Seleção Brasileira de Basquetebol Masculino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Brasil
Basquetebol Basketball pictogram.svg
Bandeira
Informações gerais
Federação Confederação Brasileira de Basketball
Sigla FIBA BRA
Confederação FIBA Américas
Ranking FIBA
Treinador Rubén Magnano
Capitão [[]]
Jogos Olímpicos
Participações 18 (Primeira em 1936)
Melhor 3º (1948, 1960 e 1964)
Última 5º (2012)
Campeonato Mundial
Participações 17 (Primeira em 1950)
Melhor (1959 e 1963)
Última 6º (2014)
Copa América de Basquetebol
Participações 16 (Primeira em 1980)
Melhor (4 vezes)
Última 9º (2013)
Kit body thingreensides.png
1º uniforme jersey
Kit shorts greensides.png
Team colours
1º uniforme
Kit body yellowsides.png
2º uniforme jersey
Kit shorts yellowsides.png
Team colours
2º uniforme


A Seleção Brasileira de Basquetebol Masculino representa o Brasil em torneios de basquetebol da FIBA. Foi convocada pela primeira vez em 1922[1], quando, por ocasião das comemorações do Centenário da Independência do Brasil, foram realizados os Jogos Olímpicos Latino-Americanos. Nesta competição, enfrentando as equipes da Argentina e do Uruguai, sagrou-se campeã.

A Federação Brasileira de Basketball, órgão que antecedeu à atual Confederação Brasileira de Basketball, entretanto, só viria a ser fundada em 25 de Dezembro de 1933.

Em 2010 a CBB (Confederação brasileira de Basquete), confirmou o argentino Rubén Magnano para técnico da seleção. É cotada, atualmente, devido aos últimos retrospectos em campeonatos, para estar entre as oito principais seleções do mundo, nos próximos anos.[1] Ficou na 6° colocação no último mundial de basquetebol e em 5° nos últimos Jogos Olímpicos.

Histórico[editar | editar código-fonte]

1948 a 1959[editar | editar código-fonte]

Nas 16 primeiras edições do Campeonato Sul-Americano, o Brasil conquistou apenas dois títulos, em 1939 e em 1945. Neste período, o Uruguai foi o grande vencedor, em 7 edições, contra 5 vencidas pela Argentina; Chile e Peru ganharam uma vez cada. A primeira geração a alçar o basquete brasileiro para o patamar mundial foi a que conseguiu a primeira e mais expressiva conquista brasileira, a Medalha de Bronze nos Jogos Olímpicos de Londres em 1948. A equipe brasileira que disputou as Olimpíadas de 1948 tinha 10 jogadores, sob o comando do técnico Moacir Daiuto foram os precursores do basquete brasileiro. Em tempos nos quais a viagem Transatlântica era uma aventura, o time de basquete do Brasil foi para as Olimpíadas de Londres de 1948 sem saber o que teria pela frente. Foram quase três dias de viagens nos aviões da PanAir, saindo de São Paulo, com paradas no Rio de Janeiro, em Natal, na África, em Lisboa, até por fim chegar a Londres. Os brasileiros não tínham qualquer conhecimento sobre seus adversários, não existia nenhum intercâmbio; enquanto os Estados Unidos faziam aquecimento com uma bola por jogador, no time brasileiro era uma única bola para o time inteiro. A delegação brasileira ficou hospedada a 80 km de Londres, numa base militar que havia sido bombardeada pela Alemanha na 2ª Guerra Mundial, onde não havia nenhuma cesta ou quadra para treinamento, que se restringia a exercícios físicos.

O time tinha Ruy de Freitas (A.A. Grajaú), Alfredo da Motta (Flamengo), Algodão (Flamengo), o veterano Affonso Évora (Flamengo - atleta histórico do Botafogo, por quem foi Tetracampeão Carioca 1942-43-44-45), Nilton Pacheco (Fluminense), Marcus Vinícius Dias (Fluminense), João Francisco Bráz (Corinthians), Alberto Marson (Tênis Clube São José - SP), Alexandre Gemignani (Espéria - SP) e Massinet Sorcinelli (Espéria - SP). O técnico era Moacir Daiuto, do Corinthians.

A campanha: 45 x 41 Hungria (39 x 39 no tempo normal), 36 x 32 Uruguai, 76 x 11 Inglaterra, 57 x 35 Canadá, 47 x 31 Itália e 28 x 23 Tchecoslováquia. Na semi-final, derrota por 33 x 43 para a França. E na decisão do Bronze: vitória por 52 x 47 sobre o México. O ouro ficou com os EUA e a prata com a França. Os maiores pontuadores do Brasil foram Alfredo da Motta (115 pontos),Algodão (67) e Bráz (49).

Motivado pela medalha em Londres, o Brasil foi disputar o 1º Mundial, em 1950, em Buenos Aires. O time titular de Moacir Daiuto jogava com Ruy de Freitas, Angelim, Algodão, Alfredo da Motta e Alexandre Gemignani. Era a base medalhista de 1948, acrescida de Angelo Bonfietti, o "Angelim", então principal jogador do Corinthians. A seleção venceu Peru (40 x 33), Egito (38 x 19) e França (59 x 27), mas sofreu derrotas apertadas para Argentina (35 x 40), EUA (42 x 45) e Chile (40 x 51), voltando para casa com um razoável 4º lugar. Os maiores pontuadores do time continuavam sendo Alfredo da Motta (48 pontos) e Algodão (36 pontos). Mesmo com os bons resultados em 1948 e 1950, apostou-se em renovação no comando para o ciclo seguinte.

Em 1951 começa a ERA KANELA na Seleção. O paraibano Togo Renan Soares, o "Kanela", foi treinador do Flamengo de 1948 a 1970 e da Seleção Brasileira de 1951 a 1971. O curioso é que Kanela começou sua carreira como técnico de futebol, foi treinador do Sport Club Brasil (extinto clube do Rio de Janeiro), do Bangu e do Vitória, do Espírito Santo, e foi técnico também do futebol do Flamengo antes de assumir o time de basquete (tinha sido treinador do time de basquete do Botafogo nos anos 1930). No basquetebol, depois que deixou o Flamengo, treinou o Palmeiras em 1971 e 1972 e o Vila Nova, de Goiás, em 1973, time com o qual conseguiu sagrar-se Campeão Brasileiro, vencendo os paulistas do Trianon na decisão da Taça Brasil. Ele foi um verdadeiro revolucionário no basquete brasileiro. Num momento em que se fazia um jogo parado, só de passes e arremessos, ele introduziu uma dinâmica de saída em velocidade para o ataque, realizando uma veradeira revolução neste esporte no Brasil. É justo dizer que o basquete brasileiro em 1951, quando ele chegou à Seleção, era um, e vinte anos depois, em 1971, quando ele deixou a Seleção, era outro completamente diferente. Ademais de seu estilo firme e enérgico de liderança dos times que comandou. Com a Seleção Brasileira, foi vice-campeão Mundial em 1954 no Rio de Janeiro, foi Bi-Campeão Mundial, em 1959 em Santiago e em 1963 no Rio de Janeiro. Em 1970 voltou a ser vice-campeão Mundial, em Ljubljana na Iugoslávia. Em Jogos Pan-Americanos, ganhou Medalha de Prata em 1963, e Medalha de Bronze em 1951, 1955 e 1959. Foi ainda Medalha de Bronze nos Jogos Olímpicos em 1960. E foi 5 vezes Campeão Sul-Americano com o Brasil, em 1959, 1960, 1961, 1963 e 1971.

Nos Jogos Pan-Americanos de 1951, em Buenos Aires, a base que defendeu a Seleção Brasileira era o time do Flamengo, com 6 convocados: Algodão, Godinho, Alfredo da Motta, Mário Hermes, Tião Gimenez e Zé Luiz. O time tinha ainda Angelim, Alberto Marson e Massinet Sorcinelli. Este time ganhou a primeira Medalha em Jogos Pan-Americanos, o Bronze. Os principais pontuadores da seleção foram: Alfredo da Motta (68 pontos), Mário Hermes (55) Algodão (42), Thales Monteiro (40), Godinho (34), Alberto Marson (27) e Tião Gimenez (17). Eis a campanha brasileira: 62 x 44 Panamá, 47 x 58 Argentina, 58 x 39 Chile, 57 x 46 Cuba, 42 x 74 EUA e 51 x 70 Panamá. O ouro foi dos EUA e a prata da Argentina.

No ano seguinte, 1952, o Brasil foi 6º lugar na Olimpíada de Helsingue, na Finlândia. O técnico desta vez não foi Kanela, mas Manoel Pitanga. A base do time titular era mais uma vez o quinteto titular do Flamengo, substituindo Godinho por Angelim, do Corinthians: Angelim (fez 90 pontos), Algodão (60 pts), Alfredo da Motta (102 pts, mais uma vez o cestinha do time), Mário Hermes (46) e Zé Luiz (63). O time tinha ainda Godinho, Mayr Facci, Thales Monteiro e o veterano Ruy de Freytas. A campanha brasileira: 57 x 55 Canadá, 71 x 52 Filipinas, 56 x 72 Argentina, 75 x 44 Chile, 49 x 54 União Soviética, 53 x 57 EUA, 59 x 44 França e 49 x 58 Chile. Além das já costumeiras derrotas para Estados Unidos e Argentina, o Brasil pela primeira vez duelava com os soviéticos, e seguia tendo alguma dificuldade contra a seleção do Chile. Em 1954 o Brasil iniciou sua era de grandiosos resultados sob o comando de Kanela, e desta vez jogando em casa, no Rio de Janeiro, sagrou-se Vice-campeão Mundial, num torneio disputado todo ele no ginásio do Maracanãzinho, que esteve absolutamente lotado para todos os jogos. Os convocados de Kanela eram: Angelim (Corinthians), Wlamir Marques (Regatas Piracicaba), Amaury Pasos (Tietê - SP), Fausto (Paulistano), Wilson Bombarda (Pinheiros),  Mayr Facci (Ponta Grossa - PR), Algodão (Flamengo), Alfredo da Motta (Flamengo), Godinho (Flamengo), Mário Hermes (Flamengo) e Gedeão (Flamengo). No Mundial de 54, chegava à seleção uma nova geração, com dois gatoros que viriam a ser monstros do basquete: Amaury e Wlamir, então com 18 e 17 anos respectivamente. Amaury Pasos que, curiosamente jogava basquete e vôlei ao mesmo tempo, tendo sido campeão paulista de volibol (como se chamava o vôlei naquela época). O time titular do Brasil era: Angelim, Algodão, Wlamir Marques, Amaury e Mayr Facci. o Brasil venceu Filipinas (99 x 62), Paraguai (61 x 52), Formosa (61 x 44), Israel (68 x 46) e Canadá (82 x 67). Na segunda fase voltou a bater as Filipinas (57 x 41), e venceu França (49 x 36) e Uruguai (60 x 45). Foi para a final contra o Estados Unidos, e perdeu por 41 x 62. Os jogadores que mais pontuaram no Mundial foram Amaury (100 pontos), Angelim (97) e Wlamir (95). Ao final do torneio, o jovem Wlamir, de apenas 17 anos, e o veterano Algodão, foram escolhidos para o Quinteto Ideal do Mundial.

A carreira de mais alguns dentre os principais jogadores brasileiros desta década:

Angelim: 1947-58 Corinthians Wlamir Marques: 1953-54 Clube de Regatas Piracicaba (SP), 1955-61 XV de Piracicaba (SP), 1962-72 Corinthians e 1973 Tênis Clube Campinas (SP) Amaury Pasos: 1951-57 Tietê (SP), 1958-65 Sírio (SP) e 1966-72 Corinthians

Em 1955, o Brasil obteve mais um Bronze em Jogos Pan-Americanos, jogando na Cidade do México. O time brasileiro, jogando com Algodão, Wlamir, Almir, Amaury e Mayr Facci como quinteto titular, venceu Venezuela, Cuba, México e superou a Argentina (61 x 57). Caiu só perante os EUA: 49 x 78.

No ano seguinte, nos Jogos Olímpicos de Melbourne, o Brasil, com Mário Amândio Duarte como treinador, ficou com um modesto 6º lugar. Neste time, destacou-se Édson Bispo, então jogador do Vasco da Gama. A campanha brasileira: 78 x 59 Chile, 89 x 66 Austrália, 68 x 87 União Soviética, 51 x 113 Estados Unidos, 73 x 82 Bulgária, 89 x 64 Chile, 52 x 64 Bulgária (4 vitórias e 3 derrotas). Em 1958, comandada por Kanela, jogando em Santiago, no Chile, a Seleção Brasileira vence pela 3ª vez em sua história o Campeonato Sul-Americano (desde 1945 não era campeã), iniciando a série que a levaria a um Tetra-campeonato 1958-60-61-63. Esta era a 17ª edição do Campeonato Sul-Americano e tão só o 3º título do Brasil. Até este momento, Argentina e Uruguai tinham 5 títulos cada, Brasil 3, e Chile, Peru e Paraguai 1 título cada.

O quinteto titular do Brasil foi o mesmo que um ano depois, também em Santiago, sagraria-se Campeão Mundial: Algodão, Wlamir Marques, Amaury Pasos, Édson Bispo e Waldemar Blatskauskas.

