Jornalismo online

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Jornalismo online ou ciberjornalismo é o jornalismo praticado no novo meio comunicacional da Internet.

Em teoria, deverá recorrer a técnicas diferentes do jornalismo tradicional impresso. Há até discussões sobre a aplicação da tradicional técnica jornalística da pirâmide invertida na construção de notícias online, propondo o recurso a uma estrutura de blocos que permite que o leitor "construa" a sua leitura da notícia.[1]

No entanto, não é ainda muito frequente a utilização do hipertexto, "Uma das mais poderosas ferramentas de publicação na Internet"[2] (Steve Outing) em notícias online.

O webjornalismo, jornalismo online, ciberjornalismo, jornalismo electrónico ou jornalismo digital é o jornalismo dos meios digitais, como CD-ROM e internet. Tendo sido, inicialmente, apenas uma versão dos jornais impressos veiculada na internet, o webjornalismo acabou por seguir trajetória diferente.

Definições[editar | editar código-fonte]

Jornalismo online (JOL) pode ser definido como a coleta e distribuição de informações por redes de computadores como internet ou por meios digitais. Os holandeses Bardoel e Deuze usam um nome específico e adequado para esta produção: network journalism, o jornalismo em rede. Já o professor de jornalismo californiano Doug Millison pensa em uma abrangência maior:

Ainda há outras tecnologias que podem ser incluídas nesta lista: a edição de sistemas de ajuda (help) de computadores, como o Windows Help e o HTML Help, e apresentações de slides para palestras.

Características do JOL[editar | editar código-fonte]

Independentemente de suas múltiplas definições, o jornalismo online apresenta algumas características específicas em relação a aspectos que quase sempre existiram nas mais diversas mídias, em diversos graus..

Segundo uma pesquisa informal entre usuários de um site sobre JOL,

cerca de 41% dos participantes apontaram que a instantaneidade é o que mais caracteriza o webjornalismo. A interatividade aparece em segundo lugar, com 28,11%. Já cerca de 19% apontaram que o fato das notícias ficarem arquivadas para pesquisa é o que mais chama a atenção (JORNALISTAS DA WEB, 2005).

Outros autores (ROCHA, 2000; PALACIOS, 2001b; MIELNICZUK, 2001) ampliam essa lista. Para eles, as características mais interessantes do Jornalismo online são:

  • Instantaneidade.
  • Interatividade.
  • Perenidade (memória, capacidade de armazenamento de informação)
  • Multimediação, programação.
  • Hipertextualidade.
  • Personalização de conteúdo, customização.

Instantaneidade[editar | editar código-fonte]

O grau de instantaneidade – a capacidade de transmitir instantaneamente um fato – das publicações em rede aproxima-se do atingido pelo rádio, o mais alto entre as três mídias tradicionais, seguido por TV e jornal. É muito rápido, fácil e barato inserir ou modificar notícias em formato binário. Apesar disso, algumas falhas podem ser detectadas, principalmente por conta da rapidez, já que muitas vezes a informação deixa de ser apurada da maneira mais completa. Em alguns casos, a falta de uma conferência anterior a publicação online também provoca a existência de inúmeros erros de português.

Perenidade[editar | editar código-fonte]

Também conhecido como arquivamento ou memória. O material jornalístico produzido online pode ser guardado indefinidamente. O custo de armazenamento de informação binária é barato. É possível guardar-se grande quantidade de informação em pouco espaço, e essa informação pode ser recuperada rapidamente com busca rápida full text.

Interatividade[editar | editar código-fonte]

Alguns autores (LEMOS, 1997; BONILLA, 2002) entendem por interatividade quando há comunicação mediada por tecnologias e interação quando não há mediação tecnológica entre os seres humanos. Por exemplo: uma conversa entre alunos e professor numa sala de aula ou amigos num bar é interação, já a interatividade é quando se usa um telefone, um e-mail e até mesmo uma carta escrita por uma caneta, em todos estes casos há uma tecnologia envolvida no processo comunicativo o que justifica a interatividade.

