Sensacionalismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Sensacionalismo é um tipo de viés editorial na mídia em massa em que os eventos e temas em notícias e partes são mais exageradas para aumentar os números de audiência ou de leitores.[1] O sensacionalismo pode incluir relatórios sobre assuntos geralmente insignificantes e eventos que não influenciam a sociedade em geral e apresentações tendenciosas de temas de interesse jornalístico de uma forma trivial ou tabloide.[2] [3]

Algumas táticas incluem ser deliberadamente obtusas,[4] apeladas às emoções,[5] sendo controversas, intencionalmente omitidas de fatos e informações,[6] sendo barulhentas e auto-centradas, agindo para obter atenção.[5] Informações triviais dos eventos às vezes são deturpadas e exageradas como importantes ou significativas, e muitas vezes incluem histórias sobre as ações de indivíduos e pequenos grupos de pessoas, o conteúdo do que é muitas vezes insignificante e irrelevante em relação aos eventos de macro-nível do dia-a-dia que ocorrem no mundo. Além disso, o conteúdo e o assunto normalmente não afetam a vida das massas e não afeta a sociedade, e em vez disso é transmitida e impressa para atrair telespectadores e leitores. Exemplos disso incluem a cobertura da imprensa sobre o escândalo de Bill Clinton e Monica Lewinsky,[7] [8] o julgamento de Casey Anthony,[9] o papel de Tonya Harding no ataque de Nancy Kerrigan,[10] o caso Elián González[11] e o caso de assassinato de O. J. Simpson.[12] [13]

História[editar | editar código-fonte]

Em A History of News, o autor Mitchell Stephens (professor de jornalismo e comunicação de massa na Universidade de Nova Iorque)[2] observa que o sensacionalismo pode ser encontrado no Acta Diurna (avisos e anúncios oficiais que foram apresentados diariamente em fóruns públicos, o conteúdo percebido de que se espalhou com entusiasmo nas sociedades analfabetas), na Roma Antiga.[2] O sensacionalismo foi usado em livros do século XVI e XVIII, para ensinar lições morais. De acordo com Stevens, o sensacionalismo trouxe a notícia de um novo público, quando se tornou visando a classe mais baixa, que tinha uma necessidade menor de compreender com precisão a política e a economia.[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Kaplan, Martin F.; Martín, Ana M.. Understanding World Jury Systems Through Social Psychological Research (em inglês). [S.l.]: Psychology Press, 2013. ISBN 1134953054
  2. a b c d Stephens, Mitchell. A History of News (em inglês). Nova Iorque: Oxford University Press, 2007. ISBN 978-0-19-518991-9
  3. Thompson, John. In: Mackay, Hugh; O'Sullivan, Tim. The Media Reader: Continuity and Transformation (em inglês). [S.l.]: Sage Publications Ltd, 1999. Capítulo: The Media and Modernity. , ISBN 978-0-7619-6250-2
  4. "Sensationalism." Merriam-Webster Dictionary. Página visitada em 19 de julho de 2014.
  5. a b "Sensationalism." Thefreedictionary.com. Página visitada em 19 de julho de 2014.
  6. "Issue Area: Narrow Range of Debate." Fairness & Accuracy In Reporting. Página visitada em 19 de julho de 2014.
  7. Stanley, Alessandra (19 de fevereiro de 2012). The Epoch of Clinton, So Close Yet So Far (em inglês). The New York Times. Página visitada em 19 de julho de 2014.
  8. Kevin Day, Patrick (15 de fevereiro de 2012). Monica Lewinsky back in spotlight with PBS' two-part 'Clinton' (em inglês). Los Angeles Times. Página visitada em 19 de julho de 2014.
  9. Casey Anthony trial: Media frenzy at new heights (em inglês). CBS News. Página visitada em 19 de julho de 2014.
  10. Gamson, Joshua (1° de fevereiro de 1995). Incredible news: tabloids meet news. (tabloid news sensationalism) (em inglês). Business Highbeam. Página visitada em 19 de julho de 2014.
  11. Elian Gonzalez and "The Purpose of America": Nation, Family, and the Child-Citizen (em inglês). Muse. Página visitada em 19 de julho de 2014.
  12. Uelmen, Gerald. F.. The Five Hardest Lessons from the O.J. Trial (em inglês). Santa Clara University. Página visitada em 19 de julho de 2014.
  13. Ayers, Edward; Gould, Lewis; Oshinsky, David; Soderlund, Jean. American Passages: A History of the United States, Volume II (em inglês). 4 ed. [S.l.]: Cengage Learning, 2008. p. 949. ISBN 0547166354