A seleção convocada para o Mundial de 1959 pelo técnico Kanela, do Flamengo, e pelo assistente-técnico João Francisco Bráz, do XV de Piracicaba, tinha: Amaury Pasos (Sirio - SP), Wlamir Marques (XV de Piracicaba - SP), Pecente (XV de Piracicaba - SP), Waldemar Blatskauskas (XV de Piracicaba - SP), Jatyr Schall (Palmeiras), Rosa Branca (Palmeiras), Édson Bispo (Vasco da Gama), Algodão (Flamengo), Fernando Bro Bro (Flamengo), Waldyr Boccardo (Flamengo), Otto Nóbrega (Fluminense) e Zezinho (Tijuca Tênis Clube).

O Brasil venceu o Canadá por 69 x 52, depois perdeu para a União Soviética por 64 x 73, e venceu em sequência a México (78 x 50), China (94 x 76) e Bulgária (62 x 53), sofreu nova derrota para a URSS, desta vez por 63 x 66, venceu Porto Rico por 99 x 71, conseguiu uma boa vitória por 81 x 67 sobre os Estados Unidos (que estavam representados por uma equipe de soldados da Aeronáutica) e outra sobre o Chile, por 73 x 49. O Brasil teria ficado com o vice-campeonato, mas a União Soviética se negou a entrar em quadra para entrar Formosa e acabou eliminada pela FIBA, com o Brasil herdando o troféu. A pontuação do time brasileiro: Algodão (63 pts), Wlamir Marques (149), Amaury Pasos (137), Édson Bispo (90) e Waldemar Blatskauskas (90). Rosa Branca (10), Pecente (61), Fernando Bro Bro (23), Otto Nóbrega (11) e Jatyr Schall (34). Suplentes: Zezinho (7) e Waldyr Boccardo (8). No embalo da conquista, o Brasil foi jogar os Jogos Pan-Americanos de 59, em Chicago, no qual ficou, pela terceira vez em sua história, com uma Medalha de Bronze. O time estava levemente modificado em relação ao Campeão Mundial: Amaury Pasos e Algodão, machucados, foram substituídos por Mosquito (do Palmeiras) e Wilson Bombarda (do Tênis Clube São José - SP).

A campanha brasileira teve vitórias sobre Cuba (87 x 48), Canadá (60 x 53), El Salvador (89 x 66) e Porto Rico (79 x 78), e derrotas para México (49 x 50) e EUA (79 x 93).


"O Kanela foi o grande mentor e organizador dessa geração vencedora do basquete masculino. Ele cobrava bastante da equipe para que jogássemos o melhor possível, mas sempre cuidou muito bem do atleta. Ele supervisionava tudo para que tivéssemos boas condições de trabalhar na seleção. Ele ficava bravo mesmo era com os juizes, quando se achava injustiçado, e com os dirigentes, pois sempre brigava pelos direitos e pelo máximo conforto dos atletas de sua equipe. Ele é uma grande referência para qualquer um que goste de basquete. Ele que me incentivou a treinar a seleção, me dando dicas e orientações"
 - declaração de Édson Bispo em 21/02/2006 em entrevista ao website da CBB.

1960 a 1970[editar | editar código-fonte]

Depois de ser Campão Mundial em 1959, o basquete brasileiro, liderado pelo técnico Togo Renan Soares, o Kanela, entrou num outro patamar a nível internacional, principalmente porque dentro de quadra haviam dois jogadores fora de série: Wlamir Marques e Amaury Pasos. Nos Jogos Olímpicos de 1960, em Roma, o Brasil voltou a conquistar a Medalha de Bronze, feito que havia conseguido nas Olimpíadas de 1948. Repetiu o feito nas Olimpíadas de 1964, em Tóquio, o terceiro Bronze de sua história. No Mundial de 1963, jogando novamente no Maracanãzinho, no Rio de Janeiro, foi Bi-campeão Mundial. Naquele mesmo ano foi Medalha de Prata nos Jogos Pan-Americanos de São Paulo, com derrota para os Estados Unidos na final, por 66 x 78. Foi 3º lugar no Mundial de 67, em Montevidéu, e vice-campeão no Mundial de 70, na Iugoslávia. Foi uma época de ouro do basquete masculino brasileiro.

Em 1960, o Brasil foi Bi-campeão Sul-Americano, e jogando dentro da Argentina. Em Córdoba, venceu o rival por 58 x 57 no emocionante jogo final.

Nas Olimpíadas de Roma, Kanela levou estes 12 jogadores: Amaury Pasos (Sirio - SP), Antonio Sucar (Sirio - SP), Wlamir Marques (XV de Piracicaba - SP), Waldemar Blatskauskas (XV de Piracicaba - SP), Rosa Branca (Palmeiras), Édson Bispo (Palmeiras), Mosquito (Palmeiras), Jatyr Schall (Palmeiras), Algodão (Flamengo), Fernando Bro Bro (Flamengo), Waldyr Boccardo (Flamengo) e Moysés Blás (Minas Tênis Clube - MG). O veterano Algodão acabou perdendo a posição de titular para o jovem Rosa Branca, e esta foi sua última participação na Seleção Brasileira, a qual defendia desde 1948. Detalhe também para a presença de Sucar, jogador que nasceu em Tucuman, na Argentina, mas chegou ao Brasil com apenas 7 anos de idade.

A campanha brasileira começou com vitória sobre Porto Rico por 75 x 72, e seguiu com uma histórica vitória por 58 x 54 sobre a União Soviética! Depois, 80 x 72 no México, 78 x 75 na Itália, 77 x 68 na Polônia e 85 x 78 na Tchecoslováquia. Mas na fase final o primeiro carrasco foi o mesmo time sobre quem conseguira histórico feito na 1ª fase, num jogo duríssimo o Brasil perdeu para a União Soviética por 62 x 64. Depois foi facilmente batido pelo Estados Unidos por 63 x 90 e voltou para a casa com uma magnífica medalha de bronze. Os pontuadores do time brasileiro foram: Wlamir Marques (147 pts), Rosa Branca (38), Amaury Pasos (147), Édson Bispo (83) e Waldemar Blatskauskas (61). Algodão (22), Mosquito (20), Sucar (46), Jatyr Schall (12) e Waldyr Boccardo (2). Suplentes: Moysés (2) e Fernando Bro Bro (0).

Depois, em 61, o Brasil foi Tri-Campeão Sul-Americano jogando no Rio de Janeiro, e em 63 foi Tetra-Sul-Americano em Lima, no Peru. No mesmo ano ganhou uma inédita Medalha de Prata em Jogos Pan-Americanos, jogando em São Paulo. Aquele seria o ano da maior conquista brasileira no basquete masculino, com o país sagrando-se Bi-Campeão Mundial! A base da Seleção nesta época era o quinteto titular do Palmeiras: Rosa Branca, Mosquito, Victor Mirshauswka, Jatyr Schall e Édson Bispo.

Curiosamente, este time tinha dois jogadores não nascidos no Brasil, mas que emigraram para o país ainda na infância; além do já citado Sucar, nascido na Argentina e que chegou ao Brasil aos sete anos, Victor Mirshauswka nasceu em Tcherni, cidade da Polônia que posteriormente foi invadida pela União Soviética e hoje pertence à Bielo-Rússia, e chegou ao Brasil com sua família ainda menino. Outro jogador com laços familiares fora do Brasil era o carioca Fritz, que se chamava Friedrich Wilhelm Braun, descendente de alemães.

O grupo de 12 jogadores convocados para o Mundial de 1963 foi: Amaury Pasos (Sirio - SP), Luiz Cláudio Menon (Sirio - SP), Antonio Sucar (Sirio - SP), Wlamir Marques (Corinthians), Ubiratan Maciel (Corinthians), Waldemar Blatskauskas (XV de Piracicaba - SP), Rosa Branca (Palmeiras), Mosquito (Palmeiras), Jatyr Schall (Palmeiras), Victor Mirshauswka (Palmeiras), Fritz (Fluminense) e Paulista (Vasco da Gama).

Este grupo sofreu muito poucas modificações frente à equipe que conquistou o Bronze nas Olimpíadas de 64. Amaury Pasos (Sirio - SP), Antonio Sucar (Sirio - SP), Wlamir Marques (Corinthians), Ubiratan Maciel (Corinthians), Rosa Branca (Corinthians), Mosquito (Palmeiras), Jatyr Schall (Palmeiras), Victor Mirshauswka (Palmeiras) e Fritz (Fluminense). Waldemar faleceu antes da Olimpíada, Menon e Paulista não foram convocados. Nos seus lugares foram chamados: Édson Bispo (Palmeiras), Edvar Simões (Corinthians) e Sérgio Macarrão (Botafogo).

A brilhante campanha no Bi-Mundial, com as vitórias: 62 x 55 em Porto Rico, 81 x 62 na Itália, 90 x 71 na Iugoslávia, 77 x 63 França, e as duas majestosas vitórias para coroar com chave de ouro a conquista: 90 x 79 na União Soviética e 85 x 81 nos Estados Unidos. A pontuação dos jogadores do Brasil naquele Mundial de 63: Wlamir Marques (108 pts), Rosa Branca (65), Victor Mirshauswka (90), Amaury Pasos (106) e Ubiratan (46). Paulista (6), Mosquito (12), Sucar (30), Jatyr Schall (7) e Waldemar Blatskauskas (13). Suplentes: Fritz (0) e Menon (2).

Na conquista do Bronze em Tóquio, o Brasil tropeçou na estréia, perdendo por 50 x 58 para o Peru, mas venceu Iugoslávia (68 x 64), Coréia do Sul (92 x 65), Finlândia (61 x 54), Uruguai (80 x 68) e Austrália (69 x 57); perdeu para as duas potências do esporte da bola na cesta: 53 x 86 para EUA e 47 x 53 para URSS. Na disputa do Bronze, vitória sobre Porto Rico (76 x 60). A pontuação dos brasileiros no torneio: Wlamir Marques (128 pts), Rosa Branca (51), Victor Mirshauswka (56), Amaury Pasos (94) e Ubiratan (88). Edvar Simões (16), Mosquito (39), Sucar (37), Jatyr Schall (35) e Édson Bispo (33). Suplentes: Fritz (11) e Sérgio Macarrão (8).

Tetra-campeão Sul-Americano, o Brasil foi para a edição de 1966 para tentar o penta apostando em completa renovação. Apostou no jovem treinador Ary Vidal, assistente de Kanela no Flamengo, para comandar a Seleção e enviou uma "Seleção B"; acabou com o Vice-campeonato. Em 1967, Kanela não foi com o Brasil aos Jogos Pan-Americanos de Winnipeg. O time foi comandado pelo jogador-treinador Édson Bispo. O mesmo time de tantas façanhas, fracassou retumbantemente. Jogando com o quiteto titular: Mosquito, Wlamir Marques, Victor Mirshauswka, Amaury Pasos e Luiz Cláudio Menon, o Brasil ficou com um 7º lugar, depois de ser derrotado por México e Cuba.

Já a seleção principal mantinha o ritmo entre as 4 melhores do mundo. Bi-campeã Mundial em 1959 e 1963, na edição de 1967 ficou em 3º lugar, garantindo mais um pódio. O time brasileiro em 67 era:Mosquito, Amaury Pasos, Jatyr Schall, Luiz Cláudio Menon e Ubiratan como titulares. No banco, Kanela tinha a jovem promessa Hélio Rubens (do Clube dos Bagres), além de Edvar Simões, Sucar, Cézar Sebba (do Botafogo) e Sérgio Macarrão (do Vasco). O time brasileiro perdeu para União Soviética (74 x 78) e Iugoslávia (84 x 87), mas venceu os Estados Unidos (80 x 71). No ano seguinte, 1968, o Brasil que havia sido Bronze em 1960 e 1964, ficou em 4º lugar nas Olimpíadas da Cidade do México. O quinteto titular nos Jogos de 68 era: Edvar Simões, Rosa Branca, Wlamir Marques, Luiz Cláudio Menon e Ubiratan. Derrotas foram duas para União Soviética (65 x 76 e 53 x 70) e uma para os EUA (63 x 75). Portanto, entre Mundiais e Olimpíadas, em 6 torneios entre 1959 e 1968, o Brasil ficou 2 vezes em 1º lugar, nenhuma em 2º lugar, 3 vezes em 3º lugar e 1 vez em 4º lugar. Mas quatro destes seis torneios haviam sido jogados na América Latina. Teria sido o mesmo em solo europeu? Para provar que sim o Brasil foi para o Mundial da Iugoslávia em 70 e voltou com um 2º lugar. A sétima competição global seguida terminada entre os quatro primeiros colocados do planeta.

A Seleção Brasileira de 1970 convocada por Kanela: Ubiratan Maciel (Splugen Reyer Venezia - Itália), Wlamir Marques (Corinthians), Rosa Branca (Corinthians), José "Joi" Aparecido (Corinthians), Luiz Cláudio Menon (Sirio - SP), Mosquito (Sirio - SP), Edvar Simões (Tênis Clube São José - SP), Zé Olaio (Tênis Clube São José - SP), Hélio Rubens (Clube dos Bagres, Franca - SP), Sérgio Macarrão (São Caetano - SP), Pedrinho Ferrer (Flamengo) e Marquinhos Abdalla (Fluminense).