As mídias tradicionais sempre tiveram algum tipo de interatividade, como nas seções de cartas de jornais e TVs e nos telefonemas para programas de rádio (talk radio). Mas no JOL a interatividade atinge seu ponto máximo:

  • A escolha de vários "caminhos" para ler notícias é mais automatizada do que em mídias de papel. Embora leitores de mídia papel escolham seus próprios caminhos, constantemente (como em chamadas de capa de jornais), os hiperlinques tornam a tarefa muito mais fácil.
  • Na Web, o leitor pode enviar formulários com comentários sobre uma notícia e ver suas observações colocadas imediatamente à disposição de outros leitores.
  • O leitor pode participar de votações sobre temas polêmicos.
  • Entretanto, estes conceitos tratam do tema de maneira geral, devendo ser problematizados, pois a interatividade vem se desdobrando em níveis cada vez mais complexos.

Multimediação, multimedialidade ou convergência[editar | editar código-fonte]

"A internet permite a utilização conjunta de várias linguagens, para além do texto e imagem estáticas presentes no Jornalismo tradicional"[3] . O JOL usa vários tipos de mídia e de formatos de arquivos de computador. Se diz que é uma convergência de todas as mídias:

  • Texto e hipertexto em computador.
  • Áudio.
  • Imagem estática (fotos) e em movimento (clipes de vídeo).
  • Texto em papel (o conteúdo da internet freqüentemente é impresso).

Hipertextualidade[editar | editar código-fonte]

"Uma hiperligação, ou simplesmente ligação, é uma referência em um documento hipertextual para outro documento ou recurso. Como tal, ele é similar às citações em literatura.

Por exemplo, clicando no hiperlinque Instituto Poynter, você instruirá o seu browser a buscar e a apresentar em sua tela as informações que formam a página Web do instituto de ensino de Jornalismo. Este link azul sublinhado é representado assim no texto interno da página Web: <A href="http://poynter.org/">Instituto Poynter</A>

  • A marca "<A ... >" significa âncora de hipertexto.
  • "href" é a referência hipertexto, no caso, um endereço Web.
  • "Instituto pointer" é o texto que vai responder ao clic do mouse
  • "</A>" indica o fim do link.

Usar hiperlinques é chamado de "navegar", em português brasileiro, em função do programa Netscape Navigator.

O uso de hiperlinques em conteúdo multimídia (áudio, vídeo, fotos, animações) é chamado de hipermídia. Tecnicamente, não há diferenças em fazer linques em texto ou em imagens.

Palacios e Mielniczuk (2001) argumentam que o linque pode ser considerado um elemento paratextual.

Mídias tradicionais também usam hiperlinques, como o sistema de sumário e número de páginas de livros, os sistema de organização da Bíblia, as chamadas de capa de jornais.

Personalização de conteúdo[editar | editar código-fonte]

Como toda a informação está sendo tratada por computadores, é rápido colher informações sobre usuários/leitores e oferecer a mídia que mais interessa a ele. Esta personalização de conteúdo pode se realizar de diversas maneiras:

  • Muitos sites de informação e serviços (portais) permitem que o leitor escolha temas que lhe interessam e receba apenas notícias sobre eles, ao acessar a página. Um bom exemplo é o News Is Free, Netvibes ou Google News. Também é comum que se assine newsletters sobre assuntos específicos. O sistema RSS vem se tornando bastante popular como forma de filtrar apenas informações que o leitor acha relevante.
  • Aliada à multimídia, a personalização de conteúdo permite a programação de servidores de mídia, que podem escolher qual informação enviar conforme as preferências do usuário que solicita. Por exemplo, um vídeo de qualidade mais alta é escolhido automaticamente pelo servidor Helix da Realmedia se o usuário tem banda larga. Se tiver conexão telefônica, a mídia enviada tem qualidade mais baixa.

Influência da mídia eletrônica sobre o JOL[editar | editar código-fonte]

Mídia eletrônica são rádio e TV. Computadores não estão incluídos na categoria porque vão além do eletrônico, usando lógica binária para formatação de informações. Computador é, portanto, mídia binária.

Rádio[editar | editar código-fonte]

O texto de rádio é o que mais se adapta para jornalismo em rede, pela concisão, estilo direto, informalidade.

No entanto, o som pela internet ainda é de baixa qualidade e com constantes lapsos, mas é uma maneira pela qual estações de rádio tradicionais alcançam audiência mundial. Este panorama começa a se modificar com a popularização do acesso de banda larga à internet.

As "estações de rádio internet" (sites que armazenam som binarizado) permitem que você crie programação e deixe gravações disponíveis para quem quiser ouvir. A desvantagem é que um número limitado de pessoas pode acessar ao mesmo tempo uma estação de rádio internet, ao contrário do rádio broadcast.

