Larry Bird

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Larry Bird
Informações pessoais
Nome completo Larry Joe Bird
Data de nasc. 7 de dezembro de 1956 (57 anos)
Local de nasc. West Baden, Indiana,  Estados Unidos
Altura 2,06 m
Peso 100 kg
Informações no clube
Clube atual aposentado
Posição Ala
Clubes de juventude
1976–1979 Indiana State
Clubes profissionais
Ano Clubes Partidas (pontos)
1979 - 1998 Estados Unidos Boston Celtics 897 (21,791)

Larry Joe Bird (West Baden Springs, Indiana, em 7 de dezembro de 1956), jogador e treinador de basquete norte-americano, um dos maiores da história.[1] [2] [3] [4]

Jogador completo, com um arremesso de três pontos quase infalível, grande habilidades com as mãos, passes incríveis e agilidade para roubar a bola, foi o jogador principal por anos da grande dinastia do Boston Celtics em seus anos dourados. Atrás apenas de Michael Jordan e do grande rival Magic Johnson no quesito melhores da história, foi protagonista de alguns dos jogos mais incríveis da NBA, lutando com garra até o último instante em todos os jogos.

Mais adiante virou técnico e executivo da NBA, também atingindo grande sucesso e fama nessa função.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Basquete Universitário[editar | editar código-fonte]

Larry Joe Bird nasceu em West Baden Springs e cresceu em French Lick, Indiana, e iniciou a sua carreira no basquete ao fazer parte de seu time de 2º grau, sendo posteriormente selecionado pela Indiana University e seu legendário técnico, o explosivo Bobby Knight. Contudo, com um time de Indiana University repleto de estrelas e uma atmosfera não muito compatível com seu estilo de vida simples levaram Larry Bird a abandonar a equipe após um mês de treinos. Trabalhou por um tempo no departamento de limpeza urbana de sua cidade como coletor de lixo e gari, até ser convidado pelo técnico Bill Hodges a fazer parte da equipe da Indiana State University, arqui-rival da Indiana University anteriormente rejeitada por Bird.

Suas memoráveis performances pelos Sycamores da Indiana State University o alçaram ao posto de melhor jogador de basquete universitário de 1979, juntamente com outra estrela em destaque pela Michigan State University - Earvin "Magic" Johnson. Apropriadamente, Michigan State University e Indiana State University decidiram o Final Four (finais do basquete universitário norte-americano) em Salt Lake City, Utah, com Magic Johnson liderando seu time à vitória. Mal sabiam as duas estrelas do torneio que seus destinos ainda se cruzariam diversas vezes.

Basquete Profissional[editar | editar código-fonte]

Sendo Magic Johnson selecionado pelos Los Angeles Lakers, Larry Bird foi selecionado pelo Boston Celtics, reacendendo a mais antiga e ferina rivalidade da NBA. Bird incendiou a liga com seus arremessos perfeitos, seus passes maravilhosos e sua garra - muito embora os críticos da época o considerassem um jogador dos anos 50, que não conseguia correr, saltar, era muito lento e não conseguiria jogar na NBA. Larry Bird, com sua forte personalidade e sua ética de trabalho, calou todos os críticos e se firmou como uma das estrelas da NBA nos anos 80, ao lado de Magic Johnson, Julius Erving, Kareem Abdul-Jabbar, George Gervin, Charles Barkley, Isiah Thomas e Michael Jordan.

Bird colecionou 3 títulos da NBA, sendo o primeiro em 1981 contra o Houston Rockets. Nesta série, Bird começou mal na parte ofensiva, sendo marcado implacavelmente por Robert Reid; decidiu então sacrificar seu poderio ofensivo em prol da equipe, com suas assistências, defesa e espírito coletivo - sempre suas características. Boston fechou a série contra um time pouco inspirado do Houston Rockets, liderado por Moses Malone e que se limitava a um forte jogo de meia quadra, sem quaisquer pretensões de elaborar um jogo de transição mais rápido e eficiente. O jogo decisivo fechou com um tiro de 3 pontos de Larry Bird e a comemoração nos vestiários mostrou um Larry Bird com um charuto do lendário treinador Red Auerbach, selando assim o início da "Era Bird" dos Boston Celtics.

Os campeonatos de 1982 e 1983, vencidos por Los Angeles e Philadelphia, respectivamente, foram um perfeito exemplo de times do Celtics que no papel eram fortíssimos mas que nunca se mostraram uma equipe coesa. Larry Bird mencionou que "parecemos um bando de indivíduos jogando com o mesmo uniforme" e após a derrota acachapante nos playoffs para o Milwaukee Bucks em 1983, por 4 a 0 (primeira vez na história em que os Celtics haviam sofrido tal humilhação), Bird jurou que nunca mais sentiria a vergonha de uma derrota como essa. O paranóico e autoritário técnico Bill Fitch foi demitido, sendo KC Jones (campeão pelos Celtics como jogador nos anos 60) foi efetivado. Algumas trocas durante as férias e um forte trabalho de preparação apontavam o Boston Celtics como o grande favorito ao título de 1984.

Mas seus grandes rivais, o Los Angeles Lakers e seu líder, Magic Johnson, também tinham planos para ganhar o troféu novamente, perdido para os Sixers de Philadelphia de Dr. J em 1983. E o mundo do basquete se preparou para a temporada de 1984, considerada por muitos críticos como a mais equilibrada nos últimos 20 anos naquele tempo. Os índices de audiência alcançaram picos surpreendentes, os ginásios lotaram e a liga voltou a ter lucro. Muitos creditam esta ressurgência da NBA graças a Magic Johnson e Larry Bird.

Apropriadamente, Lakers e Celtics se encontraram nas finais de 1984. A série prometia, e nunca a cobertura da imprensa foi tão intensa. Quem é melhor: Bird ou Magic? Os Lakers abriram a série com uma vitória em Boston, aproveitando a lerdeza dos Celtics e uma péssima apresentação de Bird, talvez ansioso por derrotar Magic e vingar a derrota imposta por ele nas finais do universitário de 1979. No 2º jogo, Bird voltou a jogar bem, comandando sua equipe em um jogo equilibrado, que seria decidido apenas nos últimos segundos. Com 5 segundos restantes no relógio, Boston perdia por um ponto e se preparava para atacar, mas um erro devolveu a bola para Los Angeles na lateral. Byron Scott colocou a bola em jogo para James Worthy e este tentou um passe cruzado, que foi interceptado pelo veloz Gerald Henderson, que roubou a bola e com uma bandeja nos segundos finais, deu a vitória aos Celtics, empatando a série final em 1X1. Agora os jogos seriam em Los Angeles.

Boston sentiu o glamour e o brilho das estrelas de Hollywood presentes nas cadeiras, o ar-condicionado do Forum de Inglewood e assistiu a um verdadeiro show de Magic Johnson e o "showtime" dos Los Angeles Lakers, que pulverizaram os Celtics nos dois jogos seguintes com um forte, rápido e eficiente jogo de transição de contra ataques devastadores. Boston, que jogava um estilo mais cadenciado e físico no garrafão, sabia que algo precisava ser feito. A série estava em 3X1 para Los Angeles e muitos críticos já consideravam os Lakers campeões. Mas Larry Bird ainda não estava pronto para perder para Magic Johnson novamente, e após o jogo 4, declarou que seus companheiros de equipe "haviam jogado como um bando de mocinhas", "sem coração" e que "enquanto deixarmos Magic correr livremente, dar passes espetaculares e comemorar a noite toda, teremos encrenca."

Boston parece ter entendido o recado de seu líder e partiu para uma estratégia conhecida no meio esportivo - fazer o jogo à sua maneira e não deixar o adversário jogar. Los Angeles não correria mais, seus contra ataques seriam parados na defesa e o jogo físico de garrafão prevaleceria. O ponto crítico do jogo ocorreu quando Los Angeles partiu para um contra-ataque e Kevin MacHale cometeu falta violenta em Kurt Rambis, o levando ao chão com uma gravata. Los Angeles ainda manteve o jogo equilibrado e Magic Johnson ainda teve a chance da vitória que daria o título aos Lakers, mas Larry Bird mais uma vez marcou nos segundos finais com sua frieza e precisão, levando jogo para a prorrogação e liderando os Celtics para a vitória. Os Celtics ainda perdiam a série em 3X2, mas voltavam para Boston e seu templo sagrado do Basquetebol, o Boston Garden. E os jornais de LA tinham um novo apelido para Magic, que perdera os lances livres que dariam o título a LA: "Tragic Johnson".

Los Angeles sentiu o baque da derrota com o título tão próximo e não teve forças para segurar a onda verde que os atropelava - os jogadores de Boston. O barulho ensurdecedor, o calor de 40 graus em quadra e Larry Bird, "imarcável" no decisivo jogo 7 bateram os Lakers e trouxeram a bandeira do 15º campeonato para a catedral do Basquete. Larry Bird se consagrava como um dos maiores jogadores de todos os tempos e devolvia a derrota sofrida no universitário. Nos vestiários após a vitória, declarou aos microfones da CBS que aos seus olhos e nos olhos de muitos torcedores de Indiana, ele havia finalmente derrotado Magic.