Fazia parte deste time o primeiro brasileiro a ir jogar basquete fora do Brasil, o pivô Ubiratan, que jogou 2 temporadas na 1ª divisão da Liga Italiana, a mais rica e importante da Europa naquele momento. A Seleção Brasileira voltou a fazer uma grande campanha no Mundial de 70, e jogando fora de casa, na Iugoslávia. O time titular de Kanela tinha Hélio Rubens, Wlamir Marques, Edvar Simões, Menon e Ubiratan; duas fantásticas e históricas vitórias sobre a União Soviética (66 x 64) e os Estados Unidos (69 x 65), mas o time caiu diante da seleção anfitriã (implacáveis 80 x 55). A Iugoslávia só foi campeã por causa da vitória maravilhosa do Brasil sobre os Estados Unidos na última partida do torneio. Os norte-americanos jogavam pelo título com uma vitória simples, por qualquer placar, sobre o Brasil, mas o quinteto brasileiro, com uma atuação histórica, impediu o título dos Estados Unidos. A pontuação do time brasileiro naquele Mundial: Hélio Rubens (83 pts), Edvar Simões (93), Wlamir Marques (85), Menon (158) e Ubiratan (137). Rosa Branca (13), Mosquito (21), Zé Olaio (4), Joi (42) e Sérgio Macarrão (49). Suplentes: Pedrinho (13) e Marquinhos Abdalla (6).

A carreira dos jovens talentos revelados nos Anos 1960 e que se juntaram à fantástica geração que vinha dos anos 1950:

Ubiratan "Bira" Maciel: 1961-70 Corinthians, 1970-72 Splugen Reyer Venezia (Itália), 1972-73 Trianon (SP), 1973-74 Sírio (SP), 1974-78 Palmeiras e 1979-81 Tênis Clube São José (SP) Luiz Cláudio Menon: 1961-62 Palmeiras e 1963-74 Sírio (SP)

1971 a 1980[editar | editar código-fonte]

A Seleção Brasileira viveu momentos conturbados na década de 70, após a saída de Kanela da Seleção. Sentiu falta de sua capacidade como treinador, mas também houve dificuldade de se fazer a renovação da fantástica geração de Amaury Pasos e Wlamir Marques, uma missão nada fácil. Quando Kanela assumiu a Seleção Brasileira como treinador, o Uruguai tinha seis títulos de Campeonato Sul-Americano, a Argentina tinha cinco e o Brasil só dois. Quando Kanela deixou a Seleção, em 1971, o Brasil tinha oito títulos, o Uruguai também oito e a Argentina tinha seis. O Brasil havia sido vice-campeão Mundial em 1954, Bi-campeão em 59 e 63, terceiro lugar no Mundial de 67 e vice-campeão em 70. Acumulava três Medalhas de Bronze em Jogos Olímpicos (1948, 1960 e 1964) e ficara em quarto lugar nas Olimpíadas de 68. O Brasil havia alçado um vôo para o primeiro escalão do basquete mundial, e queria manter-se lá. Chegou àquele nível pelas mãos de Wlamir e Amaury e pela visão de jogo do “Velho Togo”. Eram 7 torneios seguidos terminando entre os 4 melhores do mundo (4 Mundiais e 3 Olimpíadas). A renovação depois destes resultados e da saída de Kanela foi traumática. No Mundial de 72, o Brasil foi treinado por Pedroca, de Franca, e amargou a sétima posição. No Mundial de 74 o treinador foi Édson Bispo, mas o resultado não melhorou: sexta colocação. O ápice para a crise veio após o Pré-Olímpico de 76, quando a equipe treinada por Édson Bispo perdeu a vaga com uma derrota para o México. Pela primeira vez, o Brasil estava fora do basquete olímpico. Antes de toda esta turbulência e crise, a transição não parecia que seria complicada. Em 1971, o time comandado por Édson Bispo conquistou uma inédita Medalha de Ouro nos Jogos Pan-Americanos de Bogotá, na Colômbia. O time jogava com Hélio Rubens, Mosquito, Joi, Menon e Marquinhos Abdalla como quiteto titular. Venceu Suriname, Cuba, Argentina, Porto Rico, Panamá e México. Sofre uma única derrota, para os EUA, na 1ª fase. Na final, vitória por 63 x 62 sobre Cuba. O Brasil também havia conquistado a hegemonia entre clubes na América do Sul. Nas primeiras edições do Sul-Americano de Clubes, só 2 títulos, com o Flamengo em 1953 e o Corinthians em 1964. A partir de 1968, o país imendou 11 títulos consecutivos. O Sirio foi campeão em 68, o Corinthians em 69, o Sirio foi Tri-campeão 1970-71-72, Franca foi Tri-campeã 1974-75-76, o Sirio Bi-campeão 1978-79 e Franca foi Campeão em 1980. Apesar da hegemonia na América do Sul, os resultados internacionais despencaram. Nas Olimpíadas de 1972, o time treinado por Pedroca, técnico do Clube dos Bagres, de Franca, ficou com um 7º lugar, muito longe das posições obtidas com Kanela. O time tinha Hélio Rubens, Edvar Simões, Mosquito, Menon, Adílson, Dodi, Marquinhos e Ubiratan. Venceu Japão, Egito e Espanha, depois perdeu para os EUA (54 x 61), conseguiu uma expressiva vitória por 83 x 82 sobre a Tchecoslováquia, mas aí perdeu em sequência para Austrália (69 x 75), Cuba (63 x 64) e Porto Rico (83 x 87). Uma campanha bem fraca.

Daí para frente o técnico da seleção foi Édson Bispo, que havia ganho o Ouro no Pan de 71. No Mundial de 74, em Porto Rico, o Brasil acabou em 6º lugar. O time, jogando com a formação titularHélio Rubens, Carioquinha, Adílson, Ubiratan e Marquinhos Abdalla, perdeu para União Soviética (60 x 79), Iugoslávia (60 x 84), Estados Unidos (83 x 103), Espanha (91 x 93) e Cuba (80 x 85). Em 1976 foi disputado pela primeira vez o Torneio Pré-Olímpico, seletivo para os Jogos daquele ano. A base do time eram os jogadores de Franca: Hélio Rubens, Fausto, Gilson e Robertão. O time titular de Édson Bispo jogava com: Hélio Rubens, Carioquinha, Fausto Giannechini, Ubiratan e Marquinhos Abdalla. No banco, estavam Gilson Trindade, Robertão e Marcel. A equipe venceu Israel, Islândia, Tchecoslováquia e Finlândia, perdeu para a Iugoslávia (80 x 88) e viu suas chances de ir ao Mundial ruírem com a derrota para o México (79 x 85). Na sequência, ainda perdeu para a Holanda (90 x 95). Acabou em 4º lugar, num torneio no qual só três se classificavam para a Olimpíada.

A carreira dos principais nomes da Seleção Brasileira na década de 1970:

Hélio Rubens: 1960-81 Franca (SP)

Marquinhos Abdalla: 1967-71 Fluminense, 1971-73 Sirio (SP), 1973 Pepperdine University (EUA), 1974-75 Sirio (SP), 1975-76 Pepperdine University (EUA), 1976-78 Emerson Genova (Itália), 1979-80 Sirio (SP), 1980-81 Virtus Bologna (Itália), 1981-83 Sirio (SP), 1983-84 Corinthians, 1984 Flamengo, 1985 Bradesco (RJ) e 1986-89 Sirio (SP)

Milton Setrini, "Carioquinha": 1969-78 Palmeiras (SP), 1979 Flamengo, 1980-81 Tênis Clube São José (SP), 1982-83 Sirio (SP), 1984-85 Flamengo, 1985-86 Minas Tênis Clube (MG), 1987-88 Nosso Clube/Limeira (SP), 1988-89 Pinheiros (SP) e 1990-91 Flamengo

Adílson Nascimento: 1969-72 Corinthians, 1973-74 Vila Nova (GO), 1974-78 Franca (SP), 1979-81 Jóquei Clube (GO), 1982-84 Corinthians, 1984-85 Barreirense (Portugal), 1986 Imortal de Albufeira (Portugal), 1986-87 Tênis Clube de Campinas (SP), 1988-90 Rio Claro (SP) e 1991 Pinheiros (SP)

Sérgio Macarrão: 1959-66 Botafogo, 1966-68 Vasco, 1969-70 São Caetano (SP), 1971-74 Fluminense, 1975-77 Flamengo, 1978-80 Club Municipal (RJ) e 1981 Mackenzie (SP)

Estourou uma grande crise no basquete brasileiro, com acusações de parte a parte, especialmente entre Rio de Janeiro (sede da CBB) e São Paulo (núcleo das principais equipes do país), buscando identificar os responsáveis pelo momento ruim da Seleção. Ao mesmo tempo, iniciava-se uma era em que os jogadores brasileiros começavam a se aventurar pelo mundo. Depois de Ubiratan Maciel ter jogado na Liga Italiana, foi a vez de Marquinhos Abdalla passar por aquela que era a maior liga de basquete da Europa nos anos 70 e 80. Marquinhos foi 3º lugar da 2ª divisão da Itália com o Emerson Color Genova na temporada 1976/77, depois voltou à Itália na temporada 1980-81 para defender o Sinudyne/Bologna, então Bi-campeão Italiano em 78/79 e 79/80, e foi vice-campeão italiano da temporada 80/81. Eles abriram as portas para o trio Oscar, Marcel e Israel, que disputaram várias temporadas na Liga Italiana nos Anos 1980.

Na Seleção, após Édson Bispo ser treinador, o comando da Seleção foi posto nas mãos de Ary Vidal, técnico ligado ao basquete do Rio de Janeiro e sem resultados expressivos a nível nacional como treinador de Botafogo e Vasco. Ary Vidal foi Campeão Sul-Americano em 1977 e conseguiu colocar a Seleção Brasileira de novo no pódio no Mundial de 78, obtendo um terceiro lugar e com destaque para uma excepcional vitória por 92 x 90 sobre os EUA. Acabou perdendo para Iugoslávia (97 x 81) e União Soviética (94 x 85). O 3º lugar foi conquistado sobre a Itália com uma cesta de Marcel do meio da quadra no estourar do cronômetro.

Os 12 convocados por Ary Vidal em 1978 foram: Marquinhos Abdalla (Emerson Gênova - Itália), Ubiratan Maciel (Palmeiras), Carioquinha (Palmeiras), Oscar Schmidt (Palmeiras), Hélio Rubens (Franca), Gilson Trindade (Franca), Adilson Nascimento (Franca), Fausto Giannechini (Franca), Robertão (Franca), Marcel Souza (Sirio), Marcelo Vido (Sirio) e Eduardo Agra (Sirio). O Brasil venceu a China (154 x 97), a Itália (88 x 84), Porto Rico (100 x 88), Canadá (69 x 62), Austrália (108 x 78), Filipinas (119 x 72) e Estados Unidos (92 x 90). Perdeu para a União Soviética (85 x 94) e a Iugoslávia (87 x 91). Na disputa do Bronze, venceu a Itália (86 x 85). A pontuação dos jogadores brasileiros na competição foi a seguinte: Carioquinha (124 pts), Marcel (183), Oscar Schmidt (194), Gilson Trindade (101) e Marquinhos Abdalla (157). Hélio Rubens (44), Fausto Giannechini (67), Robertão (31), Ubiratan (47), Adílson (25), Marcelo Vido (4) e Eduardo Agra (11).

Ary Vidal deixou a Seleção e os resultados voltaram a piorar. Nas Olimpíadas de 80, com Cláudio Mortari como treinador, o Brasil ficou em quinto lugar. No Mundial de 82, treinado por Edvar Simões, o Brasil não passou de um oitavo lugar. Com Renato Brito Cunha como treinador nos Jogos Olímpicos de 84 a posição caiu ainda mais: nono lugar. Foi Ary Vidal voltar e o resultado melhorou. Com ele o Brasil foi quarto lugar no Mundial de 86, Medalha de Ouro nos Jogos Pan-Americanos de 1987, com a fantástica vitória por 120 x 115 sobre os Estados Unidos em Indianápolis, e quinto lugar nas Olimpíadas de 88. Para embalar o bom momento do basquete brasileiro, em 1979 o Sirio sagrou-se Campeão Mundial de Clubes. O torneio era disputado desde 1966, ano em que jogando em Madrid, o Corinthians perdeu a final para o Varese, da Itália. Nas edições seguintes o Akron Goodyear, dos EUA, foi Tri-campeão 1967-68-69. O Varese voltou a ser campeão em 1970; em 71, 72 e 73 o torneio não foi realizado, e em 74 o Varese voltou a ser o campeão, desta vez vencendo o Sirio em pleno Ginásio do Ibirapuera. Em 1975, o campeão foi a Universidade de Maryland (EUA), e no ano seguinte, mais um vice-campeonato brasileiro, com o Franca perdendo o título para o Cantu, da Itália. Na sequência, o Real Madrid, da Espanha, foi Tri-campeão 1976-77-78. Em 1979, o torneio voltou a ser jogado no Ginásio do Ibirapuera. O Sirio venceu o Quebrasillos, de Porto Rico, por 114 x 81; perdeu para o Mokan (EUA) por 91 x 98; venceu o Varese, da Itália, por 83 x 79, e o Bosnia Sarajevo, da Iugoslávia, onde jogava o cracaço Delibasic, por apertados 100 x 98. O time campeão jogava com Larry Dyal, Marcel Souza, Oscar Schmidt, Dodi e Marquinhos Abdalla. O técnico era Cláudio Mortari, e no banco ainda tinha Marcelo Vido, Saiani, Eduardo Agra e Michael Daugherty..