Recentemente, se difundiu o termo podcast para gravações de áudio difundidas por meio do protocolo RSS. Estes "programas" de áudio podem ser descarregados diretamente para os tocadores de mídias, em geral no formato MP3. Como são experimentais e feitos por amadores, os podcasts em geral têm baixa qualidade de áudio, de edição e de estrutura.

Televisão[editar | editar código-fonte]

Os maiores sites jornalísticos já publicam pequenas matérias em vídeo. Existem programas, como o Real Video, que têm "canais" de vídeo [streaming].

Como no caso do áudio, os clips de vídeo são de baixa qualidade e podem ter o movimento ou o áudio interrompidos por alguns instantes, conforme o congestionamento da rede. No Brasil, o portal de notícias G1, da Rede Globo, dedica uma seção inteira aos vídeos exibidos nos telejornais da emissora, além de apresentar alguns vídeos de arquivo de décadas passadas e transmitir, ao vivo, a programação da Globo News. A BandNews também consegue transmissões com razoável qualidade, em internet banda larga.

Visualmente, animações em formato Flash, cada vez mais usadas em sites multimídia, são inspiradas em vinhetas de TV.

A partir de 2005, sites que abrigam vídeos enviados por colaboradores se tornaram uma febre, como o YouTube e Google Video.

Influência do JOL sobre a mídia tradicional[editar | editar código-fonte]

Diagramação "lincada"[editar | editar código-fonte]

Está sendo bastante usado por jornais e revistas a ligação visual entre palavras do texto e elementos gráficos como fotos e textos explicativos (box), imitando a ligação lógica do hipertexto.

Aumento de textos curtos[editar | editar código-fonte]

O estilo de texto para a internet deve ser curto, na ordem direta, com palavras-chave destacadas, em blocos de cerca de cem palavras, no máximo. O estilo deve ser informal, porque internet é um meio de comunicação individual e pessoal. Esta economia de palavras (que as valoriza, pois as torna raras) encontra eco, em 2000, em dois dos jornais de maior tiragem do Rio Grande do Sul, Correio do Povo e Diário Gaúcho.

Aumento de gráficos e uso da cor[editar | editar código-fonte]

O apelo visual nos websites também tem influenciado a mídia impressa, que usa mais cor, produz mais infográficos e aumenta a hierarquia de estilos de texto nos veículos, como a revista Época e o Diário Gaúcho.

Ampliação da base de pesquisa e de fontes de notícias[editar | editar código-fonte]

As rádios e os pequenos jornais regionais estão coletando muita informação na internet graças ao acesso a centenas de fontes que auxiliam a pesquisa noticiosa:

  • Sites de busca.
  • Programas de meta-busca, que pesquisam em diversos engenhos de busca ao mesmo tempo e filtram os resultados.
  • Listas de discussão e fóruns.
  • FAQs, listas de perguntas freqüentemente feitas sobre um assunto, e que, em geral, tem bastante credibilidade porque são construídas coletivamente.
  • Sites pessoais, de empresas, de entidades e de órgãos de governos. É importante que qualquer empresa ou pessoa tenha, em seu site, o press kit, um conjunto de press releases e fotos em alta resolução para que sejam usados pelas publicações de papel.

O texto para Web[editar | editar código-fonte]

Muitos autores se entusiasmam com características como multimediação e interatividade, e consideram que o conteúdo online deve ser repleto de movimentos, hiperlinques e outros truques. No entanto, produção digital custa caro, em termos de recursos humanos. E o conteúdo publicado em redes não precisa conter obrigatoriamente todos os recursos tecnológicos disponíveis, só porque eles existem.

Considera-se, então, que não há um "formato para a internet" ou "formato para a Web". Existem diversas maneiras de se usar textos e outros conteúdos na mídia em rede. Cada uma tem uma aplicação determinada, com vantagens e desvantagens.

Transposição pura[editar | editar código-fonte]

O texto da mídia papel (tipo livro ou artigo) é transposto sem modificação para a rede.

  • Vantagem: maior disponibilidade do que impresso, distribuição instantânea, onipresença, rapidez e baixo custo de publicação, facilidade de visualização, facilidade de impressão.
  • Desvantagens: não aproveita bem os recursos da mídia. Além disso, muita gente considera desconfortável a leitura de texto extensos na tela.
  • Exemplo: Projeto Gutenberg, que publica livros clássicos em formato de "texto plano".

Transposição com uso de hyperlinks[editar | editar código-fonte]

Texto tradicional para papel, mas vertido para o formato hipertexto, com links para notas de rodapé e para outros textos.

