Los Angeles Lakers

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Los Angeles Lakers
Los Angeles Lakers
Conferência Oeste
Divisão Pacífico
Fundado 1947 (entrou na NBA em 1948)
História Minneapolis Lakers
(1947-1960)
Los Angeles Lakers
(1960-presente)
Arena Staples Center
Cidade Los Angeles, California
Cores do Time Roxo, Laranja e Branco
              
Proprietário Família Jerry Buss
Diretor Técnico Mitch Kupchak
Técnico Byron Scott
Afiliação na D-League Los Angeles D-Fenders
Campeonatos NBL: 1 (1948)
BAA/NBA: 16 (1949, 1950, 1952, 1953, 1954, 1972, 1980, 1982, 1985, 1987, 1988, 2000,

2001, 2002, 2009, 2010)

Títulos de Conferência 31 (1949, 1950, 1952, 1953, 1954, 1959, 1962, 1963, 1965, 1966, 1968, 1969, 1970, 1972, 1973, 1980, 1982, 1983, 1984, 1985, 1987, 1988, 1989, 1991, 2000, 2001, 2002, 2004, 2008, 2009, 2010)
Títulos de Divisão NBL: 1 (1948)
NBA: 33 (1950, 1951, 1953, 1954, 1962, 1963, 1965, 1966, 1969, 1971, 1972, 1973, 1974, 1977, 1980, 1982, 1983, 1984, 1985, 1986, 1987, 1988, 1989, 1990, 1998, 2000, 2001, 2004, 2008, 2009, 2010, 2011, 2012)

O Los Angeles Lakers é uma franquia e também um time de basquete da NBA (National Basketball Association) com sede em Los Angeles, Califórnia.

A franquia foi fundada em 1947, em Minneapolis, onde recebeu seu nome - em uma clara referência aos lagos da cidade [1] - e ainda cinco títulos da liga. Em 1960, mudou-se para atual cidade por causa da queda de público no estádio. No fim dos anos 1970 e no começo dos anos 1980, a popularidade do Lakers cresceu, tornando-se uma das franquias de maior sucesso, além de ser a segunda com maior número de títulos, 16, perdendo apenas para o Boston Celtics, com 17. A equipe ainda conta com 56 aparições em playoffs, 31 títulos da Divisão do Pacífico e 31 títulos da Conferência Oeste[2]

A formação californiana é detentora de alguns recordes da Liga. É a que possui maior número de vitórias da liga, mais de 3000[3] , com a maior porcentagem de vitórias e mais aparições em finais (31).[4] O Lakers também é o time das ligas norte-americanas que mais teve vitórias consecutivas (33), na temporada 1971-72.[5]

O Lakers já teve em seu elenco grandes estrelas do basquetebol mundial como George Mikan, Slater Martin, Jerry West, Wilt Chamberlain, Elgin Baylor, Gail Goodrich, Kareem Abdul-Jabbar, Magic Johnson, James Worthy, Shaquille O'Neal e vários outros, além de grandes técnicos como John Kundla, Bill Sharman, Pat Riley e Phil Jackson. Atualmente, a grande estrela do time é o ala-armador Kobe Bryant, MVP da NBA na temporada 2007-08 e MVP das Finais da NBA em 2008-09 e 2009-10.

História da franquia[editar | editar código-fonte]

No Começo[editar | editar código-fonte]

Lakers na NBL[editar | editar código-fonte]

Os Lakers começaram sua jornada, na National Basketball League dos Estados Unidos, na temporada de 1947, após Morris Chalfen e Ben Berger comprarem o time por 15 mil dólares. Na época, os donos só receberam uns poucos equipamentos e um documento; além de um time que só havia vencido 4 de 44 jogos na sua única temporada.[6] Ou seja, a franquia Lakers existe desde antes mesmo da existência na NBA, já que em 1947-48, o Minneapolis jogava pela NBL. Naquela temporada, o Lakers contaria já com sua primeira grande estrela: o pivô George Mikan.

Mikan se juntou ao elenco do Chicago American Gears já no fim da temporada de 1945-46. Dois anos mais tarde, o dono da franquia de Chicago, Maurice White, resolveu tirar o time da National Basketball League, para poder prosseguir com seu plano de criar uma outra liga, esta com 24 times, chamada: Professional Basketball League of America. A liga seria totalmente comandada por White, já que seria dono de todos os times e de todos os estádios. A liga mal durou um mês e os jogadores do Chicago American Gears foram para os 11 times da NBL. Por mero acaso, George Mikan foi parar em Minneapolis.

A adição de Mikan ao time do Lakers, tornou o já bom time àquela época, praticamente imbatível. O título de 1948 da NBL foi para Minneapolis.

Lakers na BAA[editar | editar código-fonte]

Ao final da temporada 1947-48, Rochester Royals, Fort Wayne Zollner Pistons, Indianapolis Kautskys, além do prórprio Minneapolis Lakers, mudaram de liga, juntando-se à Basketball Association of America, que já tinha 8 times e, entre eles, alguns de grande mercado - New York, Boston, Philadelphia e Chicago. George Mikan era a grande estrela daquela liga.