Na empolgação do título do Sirio, Cláudio Mortari foi escolhido para assumir o lugar de Ary Vidal na Seleção Brasileira. Em 1980, no Pré-Olímpico, em Porto Rico, o Brasil voltou a repetir o 4º lugar do Pré-Olímpico de 1976. Teria ficado fora das Olimpíadas, já que eram três os que se classificavam, se os EUA não tivessem boicotado as Olimpíadas de Moscou. Jogando com Carioquinha, Fausto Giannechini, Marcel, Oscar Schmidt e Marquinhos Abdalla, o Brasil venceu Uruguai, Cuba, México e Porto Rico, mas perdeu a semi-final para o Canadá (81 x 98). Para as Olimpíadas, o time titular passou a ser: Carioquinha, Marcel, Oscar Schmidt, Adilson e Marquinhos. O Brasil fez 72 x 70 na Tchecoslováquia, perdeu para a União Soviética por 88 x 101, venceu Cuba por 94 x 93, perdeu para a Espanha (91 x 110), venceu a Itália (90 x 77) e perdeu para o timaço da Iugoslávia (que acabou Medalha de Ouro) por 95 x 96. Terminou em 5º lugar, mas não fez uma campanha ruim.

1981 a 1990[editar | editar código-fonte]

O otimismo voltou a rondar o país e a crise no basquete passou. O sentimento em torno à situação do basquete brasileiro parecia já ser outro nos anos 80. Kanela, em entrevista à revista Placar (ed. 827, de 31/mar/86) dizia "nunca vi tanto craque". Alongava-se: "depois dos bicampeões apareceram alguns bons jogadores, mas nenhum da capacidade de Amaury, Wlamir, Ubiratan, Menon e Waldemar. Hoje em dia, porém, vejo que estão surgindo jogadores com potencial que me fazem lembrar aquele time. (...) Gérson e Pipoka são geniais (...) temos Marcel que é um gênio como foram Wlamir e Amaury, e Oscar, que aprendeu a encestar quando estava ainda na barriga da mãe (...) Maury, irmão do Marcel, é também um monstro".

Depois de ter conseguido voltar às Olimpíadas, em 1980, o ciclo seguinte no comando da Seleção Brasileira foi conduzido por uma comissão de treinadores, liderados por Edvar Simões e José Medalha, co-treinadores da Seleção. Mas no Mundial de 1982, na Colômbia, o resultado voltou a ficar muito aquém dos obtidos nos tempos áureos de Amaury e Wlamir, um 8º lugar. A seleção jogou com Nilo Guimarães, Marcel, Oscar, Adilson e Marquinhos como quinteto titular; Maury, Marcelo Vido, Carioquinha, Cadum, Gilson Trindade e Israel estavam no banco de reservas. Logo na estréia, derrota para a Austrália por 73 x 75. Depois o time perdeu para a União Soviética (92 x 99), venceu China, Uruguai e Tchecoslováquia, mas antes de voltar para casa ainda conseguiu a façanha de perder para o Panamá (85 x 86). Nos Jogos Pan-Americanos de 1983, em Caracas, na Venezuela, o time ficou a Medalha de Prata, tendo os EUA conquistado o Ouro.

Ao mesmo tempo vinha chegando uma geração que dava esperanças de um futuro melhor. Em 1983, o Brasil foi 3º lugar no Mundial Sub-19, ficando atrás somente de Estados Unidos e União Soviética, e tendo vencido a dona da casa, Espanha, na decisão de 3º lugar. O time brasileiro jogava com Chuí, Zanon, Paulinho Villas-Bôas, Joel Vicardi e Rolando Ferreira. O sexto jogador era Pipoka. O técnico deste time era Cláudio Mortari. Para as Olimpíadas de 1984, o treinador escolhido foi Renato Brito Cunha. O time brasileiro, jogando com Nilo Guimarães, Carioquinha, Oscar, Israel e Marquinhos foi Campeão do Pré-Olímpico, disputado em São Paulo. No banco, estavam Marcelo Vido, Cadum, Gérson Victalino e Adilson. O Brasil venceu por 93 a 76 ao Uruguai, por 95 a 92 ao Panamá, por 107 a 95 à Argentina, por 90 a 80 ao México, por 92 a 89 a Cuba, por 93 a 78 à República Dominicana, por 99 a 93 ao Canadá e por 109 a 107 a Porto Rico. Foi para as Olimpíadas de Los Angeles e voltou com um 9º lugar. Novamente perdeu a estréia para a Austrália (72 x 76), e depois perdeu para Itália (78 x 89), Iugoslávia (85 x 98) e Alemanha (75 x 78). Novamente o Brasil se deparava com uma enorme insatisfação com os resultados obtidos pela Seleção Brasileira. Era hora de nova mudança: Ary Vidal voltava ao comando do time para tentar reeditar o bom desempenho que a seleção teve sob seu comando em 1978. O time venceu o Sul-Americano de 85, na Colômbia, e foi para o Mundial de 1986, na Espanha, jogando com Maury, Marcel, Oscar, Gérson e Israel; Guerrinha, Nilo Guimarães, Paulinho Villas-Bôas, Pipoka e Rolando formavam a reserva. Na mão de Ary Vidal o Brasil voltou a jogar uma semi-final, tendo terminado o Mundial na 4ª colocação, o melhor desempenho desde a seleção que Ary Vidal levara ao 3º lugar no Mundial de 78. O time brasileiro venceu Coréia do Sul, Panamá, Grécia, Espanha, Cuba e Israel, sofreu derrotas para França (85 x 93) e União Soviética (101 x 110). Perdeu a semi-final para os EUA (80 x 96) e a decisão de 3º lugar para a Iugoslávia (91 x 117).

Carreira dos principais jogadores brasileiros da década de 1980:

Oscar Schimdt: 1974-79 Palmeiras, 1979-82 Sírio (SP), 1982-90 Juve Caserta (Itália), 1990-93 Pavia (Itália), 1993-95 Valladolid (Espanha), 1995-97 Corinthians, 1997-98 Bandeirantes Barueri (SP), 1998-99 Mackenzie (SP), 1999-2003 Flamengo Marcel Ponickwar de Souza: 1974 Sírio (SP), 1975-76 Bradley University (EUA), 1976-83 Sírio (SP), 1983-84 Juve Caserta (Itália), 1984-85 Monte Líbano (SP), 1986 Jundiaí (SP), 1986-89 Alno Fabriano (Itália), 1989-90 Monte Líbano (SP), 1990-92 Corinthians de Santa Cruz (RS), 1992-93 Sírio (SP) e 1993-94 Palmeiras (SP) Israel Andrade: 1978-80 Corinthians, 1980-82 Sporting Lisboa (Portugal), 1982-85 Monte Líbano (SP), 1985-86 Libertas Livorno (Itália), 1986-91 Fabriano (Itália), 1991-94 Rimini (Itália), 1994-95 Virtus Roma (Itália), 1996 Liga Angrense (RJ), 1997 Jacareí (SP), 1997-98 Bandeirantes Barueri (SP), 1998-99 Mackenzie (SP) e 2000-02 Hebraica (SP)

No ano seguinte, 1987, o Brasil obteve o resultado que mais marcou esta geração, foi Medalha de Ouro nos Jogos Pan-Americanos de Indianápolis, vencendo os Estados Unidos por 120 a 115 na final, aplicando a primeira derrota de um time norte-americano de basquetebol jogando em seu território. Os 12 jogadores escolhidos por Ary Vidal que conseguiram esta façanha foram: Oscar Schmidt (Caserta - Itália), Marcel de Souza (Fabriano - Itália), Israel Andrade (Fabriano - Itália), Maury de Souza (Monte Líbano - SP), Ricardo "Cadum" Guimarães (Monte Líbano - SP), Pipoka (Monte Líbano - SP), André Stoffel (Monte Líbano - SP), Guerrinha (Franca - SP), Paulinho Villas-Bôas (Sírio - SP), Gérson Victalino (Corinthians), Silvio Malvesi (Pirelli - SP) e Rolando Ferreira (Universidade de Houston - EUA). A campanha brasileira: 110 x 79 no Uruguai, 100 x 99 em Porto Rico, 103 x 98 nas Ilhas Virgens, 88 x 91 para o Canadá, 131 x 84 na Venezuela, 137 x 116 no México, e 120 x 115 nos Estados Unidos. A pontuação dos jogadores brasileiros na competição: Guerrinha (55 pts), Marcel (187), Oscar Schmidt (249), Israel (78) e Gérson Victalino (62). Maury (12), Cadum (47), Paulinho Villas-Boas (47), Pipoka (23) e Rolando (12). Suplentes: Silvio (6) e André Stoffel (11).

A carreira dos nomes que fizeram história em Indianápolis em 1987: Maury Ponikwar de Souza: 1981-84 Sirio (SP), 1984-88 Monte Líbano (SP), 1988-89 Flamengo, 1989-90 Varese (Itália), 1990-92 Clube Ipê, de Jales (SP), 1992-94 Franca (SP), 1994-99 Guaru (SP), 1999-00 Bauru (SP) e 2000-02 Universo Ajax (GO) Jorge Guerra, "Guerrinha": 1978-87 Franca (SP), 1988 Monte Líbano (SP), 1989-96 Franca (SP) e 1997 COC/Ribeirão Preto Ricardo Guimarães, "Cadum": 1978-87 Monte Líbano (SP), 1987-88 Tênis Clube de Campinas (SP), 1988-89 Flamengo, 1989-93 Sírio, 1993-96 Dharma Yara, de Franca, 1996-97 Pinheiros, 1997-98 Palmeiras, 1998-99 Uberlândia (MG) e 2000 Hebraica (SP) Paulinho Villas-Bôas: 1981-87 Sírio (SP), 1987-88 Monte Líbano (SP), 1988-89 Flamengo, 1989-95 Rio Claro (SP), 1995-96 Mogi (SP), 1996-97 Corinthians, 1997-98 Bandeirantes Barueri (SP), 1998-99 Mackenzie (SP), 1999-00 Flamengo, 2001 Unisanta (SP) Gérson Victalino: 1980-85 Monte Líbano (SP), 1985-87 Corinthians, 1987-88 Monte Líbano (SP), 1988-89 TDK Manresa (Espanha), 1989-90 Lwart Lwarcel (SP), 1990-96 Clube Ipê, de Jales, 1996-97 Corinthians e 1998 Sport Recife (PE) João Viana, "Pipoka": 1985-87 Monte Líbano (SP),  1987-89 Tênis Clube de Campinas (SP), 1989-91 Maratonistas de Coamo (Porto Rico), 1991 Dallas Mavericks (NBA), 1992-93 Maratonistas de Coamo (Porto Rico), 1993-95 Palmeiras, 1995-96 Corinthians, 1996-98 Mogi (SP), 1998-01 Flamengo, 2001-04 Araraquara (SP) e 2004-07 Universo/Brasília (DF)  Rolando Ferreira: 1983 Sirio (SP), 1984-88 University of Houston (EUA), 1988-89 Portland Trail Blazers (NBA), 1990-91 Monte Líbano (SP), 1992-93 Corinthians de Santa Cruz (RS), 1993-95 Guaru (SP), 1995-97 Corinthians de Santa Cruz (RS), 1997-98 Bandeirantes Barueri (SP), 1998-99 Pinheiros (SP) e 2000 Unisanta (SP)

O Brasil seguiu o embalo de bons resultados em 1988. Foi campeão do Pré-Olímpico, jogado em Montevidéu, e nos Jogos Olímpicos de Seul, na Coréia do Sul, ficou com um 5º lugar. O quinteto titular de Ary Vidal jogou com Maury, Marcel, Oscar, Gérson e Israel. Venceu Canadá (125 x 109), China (130 x 108), Egito (138 x 85), perdeu para EUA (87 x 102), Espanha (110 x 118) e União Soviética (105 x 110), venceu Porto Rico (104 x 86) e Canadá (106 x 90).

A quinta colocação em Seul derrubou Ary Vidal. O treinador escolhido para o seu lugar foi o técnico de Franca, Hélio Rubens. Com ele, o time brasileiro, em 1990, foi 3º lugar no Pré-Mundial, no México, e 5º lugar no Mundial de 1990, na Argentina. O time titular era o mesmo da Olimpíada de 88: Maury, Marcel, Oscar, Gérson e Israel. No banco, alguma renovação, com a presença, além de Guerrinha, Cadum, Pipoka e Rolando, de Fernando Minucci, Luiz Felipe e Josuel. A campanha no Mundial teve vitórias sobre Itália (125 x 109), China (138 x 95), Austrália (100 x 93) e Grécia (97 x 94), e derrotas para Austrália (68 x 69), Iugoslávia (86 x 105), Grécia (88 x 103) e União Soviética (100 x 110).

1991 a 1999[editar | editar código-fonte]

Depois do 5º lugar no Mundial de 1990, em Buenos Aires, a Seleção Brasileira mudou de mão mais uma vez, saiu Hélio Rubens e entrou José Medalha. O trabalho começou com resultados preocupantes, depois de ser vice-campeão sul-americano, ficou com o 5º lugar nos Jogos Pan-Americanos de 1991, em Havana, Cuba. O time sentiu a ausência de seu principal jogador, pois Oscar não pode disputar os torneios por conta de uma lesão. O time de Medalha jogou com Maury, Marcel, Paulinho Villas-Bôas, Pipoka e Josuel como titulares, Guerrinha, Fernando Minucci, Gérson Victalino e Rolando Ferreira estavam na reserva. O Brasil venceu Uruguai, Canadá, México, Porto Rico, Argentina e Venezuela, mas acabou eliminado nas Quartas de Final do Pan 91 para Cuba (92 x 96).

