George Foreman

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
George Foreman Boxing pictogram.svg
Informações pessoais
Apelido Big George[1]
Categoria Peso-pesado
Nacionalidade  Estados Unidos
Data de nascimento 10 de janeiro de 1949 (65 anos)
Cidade natal Marshall, Texas
Estilo Ortodoxo
Altura 192 cm (6 ft 3,5 in)[1]
Cartel
Lutas 81
Vitórias 76
Vitórias por nocaute 68
Derrotas 5
Empates 0
Desistências 0
Medalhas
Jogos Olímpicos de Verão de 1968
Ouro Cidade do México 1968 Peso-pesado

George Edward Foreman[1] (Marshall, Texas, 10 de janeiro de 1949) é um empreendedor e ex-pugilista americano, duas vezes campeão mundial de boxe na categoria peso-pesado e medalhista de ouro nos Jogos Olímpicos de 1968.[2]

Seus títulos mundiais que foram de 1973 e 1994,[3] sendo o último aos 45 anos, nocauteando o pugilista de 26 anos Michael Moorer no 10.º round e estabelecendo assim o recorde, ainda em vigor, de campeão com maior idade dentre os pesos-pesados.[4] De 81 lutas, venceu 76, sendo 68 por nocaute. Junto de Muhammad Ali , Joe Frazier e Mike Tyson, é considerado um dos maiores pesos-pesados de todos os tempos.[5] Fez sua última luta aos 48 anos, perdendo por decisão muito controversa. Foreman foi nomeado o 25º melhor lutador dos últimos 80 anos pela revista The Ring[5] e o 20.º melhor lutador de todos os tempos pelo canal de televisão ESPN.[6] Apelidado de "Big George",[1] ele é agora um homem de negócios bem-sucedido e um ministro cristão ordenado que tem sua própria igreja.

Foreman tem 10 filhos, e cinco deles são chamados George: George Jr., George III, George IV, George V, e George VI. Seus três filhos mais velhos são distinguidos entre si pelos apelidos "Monk", "Big Wheel" e "Little George."[7] Após encerrar sua carreira esportiva, tornou-se um rosto popular para o público das novas gerações, quando passou a dedicar-se à promoção de grelhas com seu nome na televisão.

Infância[editar | editar código-fonte]

George nasceu de uma família pobre[8] em Marshall, Texas, Estados Unidos em 10 de janeiro de 1949.[2] Era o quinto filho de sete crianças[9] e, desde pequeno, seus pais notavam seu talento durante os jantares da família, pois Foreman frequentemente envolvia-se em brigas com seus irmãos.[10] Sua carreira de amador foi levada a sério na década de 1960, quando, em 1968, derrotando o pugilista soviético Ionas Chepulis, conquistou o título olímpico de boxe na categoria peso-pesado (+81 kg) na Cidade do México, México.[11] Segundo Foreman, este foi o título mais importante de sua carreira, pois ele era jovem e estava representando seu país.[3] Esta havia sido sua última vitória como amador, pois no final do ano, ele passaria a ser reconhecido como um boxeador profissional.[2]

Carreira profissional[editar | editar código-fonte]

Foreman, após um recorde amador de 21-6,[12] tornou-se profissional em 1969 com um nocaute em três rounds sobre Donald Walheim em Nova Iorque. Ele tinha um total de 12 lutas nesse ano, vencendo todas elas (sendo 11 por nocaute).[12] Entre os pugilistas que ele derrotou, havia Cookie Wallace, contra o qual sua luta durou apenas 23 segundos.

Em 1970, Foreman continuou sua marcha em direção ao indisputado título dos peso-pesados, vencendo todas as suas doze lutas (11 por nocaute). Dentre os oponentes que ele derrotou, havia Gregorio Peralta, de quem venceu no Madison Square Garden, e George Chuvalo, de quem venceu por nocaute técnico (TKO) em três rounds. Após esta vitória impressionante, Foreman derrotou Charlie Polite em quatro rounds e Boone Kirkman em três.

Em 1971, George venceu mais sete lutas, incluindo uma revanche com Peralta, de quem venceu por nocaute ao décimo e último round em Oakland, Califórnia, e uma vitória sobre Leroy Caldwell, que foi nocauteado no segundo round. Após acumular um recorde de 32-0, Foreman foi classificado como o número um do boxe peso-pesado pela Associação Mundial de Boxe e o Conselho Mundial de Boxe. Em 1972, sua sequência de vitórias continuou com uma série de cinco lutas consecutivas, nas quais ele derrotou cada oponente em dentro de três rounds.