Naquela temporada, a final foi entre Minneapolis Lakers e Washington Capitols, comandados por um dos maiores técnicos de todos os tempos: Red Auerbach. O Lakers venceu as 3 primeiras partidas da série final, perdeu as duas seguintes, mas fechou a série em 6 jogos, jogando em casa.[7]

Lakers vence a primeira final da NBA[editar | editar código-fonte]

Ao final da temporada 1948-49, a BAA e NBL se uniram, e nascia a NBA. A primeira temporada disputada (1949-50), contou com a participação de 17 franquias, separadas em três divisões. O Lakers ficou na divisão central, fez uma campanha de 51 vitórias e 17 derrotas e só perdeu um jogo em casa,.[8] [9]

O time estava ainda mais forte, contava com um promissor trio: Vern Mikkelsen, considerado o primeiro ala de força da história da NBA e conhecido por sua defesa e sua grande resistência física - dos 800 jogos possíveis durante sua carreira, jogou 798; Slater Martin, um outro grande defensor, presente no hall da fama do Basquet; e o armador Bud Grant.

Assim como na temporada anterior, o time foi para as finais, só que dessa vez enfrentando o Syracuse Nationals. O Nationals tinha o mando de quadra, mas o Lakers venceu o primeiro jogo da série com um tiro longo do armador reserva Bob Harrison. A série final, assim como no ano anterior, terminou em 6 jogos.

A temporada seguinte teve o número de equipes reduzidas, assim como o número de divisões. O Lakers retornou para a conferência Oeste, a liga ficou só com 11 times e os jogadores dos times que abandonaram a NBA fora distribuídos entre os times restantes, tornando a competição mais igual.

O Lakers era tido como favorito para levar mais um título e fez a melhor campanha da liga na temporada regular (44 vitórias e 24 derrotas),[10] mas os playoffs não saíram como planejado. O Lakers perdeu a primeira partida em jogo dos playoffs que não fosse final da liga para o Indianapolis Olympians, mas conseguiu virar a série para 2x1. A final foi contra o Rochester Royals. O Minneapolis Lakers saiu na frente, mas não conseguiu segurar adversário e perdeu a série por 3x1.

A Primeira Dinastia da NBA Na temporada seguinte, o Lakers conseguiu mais um título, passando mais uma vez pelo Indiana Olypmpians, pelo Rochester Royals e, na final, enfrentando o New York.[11] É interessante notar que os jogos que foram mandados em Nova Iorque não ocorreram no Madison Square Garden, porque o circo estava na cidade.

Em 1952-53, Minneapolis Lakers e New York Knicks trilhavam o caminho em suas conferências (Oeste e Leste, respectivamente) para se enfrentarem novamente na final da NBA. O Lakers teve 48 vitórias na temporada regular, uma a mais que o Knicks, ficando assim com a melhor campanha daquele ano. Confirmando seu favoritismo, a série final foi vencida pelo time de Minneapolis em apenas 5 jogos.[12] Sendo assim, o Lakers era o primeiro time da NBA a vencer duas finais consecutivas.

A temporada seguinte foi um pouco problemática para a estrela do time, George Mikan. Problemas nos joelhos dificultaram o jogo do pivô de 29 anos, que viu sua média de pontos cair para 18,1 por jogo. Mas, o Lakers, àquela altura, havia assinado com Clyde Lovellette.

Clyde foi um dos primeiros homens de garrafão a se afastar um pouco da cesta para executar bem seu jogo. Isso lhe dava a possibilidade de jogar como ala, ala-de-força e pivô. Era um jogador difícil de ser marcado, pois deslocava o adversário para fora de sua posição.

Naquela temporada, a NBA adotou o sistema de round-robins no primeiro round dos playoffs. Era esperado que houvesse mais uma reedição das duas finais anteriores, mas o New York Knicks foi eliminado no novo sistema de disputa. A série final ocorreu entre Minneapolis Lakers e Syracuse Nationals.

A Transição[editar | editar código-fonte]

As mudanças de regras, a aposentadoria e o retorno de Mikan[editar | editar código-fonte]

Ao final de temporada 1953-54, a NBA anunciou o estabelecimento de duas novas regras, muito importante para o basquete moderno: cada posse de bola ficaria limitada a 24 segundos, com a finalidade de tornar o jogo mais dinâmico e; o limite de 6 faltas coletivas por quarto para cada time - após isso, o adversário iria diretamente para a linha dos lances-livres.

Além da mudança das regras, o Lakers teria que se adaptar a outro fato na temporada 1954-55: a aposentadoria da, até então, maior estrela do time: o pivô George Mikan, que se tornou o general manager do time. Um fato interessante é que, indiretamente, Mikan foi o responsável pela criação da posse de 24 segundos, já que, no dia 22 de novembro de 1950, o Fort Wayne Pistons segurou a bola por o maior tempo possível, a fim de que Mikan mal tocasse nela durante todo jogo.[13] Resultado: o menor placar de todos os tempos na NBA: 19x18.[14]

O substituto do pivô, o versátil Clyde Lovellette fez um bom trabalho. Teve 18,7 pontos por jogo de média, além de pegar 11,5 rebotes por partida. Grandes números para alguém que estava apenas em seu segundo ano na NBA. O time fez uma campanha boa, foi segundo da conferência Oeste, com 40 vitórias e 32 derrotas. Passou pela primeira fase dos playoffs, mas não passou pelo Fort Wayne Zollner Pistons nas finais da divisão. Acabava ali a primeira dinastia da NBA.