Em 1992, o Brasil ficou em 3º lugar no Pré-Olímpico, disputado em Portland, nos EUA, classificando-se para os Jogos de Barcelona. Venceu Porto Rico (95 x 72), Venezuela (128 x 81), México (90 x 87), Uruguai (139 x 93). Perdeu as semi-finais para a Venezuela, do jogador da NBA Carl Herrera, por 91 x 100, e na decisão de 3º lugar, que definia a vaga, venceu novamente Porto Rico (apertadíssimos 93 x 91).

Os comandados de José Medalha nos Jogos Olímpicos de Barcelona eram Maury, Marcel, Oscar, Gérson e Pipoka como titulares, com Guerrinha, Cadum, Fernando Minucci, Paulinho Villas-Bôas, Israel, Josuel e Rolando no banco. A campanha brasileira nas Olimpíadas de 1992 começou com derrotas por 76 x 93 para a Croácia e por 100 x 101 para a Espanha, depois vitória por 76 x 66 em Angola, e mais duas derrotas: 83 x 127 para os EUA (o Dream Team de Michael Jordan, Magic Johnson e cia.) e por 96 x 114 para a Lituânia. Para fechar, vitórias por 86 x 84 em Porto Rico e por 90 x 80 sobre a Austrália para garantir mais um 5º lugar para a Seleção Brasileira.

Depois de três competições seguidas sem conseguir estar presente entre os 4 primeiros colocados (Olimpíadas 88, Mundial 90 e Olimpíadas 92), a Confederação Brasileira decidiu mexer novamente no comando, tendo trocado José Medalha por Ênio Vecchi. A missão agora era fazer a transição da geração de Oscar, Marcel e Israel para uma nova safra. Ênio Vecchi chegava com o respaldo de seu trabalho nas divisões de base da Seleção. Mas a nova geração era essencialmente de Franca: Chuí (Marco Aurélio Pegolo), Demétrius Ferracciú, Fernando Minucci, Rogério Klafke e Janjão (Joélcio Joerke) foram as apostas de renovação


Em 1993, no Pré-Mundial, o time jogou com Maury, Chuí, Fernando Minucci, Pipoka e Josuelcomo quinteto titular; Ratto (André Luís Fonseca), Demétrius, Rogério, Rolando e Janjão eram os reservas, Luís Fernando e Carlos Henrique Nascimento (Olívia) também faziam parte do grupo. O Brasil se classificou, mas com um resultado nada bom: 4º lugar. O time venceu República Dominicana, Panamá e Cuba, mas perdeu para Venezuela, Porto Rico e Argentina. Era o prenúncio do péssimo resultado que estava por vir.

No Mundial de 1994, em Toronto, no Canadá, o Brasil ficou em 11º lugar, com uma péssima campanha. Com Maury, Paulinho Villas-Bôas, Rogério Klafke, Pipoka e Josuel como titulares, e Ratto, Márcio Azevedo, Fernando Minucci, Rolando Ferreira, Janjão e Olívia. Nos 7 primeiros jogos do Mundial, o Brasil conseguiu 6 derrotas, tendo perdido até para Angola. Perdeu por 93 x 97 para a China, por 67 x 73 para a Espanha, por 68 x 111 para os EUA, venceu por 82 x 76 a Cuba, e perdeu por 76 x 96 para a Alemanha, por 78 x 79 para Angola e por 85 x 90 para a Espanha. Na decisão de 11º lugar, venceu a Alemanha por 93 x 71. Um péssimo resultado, catastrófico! Falha total na condução da renovação do time.

Para apagar o incêndio, Ary Vidal foi novamente convocado para comandar a Seleção. E com ele o Brasil conseguiu classificar-se para as Olimpíadas de Atlanta, em 1996. Aquela seria a última participação olímpica do Brasil no basquete masculino nos 16 anos seguintes.


O trabalho dele começou em 1995 no Pan-Americano de Mar del Plata (Medalha de Bronze) e no Pré-Olímpico de Neuquén, também na Argentina (3º lugar). Ary Vidal trouxe Oscar Schmidt de volta à Seleção, e fez poucos ajustes nas peças de renovação que vinham sendo utilizadas, convocou o armador Alberto e o pivô Gema (ambos do Flamengo), e João Batista (ex-Flamengo, que estava no Corinthians de Santa Cruz, do Rio Grande do Sul). O time no Pan jogou com Chuí, Fernando Minucci, Rogério Klafke, Luís Felipe e Josuel. O time venceu Porto Rico (102 x 88), EUA (101 x 98), Uruguai (107 x 83) e México (125 x 75). Depois perdeu para Argentina (75 x 95) e EUA (85 x 89). No Pré-Olímpico, o time foi Maury, Fernando Minucci, Oscar Schimdt, Israel e Josuel. Ratto, Caio Cazziolato, Márcio Azevedo, Rogério Klafke e Pipoka estavam no banco. Apesar da derrota na estréia para o Uruguai (81 x 84), o time venceu Bahamas, Venezuela e conseguiu a vitória por 83 x 78 sobre a Argentina. Venceu Canadá e Cuba, mas ainda perdeu para República Dominicana (98 x 100), Canadá (99 x 104), Porto Rico (83 x 89) e Argentina (82 x 87). Na última partida, uma vitória por 97 x 79 sobre o Canadá garantiu a classificação para os Jogos de Atlanta.

Em 1996, nas Olimpíadas, o Brasil, com Ratto, Fernando Minucci, Rogério Klafke, Oscar Schmidt e Josuel como titulares, fez a seguinte campanha: vitória por 101 x 98 sobre Porto Rico, derrotas por 87 x 89 para a Grécia, por 101 x 109 para a Austrália e por 82 x 101 para a Iugoslávia, vitória fácil por 127 x 97 na Coréia do Sul, uma grande vitória por 80 x 74 sobre a Croácia, uma derrota esperada por 75 x 98 para os EUA (time que era chamado de Dream Team 3), e nova derrota para a Grécia (72 x 91). O Brasil terminou num honroso 6º lugar. Eis a pontuação do time brasileiro nas Olimpíadas 96: Ratto (43 pts), Fernando Minucci (73), Rogério Klafke (83), Oscar Schimdt (219) e Josuel (83). Demétrius (24), Caio Cazziolato (41), Olívia (31), Pipoka (51) e Janjão (50). Suplentes: Caio Silveira (4) e Tonico (23).

O Brasil definitivamente estava em outro patamar no basquete mundial, abaixo do que havia estado no passado. A conjuntura era mais difícil, é verdade, pois a política havia dividido a Iugoslávia em duas equipes fortes (Sérvia e Croácia), e a União Soviética em outras duas (Rússia e Lituânia). Ademais, países como Grécia e Argentina haviam fortalecido muito seus basquetes. Se antes fazia parte do quarteto de ponta a nível mundial (junto, mas ligeiramente atrás, de EUA, URSS e Iugoslávia), agora a briga era entre a 5ª e a 8ª posição. Sem conseguir evoluir taticamente seu jogo, aposição do Brasil estava prestes a ficar ainda pior. Ary Vidal voltava a se despedir da Seleção, e como em todas suas outras passagens, o resultado piorou depois de sua saída. A partir de 1997 o novo treinador do basquete masculino brasileiro seria o técnico de Franca, Hélio Rubens.

A carreira dos principais nomes que emergiram durante os Anos 1990: Rogério Klafke: 1993-98: Franca (SP), 1998-02 Vasco da Gama, 2002-03 Universo Ajax (GO), 2004-05 Uberlândia (MG), 2005-12 Franca (SP) e 2012-13 Basquete Cearense (CE) Josuel: 1990-91 Pirelli (SP), 1992-93 Franca (SP), 1993-95 Rio Claro (SP), 1995 Corinthians de Santa Cruz (RS), 1996 Dharma Yara, de Franca (SP), 1997 COC/Ribeirão Preto (SP), 1998 Mackenzie (SP), 1999-02 Flamengo (RJ), 2002 Bauru (SP), 2003 Vasco da Gama (RJ), 2003-04 Corinthians/Mogi (SP), 2004-07 Telemar (RJ) e 2008-11 Pinheiros (SP)

Em 1997, o trabalho de Hélio Rubens começou com um modestíssimo 4º lugar no Sul-Americano, com uma "Seleção B", que tinha Ratto, Demétrius, Caio Cazziolato, Rogério Klafke, Alexey, Vanderlei Mazzuchini, Olívia, Gema e Brasília. A seguir no Pré-Mundial, conseguiu um 3º lugar após vencer México, Uruguai, Cuba, Venezuela e Canadá, e perder para EUA e Porto Rico, contra a Argentina, uma vitória e uma derrota. O time titular do Brasil tinha: Demétrius, Caio Cazziolato, Rogério Klafke, Alexey e Josuel. No banco: Ratto, Vanderlei Mazzuchini, Olívia, Sandro Varejão e Janjão.

Já no Mundial de 98, na Grécia, o time titular de Hélio Rubens jogava com Demétrius Ferracciú, Chuí, Rogério Klafke, Pipoka e Josuel. No banco estavam Ratto, Helinho (filho de Hélio Rubens), Caio Cazziolato, Sandro Varejão e Janjão, além do jovem Marcelinho Machado, debutando na Seleção. A base do time era, em essência, um time dos jogadores de Franca, juntando diferentes gerações que jogaram entre 90 e 98 por lá, seis jogadores dos doze escolhidos por Hélio Rubens: Chuí, Helinho, Demétrius, Rogério, Sandro Varejão e Janjão. O time brasileiro perdeu por 59 x 83 para os EUA, venceu por 76 x 73 à Coréia do Sul, perdeu por 62 x 66 para a Lituânia, por 63 x 73 para a Espanha e por 63 x 75 para a Austrália, venceu por 76 x 64 a Porto Rico, e perdeu por 75 x 79 para a Austrália. Terminou em 10º lugar, repetindo a pavorosa campanha do Mundial de 94.

O discurso de Hélio Rubens e da CBB era de paciência, que a renovação precisava de tempo para mostrar seus frutos. E em 1999, os resultados iniciais deram a impressão de que poderia ser assim, o jovem time comandado por Hélio Rubens foi Campeão Sul-Americano (em cima da "Argentina B") e faturou a Medalha de Ouro nos Jogos Pan-Americanos de Winnipeg, no Canadá. Os 11 convocados por Hélio Rubens que conquistaram este Ouro eram: Helinho (Vasco da Gama), Demétrius Ferracciú (Vasco da Gama), Rogério Klafke (Vasco da Gama), Sandro Varejão (Vasco da Gama), Aylton Tesch (Vasco da Gama), Ratto (Flamengo), Caio Cazziolato (Flamengo), Josuel (Flamengo), Marcelinho Machado (Botafogo), Vanderlei Mazzuchini (Bauru - SP), Michel Nascimento (Bauru - SP) e Luiz Fernando de Souza (Minas Tênis Clube). A campanha brasileira teve 102 x 72 na República Dominicana, 71 x 73 para os Estados Unidos, 86 x 72 em Cuba, 95 x 85 em Porto Rico, e 95 x 78 sobre os Estados Unidos na final. Eis a pontuação do time brasileiro: Helinho (43 pts), Caio Cazziolato (56), Vanderlei Mazzuchini (60), Rogério Klafke (68) e Josuel (56). Ratto (17), Demétrius (35), Marcelinho Machado (34), Sandro Varejão (38), Aylton (34) e Michel (4).

Mas o ano de 1999 não teria salvação com a eliminação no Pré-Olímpico, em San Juan, Porto Rico. O time brasileiro, comandado por Hélio Rubens, jogou com Demétrius, Vanderlei Mazzuchini, Rogério Klafke, Sandro Varejão e Josuel como titulares; Ratto, Helinho, Caio Cazziolato, Marcelinho Machado, Luiz Fernando, Michel e Aylton formavam o banco. A campanha do Brasil teve vitórias sobre a República Dominicana e o Uruguai, de resto, só derrotas, por 68 x 91 para a Venezuela, por 88 x 96 para o Panamá, por 75 x 95 para o Canadá, por 73 x 90 para os EUA e por 77 x 79 para a Argentina. O Brasil terminou em 6º lugar e ficou fora dos Jogos Olímpicos de Sidney, em 2000.

2000 a 2009[editar | editar código-fonte]

Com o basquete masculino fora dos Jogos Olímpicos de 2000, repetiu-se o mesmo clima de acusações e identificação de culpados que ocorrera em 1976, quando o Brasil passou pela mesma situação. O basquete brasileiro havia namorado com a crise depois dos péssimos desempenhos nos Mundiais de 94 e 98, mas a crise estourou mesmo, para valer, após a não classificação para as Olimpíadas. Apesar de todas as turbulências, Hélio Rubens foi mantido no cargo para o ciclo de preparação para o Mundial 2002.

Em 2001, os garotos Anderson Varejão, Nenê Hilário, Alex Garcia e Guilherme Giovannoni fizeram suas estréias pela Seleção. O time brasileiro foi vice-campeão do Sul-Americano, em Valdivia, no Chile, perdendo a final para a Argentina. A seguir disputou o Pré-Mundial em Neuquén, na Argentina, tendo ficado com o vice-campeonato, e classificando-se para o Mundial 2002. O time titular de Hélio Rubens era Demétrius Ferracciú, Marcelinho Machado, Guilherme Giovannoni, Sandro Varejão e Nenê Hilário. No banco, estavam Helinho, Alex Garcia, Vanderlei Mazzuchini, Márcio Dornelles, Anderson Varejão, Tiagão e Estevam. A seleção não superou a Argentina, para quem perdeu duas vezes (98 x 108 na 1ª fase e 59 x 78 na final). Sofreu uma derrota para o Panamá também no último jogo da 1ª fase, que praticamente não valia nada. Fora isso, só vitórias: 116 x 78 nos EUA, 92 x 89 na Venezuela, 90 x 67 no Uruguai, 93 x 69 nas Ilhas Virgens, 89 x 83 em Porto Rico, 78 x 69 no Canadá e 98 x 94 em Porto Rico.