  • Vantagens: links tornam a leitura mais rápida pela facilidade de consulta a outras fontes e a notas. Também é fácil de imprimir.
  • Desvantagens: as mesmas da transposição pura.
  • Exemplos: documentos acadêmicos do MS Word ou OpenOffice gravados em formato HTML.

Adaptação ao hipertexto[editar | editar código-fonte]

Texto reescrito ou produzido especialmente para ser lido em tela de computador. Informação em “cachos” (blocos de 100 palavras ou menos), uso extensivo de hyperlinks, listas com bolinhas, entretítulos.

  • Vantagens: aproveita melhor a mídia mas torna mais difícil a impressão.
  • Desvantagens: tem produção mais cara, é mais demorado reeditar o material textual.
  • Exemplo: matéria de Carole Rich sobre o estilo Web traduzida aqui.

Desenvolvimento de narrativa em hipermídia[editar | editar código-fonte]

Texto e imagens de áudio e vídeo pensados e editados para serem distribuídos em hipermídia.

  • Vantagens: aproveitamento máximo de recursos permitidos pela tecnologia.
  • Desvantagens: custo muito alto, pouco suporte para uso em mídia papel.

O mail é a mensagem[editar | editar código-fonte]

Apesar do apelo charmoso da Web, a aplicação mais útil e utilizada da internet é o correio. Com ele, você não só se comunica pessoa-a-pessoa (o que lhe dá grande influência), como troca qualquer tipo de arquivo de computador, como foto, áudio, vídeo, texto, animação. E o correio também deve ser visto como uma poderosa mídia.

Até mesmo sites da Web se promovem através de newsletters, boletins criados com os parcos recursos do correio. Todo o site bem planejado deve ter um link para o internauta assinar uma newsletter. Na mensagem, o editor do site deve colocar breves descrições das novidades no site, com um link Web em que o leitor pode clicar para conferir imediatamente o assunto.

Lista de distribuição[editar | editar código-fonte]

É um recurso que existe em alguns programa de correio: uma lista com centenas de endereços de mail para onde você envia uma mensagem de uma só vez.

Existem programas específicos para manipular listas de discussão, mas uma opção barata e poderosa é o Pegasus Mail, programa de correio gratuito para ambiente Windows e Macintosh. Ele permite que você envie um texto para centenas de pessoas ao mesmo tempo. Um sistema de filtragem de mensagens recebidas permite que se cadastre ou cancele a assinatura de listas dependendo do conteúdo da mensagem. Por exemplo, uma mensagem com a palavra subscribe no título faz com que o remetente seja anexado à lista de pessoas que devem receber determinada newsletter. A palavra unsubscribe pode tirar o endereço do remetente da lista.

Formatação[editar | editar código-fonte]

Para que sua mensagem seja mais efetiva, você deve dar atenção aos seguintes aspectos de uma newsletter por correio:

Título[editar | editar código-fonte]

O título (subject, assunto) é o único gancho que o editor de uma publicação tem para fisgar a atenção dos leitores. Quem recebe dezenas de mensagens por dia abre apenas as mais interessantes e descarta as outras com base no título. Uma mensagem com título "Informativo n.153", tem mais chances de ser apagada do que uma com "Anatel à CRT: estamos de olho em vocês!". Para aproveitar espaço, o nome da newsletter deve estar no endereço de mail do remetente, para não desperdiçar espaço do subject com isto.

Cabeçalho e Logotipo[editar | editar código-fonte]

No topo da mensagem ficam o "logotipo", uma linha explicativa sobre a newsletter, a data e o número da publicação.

Motivos do envio[editar | editar código-fonte]

É importante que você explique que o leitor recebeu sua newsletter porque a assinou, e que ela não é enviada sem ser solicitada. O spam (divulgação de mensagens para milhares de pessoas que não a solicitaram) é uma das práticas mais odiadas da internet. Por isso, o leitor não deve ter dúvidas de que ele mesmo pediu para receber sua mensagem.

Publicidade[editar | editar código-fonte]

O correio em geral não tem grandes recursos de formatação de texto e cores. Um anúncio poderia ser confundido facilmente com conteúdo editorial. Por isso, os anúncios devem ter linhas separando-os do resto da newsletter. As palavra "publicidade", "anúncio" ou "comercial" devem estar na primeira linha separadora.

