa, explicando desta maneira a eventualidade de quase todos os indivíduos deste sexo desenvolverem insuficiência renal. Nos indivíduos do sexo feminino, que possuem duas cópias do cromossoma X, uma mutação numa cópia do gene COL4A5 resulta somente no aparecimento de sangue na urina, não havendo o desenvolvimento de insuficiência renal. Por ser um tipo de hereditariedade ligada ao cromossoma X, um pai não passará esta síndrome aos filhos do sexo masculino.
  • A síndrome de Alport também pode ser herdada de uma forma autossómica recessiva se as duas cópias do gene COL4A3 ou do gene COL4A4, localizados no cromossoma 2, sofrerem mutação. Muitas vezes, os pais de uma criança com uma doença genética autossómica recessiva não estão afectados por ela mas são portadores de uma cópia do gene alterado.

Critérios para o diagnóstico clínico[editar | editar código-fonte]

Gregory et al, 1996, propõe 10 critérios para o diagnóstico da síndrome de Alport. Quatro dos 10 critérios terão que estar presentes:

  • História familiar de nefrite.
  • Hematúria persistente, sem que haja evidência de outra possibilidade de nefropatia hereditária.
  • Surdez sensorineural de cariz bilateral, no intervalo de frequências dos 2000 Hz aos 8000 Hz. Surdez com desenvolvimento progressivo, não presente na infância e com aparecimento antes dos 30 anos de idade.
  • Mutação no gene COL4An, em que n é igual a 3, 4 ou 5.
  • Evidência imuno-histoquímica da ausência parcial ou total do epítopo na membrana basal dos glomérulos ou membrana basal epidérmica, ou em ambas.
  • Vastas anormalidade estruturais da membrana basal glomerular.
  • Lesões oculares.
  • Progressão gradual para falência crónica renal (em pelo menos 2 membros da família).
  • Macrotrombocitopenia ou inclusões granulocíticas
  • Leiomiomatose difusa do esófago ou da genitália feminina, ou ambos.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Kashtan CE. Michael AF. Alport syndrome. Kidney International. 50(5):1445-63, 1996 Nov.[1]
  • Tryggvason K. Heikkila P. Pettersson E. Tibell A. Thorner P. Can Alport syndrome be treated by gene therapy?. Kidney International. 51(5):1493-9, 1997 May.
  • Gregory MC et al: Alport syndrome clinical phenotypes, incidence and pathology, in Molecular Pathology and Genetics of Alport Syndrome (vol 117), editado por Tryggvason K, Basel, Karger, 1996, pp 1–28

Este artigo incorpora trechos traduzidos de conteúdo em domínio público acessível no sítio de internet da The U.S. National Library of Medicine