Havia um certo otimismo para a campanha no Mundial de Indianápolis. Dando continuidade à renovação da equipe, 2002 foi o ano das estréias de Leandro Barbosa e Tiago Splitter com a camisa da Seleção Brasileira. O time titular de Hélio Rubens no Mundial jogou com Demétrius, Marcelinho Machado, Rogério Klafke, Guilherme Giovannoni e Anderson Varejão. No banco estavam Helinho, Leandrinho, Alex Garcia, Vanderlei Mazzuchini, Sandro Varejão, Rafael "Baby" Araújo e Tiago Splitter. A ausência foi Nenê Hilário, que ficou fora (a primeira de uma longa sequência de ausências) devido a problemas burocráticos entre a NBA e a CBB, referentes ao pagamento de seguro pela participação do pivô no Mundial. A campanha brasileira na 1ª fase teve vitórias por 102 x 73 no Líbano, 88 x 86 na Turquia, 90 x 86 em Porto Rico, 86 x 83 em Angola, 90 x 69 na Iugoslávia, e uma derrota: 67 x 84 para a Espanha. Nas quartas de final, o Brasil perdeu por 67 x 78 para a Argentina. Na definição da posição, mais duas derrotas: 89 x 105 para a Espanha e 84 x 91 para Porto Rico. A pontuação do time brasileiro no Mundial 2002 foi: Demétrius (57 pts), Marcelinho Machado (146), Rogério Klafke (113), Guilherme Giovannoni (86) e Anderson Varejão (83). Helinho (18), Alex Garcia (44), Vanderlei Mazzuchini (72), Sandro Varejão (66) e Tiago Splitter (31).

O Brasil terminou o Mundial de 2002 em 8º lugar, após um 11º lugar no Mundial de 94 e um 10º no Mundial de 98. Bom, ainda não estava. A CBB decidiu então mudar o comando técnico da seleção, saiu o treinador de Franca, Hélio Rubens, e entrou o do COC/Ribeirão Preto, Lula Ferreira.

A carreira dos principais nomes desta geração no basquete brasileiro:

Alex Garcia: 1999-2003 COC/Ribeirão Preto (SP), 2003 San Antonio Spurs (NBA), 2004 New Orleans Hornets (NBA), 2005-06 COC/Ribeirão Preto (SP), 2006-07 Universo Brasília (DF), 2007-08 Maccabi Tel Aviv (Israel), 2008-14 Universo-UniCeub Brasília (DF), 2014-15 Bauru (SP)

Guilherme Giovannoni: 1997-2000 Pinheiros (SP), 2000-01 Fuenlabrada (Espanha), 2001 Gijón (Espanha), 2002 COC/Riberirão Preto (SP), 2002-03 Rimini (Itália), 2003-04 Benetton Treviso (Itália), 2004-05 Biella (Itália), 2005-06 Kiev (Ucrânia), 2006-09 Virtus Bologna (Itália), 2009-15 Universo-UniCeub Brasília (DF)

Marcelinho Machado: 1996-1997 Fluminense, 1997 Ginástico (MG), 1998 Tijuca Tênis Clube, 1998-2001 Botafogo, 2001 Fluminense, 2002 Corínthians (RS), 2002-03 Rimini (Itália), 2003-04 Lobos Cantabria (Espanha), 2004-05 Telemar (RJ), 2005-06 Uberlândia (MG), 2006-07 Zalgiris Kaunas (Lituânia), e 2007-15 Flamengo

Válter Apolinário, "Valtinho": 1996-97 Rio Claro (SP), 1998 COC/Ribeirão Preto (SP), 1999-2001 Franca (SP), 2002-07 Uberlândia (MG), 2008 Vasco da Gama, 2008-09 Universo Brasília (DF), 2010-14 Uberlândia (MG) e 2014-15 São José (SP)

Welington Reginaldo dos Santos, "Nezinho": 2000-06 COC/Ribeirão Preto (SP), 2006-07 Universo Brasília (DF), 2008-09 Winner Limeira (SP), 2010-14 Universo-UniCeub Brasília (SP), 2014-15 Winner Limeira (SP)

Marcus Vinícius de Souza, "Marquinhos": 2002 Bauru (SP), 2003 Vasco da Gama, 2004 Corinthians/Mogi (SP), 2005 Pesaro (Itália), 2006 São Carlos (SP), 2006-07 New Orleans Hornets (NBA), 2008 Tulsa 66ers (D-League, EUA), 2008 Memphis Grizzles (NBA), 2009 Pinheiros (SP), 2009-10 Montegranaro (Itália), 2010-12 Pinheiros (SP), 2012-15 Flamengo.

Murilo Becker: 2001-02 Bauru (SP), 2003-04 Corinthians/Mogi (SP), 2004-05 COC/Ribeirão Preto (SP), 2005-07 Franca (SP), 2007 Academic Sofia (Bulgária), 2008 Maccabi Tel Aviv (Israel), 2008-10 Minas Tênis Clube (MG), 2010-13 São José (SP), 2013-15 Bauru (SP)

O ciclo de Lula Ferreira a frente da Seleção Brasileira se iniciou com o título de Campeão Sul-Americano de 2003. A base era a mesma que vinha trabalhando com Hélio Rubens. O time titular de Lula em 2003 tinha Valtinho, Alex Garcia, Marcelinho Machado, Guilherme Giovannoni e Tiago Splitter. Demétrius, Renato Lamas, os irmãos Sandro Varejão e Anderson Varejão, e Murilo Becker eram o banco. Depois do Sul-Americano, o time foi novamente Medalha de Ouro nos Jogos Pan-Americanos, em Santo Domingo, na República Dominicana, conquistado o Bi-campeonato Pan-Americano. O time venceu Canadá (92 x 78), México (87 x 72), República Dominicana (92 x 77), Estados Unidos (92 x 80), e, na final, novamente a República Dominicana (89 x 62).

Faltava o desafio principal, o Pré-Olímpico, jogado em San Juan, Porto Rico. O time recebeu os reforços de Leandro Barbosa e Nenê, os dois primeiros nomes brasileiros a conseguir se destacar na NBA. O time titular de Lula tinha Leandrinho, Alex, Marcelinho Machado, Anderson Varejão e Nenê. No banco, estavam Valtinho, Renato, Giovannoni e Tiago Splitter. Na estréia, derrota dentro das expectativas para os EUA (76 x 110). Depois vitórias por 100 x 41 nas Ilhas Virgens, 96 x 89 na Venezuela, 104 x 72 na República Dominicana. Daí para frente uma sequência de derrotas que deixaram o Brasil mais uma vez fora das Olimpíadas no basquete masculino: 74 x 76 para Argentina, 97 x 101 para o Canadá, 70 x 72 para Porto Rico, 92 x 102 para o México. O Brasil ficou num péssimo 7º lugar, e viu EUA, Argentina e Porto Rico classificarem-se para os Jogos de Atenas 2004.

Fora das Olimpíadas de 2004 (segunda ausência seguida do Brasil), a seleção principal só voltou a se reunir em 2005, para o Pré-Mundial, jogado em Santo Domingo, na República Dominicana. O time era o mesmo. Os titulares foram Leandrinho, Alex, Marcelinho Machado, Guilherme Giovannoni e Tiago Splitter, com Nezinho, Murilo Becker e Anderson Varejão no banco. Nenê, mais uma vez por problemas burocráticos entre CBB e NBA, não se apresentou para jogar. Aquela seleção teve ainda a estréia de dois jovens promissores: Marcelinho Huertas e Rafael Hettsheimeir. O Brasil venceu Venezuela (111 x 88), Panamá (83 x 77), Canadá (105 x 81), Uruguai (89 x 69) e República Dominicana (80 x 72). Perdeu para EUA (94 x 96), Porto Rico (101 x 107) e Argentina (60 x 71). Mas na semi-final venceu os EUA (93 x 75) e na final a Argentina (100 x 88), sagrando-se Campeão da Copa América.

No Mundial de 2006, no Japão, Nenê mais uma vez não jogou (sua terceira ausência, pois não esteve no Mundial 2002, no Pré-Olímpico 2005 e agora no Mundial 2006). O time do Brasil no Mundial era Leandrinho, Marcelinho Machado, Guilherme Giovannoni, Anderson Varejão e Tiago Splitter, com Alex Garcia como sexto-jogador. A campanha foi horrenda! O Brasil só venceu o Qatar. Perdeu para Austrália (77 x 83), Turquia (71 x 73), Grécia (80 x 91) e Lituânia (74 x 79). Terminou na 17ª colocação.

Carreira dos brasileiros que se destacaram na Liga Profissional dos EUA (NBA) nesta década:

Nenê Hilário: 2000-01 Vasco da Gama (RJ), 2002-12 Denver Nuggets (NBA), 2012-15 Washington Wizards (NBA)

Anderson Varejão: 1999-2002 Franca (SP), 2002-04 Barcelona (Espanha), 2004-15 Cleveland Cavaliers (NBA)

Leandrinho Barbosa: 2000 Palmeiras (SP), 2001-03 Bauru (SP), 2003-10 Pheonix Suns (NBA), 2010-11 Toronto Raptors (NBA), 2011 Flamengo, 2012 Indiana Pacers (NBA), 2012-13 Boston Celtics (NBA), 2013 Pinheiros (SP), 2014 Pheonix Suns (NBA), 2014-15 Golden State Warriors (NBA)

Tiago Splitter: 2000-01 Joinville (SC), 2001-03 Bilbao (Espanha), 2003-10 Tau Ceramica-Caja Laboral Saski Baskonia (Espanha), 2010-15 San Antonio Spurs (NBA)

Apesar da pior colocação do Brasil em Campeonato Mundial em sua história, Lula Ferreira continuou como técnico para, no ano seguinte, tentar levar o Brasil de volta à Olimpíada. A missão no Pré-Olímpico de 2007 seria extremamente árdua. Como o título do Mundial 2006 havia ficado com uma seleção da Europa e não das Américas, desta vez seriam só 2 vagas para as Olimpíadas de Beijing 2008. Estados Unidos e Argentina levavam seus principais jogadores e eram franco favoritos.

Sem muitas esperanças de curto prazo, restava sonhar com o médio a longo prazo. E uma nova geração promissora parecia estar surgindo. Em 2007, o Brasil foi 4º colocado no Mundial Sub-19, disputado na Sérvia. Fazia mais de 20 anos que o Brasil não conseguia ficar entre os semi-finalistas do torneio. O quinteto titular da Seleção jogava com Betinho, Cauê Verzola, Thomas Melazzo, Rafael Mineiro e Paulão Prestes, com José Alves Neto como técnico. Ao mesmo tempo, a "Seleção B" conquistou o Tri-campeonato Pan-Americano, nos Jogos de 2007 no Rio de Janeiro. O time titular desta conquista era Valtinho, Marcelinho Machado, Marquinhos, Murilo Becker e JP Batista, com Marcelinho Huertas como sexto jogador, e Lula Ferreira como técnico. Campeão invicto, o Brasil venceu por 86 x 81 às Ilhas Virgens, por 98 x 63 ao Canadá, por 97 x 94 a Porto Rico, por 85 x 73 ao Uruguai e, na final, por 86 x 65 a Porto Rico.

O objetivo principal do ano, no entanto, mais uma vez escapou. O Brasil ficou em 4º lugar no Pré-Olímpico, em Las Vegas, viu EUA e Argentina confirmarem seus favoritismos e ficarem com as duas vagas do continente nas Olimpíadas. Era o terceiro Pré-Olímpico consecutivo no qual o Brasil não conseguia a classificação no basquete masculino.

Desta vez Nenê jogou, mas os problemas burocráticos com a NBA impediram desta vez que Anderson Varejão estivesse presente. Esta que seria a geração marcada pelas ausências. O quinteto titular do Brasil de Lula Ferreira tinha: Valtinho, Leandrinho, Marcelinho Machado, Tiago Splitter e Nenê. No banco estavam Marcelinho Huertas, Nezinho, Alex Garcia, Marquinhos, Guilherme Giovannoni, Murilo Becker e JP Batista. O Brasil venceu Canadá (75 x 67), Venezuela (101 x 75), Ilhas Virgens (93 x 89), México (104 x 90) e Uruguai (96 x 62). Mas perdeu para EUA (76 x 113), Porto Rico (75 x 79) e Argentina (79 x 86). Disputou a semi-final contra a Argentina, em jogo que valia a vaga olímpica, perdeu por 80 x 91. Na decisão de 3º lugar, ainda perdeu de novo para Porto Rico (107 x 111). Restava ainda uma última chance de classificação, na Repescagem Mundial, que seria jogada no ano seguinte em Atenas, na Grécia. Mas para esta competição, o treinador já seria outro. Tendo visto os dois treinadores que mais conquistaram títulos no cenário nacional entre 1997 e 2007 - Hélio Rubens e Lula Ferreira - fracassarem nos resultados com a Seleção Brasileira, a CBB decidiu que o novo treinador seria estrangeiro, e apostou no intercâmbio como estratégia de reciclar taticamente o basquete nacional. O escolhido foi o espanhol Moncho Monsalve.