A temporada de 1985 abriu como se esperava - LA e Boston nas finais novamente. E foi o que exatamente aconteceu, exceto por um detalhe interessante - surgia uma nova estrela no Chicago Bulls, um franzino jogador que saltava espetacularmente, com o nome de Michael Jordan e outro calouro dos Sixers que também se destacava pela sua força física e pelos rebotes - um certo Charles Barkley.

Mais uma vez, Boston e Los Angeles iniciavam as finais da NBA de 1985. Será que Magic sucumbiria novamente e os Lakers continuariam sem vencer os Celtics em Finais? Tudo indicava que sim, quando os Celtics acabaram com os Lakers no jogo 1 no Boston Garden por mais de 30 pontos de diferença, conhecido como o "Memorial Day Massacre". Los Angeles se recuperou e venceu o jogo 2 e Boston, voltando para Los Angeles e conseguindo vitórias nos jogos 3 e 4 e perdendo o jogo 5. Com a série retornando para Boston, se repetia o formato de 1984 - Boston perdendo por 3X2 e voltando para decidir os dois jogos finais em casa. Mas Los Angeles tinha outros planos e com um heróico jogo de Kareem Abdul Jabbar e Magic Johnson, derrotou Boston pela primeira vez na história no Boston Garden, garantindo o título da NBA. Bird, com contusões nas costas e cotovelo direito, não foi um fator nas séries, mas contribuiu de forma significativa com o time, muitas vezes jogando no sacrifício.

Em 1986, Larry Bird foi o melhor jogador da NBA e o Boston Celtics, o melhor time da liga. No jogo 6 das finais desse ano, Bird e os Celtics mostraram o porquê. Bird ajudou Boston a conquistar o 16º título da NBA, marcando um triple-double de 29 pontos, 11 rebotes e 12 assistências.[2]

Medalhista
Competidor do EUA
Jogos Olímpicos
Ouro 1992 Barcelona Basquete

Em 1987 Bird voltaria às finais uma última vez, mas após duas séries difíceis contra os Milwaukee Bucks e o Detroit Pistons, o time dos Celtics estava cheio de lesões e não aguentou os Lakers. Na temporada seguinte os Pistons eliminariam os Celtics na final do Leste. Em meio à temporada 1988-89 Bird teve de se afastar para tirar Osteófitos de seus dois calcanhares, voltando apenas nos playoffs. Com problemas nas costas nos anos seguintes, jogou no sacrífício até anunciar sua aposentadoria em agosto de 1992. Antes, jogou no chamado "Dream Team" que ganhou a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Verão de 1992.

Após a aposentadoria[editar | editar código-fonte]

Larry Bird em 2004.

O Celtics manteve Bird no gabinete de 1992 a 1997. Em 1997, Bird aceitou ser técnico do Indiana Pacers, dizendo que ficaria apenas três anos. Mesmo sem experiência prévia, liderou o time a seu melhor desempenho até então, com 58 vitórias, e conduziu-os para as finais do Leste, onde duraram sete jogos contra o Chicago Bulls. Bird foi eleito técnico do ano - único jogador a conseguir tal título junto ao de MVP. Então deu dois títulos da Divisão Central ao time, que chegou até as finais de 2000.

Após deixar o cargo de técnico em 2000, voltou aos Pacers em 2003 como Presidente das Operações de Basquete. Em 2012 foi eleito Executivo do Ano.

Glórias e Prêmios[editar | editar código-fonte]

  • 3 vezes campeão da NBA (1981, 1984, 1986)
  • 3 vezes MVP da NBA (1984, 1985, 1986)
  • 12 aparições no All Star Game
  • 2 vezes MVP das Finais (1984, 1986)
  • 9 vezes eleito para o time ideal da NBA (1980-1988)
  • Uma vez eleito para o segundo time da NBA (1990)
  • Eleito para o time ideal de calouros, e o Calouro do Ano (1980)
  • Eleito um dos 50 maiores jogadores da NBA
  • 1 vez MVP do All Star Game (1982)
  • 3 vezes campeão do Campeonato de 3 pontos da NBA (1986-1988)
  • Camisa aposentada pelo Boston Celtics (#33)
  • Campeão Olímpico (1992)

Referências