A terceira temporada de Clyde Lovellette foi ainda mais surpreendente. Com médias de 21,5 pontos e 14 rebotes por noite, o pivô de 26 anos tentou levar o Minneapolis Lakers a mais uma final da NBA. Mas a temporada não ia nada bem, e o pivô George Mikan resolveu voltar às quadras e acabou contribuindo com um pouco mais de 10 pontos e 8 rebotes por noite. O experiente armador Slater Martin terminou entre as 10 melhores médias de assistências da liga, com 6,2 assistências por jogo, mas isso não foi suficiente para o time. Pela primeira vez na história da franquia, o Lakers terminava a temporada com mais derrotas que vitórias - 39 contra 33. Mesmo assim, o time conseguiu uma vaga nos playoffs, onde foram eliminados pelo St. Louis Hawks.

A Crise[editar | editar código-fonte]

A temporada 1956-57 foi muito ruim para a conferência Oeste. O Lakers empatou na liderança com mais dois times: Fort Wayne Zollner Pistons e St. Louis Hawks, todos com campanha negativa de 34 vitórias e 38 derrotas. Enquanto isso, o último colocado da conferência Leste, fez campanha de 36 vitórias e 36 derrotas. Pela terceira vez consecutiva, o time de Minneapolis seria eliminado nos playoffs.

Para piorar de vez as coisas a 1957-58 foi a pior de todos os tempos. George Mikan foi convencido a treinar o time e o resultado foi péssimo durante sua permanência no banco: 9 vitórias e 30 derrotas. Com a saída de Mikan, John Kundla voltou ao comando do time, que terminou a temporada com 19 vitórias e 53 derrotas.

A Primeira Escolha no Draft[editar | editar código-fonte]

A pior campanha da história do time teve seu lado bom: conseguiram a primeira escolha do Draft de 1958. O futuro hall da fama Elgin Baylor foi escolhido. Baylor era um jogador completo: grande pontuador, um reboteiro forte e ainda tinha um excelente passe. Era perfeito para reerguer um dos time mais tradicionais da liga. Em sua primeira temporada, Elgin Baylor teve impressionantes médias de 24,9 pontos por jogo e incríveis 15 rebotes.[15] O time venceu 14 jogos a mais que na temporada anterior, e terminou com a aceitável camapanha de 33 vitórias e 39 derrotas e um segundo lugar na conferência Oeste.

Anos 1960: West, Baylor e derrotas nas Finais[editar | editar código-fonte]

A Mudança para o Oeste[editar | editar código-fonte]

Antes da temporada 1960-61, os Lakers se tornaram o primeiro time da NBA na Costa Oeste americana. Embora os torcedores em Minneapolis tenham enchido as arenas quando Mikan jogava no time, os públicos diminuiram muito nas cinco temporadas seguintes. Nem a presença de Elgin Baylor fez muita diferença. Enquanto isso, os Dodgers da Major League Baseball se mudaram do Brooklyn para Los Angeles em 1958 e se tornaram um grande sucesso financeiro. Então, o dono dos Lakers, Bob Short, moveu o time para Los Angeles.

Essa não foi a única mudança importante para a franquia. A campanha de 25-50 na temporada anterior concedeu ao clube a segunda escolha no Draft. O prêmio foi o armador Jerry West, um talentoso cestinha e criador de jogadas.

Baylor era uma máquina de pontuar e um talentosíssimo reboteiro, tendo médias de 34,8 pontos e 19,8 rebotes em 1960-61. West teve problemas na primeira metade da temporada, antes de encontrar seu melhor jogo, terminando sua primeira temporada com média de 17,6 pontos. Os dois juntos levaram os Lakers à campanha de 36-43 e ao segundo lugar na Divisão Oeste.

Nos playoffs, Los Angeles passou pelos Pistons em 5 jogos, e nas Finais do Oeste enfrentaram os St. Louis Hawks pelo terceiro ano consecutivo. A série foi bem disputada, com os Hawks vencendo em 7 jogos.

Durante a temporada 1961-62, Baylor foi convocado pelo serviço militar. Apesar de boa parte da temporada só poder atuar aos domingos, em 48 jogos ele teve média de 38,3 pontos, enquanto West explodiu com 30,8 pontos por jogo no seu segundo ano. Além das duas estrelas, Los Angeles também tinha Rudy LaRusso, um ala de 2m04 em seu terceiro ano, que teve média de 17,2 pontos e 10,4 rebotes por jogo. Frank Selvy, um veterano que havia jogado em 6 times em suas 5 primeiras temporadas antes de chegar aos Lakers, adicionou 14,7 pontos por jogo na armação. Um banco sólido contava com Rodney "Hot Rod" Hundley e Tom Hawkins.

Los Angeles dominou a Divisão Oeste, com 11 vitórias a mais que o segundo lugar, Cincinnati. Nos playoffs, Los Angeles ganhou facilmente os três primeiros jogos contra Detroit, perdeu os Jogos 4 e 5, e finalmente fechou a série no Jogo 6.

As Finais da NBA colocaram os Lakers contra o Boston Celtics, e a série começou em Boston, onde cada time venceu um jogo. Os Lakers venceram o Jogo 3 graças a uma roubada de bola e uma bandeja de Jerry West no último segundo. Os Celtics empataram a série com uma vitória no Jogo 4. No Jogo 5, em Boston, Baylor fez 61 pontos, um recorde de playoffs que durou 25 anos. Os times voltaram para Los Angeles com os Lakers na frente por 3 jogos a 2, mas os Celtics empataram a série com uma vitória por 119 a 105.

O sétimo jogo foi um dos mais emocionantes de todos os tempos. O placar estava empatado em 100 quando Selvy arremessou uma bola que não entrou por pouco. Tivesse a bola entrado na cesta, os Lakers venceriam o título. Em ve disso, o jogo foi para a prorrogação, e os Celtics venceram por 10 a 7 e ganharam o jogo e o campeonato.

O começo da grande rivalidade[editar | editar código-fonte]

Os Lakers adicionaram Dick Barnett ao seu elenco. Barnett, que havia passado as duas temporadas anteriores com Syracuse, tornou-se o armador titular, e Selvy passou a ser o sexto-homem. Barnett teve 18,0 pontos de média em 1962-63, e sua contribuição foi muito importante quando Jerry West machucou a perna e perdeu 27 jogos. West ainda teve 27,1 pontos por jogo, enquanto Baylor teve 34,0 para ser o segundo cestinha da Liga, atrás apenas de Wilt Chamberlain, do Philadelphia Warriors.

Wilt Chamberlain - o pivô, antes de chegar na NBA, jogou pelo lendário time do Harlem Globetrotters

Los Angeles teve uma campanha de 53-27, mais uma vez vencendo a Divisão Oeste. Novamente, enfrentaram os Celtics na Final após eliminar St. Louis nas Finais do Oeste. Mas Boston, em meio a uma série de 11 títulos em 13 anos, venceu a série em 6 jogos.

O reinado de dois anos na Divisão Oeste chegou a um fim na temporada 1963-64. West e Baylor foram quinto e sexto cestinhas da Liga, respectivamente, mas o time era fraco dentro do garrafão. O pivô titular, Gene Wiley, pontuava apenas 4,3 por jogo, e Los Angeles terminou em terceiro na Divisão, 42 vitórias e 38 derrotas. Los Angeles foi eliminado por St. Louis na primeira rodada dos playoffs.

Após esse ano relativamente ruim, os Lakers iniciaram o ano seguinte com 14 vitórias nos primeiros 20 jogos. Ao terminar com 49 vitórias, o time garantiu o terceiro título de Divisão em 4 anos. Como de costume, West (31,0 pontos por jogo, segundo na NBA) e Baylor (27,1 pontos por jogo, quinto) lideraram o time. Os Lakers precisaram de seis jogos para passar por Baltimore nas Finais do Oeste.

Nas Finais, novamente contra Boston, os Celtics dominaram. Baylor machucou o joelho e não jogou na série. West fez o que podia para suprir a ausêncio do companheiro com uma média de 40,6 pontos nos playoffs, mas ele sozinho não era suficiente. Boston humilhou Los Angeles no Jogo 1, 142-110. Uma vitória dos Lakers no Jogo 3 preveniu uma varrida, antes de Boston terminar com Los Angeles no Jogo 5, ganhando por 33 pontos.

Cooke compra os Lakers por $5 milhões[editar | editar código-fonte]

Após as Finais, Bob Short vendeu os Lakers para Jack Kent Cooke. Cooke pagou 5 milhões de dólares pelo time, o que não apenas representou um grande lucro, mas também mostrou que o valor de uma franquia da NBA estava de acordo com o de uma franquia da Major League Baseball

Cooke praticamente não mudou o time. O pivô Darrall Imhoff e o armador Walt Hazzard se tornaram titulares em 1965-66. Bob Boozer trocou Nova Iorque por Los Angeles e foi uma valiosa adição, especialmente quando Baylor ficou fora com dores no joelho. Os Lakers também tinham um calouro promissor oriundo de UCLA chamado Gail Goodrich.

Baylor teve uma temporada difícil. Problemas no joelho limitaram-no a apenas 65 jogos, e ele teve a menor média de pontos na carreira: 16,6. West, por sua vez, teve 31,1 pontos por jogo, ficando atrás apenas de Chamberlain entre os cestinhas. Os Lakers terminaram com 45 vitórias, um número nada espetacular, mas mesmo assim venceram a Divisão Oeste.

Após passar pelos Hawks nas Finais do Oeste em 7 jogos, Los Angeles estava novamente na Final contra Boston, pela quarta vez em cinco anos. Uma vitória dramática no Jogo 1, e vitórias nos Jogos 5 e 6 levaram a série para o decisivo Jogo 7, e mais uma vez, Boston prevaleceu, vencendo por 95-93. Desde 1959 os Lakers haviam enfrentado Boston nas Finais 5 vezes e perdido em todas.

Contusões tiraram os Lakers da disputa pelo título em 1966-67. West ficou fora 15 jogos, e Baylor perdeu 11. O time ficou em terceiro no Oeste, com uma campanha negativa pela primeira vez desde 1960-61, apenas 36 vitórias e 45 derrotas. San Francisco deu cabo facilmente dos Lakers em 3 jogos.

Após a derrota nas Finais, o técnico mudou. Fred Schaus, que liderou o time a 4 Finais da NBA e havia comandado o time desde a mudança para Los Angeles, foi substituído por Butch van Breda Kolff, que começou a nova temporada inaugurando o novo Fórum, para 17500 pessoas.

West perdeu 31 jogos em 1967-68 com contusões, mas o segundo-anista Archie Clark se tornou uma ameaça ofensiva, com 19,9 pontos de média. Baylor liderou o time em pontos (26,0) e rebotes (12,2). O clube ganhou 16 jogos a mais, mas terminou em segundo lugar atrás de St. Louis. Os Lakers eliminaram Chicago nas semifinais, e passaram por San Francisco nas Finais de Divisão. Isso estabeleceu mais um confronto entre Los Angeles e Boston nas Finais, e mais uma vez Boston saiu vitorioso, desta vez, em 6 jogos.

A era Chamberlain[editar | editar código-fonte]

L.A. contrata um super-pivô[editar | editar código-fonte]

Estava se tornando claro o que faltava aos Lakers para ganhar o campeonato: um pivô dominante para complementar West e Baylor. Porém, o tempo era um problema: Baylor já tinha 34 anos e West 30. Então o dono Jack Kent Cooke trouxe Wilt Chamberlain do Philadelphia 76ers em troca de Clark, Darrall Imhoff e Jerry Chambers.

Os Lakers de 1968-69 não foram tão dominantes quanto esperado, mas eles venceram a Divisão Oeste com 55 vitórias e 27 derrotas. Chamberlain liderou a Liga em rebotes com 21,1 por jogo enquanto West e Baylor cada um teve mais de 20 pontos de média.

Nos playoffs, Los Angeles perdeu os dois primeiros jogos da semifinal contra os San Francisco Warriors, mas conseguiram vencer or próximos 4, incluindo uma humilhante vitória por 118-78 no Jogo 6. Os Hawks (que agora jogavam em Atlanta) vieram a seguir, e os Lakers os eliminaram em 5 jogos. Mais uma vez, Boston esperava na Final, mas com uma nova trama: um duelo de titãs com Chamberlain contra seu antigo rival Bill Russell.

Los Angeles venceu os dois primeiros jogos e parecia ter uma ótima chance de terminar o domínio verde e branco. Mas Boston venceu o Jogo 3 e conseguiu uma vitória no Jogo 4 quando Sam Jones acertou um arremesso no último segundo. A série foi a 7 jogos, e o jogo decisivo seria no Fórum, em Los Angeles. Mas, Boston abriu 17 pontos de vantagem no quarto período e terminou vencendo por 2 pontos. Pela sexta vez em 8 anos, os Lakers perdiam a Final para os Celtics. Jerry West venceu o primeiro prêmio de Jogador Mais Valioso (MVP) das Finais. Foi a única vez que o prêmio foi dado a um membro do time derrotado.

Estátua de Jerry West, cuja silhueta é utilizada no logo da NBA

West acerta cesta milagrosa, mas Reed é o verdadeiro herói[editar | editar código-fonte]

O técnico van Breda Kolff saiu após as Finais e foi substituído por Joe Mullaney, que assumiu um time que foi bastante atormentado por contusões em 1969-70. Chamberlain machucou o joelho no nono jogo da temporada e ficou de fora até os playoffs. Os joelhos de Baylor o limitaram a apenas 54 jogos. Isso colocou todo o peso nas costas de West, que foi o cestinha da Liga com 31,2 pontos por jogo. Ele não conseguiu, no entanto, manter o time no topo da Divisão Oeste, pois o Lakers terminou com 46 vitórias, 2 a menos que Atlanta.

Chamberlain e Baylor se recuperaram a tempo dos playoffs, mas os Lakers quase foram eliminados pelos Phoenix Suns nas semifinais de Divisão. Perdendo por 3 jogos a 1, Los Angeles reagiu com 3 vitórias convincentes e ganhou a série. Em seguida, passaram por Atlanta por 4-0 e avançaram para enfrentar os New York Knicks nas Finais.

Era uma Final dos sonhos para a NBA, colocando os dois times mais glamourosos das duas maiores cidades dos Estados Unidos. Cada time ganhou um dos dois primeiros jogos, e no terceiro jogo, Jerry West teve um dos momentos mais marcantes da história das Finais quando ele acertou um arremesso da quadra de defesa para empatar o jogo (ainda não existia linha de 3 pontos) e levar o jogo para a prorrogação. Apesar da performance heróica de West, os Knicks ganharam o jogo por 111-108.

Infelizmente para Los Angeles, Willis Reed teve uma performance ainda mais memorável no Jogo 7. Depois que Los Angeles empatou a série com uma vitória na prorrogação no Jogo 4, os times retornaram a Nova Iorque para o Jogo 5. No primeiro tempo, Reed saiu com uma contusão num músculo da coxa e não retorno. Apesar de estar perdendo por 13 pontos na metade do jogo, New York reagiu sem seu pivô e conseguiu uma vitória por 107-100. No jogo seguinte, Reed não jogou, e os Lakers venceram fácil por 135 a 113, com atuação fantástica de Chamberlain (45 pontos e 27 rebotes) e de West (31 pontos e 13 assistências).

Parecia que os Knicks estariam sem Reed no jogo decisivo. Então, momentos antes do bola-ao-alto, a torcida vibrou no Madison Square Garden quando Reed entrou mancando em quadra. Ele marcou as duas primeiras cestas do jogo antes de voltar pro banco, mas o dano já estava feito. Reed havia inspirado a torcida e seus companheiros, e os Lakers caíram, 113-99. Pela sétima vez em 9 anos os Lakers chegaram na Final e voltaram de mãos vazias.

A temporada 1970-71 viu a Liga expandir para 17 times em quatro divisões. Los Angeles ficou na Divisão do Pacífico ao lado de San Francisco, dos San Diego Rockets, dos Seattle Supersonics e dos Portland Trail Blazers. Chamberlain estava de volta saudável, mas Elgin Baylor só jogou 2 jogos por causa de problemas de joelho. O time foi ajudado pela adição de Harold "Happy" Hairston e Gail Goodrich, que voltou ao time após dois anos em Phoenix. O futuro técnico do time, Pat Riley, foi contratado como jogador.

Sem Baylor, West (26,9 pontos por jogo), Chamberlain (20,7), Hairston (18,6) e Goodrich (17,5) preencheram as lacunas ofensivas. Chamberlain foi o melhor reboteiro da NBA com 18,2 por jogo. Os Lakers venceram 48 jogos e ganharam a Divisão do Pacífico, com 7 vitórias a mais que o segundo lugar, San Francisco. Los Angeles passou pelos Chicago Bulls na série semifinal do Oeste, e então perderam para Lew Alcindoor (que logo se tornaria Kareem Abdul-Jabbar) e os Milwaukee Bucks nas Finais da Conferência Oeste.

O Recorde de Vitórias Consecutivas[editar | editar código-fonte]

Na temporada 1971-72, o Lakers ganhou um novo técnico: o lendário Bill Sharman. Mas, em compensação, perderam um dos maiores jogadores de todos os tempos: Elgin Baylor se aposentava, após sua grande luta para continuar a jogar, mesmo com os joelhos extremamente debilitados.

Apesar da saída do hall da fama Elgin Baylor, Lakers ainda contava com Wilt Chamberlain, Jerry West e Gail Goodrich, além de Harold "Happy" Hairston e Jim McMillian. Era um time balanceado e mostrou isso durante a temporada. Conseguiu 33 vitórias consecutivas, um recorde entre as ligas de esporte americanas (NBA, MLB, NHL, NFL, MLS), até perder para o forte Milwaukee Bucks de Oscar Robertson e Kareem Abdul-Jabbar.

Naquela temporada, o Lakers terminou com 69 vitórias e apenas 13 derrotas na temporada regular e na pós-temporada também foi bem: varreu o Chicago Bulls na primeira rodada, depois passou pelo Milwaukee Bucks e consagrou a temporada de um dos melhores times da história [16] na série final contra o Knicks, ao vencer o time de Nova Iorque em 5 jogos.[17] Wilt Chamberlain foi eleito o MVP daquelas finais.

Na temporada 1972-73 o Lakers fez uma outra boa campanha, vencendo 60 jogos dos 82 possíveis. Apesar de Wilt Chamberlain estar jogando sua última temporada, ele dominou a liga em rebotes pela 11ª vez. Nessa temporada ele também se tornou o primeiro jogador da história a acertar mais de 70% dos arremessos de quadra.[18] Tudo isso aos 36 anos.

O Lakers chegou mais uma vez às finais, após passar por Chicago Bulls e Golden State Warriors; porém, não conseguiu o título, que foi para Nova Iorque, depois da vitória do Knicks no jogo 5.

Lakers e o Showtime[editar | editar código-fonte]

No final dos anos 1970 e durante os anos 1980, o time contou com diversas estrelas no elenco, como Magic Johnson, James Worthy e Kareem Abdul-Jabbar. Sob o comando do vitorioso técnico Pat Riley, o time conquistou 5 campeonatos, sendo 3 desses, contra o grande rival Boston Celtics. Magic também conquistou 6 prêmios de MVP da temporada e Abdul-Jabbar assumiu o posto de maior cestinha da história da NBA.

Magic Johnson e Larry Bird disputando um rebote em uma das finais que Lakers e Celtics disputaram na década de 80

Após a aposentadoria de Magic Johnson em 1991, o Lakers passou 7 anos sem lutar pelo título da NBA, mas com a chegada de um dos pivôs mais dominantes da época, Shaquille O'Neal, e o calouro Kobe Bryant em 1996, a equipe se fortaleceu e voltou a brigar na parte de cima. Com a chegada do técnico Phil Jackson em 1999, os Lakers venceram três títulos consecutivos (1999-2000, 2000-01 e 2001-02), liderados em quadra pela dupla Shaq & Kobe. Porém, as desavenças entre o time, principalmente entre Shaq e Kobe, somada a eliminação dos Lakers nos playoffs de 2003 e nas finais em 2004 levou a saída de Shaquille O'Neal para o Miami Heat.