A missão de Moncho em 2008, entretanto, foi extremamente árdua. Para a Repescagem Olímpica, nada menos do que 5 jogadores pediram dispensa: Anderson Varejão novamente pelos problemas burocráticos na NBA, Nenê Hilário recuperava-se de um câncer, Leandrinho Barbosa e Paulão Prestes alegaram lesão, e Guilherme Giovannoni vivia problema familiar relacionado à saúde do filho. O time titular de Moncho foi Marcelinho Huertas, Alex Garcia, Marcelinho Machado, Rafael "Baby" Araújo e Tiago Splitter. O banco tinha pouca experiência internacional: Fúlvio, Duda Machado, Jonathan Tavernari, Marcus Toledo, Ricardo Probst, Murilo Becker e JP Batista. O Brasil venceu o Líbano (94 x 54), mas perdeu para Grécia (69 x 89) e para a Alemanha (65 x 78) que contava com o astro da NBA Dirk Nowitzki.

Em 2009 havia o Pré-Mundial a ser jogado em Porto Rico. Dos jogadores ausentes em 2008, só Nenê não jogou, alegando lesão. Era sua 5ª ausência em competições pelo Brasil: Mundial 2002, Pré-Olímpico 2005, Mundial 2006, Repescagem Olímpica 2008, Pré-Mundial 2009. Ainda haveria uma sexta, no Mundial 2010, no ano seguinte. Com um basquetebol bem mais sólido do que o apresentado nos anos anteriores, o Brasil foi Bi-Campeão da Copa América. O time de Moncho Monsalve jogava com Marcelinho Huertas, Alex Garcia, Leandrinho Barbosa, Tiago Splitter e Anderson Varejão. O Brasil chegou à final tendo sofrido uma única derrota, venceu por 81 x 68 à República Dominicana, por 87 x 67 à Venezuela, por 76 x 67 à Argentina, por 84 x 64 ao Panamá, por 92 x 61 ao México, por 68 x 59 ao Canadá, por 82 x 62 ao Uruguai e perdeu por 82 x 86 para Porto Rico. Na semi-final, venceu o Canadá por 73 x 65, e na final venceu Porto Rico (61 x 60). Eis a pontuação da equipe brasileira na competição: Marcelinho Huertas (78 pts), Alex Garcia (81), Leandro Barbosa (169), Tiago Splitter (87) e Anderson Varejão (136). Marcelinho Machado (84), Jonathan Tavernari (26), Guilherme Giovannoni (66), Alexandre Olivinha (13) e JP Batista (26). Suplentes: Duda Machado (10) e Diego Pinheiro (12).

Apesar do bom resultado de Moncho Monsalve, a CBB decidiu realizar uma mudança após a competição. O motivo? Na Argentina, o técnico Ruben Magnano, Vice-campeão Mundial com a Argentina em 2002 e Campeão Olímpico em 2004, havia deixado o Atenas de Córdoba, clube que vinha treinando e estava disponível no mercado. Dado que Moncho Monsalve já estava com 65 anos, e o projeto da CBB visava principalmente os Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro, optou-se por Magnano, então com 55 anos. Fora o vitorioso e respeitado curriculum do argentino.

A partir de 2010[editar | editar código-fonte]

O início da década de 2010 foi marcado pela virada no basquete brasileiro, após vários anos perdendo espaço no cenário internacional, o Brasil voltou a figurar entre as seis maiores forças mundiais. E foi uma virada com sotaque estrangeiro. Depois da passagem do espanhol Moncho Monsalve como técnico da Seleção Brasileira em 2008 e 2009, a liderança mudou de mãos e recaiu num treinador nascido na Argentina. Superando a rivalidade esportiva entre os dois países, a CBB apostou na competência do cordobês Ruben Magnano, que fez história com a seleção argentina no Mundial de 2002, quando seu time foi o primeiro a vencer os EUA desde que estes começaram a utilizar jogadores da NBA, e foi Vice-campeão MUndial, depois em 2004, a glória foi ainda maior, pois além de voltar a derrubar os jogadores da NBA dos EUA, sagrou-se Campeão Olímpico, com uma Medalha de Ouro que só Estados Unidos, União Soviética e Iugoslávia (esta uma única vez) haviam conseguido conquistar na história do basquete masculino. E o argentino Magnano não estava disposto a ser o único com sotaque no selecionado brasileiro. E seria alguém mais além de seu assistente-técnico, o também argentino Fernando Duró. Ele pediu a naturalização do norte-americano Larry Taylor, armador do time de Bauru.

Carreira dos estrangeiros que defenderam a Seleção no começo de década: Ruben Magnano: 1990-94 Atenas de Córdoba (Argentina), 1994-96 Luz y Fuerza (Argentina), 1996-99 Atenas de Córdoba (Argentina), 1999-00 Boca Juniors (Argentina), 2001-04 Seleção da Argentina, 2005-07 Varese (Itália), 2007-08 Cajasol (Espanha), 2008-10 Atenas de Córdoba (Argentina), 2010-16 Seleção do Brasil. Larry Taylor: 2001-03 Missouri Western College (EUA), 2004 Chicago Soldiers (EUA), 2005 La Huacana (México), 2006 Frayles de Guasave (México), 2007 Guaiqueries de Margarita (Venezuela), 2007 Lobos Grises de Durango (México), 2008 Lobos de Mazatlan (México), 2008-15 Bauru (SP) 

O primeiro desafio de Magnano com o Brasil era o Mundial 2010, na Turquia. O único desfalque seria Nenê Hilário. O time era praticamente o mesmo dos anos anteriores, com Marcelinho Huertas, Alex Garcia, Leandrinho, Tiago Splitter e Anderson Varejão como titulares, e no banco Nezinho, Marcelinho Machado, Marquinhos, Guilherme Giovanonni e Murilo Becker, com os jovens Raulzinho e JP Batista fechando o grupo. A campanha brasileira foi só razoável, com vitórias sobre Irã (81 x 65), Tunísia (80 x 65) e Croácia (92 x 74), e derrotas para EUA (apertados 68 x 70) e Eslovênia (77 x 80). Cruzou nas Quartas de final com a Argentina e, novamente, foi eliminado pelo rival (89 x 93). Terminou com um 9º lugar. Depois de um 11º lugar no Mundial de 1994, um 10º lugar no Mundial de 1998, um 8º lugar no Mundial de 2002 e um horrendo 17º lugar no Mundial de 2006, um 9º lugar no Mundial de 2010 ainda não era nenhum sinal significativo de melhora. Mas o trabalho de Ruben Magnano estava apenas começando, era necessário dar-se tempo ao tempo.

No ano seguinte, 2011, o segundo desafio foi o Pré-Olímpico em Mar del Plata, na Argentina. A missão era menos árdua do que a de outros Pré-Olímpicos, pois como os EUA haviam sido Campeões Mundiais em 2010, já estavam classificados para a Olimpíada de Londres. Eram 2 vagas disponíveis, sendo a Argentina, ainda mais jogando em casa, a ampla favorita para conquistar uma delas. Brasil e Porto Rico eram os principais candidatos à outra. Sob a Seleção Brasileira havia a pressão dos 16 anos sem jogar o basquete masculino em Jogos Olímpicos. A missão ficou um pouco mais difícil porque Anderson Varejão, por problemas físicos, Nenê e Leandrinho, que pediram dispensa, não estariam jogando e desfalcariam a equipe. O time titular do Brasil jogou comMarcelinho Huertas, Alex Garcia, Marquinhos, Guilherme Giovanonni e Tiago Splitter. No banco estavam Marcelinho Machado e Rafael Hettsheimeir. O Brasil venceu à Venezuela (92 x 83), ao Canadá (69 x 57), perdeu para a República Dominicana (74 x 79), e venceu a Cuba (93 x 83), ao Uruguai (93 x 66), ao Panamá (90 x 65), sensacionalmente à Argentina (73 x 71), e teve outra grande vitória sobre Porto Rico (94 x 72). Classificou-se parajogar a semi-final contra a República Dominicana, única equipe para quem havia perdido até ali. Uma vitória colocava o Brasil de novo numa Olimpíada. Vitória para a história: Brasil 83 x 76 República Dominicana. Com o resultado, o Brasil classificou-se ao lado da Argentina, com quem ainda cabia jogar a final. Os argentinos venceram, 75 x 80 contra a Argentina. Mas a missão estava cumprida. Após 16 anos, o Brasil estava de novo no torneio olímpico de basquetebol masculino. Eis a pontuação brasileira neste Pré-Olímpico: Marcelinho Huertas (116 pts), Alex Garcia (86), Marquinhos (101), Guilherme Giovanonni (111) e Tiago Splitter (87). Rafael Luz (25), Vítor Benite (67), Marcelinho Machado (88), Rafael Hettsheimeir (92) e Caio Torres (36). Suplentes: Nezinho (4) e Augusto Lima (23).

O Brasil tinha que conviver cada vez mais com a realidade de ver seus jovens talentos serem formados no exterior. O armador Rafael Luz foi um destes casos, pois saindo de Jundiaí foi jogar em 2007, só com 15 anos, no juvenil do Unicaja Málaga, da Espanha, onde jogou até 2009. Seguiu carreira na Liga Espanhola, defendendo o Axarquía por duas temporadas (2009-11), o Granada (2011), o Alicante (2011-12) e o Obradoiro (2012-13). Caminho parecido ao do ala-pivô gaúcho, de Porto Alegre, Vitor Faverani, que chegou aos 17 anos, em 2005, também para defender o Unicaja Málaga, que o emprestou por seguidas temporadas: para o Axarquía (2005-06), o Zaragoza (2006-07), o Lagun Aro Gipuzkoa (2007-08), de novo no Axarquía (2008-09) e ao Murcia (2009-10 e 2010-11). Em 2011 foi contratado pelo Valência, onde se destacou bastante. Mas este, embora lembrado por Magnano, decidiu não jogar pelo Brasil. Outro com trajetória similar foi o carioca Augusto Lima, que teve trajetória muito similar a Rafael Luz e Vitor Faverani. Augusto chegou ao Unicaja Málaga em 2007, aos 16 anos, para joghar no juvenil da equipe. Ao se profissionalizar, seguiu uma trajetória muito similar à dos outros, emprestado ao Axarquía (2009-10) e ao Granada (2010-11). A partir da temporada 2011-12 voltou e se firmou jogando no Unicaja Málaga.

Principais jogadores brasileiros na década de 2010: Marcelinho Huertas: 2002-03 Pinheiros (SP), 2003-04 Paulistano (SP), 2004-07 Joventut Badalona (Espanha), 2007-08 Bilbao (Espanha), 2008-09 Fortitudo Bologna (Itália), 2009-11 Caja Laboral Saski Baskonia, 2011-15 Barcelona (Espanha) Rafael Hettsheimeir: 2002-05 COC/Ribeirão Preto, 2005-07 Akasvayu Vic (Espanha), 2007-09 Lleida (Espanha), 2009-10 Xacobeo Obradoiro (Espanha), 2010-12 Zaragoza (Espanha), 2012-13 Real Madrid (Espanha), 2013-14 Unicaja Málaga (Espanha), 2014-15 Bauru (SP) Raul Togni Neto, "Raulzinho": 2009-11 Minas Tênis Clube (MG), 2011-14 Lagun Aro (Espanha), 2014-15 Murcia (Espanha)


Após a conquista da vaga para as Olimpíadas, uma equipe renovada foi para o Pan-Americano de Guadalajara e, recheada de garotos, obteve tão só um 5º lugar, a pior colocação brasileira em Jogos Pan-Americanos. Mas isto em nada mudou o projeto brasileiro, que teria agora duas Olimpíadas asseguradas pela frente: Londres 2012 e Rio de Janeiro 2016.

Para as Olimpíadas de 2012, os 12 convocados de Ruben Magnano foram: Tiago Splitter (San Antonio Spurs - NBA), Anderson Varejão (Cleveland Cavaliers - NBA), Leandro Barbosa (Indiana Pacers - NBA), Nenê Hilário (Washington Wizards - NBA), Marcelinho Huertas (Barcelona - Espanha), Raulzinho (Lagun Aro - Espanha), Alex Garcia (UniCeub Brasília - DF), Guilherme Giovannoni (UniCeub Brasília - DF), Marcelinho Machado (Flamengo), Caio Torres (Flamengo), Marquinhos (Pinheiros - SP) e Larry Taylor (Bauru - SP). O único desfalque era Rafael Hettsheimeir, que precisou passar por uma cirurgia no joelho às vésperas da Olimpíada e foi substituído por Caio Torres. O quinteto titular foi Marcelinho Huertas, Alex Garcia, Leandrinho, Anderson Varejão e Tiago Splitter. O Brasil conseguiu fazer uma boa campanha, terminando em 5º lugar. Venceu Austrália (75 x 71), Grã-Bretanha (67 x 62), China (98 x 59) e Espanha (88 x 82), perdeu na 1ª fase só para Rússia, e na última bola do jogo: 74 x 75. O algoz nas Quartas de final foi, mais uma vez, a Argentina; derrota do Brasil por 77 x 82. Os EUA ficaram com o Ouro, a Espanha com a Prata, a Rússia com o Bronze e a Argentina em 4º lugar. O Brasil, enfim, voltava a figurar entre as maiores forças do basquete masculino mundial. Eis a pontuação da equipe em Londers 2012: Marcelinho Huertas (68), Alex Garcia (24), Leandrinho (97), Anderson Varejão (44) e Tiago Splitter (65). Larry Taylor (27), Marcelinho Machado (23), Marquinhos (43), Guilherme Giovannoni (30) e Nenê (35). Suplentes: Raulzinho (11) e Caio Torres (12).