The Sunshine Showdown (vs. Joe Frazier)[editar | editar código-fonte]

Ainda invencível, e com um impressionante recorde de nocautes, Foreman foi escolhido para desafiar o campeão do indisputado título mundial peso-pesado Joe Frazier, quem em 1971, havia vencido, sob uma decisão unânime, o anteriormente imbatível Muhammad Ali, seguindo o regresso de Ali aos ringues após um exílio de mais de três anos e meio.

A luta (chamada de The Sunshine Showdown) teve lugar em 22 de janeiro de 1973, em Kingston, Jamaica, com George derrubando Frazier seis vezes em dois rounds para vencer o campeonato por nocaute em meio a um dos maiores distúrbios em uma luta de boxe já ocorridos. No que foi a primeira transmissão de boxe da rede de televisão HBO, a chamada feita por Howard Cosell tornou-se uma das mais memoráveis em todos os esportes: "Frazier vai à lona! Frazier vai à lona! Frazier vai à lona!" Antes da luta, Frazier tinha um recorde de 29-0 (25 KO) e Foreman de 37-0 (34 KO). Igualmente memorável foi o soco final de George, um soco feito com tanta força que levantou Frazier do chão, antes de enviá-lo para a lona ao sexto e último round. Frazier conseguiu se levantar, como ele tinha feito nas anteriores 5 derrubadas, porém o árbitro Arthur Mercante deu um fim à luta. Foreman, no entanto, depois, admitiu que estava com medo de Frazier antes da luta, e foi um estreito gancho de esquerda que levou-o a terminá-la rapidamente.

Por vezes, ele foi caracterizado pela mídia como um campeão distante e antissocial. Segundo eles, George sempre parecia usar um sorriso de escárnio e frequentemente não estava disponível para a imprensa. Foreman atribuiria, posteriormente, seu comportamento durante esta época como uma emulação de Sonny Liston, a quem ele tinha sido um parceiro ocasional de boxe.

No entanto, passou a defender o seu título com sucesso duas vezes durante seu primeiro reinado como campeão. Sua primeira defesa de título, em Tóquio, fê-lo competir contra o campeão peso-pesado porto-riquenho José Roman. Roman não era considerado como um contendor top, e Foreman gastou apenas 2 minutos para terminar a luta, um dos mais rápidos nocautes em uma final de um campeonato peso-pesado. A próxima defesa de Foreman foi contra um adversário muito mais difícil. Em 1974, em Caracas, Venezuela, ele encarou Ken Norton, que carregava um recorde de 30-2, um pugilista notório pelo seu estranho estilo de boxe e defesa estilo "caranguejo", que havia quebrado o maxilar de Muhammad Ali, enquanto se defendia em pontos no ano anterior. As habilidades de Norton, no entanto, eram suspeitas, e Foreman colocou-o à prova. Em uma surpreendente exibição de agressão e poder nos socos, George nocauteou Norton em apenas dois rounds. A vitória fez de Foreman com o recorde de 40-0 com 37 nocautes.

The Rumble in the Jungle (vs. Muhammad Ali)[editar | editar código-fonte]

A próxima defesa do título de Foreman, contra Muhammad Ali, foi histórica. Ali tinha um recorde de 44-2 (31 KO), com as únicas derrotas sendo para Frazier e Norton. Frazier havia derrubado Ali no 15º round em caminho a uma decisão unânime (9-6, 11-4 e 8-6-1), enquanto que Ken Norton, que quebrou o maxilar de Ali no segundo round, venceu por uma decisão conturbada (4-7-1, 4-5-3 e 6-5-1) (estas derrotas foram, posteriormente, vingadas por Ali). Foreman, que tinha um recorde de 40-0 (37 KO), havia nocauteado Frazier e Norton, ambos no segundo round. Os únicos pugilistas que duraram grande tempo com George haviam sido Roberto Davila, Levi Forte e Gregorio Peralta.

Durante o verão de 1974, Foreman viajou para o Zaire (hoje República Democrática do Congo) para defender seu título contra Ali. A luta foi conhecida como The Rumble in the Jungle, literalmente A Luta na Selva.

Enquanto treinava no Zaire, Foreman sofreu um corte acima de seu olho, forçando o adiamento da luta por um mês. Ali usou este tempo para fazer um excursão pelo Zaire, encarnecer a si ao público enquanto insultava seu adversário em todas as oportunidades que tivera. No entanto, Foreman era um grande favorito, devido, em grande parte, ao fato de que Frazier e Norton deram a Ali quatro difíceis lutas, e venceram-no, enquanto George derrotou ambos em TKO no segundo round.

Mesmo assim, Ali aproveitava o adiamento da luta para se encorajar, angariando simpatizantes, ao passo que desdenhava seu adversário. Essa tática era um comportamento típico de sua personalidade, pois fez isso também com Joe Frazier, nos meses que antecederam o combate.