Anos Difíceis[editar | editar código-fonte]

Phil Jackson saiu do Lakers em 2004, mas retornou no ano seguinte para comandar um time tecnicamente fraco, que ficaria fora dos Playoffs pela quinta vez na história da franquia na temporada 2004-05. Porém, o fracasso dessa temporada rendeu ao Lakers uma boa posição no Draft, selecionando Andrew Bynum, pivô que seria de grande valia na equipe. Nas temporadas 2005-06 e 2006-07, o Lakers terminou em 7º no Oeste e foi eliminado no 1º round dos Playoffs pelo Phoenix Suns. E foi em 2006 que o Kobe Bryant anotou 81 pontos contra o Toronto Raptors, a maior pontuação em um único jogo da história da franquia e a 2º maior da história da NBA.

Retorno ao Topo[editar | editar código-fonte]

Em 2007, o Lakers re-adquiriu o armador Derek Fisher (que havia saído em 2004) e em fevereiro de 2008 adquiriu o pivô espanhol Pau Gasol. A equipe terminou a temporada regular liderando a Conferência Oeste e foi aos Playoffs como um dos favoritos ao título. Kobe Bryant foi eleito o MVP da temporada e o Lakers passou por Nuggets, Jazz e Spurs, mas perdeu nas finais da NBA para o rival Boston Celtics.

Na temporada seguinte (2008-09), o Lakers fez novamente a melhor campaha do Oeste e nos Playoffs derrotou Jazz, Rockets e Nuggets, até chegar nas finais da NBA e vencer em 5 jogos o

Kobe Bryant levanta o trófeu do título de 2009

Orlando Magic, conquistando o 15º título da história da franquia.

Em 2009-10, o Lakers trocou Trevor Ariza por Ron Artest e fortaleceu seu quinteto inicial, terminando a temporada regular com a melhor campanha do Oeste pela terceira vez consecutiva. Nos Playoffs, a equipe derrotou Oklahoma City Thunder, Utah Jaz e Phoenix Suns, encontrando novamente os rivais Celtics nas finais da NBA. Mas desta vez deu Lakers, vingando as finais de 2008 e conseguindo seu segundo título consecutivo.

Pós-Era Phil Jackson[editar | editar código-fonte]

Em 2010-11 os Lakers tiveram a chance de conquistar seu terceiro título consecutivo, mas após derrotarem o New Orleans Hornets nos Playoffs, a equipe caiu em 4 jogos para o Dallas Mavericks. Era o fim de uma era, pois Phil Jackson anunciou sua saída do Lakers.

Na encurtada temporada 2011-12, os Lakers foram comandados por Mike Brown e novamente a equipe caiu na segunda rodada dos Playoffs para o Oklahoma City Thunder, após terem vencido o Denver Nuggets na primeira rodada.

Durante a pós-temporada, um negócio envolvendo quatro times levou Dwight Howard (em troca de Andrew Bynum) para o Lakers, mas a temporada 2012-13 começou com 1 vitória e 4 derrotas, gerando a demissão de Mike Brown e a contratação de Mike D'Antoni. A equipe terminou a temporada com o pior retrospecto desde 2007 e só conquistou a vaga nos Playoffs após derrotar o Houston Rockets no último jogo da temporada regular. Nesta mesma temporada, o proprietário da franquia Jerry Buss morreu de câncer aos 80 anos. Apesar da classificação, o Lakers foi aos playoffs enfraquecido por lesões, sendo a principal a lesão no tendão de aquiles de Kobe Bryant, resultando numa eliminação em 4 jogos para o San Antonio Spurs.

A temporada 2013-14 do Lakers foi a pior da história da franquia desde que está estabelecida em Los Angeles, com um retrospecto de 27 vitórias e 55 derrotas, ficando de fora dos playoffs.

Nome, Logo e Uniformes[editar | editar código-fonte]

Nome, Logo e Uniformes[editar | editar código-fonte]

O apelido "Lakers" vem do fato do estado de Minnesota ser "o lar de dez mil lagos". As cores do time são roxo, dourado e branco e o logo principal da equipe consiste no nome do time "Los Angeles Lakers" escrito em roxo em cima de uma bola de basquete dourada. O uniforme roxo é utilizado em jogos na estrada e o uniforme dourado é usado em jogos em casa. A equipe também utiliza um uniforme branco para os jogos de domingo e ocasiões especiais.

Logo atual do Los Angeles Lakers

Arenas[editar | editar código-fonte]

A Divisão do Staples Center[editar | editar código-fonte]

O Staples Center não é uma arena particular do Lakers, que a divide com os seguintes times de diferentes ligas:

Staples Center, arena utilizada por diversas entidades esportivas de Los Angeles
Time Liga
Los Angeles Clippers NBA
Los Angeles Sparks WNBA
Los Angeles Kings NHL
Los Angeles Avengers AFL
Los Angeles D-Fenders D-League

Números Aposentados[editar | editar código-fonte]

13 - Wilt Chamberlain

Números aposentados do Lakers exibidos no Staples Center

22 - Elgin Baylor

25 - Gail Goodrich

32 - Magic Johnson

33 - Kareem Abdul-Jabbar

34 - Shaquille O'Neal

42 - James Worthy

44 - Jerry West

52 - Jamaal Wilkes

Microfone - Chick Hearn

Elenco Atual[editar | editar código-fonte]

Los Angeles Lakers
Jogadores Comissão Técnica
Pos. # País Nome Altura Peso Universidade
F 5 Estados Unidos Carlos Boozer 2 06 m 121 kg Duke
G 2 Estados Unidos MarShon Brooks (FA) 1 96 m 91 kg Providence
G 24 Estados Unidos Kobe Bryant (C) 1 98 m 93 kg Lower Merion HS (PA)*
G 6 Estados Unidos Jordan Clarkson (D) 1 93 m 85 kg Missouri
F 21 Estados Unidos Ed Davis 2 08 m 102 kg North Carolina
G 7 Estados Unidos Xavier Henry 1 98 m 100 kg Kansas
F/C 27 Estados Unidos Jordan Hill 2 08 m 107 kg Arizona
G/F 11 Estados Unidos Wesley Johnson 2 01 m 98 kg Syracuse
F 4 Estados Unidos Ryan Kelly 2 11 m 104 kg Duke
G 17 Estados Unidos Jeremy Lin 1 91 m 91 kg Harvard*
G 10 Canadá Steve Nash 1 91 m 81 kg Santa Clara
F 30 Estados Unidos Julius Randle (D) 2 06 m 113 kg Kentucky
C 50 Canadá Robert Sacre 2 13 m 118 kg Gonzaga
G/F 0 Estados Unidos Nick Young 2 01 m 95 kg Southern California
Técnico
Técnicos assistentes

Legenda
  • (C) Capitão
  • (D) Escolhido no Draft
  • (FA) Free agent
  • (IN) Inativo
  • (S) Suspenso
  • (INJ) Contundido

Elenco
• Última atualização: 27/07/2014

Técnicos[editar | editar código-fonte]

Período Técnico Temp. Regular Playoffs Campeonatos
1948-57 John Kundla 380-240 54-28 5
John Kundla 10-23 - -
1958-59 John Kundla 33-39 6-7 -
1959-60 John Castellani 11-25 - -
Jim Pollard 14-25 5-4 -
1960-67 Fred Schaus 315-245 33-38 -
1967-69 Bill Van Breda Kolff 107-57 21-12 -
1969-71 Joe Mullaney 94-70 16-14 -
1971-76 Bill Sharman 246-164 22-15 1
1976-79 Jerry West 145-101 8-14 -
1979-80 Jack McKinney 9-4 - -
Paul Westhead 51-18 12-4 1
1980-82 Paul Westhead 61-32 1-2 -
Pat Riley 50-21 12-2 1
1982-90 Pat Riley 483-173 90-47 3
1990-92 Mike Dunleavy 101- 63 13-10 -
1992-94 Randy Pfund 66-80 2-3 -
Bill Bertka 1-1 - -
Magic Johnson 5-11 - -
1994-99 Del Harris 224-116 17-19 -
Bill Bertka 1- 0 - -
Kurt Rambis 24-13 3-5 -
1999-04 Phil Jackson 287-123 64-28 3
2004-05 Rudy Tomjanovich 24-19 - -
Frank Hamblen 10-29 - -
2005-2011 Phil Jackson 323-169 54-35 2
2011-2012 Mike Brown 42-37 5-7
2012 Mike D'Antoni - - -

Referências

  1. [1] Emporis.com(em inglês)
  2. Índice com dados dos times da NBA
  3. Espn.com(em inglês)
  4. O Globo - 'Lakers bate Nuggets e está na final da NBA'
  5. [http://www.nba.com/news/winning_streaks.html - NBA.com (em inglês)
  6. Thornley, Stew [http://stewthornley.net/mplslakers.html The 1947-48 Lakers Basketball’s Original Dynasty: The History of the Lakers (em inglês)
  7. Registro de Jogos Lakers, temporada 48-49 (em inglês)inglês) - Basketball-Reference.com
  8. [http://www.basketballreference.com/teams/teamyear.htm?tm=MIE&lg=n&yr=1949 Elenco do Lakers, temporada 48-49 (em inglês) - Basketball-Reference.com
  9. [http://www.basketballreference.com/teams/teamscores.htm?tm=MIE&yr=1949&lg=n Registro de Jogos Lakers, temporada 49-40 (em inglês)- Basketball-Reference.com
  10. [2] Basketball-Reference.com
  11. [3] Basketball-Reference.com
  12. [4] Basketball-Reference.com
  13. Lakers Players.org
  14. Revista Mundo Estranho, Editora Abril
  15. [http://www.basketballreference.com/players/playerpage.htm?ilkid=BayloEl01 Estatísticas de Elgin Baylor (em inglês) Baskteball-Reference.com
  16. [http://www.nba.com/history/toptenteams_index.html Os melhores times da história - NBA.com/History (em inglês)
  17. [http://www.basketballreference.com/teams/teamscores.htm?tm=LAL&yr=1971&lg=n Jogos do Lakers em 1971-72 (em inglês)
  18. [http://www.basketballreference.com/players/playerpage.htm?ilkid=CHAMBWI01 Temporadas de Wilt Chamberlain (em inglês)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]