Em 2013, o desafio foi o Pré-Mundial. E desta vez, o time de Magnano entrava como favoritíssimo à vaga. Mas se em 2012, o Brasil jogou novamente os Jogos Olímpicos após 16 anos de ausência e conseguiu um honroso 5º lugar, em 2013, a equipe teve um desempenho horroroso na Copa América Pré-Mundial: jogou quatro jogos, perdeu os quatro (Porto Rico, Canadá, Uruguai e Jamaica), foi eliminado logo na primeira fase. Foi o pior desempenho de história da Seleção Brasileira de Basquete Masculino numa competição internacional.

Copa do Mundo da Espanha[editar | editar código-fonte]

Na Copa do Mundo da Espanha em 2014 a Seleção começou a competição muito bem vencendo a forte seleção francesa por 65-63, no segundo jogo um passeio sobre a seleção do Irã por 79-50. O Brasil vinha muito bem até o jogo contra a Espanha, uma derrota por 63-82, um jogo totalmente fora do normal. No quarto jogo o Brasil enfrentaria a seleção Sérvia com seu ótimos jogadores, mas a seleção conseguiu impor o seu basquete e vencer por 81-73, no ultimo jogo o Brasil enfrentaria a fraca seleção do Egito, o resultado não poderia ser diferente, mais um passeio, uma vitória arrasadora por 128 - 65, com os resultados o Brasil passou em segundo no grupo e com os resultados enfrentaria os nossos vizinhos " A Geração Dourada" da Argentina. Brasil e Argentina já tinham se enfrentado outras vezes em competições Internacionais, e em todas a Argentina tinha derrotado a Seleção, mas em um 7 de setembro o Brasil teria a sua independência da Argentina. O jogo começou quente e a Argentina já abriu vantagem no começo, mas com um Show de Raulzinho a seleção se recuperou e venceu a Argentina por 85–65. Nas Quartas o Brasil enfrentaria a seleção da Sérvia, a mesma que a seleção havia vencido na fase de grupos, a seleção sérvia vinha embalada de uma vitória por 90-72 sobre a Grécia que até então vinha sendo uma das surpresas da competição passando em primeiro lugar em um grupo que tinha Argentina e Croácia; O Brasil iniciou o jogo confiante, a Sérvia abriu 10 pontos mas a seleção continuava a buscar o placar com muita confiança, mas é uma pena que confiança não se traduza em competência, e com um "apagão" a seleção foi atropelada pelo Sérvia por 84–56,a Sérvia que viria a ser Vice-Campeã mundial perdendo a final para os EUA. O Brasil terminou o mundial em 6° lugar, mas voltou a figurar entre as principais seleções do Mundo, talvez um sinal de novos tempos para o basquetebol brasileiro.

Títulos[editar | editar código-fonte]

  • Bronze: 1948, 1960 e 1964.
  • Ouro: 1959 e 1963.
  • Prata: 1954 e 1970.
  • Bronze: 1967 e 1978.
  • Ouro: 1971, 1987, 1999, 2003 e 2007.
  • Prata: 1963 e 1983.
  • Bronze: 1951, 1955, 1959, 1975, 1979 e 1995.
  • Ouro: 1939, 1945, 1958, 1960, 1961, 1963, 1968, 1971, 1973, 1977, 1983, 1985, 1989, 1993, 1999, 2003, 2006 e 2010.
  • Prata: 1935, 1947 (dividido com Chile), 1949 (dividido com Chile), 1953, 1966, 1969, 1976, 1979, 1981, 1991, 2001 e 2004.
  • Bronze: 1930, 1934, 1937, 1940, 1942 (dividido com Chile), 1955, 1987, 1995 e 2014.
  • Ouro: 1984 e 1988.
  • Bronze: 1992 e 1995.
  • Ouro: 1984, 1988, 2005 e 2009.
  • Prata: 2001.
  • Bronze: 1989 e 1997.

Formações históricas[editar | editar código-fonte]

  • 1948: Medalha de Bronze nos Jogos Olímpicos de Londres

Time: Bráz, Algodão, Alfredo da Motta, Nilton e Ruy Freitas.

Téc: Moacir Daiuto.

Principais Suplentes: Sorcinelly e Alexandre Gemignani.


  • 1951: Medalha de Bronze nos Jogos Pan-Americanos de Buenos Aires

Time: Celso Godinho, Algodão, Alfredo da Motta, Thales Monteiro e Mário Hermes.

Téc: Kanela.

Principais Suplentes: Marson e Tião Gimenez.


  • 1954: Vice-Campeão Mundial (Rio de Janeiro)

Time: Wlamir Marques, Algodão, Angelim, Amaury Pasos e Mayr Facci.

Téc: Kanela.

Principais Suplentes: Almir, Alfredo da Motta e Wilson Bombarda.


  • 1959: Campeão Mundial (Santiago, Chile)

Time: Wlamir Marques, Algodão, Amaury Pasos, Édson Bispo e Waldemar Blatskauskas.

Téc: Kanela.

Principais Suplentes: Rosa Branca, Pecente e Jatyr Schall.


  • 1960: Medalha de Bronze nos Jogos Olímpicos de Roma

Time: Wlamir Marques, Rosa Branca, Amaury Pasos, Édson Bispo e Waldemar Blatskauskas.

Téc: Kanela.

Principais Suplentes: Algodão, Mosquito e Sucar.


  • 1963: Campeão Mundial (Rio de Janeiro)

Time: Wlamir Marques, Rosa Branca, Victor Mirshawka, Amaury Pasos e Ubiratan.

Téc: Kanela.

Principais Suplentes: Sucar e Waldemar Blatskauskas.


  • 1964: Medalha de Bronze nos Jogos Olímpicos de Tóquio

Time: Wlamir Marques, Rosa Branca, Victor Mirshawka, Amaury Pasos e Ubiratan.

Téc: Kanela.

Principais Suplentes: Mosquito, Sucar e Édson Bispo.


  • 1970: Vice-Campeão Mundial (Ljubljana, Iugoslávia)

Time: Hélio Rubens, Edvar Simões, Wlamir Marques, Menon e Ubiratan.

Téc: Kanela.

Principais Suplentes: Rosa Branca, Mosquito e Sérgio Macarrão.


  • 1971: Medalha de Ouro nos Jogos Pan-Americanos de Cali

Time: Hélio Rubens, Mosquito, Menon, José Aparecido e Marquinhos Abdalla.

Téc: Édson Bispo.

Principais Suplentes: Carioquinha, Dodi e Adílson.


  • 1975: Medalha de Bronze nos Jogos Pan-Americanos da Cidade do México

Time: Hélio Rubens, Carioquinha, Fausto Giannechini, Ubiratan e Marquinhos Abdalla.

Téc: Édson Bispo.

Principais Suplentes: Marcel, Sérgio Macarrão e Adílson.


  • 1978: Medalha de Bronze no Mundial (Manila, Filipinas)

Time: Carioquinha, Marcel, Oscar Schimdt, Gílson Trindade e Marquinhos Abdalla.

Téc: Ary Vidal.

Principais Suplentes: Hélio Rubens, Fausto Giannechini e Ubiratan.


  • 1983: Medalha de Prata nos Jogos Pan-Americanos de Caracas

Time: Nilo Guimarães, Carioquinha, Marcel, Adílson e Israel Machado Campelo Andrade.

Técs: Edvar Simões e José Medalha.

Principais Suplentes: Gérson Victalino e Marquinhos Abdalla.


  • 1986: 4o lugar no Mundial da Espanha

Time: Maury, Marcel, Oscar Schimdt, Gérson Victalino e Israel Machado Campelo Andrade.

Téc: Ary Vidal.

Principais Suplentes: Guerrinha e Paulinho Villas-Boas.


  • 1987: Medalha de Ouro nos Jogos Pan-Americanos de Indianápolis, EUA

Time: Guerrinha, Marcel, Oscar Schimdt, Gérson Victalino e Israel Machado Campelo Andrade.

Téc: Ary Vidal.

Principais Suplentes: Maury, Cadum, Paulinho Villas-Boas e Pipoka.


  • 1999: Medalha de Ouro nos Jogos Pan-Americanos de Winnipeg, Canadá

Time: Helinho, Caio Cazziolato, Vanderlei Mazzuchini, Rogério Klafke e Josuel.

Téc: Hélio Rubens.

Principais Suplentes: Demétrius, Marcelinho Machado e Sandro Varejão.


  • 2003: Medalha de Ouro nos Jogos Pan-Americanos de Santo Domingo, República Dominicana

Time: Alex Garcia, Marcelinho Machado, Renato, Guilherme Giovanonni e Anderson Varejão.

Téc: Lula Ferreira.

Principais Suplentes: Valtinho e André Bambu.


  • 2005: Campeão da Copa América Pré-Mundial - FIBA Americas Championship - (Santo Domingo)

Time: Alex Garcia, Leandrinho Barbosa, Marcelinho Machado, Guilherme Giovanonni e Tiago Splitter.

Téc: Lula Ferreira.

Principais Suplentes: Marcelinho Huertas, Murilo Becker e Anderson Varejão.


  • 2007: Medalha de Ouro nos Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro

Time: Valtinho, Marcelinho Machado, Marquinhos, Murilo Becker e JP Batista.

Téc: Lula Ferreira.

Principais Suplentes: Marcelinho Huertas e Caio Torres.


  • 2009: Campeão da Copa América Pré-Mundial - FIBA Americas Championship - (San Juan. P.R.)

Time: Marcelinho Huertas, Leandrinho Barbosa, Alex Garcia, Anderson Varejão e Tiago Splitter.

Téc: Moncho Monsalve (Espanha).

Principais Suplentes: Marcelinho Machado e Guilherme Giovanonni.


  • 2011: Medalha de Prata no Pré-Olímpico das Américas (Mar Del Plata)

Time: Marcelinho Huertas, Alex Garcia, Marquinhos, Guilherme Giovannoni e Tiago Splitter.

Téc: Rubén Magnano (Argentina).

Principais Suplentes: Marcelinho Machado, Vitor Benite e Rafael Hettsheimeir.


  • 2012: 5º lugar nas Olimpíadas de Londres

Time: Marcelinho Huertas, Leandrinho Barbosa, Alex Garcia, Anderson Varejão e Tiago Splitter.

Téc: Rubén Magnano (Argentina).

Principais Suplentes: Marcelinho Machado, Nenê, Marquinhos, Guilherme Giovannoni e Larry Taylor.


  • 2014: 6º lugar no Mundial da Espanha

Time: Marcelinho Huertas, Leandrinho Barbosa, Marquinhos, Anderson Varejão e Tiago Splitter.

Téc: Rubén Magnano (Argentina).

Principais Suplentes: Rafael Hettsheimeir, Marcelinho Machado, Nenê, Alex Garcia, Raulzinho, Guilherme Giovannoni e Larry Taylor.

Elenco atual[editar | editar código-fonte]

Seleção Brasileira de Basquetebol Masculino
Jogadores Comissão Técnica
Pos. Núm. Nome Idade - Data de Nasc. Altura Clube País
PG
9
Marcelinho Huertas 25 de maio de 1983 1,90 m
FC Barcelona
Espanha
PG
7
Larry Taylor 3 de outubro de 1980 1,85 m
Bauru
Brasil
PG
5
Raulzinho 19 de maio de 1992 1,85 m
CB Murcia
Espanha
SG
10
Leandro Barbosa 28 de novembro de 1982 1,92 m
Phoenix Suns
Estados Unidos
SF
14
Marquinhos 31 de maio de 1984 2,07 m
CR Flamengo
Brasil
SF
4
Marcelinho Machado 12 de abril de 1975 2,00 m
CR Flamengo
Brasil
SG
8
Alex Garcia 4 de março de 1980 1,91 m
Bauru
Brasil
PF
12
Guilherme Giovannoni 2 de junho de 1980 2,04 m
Universo/Brasília
Brasil
C
11
Anderson Varejão 28 de setembro de 1982 2,11 m
Cleveland Cavaliers
Estados Unidos
PF
13
Nenê Hilário 13 de setembro de 1982 2,11 m
Washington Wizards
Estados Unidos
C
15
Tiago Splitter 1 de janeiro de 1985 2,11 m
San Antonio Spurs
Estados Unidos
PF
6
Rafael Hettsheimeir 16 de junho de 1986 2,08m
Bauru
Brasil
Técnico

Legenda


Jogadores destacados[editar | editar código-fonte]

Em negrito os jogadores que ainda estão em atividade.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. , "Brasil vai ser um dos melhores times do mundo", elogio do técnico argentino, em: http://esporte.uol.com.br/basquete/mundial-basquete/ultimas-noticias/2010/09/07/brasil-vai-ser-um-dos-melhores-times-do-mundo-elogia-tecnico-argentino.jhtm,
  2. Redação do iBahia.com (10 de agosto de 2010 às 13h 3min). Salvador sedia Pan-Americano de basquete (em português). Visitado em 15 de agosto de 2010.
  3. Agecom (4 de agosto de 2010). Salvador sedia Pan-Americano de basquete universitário (em português). Visitado em 15 de agosto de 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências