O. J. Simpson

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O. J. Simpson em 1990

Orenthal James "O.J." Simpson (São Francisco, 9 de Julho de 1947) é um ex-jogador de futebol americano e ator norte-americano.

Em 1994 foi acusado do assassinato de sua ex-mulher Nicole Brown e de seu amigo Ronald Goldman. Foi absolvido após um longo julgamento, que recebeu grande destaque na mídia.

Em setembro de 2007, voltou a ter problemas com a lei após ser preso em Las Vegas, Nevada, e posteriormente acusado de diversos crimes, entre eles assalto à mão armada, sequestro e formação de quadrilha.[1] Em 3 de outubro de 2008 foi considerado culpado de todas as acusações,[2] permanecendo detido no Clark County Detention Center enquanto aguardava a promulgação da sentença, marcada para 5 de dezembro de 2008.[3]

Julgado culpado, foi condenado a um total de 33 anos de prisão, sendo 15 anos por sequestro, 6 anos por porte de arma durante o crime e 12 anos por roubo. A revista norte americana "National Enquirer" publicou no dia 15 de fevereiro de 2011 que o mesmo teria sido espancado por um grupo de jovens "skinheads" há cerca de um mês atrás no pátio da prisão onde se encontra. O motivo da briga seria por revelações de relações sexuais feitas pelo ex-jogador de futebol americano com mulheres brancas no passado, se vangloriando do fato. Com os socos e pontapés recebidos o mesmo veio a desmaiar ficando três semanas internado na enfermaria da penitenciária. De acordo com a revista, ainda não se recuperou mentalmente, além de falar pouco e ter medo de deixar sua cela. Segundo o jornal americano "Huffington Post", a notícia só veio a tona agora porque a Direção da Penitenciária fez de tudo para manter a agressão em segredo e não conseguiram.

Julgamento por assassinato[editar | editar código-fonte]

Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde Dezembro de 2008). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.

O julgamento de Simpson começou em 26 de setembro de 1994 e durou 372 dias. Ele foi acusado de matar a facadas sua ex-mulher, Nicole Brown, e seu amigo, Ronald Goldman, em 12 de junho de 1994, entre dez e onze horas da noite, em frente à casa dela.

Nicole, ex-garçonete, passou a viver com Simpson em 1978, depois que ele se separou da primeira mulher, Marguerite. Simpson e Marguerite foram casados por onze anos e tiveram três filhos (um deles morreu aos dois anos). Simpson e Nicole oficializaram a união com uma grande festa em 1985. Tiveram dois filhos. Nesse mesmo ano, Simpson quebrou, com um bastão de beisebol, os vidros do carro de Nicole, onde ela havia se refugiado depois de uma discussão. O divórcio aconteceu em 1992 e havia registros policiais de três agressões físicas de Simpson contra Nicole. No ano de 1993, Simpson chegou a invadir a casa da ex-mulher, que se trancou na cozinha.

Em 17 de Junho de 1994, ao ser acusado de duplo homicídio, Simpson desapareceu depois de deixar com amigos uma carta que anunciava seu desejo de cometer suicídio. Foi perseguido pela polícia por 96 quilômetros, trancou-se durante horas em seu carro e em seguida se entregou. A perseguição à O. J. Simpsom ganhou grande cobertura da mídia e dividiu as atenções com os eventos desportivos que aconteciam nesse mesmo dia, como a abertura da Copa do Mundo FIFA e o quinto jogo das finais da NBA entre New York Knicks e Houston Rockets.

O júri era formado por nove negros, dois brancos e um hispânico. Dos doze jurados, dez eram mulheres. O veredicto "inocente" foi anunciado no dia 3 de outubro de 1995.

Números do julgamento[editar | editar código-fonte]

  • Foram ouvidas 133 testemunhas.
  • A palavra sangue, a mais citada, foi pronunciada 15 mil vezes no julgamento.
  • Aconteceram 16 mil objeções durante o julgamento
  • Os autos tinham 50150 páginas e um total de 1 milhão de linhas escritas.
  • Vinte milhões de pessoas assistiram ao julgamento pela televisão. O anúncio do veredicto bateu o recorde de audiência da chegada do homem à Lua e do funeral do presidente norte-americano John Kennedy, recordes antes quebrados em abril de 1973 com o show de Elvis Presley no Havaí.
  • A promotora Marcia Clark foi quem mais falou no julgamento: 37 mil palavras. Em segundo lugar, ficou o principal advogado de defesa, Johnnie Cochran, com 33 mil palavras.

Curiosidades do julgamento[editar | editar código-fonte]

  • Durante o julgamento, o ex-marido da promotora Marcia Clark vendeu para a imprensa sensacionalista fotos em que ela aparece com os seios nus.
  • O advogado de Simpson, Johnnie Cochran, foi acusado pela ex-mulher, num livro, de tê-la espancado com freqüência. Ele era também advogado de Michael Jackson.
  • O juiz Lance Ito é filho de dois imigrantes japoneses que se conheceram num campo de concentração para japoneses nos EUA durante a Segunda Guerra Mundial.

Revelações impressionantes[editar | editar código-fonte]

O. J. Simpson com a filha, Sydney Brooke, em 1986.

O. J. Simpson finalmente revelou como arquitetou o plano em que ele matou sua ex-esposa - Nicole Brown - e o amigo dela - Ronald Goldman. O. J. escreveu em seu livro, "If I Did It", que já estava, havia um tempo, observando os passos da ex-esposa. No dia em que o amigo de Nicole, Ronald Goldman, chegou para devolver alguns utensílios emprestados pela mãe de Nicole, Simpson resolveu agir.

Foi até o carro, vestiu um par de luvas de golfe e com uma faca em mãos entrou na casa de Nicole de modo ímpar. Gritando e discutindo, afirmando que Nicole tinha ido para uma noitada com o amigo. Nicole negou, Ronald também. Simpson entretanto preferiu "acreditar" no cachorro de Nicole, que chegou na sala abanando o rabo para Ronald.

Neste momento Simpson teve um ataque de raiva e gritou : " Você já esteve aqui ".

Foi o estopim de um dos crimes mais noticiados por todo os Estados Unidos. Simpson parte para cima de Ronald e com a faca, que havia trazido do carro, Simpson atinge fatalmente Ronald com dezenas de facadas. Feito isso, ele ataca Nicole, chegando a quase arrancar a sua cabeça.

A frieza com que Simpson narra a história, no seu livro, desperta ódio no povo americano que faz manifestações contra a venda do livro. Chegando a ponto de um dos sócios mais importantes da editora pedir desculpas em público.

A editora teve que destruir cerca de 400 mil exemplares do livro.

A sentença de Simpson não sofreu nenhuma alteração, pois nos Estados Unidos (tal como em grande parte do Mundo) ninguém pode ser julgado duas vezes pelo mesmo crime.

Há ainda rumores de que se for comprovado que Simpson ganhou de 900.000 doláres pela venda do livro, as famílias das vítimas podem reclamar uma parte desse valor.

Vale lembrar que o pagamento 33,5 milhões, que Simpson deveria pagar a família das vítimas, ainda não foi quitado.

O novo julgamento de O. J. Simpson[editar | editar código-fonte]

Novamente O. J. Simpson volta ao banco dos réus, desta vez por um crime menos violento, mas não menos importante.

ex-jogador voltou ao banco do réus, para se defender de uma acusação de assalto a um hotel-cassino em Las Vegas, após 13 anos da morte trágica de sua esposa (citado anteriormente)

O assalto aconteceu no ano de 2007, e Simpson chegou a ser preso, mas foi solto ao pagar a fiança de 125 mil doláres, valor esse que seria dobrado mais tarde por ordem da juíza Jackie Glass, obrigando o ex-jogador a pagar 250 mil doláres para o estado de Nevada.

As vítimas do assalto foram dois vendedores de artigos esportivos para colecionadores. Eles estavam em um quarto de um hotel-cassino em LV, e afirmaram que foram rendidos por Simpson e alguns outros homens, todos bem armados. Simpson negou, afirmou que ele só fora ao quarto para recuperar alguns objetos que eram seus de direito, afirmou também que não estava armado.

Do quarto foram subtraídos dois trófeus e várias lembranças assinadas pelo ex-jogador.

O júri encarregado do caso de Simpson, "não teve nem dó nem piedade", declarando-o culpado, no dia 3 de Outubro de 2008.

A pena foi divulgada a 5 de Dezembro, sendo condenado a 33 anos de prisão efectiva, com sequestro e assalto à mão armada, entre as 12 acusações de que foi considerado culpado.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

  • Medical Center episódio The Last 10 Yards (1969)
  • Cade's County (série de TV) episódio "Blackout" (1972)
  • Why (1973)
  • Here's Lucy (série de TV) episódio "The Big Game" (1973)
  • The Klansman (1974)
  • O. J. Simpson: Juice on the Loose (TV) (1974)
  • The Towering Inferno (1974)
  • The Cassandra Crossing (1976)
  • Killer Force (1976)
  • A Killing Affair (TV) (1977)
  • Roots (1977)
  • Capricorn One (1978)
  • Firepower (1979)
  • Goldie and the Boxer (TV) (1979)
  • Detour to Terror (TV) (1980)
  • Goldie and the Boxer Go to Hollywood (TV) (1981)
  • Cocaine and Blue Eyes (TV) (1983)
  • Hambone and Hillie (1984)
  • 1st & Ten (1985–1991)
  • Back to the Beach (1987)
  • Student Exchange (TV) (1987)
  • The Naked Gun: From the Files of Police Squad! (1988)
  • In the Heat of the Night episode "Walkout" (1989)
  • The Naked Gun 2½: The Smell of Fear (1991)
  • CIA Code Name: Alexa (1993)
  • No Place to Hide (1993)
  • Naked Gun 33⅓: The Final Insult (1994)
  • Family Guy episódio 9 da 7° temporada The Juice is Loose (2007)

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre O. J. Simpson