Conforme o dia da luta se aproximava, Foreman mantinha sua serenidade, enquanto Ali continuava com sua campanha para deturpar a imagem de seu oponente, fazendo um marketing bem sucedido; onde o jovem invicto campeão Foreman, agora tornava-se um carrasco que precisava ser derrotado, "nem que seja por pontos", enfatizava Ali.

Quando Foreman e Ali finalmente se encontraram no ringue, Ali começou a luta dançando em volta de seu adversário, como já havia anunciado que iria fazer. Tal foi a intensidade do ataque de George, no entanto, que Ali foi bruscamente empurrado para as cordas. Devido aos socos seguidos de Foreman nas laterais do corpo de seu oponente, rapidamente tornou-se claro que ele era incapaz de acertar um soco da cabeça de Muhammad. As cordas do ringue, sendo razoavelmente elásticas de natureza, permitiu Ali inclinar-se para trás e para frente, desviando das agressivas oscilações de Foreman e então bater nele em corpo-a-corpo, forçando-o a expandir energia extra, desmaranhando a si. Neste dia, é incerto se o discurso que Ali fez na pré-luta sobre usar a velocidade de movimento contra Foreman tenha sido apenas um truque de brincadeira, ou se o uso do que foi conhecido como a tática "rope-a-dope" foi um improviso necessário pelas pressões constantes de Foreman.

Em ambos os casos, Ali foi capaz de se esquivar pelas cordas, golpeando o rosto de seu oponente, e foi capaz de penetrar na defesa de Foreman. Com os primeiros rounds passados, Ali continuou a resistir a golpes pesados, e ocasionalmente um duro solavanco na cabeça, todavia, Foreman não conseguia acertar seus socos diretamente no queixo de Ali. Gradualmente, Foreman começou a cansar e seus socos tornaram-se cada vez mais selvagens, perdendo poder no processo. Cada vez mais confiante, Ali provocava Foreman em toda a disputa. Mais tarde ao oitavo round, Ali tomou impulso nas cordas para alavancar uma súbita onda de golpes na cabeça de Foreman, marcada por um duro soco de direita que atingiu com força a mandíbula de Foreman. Foreman foi derrubado, dominado tanto por exaustão como pela força dos ataques de Ali. Ele até tentou se levantar, mas o árbitro finalizou a luta. Esta foi a primeira derrota de Foreman, e Muhammad Ali permaneceria o único boxeador a derrotá-lo por nocaute.

O escritor americano Norman Mailer, conhecido entusiasta dos esportes, relatou esta luta no seu livro The Fight.

Referências

  1. a b c d Internet Movie Database. George Foreman - Biografia (em inglês). Página visitada em 15 de julho de 2009.
  2. a b c O Coleccionador Desportivo. O Coleccionador Desportivo: FOREMAN, George (EUA, Boxe) (em português). 24 de junho de 2009. Página visitada em 16 de julho de 2009.
  3. a b Universo Online. UOL Esporte - Especial - Foreman ainda pensa em voltar aos ringues (em português). 12 de novembro de 2003. Página visitada em 22 de julho de 2009.
  4. East Side Boxing. George Foreman KO's Michael Moorer (em inglês). 13 de novembro de 2007. Página visitada em 16 de julho de 2009.
  5. a b About.com (2007). Os Melhores Lutadores dos Últimos 80 anos da Revista Ring (em inglês). Página visitada em 15 de julho de 2009.
  6. About.com. Os 50 Melhores Boxeadores de Todos os Tempos (em inglês). 14 de maio de 2007. Página visitada em 15 de julho de 2009.
  7. The New York Times. SPORTS PEOPLE: BOXING; George Foreman (em inglês). 17 de janeiro de 1991. Página visitada em 15 de julho de 2009.
  8. Livraria da Travessa. Travessa.com.br: Livro - George Foreman (em português). Página visitada em 16 de julho de 2009.
  9. Yahoo! GeoCities. Carrera Amateur de George Foreman (em inglês/castelhano). Página visitada em 19 de julho de 2009.
  10. Museu dos Esportes. George Foreman - Museu dos Esportes (em português). Página visitada em 16 de julho de 2009.
  11. Eduardo Colli. Universo Olímpico: Uma Enciclopédia das Olimpíadas (em português). [S.l.: s.n.].
  12. a b Self Defense Source. George Foreman Boxing / Fonte de Auto-Defesa (em inglês). 26 de março de 2009. Página visitada em 16 de julho de 2009.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: George Foreman
Ícone de esboço Este artigo sobre boxe ou boxeador é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.