Links para cancelar assinatura[editar | editar código-fonte]

Você deve deixar ao leitor a possibilidade de cancelar a assinatura da newsletter a qualquer momento. Em alguns sistemas, basta que o leitor responda à mensagem. Em outros, deve-se enviar uma mensagem com a palavra "unsubscribe" no campo Subject.

Mail merge[editar | editar código-fonte]

O Pegasus mail permite que se personalize uma newsletter com textos variáveis. Verifique o Tutorial sobre mail merge com Pegasus Mail.

Links normais[editar | editar código-fonte]

Os modernos programas leitores de mail mostram URLs (endereços Web ou de mail) como links, sem que o editor precise colocar formatação especial.

Mail HTML[editar | editar código-fonte]

Existe a possibilidade de se enviar mensagem em formato HTML (com páginas Web), com texto em tamanhos e fontes diferentes, cores, imagens fixas, imagens de áudio e vídeo. Embora existam “cruzadas” contra mails em HTML (porque ocupariam muita largura de banda), você não precisa abrir mão destes recursos de imagem. Dê ao assinante oportunidade de escolher se quer receber mails não-formatados ou com recursos hipermídia.

Exigências do JOL[editar | editar código-fonte]

Texto[editar | editar código-fonte]

O texto, é claro, ainda é o elemento mais importante de qualquer publicação. Quem tem bom texto para jornal de papel, rádio ou TV, terá bom texto para JOL. Só precisa entender como o internauta lê: ele apenas passa os olhos pelas telas à procura de palavras-chave. Não tem tempo para as grandes elucubrações mentais exigidas por figuras de linguagens do tempo do texto corrido, nem paciência para textos longos...

Criatividade em design gráfico[editar | editar código-fonte]

O jornalista online deve não apenas saber escrever, mas saber como dispor o texto no suporte. Tem que conhecer tipos de letras, composição visual, uso de cores, corte e edição de fotos, áudio e vídeo. Não precisa saber desenhar, mas deve saber usar infografia e ser capaz de criar um gráfico informativo a partir de dados numéricos, para ilustrar uma matéria.

Língua estrangeira[editar | editar código-fonte]

Quase tudo na internet é em inglês. Portanto é preciso que o profissional se empenhe mais por meio de cursos. Ou instale no seu computador programas como o Babylon Translator.

Curiosidade e experimentação em programas de computador[editar | editar código-fonte]

Você precisa saber se virar sozinho, se seu maldito Windows começar a dizer algo simpático como "Falha geral do aplicativo" ou "Você executou uma operação ilegal, OK?". E precisa saber como procurar –- produtivamente—por algum tema específico na floresta binária da internet. Os mecanismos de busca em geral têm várias opções para você estreitar sua busca. Procure em seções dizendo algo como "Busca Avançada".

O mercado de trabalho[editar | editar código-fonte]

O mercado para jornalista online já está aquecido. O jornal de papel, o rádio ou a TV que não tiverem sua contraparte binária estarão logo ultrapassados. Assim, pelo menos uma vaga existe em toda a redação: a do jornalista que coloca na Web matérias feitas para outras mídias. Mais empresas de comunicação estão desenvolvendo redações especificamente para a internet, e a disseminação de acesso por cabo de TV e por rádio exigirá muitos profissionais multimídia.

Depois que estourou a "bolha" de entusiasmo pela internet, em 2000, o mercado para profissionais da Web encolheu. Mas apenas na Web, que é um mercado limitado, de qualquer forma. O maior mercado para os conhecimentos de tecnologia online está nas empresas e nas assessorias de imprensa empresariais, porque empresas médias e grandes começam a desenvolver suas páginas Web e suas intranets e já precisam de quem desenvolva conteúdo e press kits para estes novos canais de informação.

Leituras sugeridas[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  1. JORNALISTAS DA WEB, Instantaneidade é a maior característica do webjornalismo segundo pesquisa. 5 de nov.2003. Disponível em: http://www.jornalistasdaweb.com.br/index.php?pag=displayConteudo&idConteudoTipo=1&idConteudo=229. Acesso em 11 set. 2012.
  2. LEMOS, André. Anjos interativos e retribalização do mundo. sobre interatividade e interafaces digitais. Página Web em: <http://www.facom.ufba.br/ciberpesquisa/lemos/interac.html>. Acesso em: 14 out 2006. Publicado in Tendências XXI, Lisboa, 1997.
  3. MIELNICZUK, Luciana. Características e implicações do jornalismo na Web. Disponível em: http://www.facom.ufba.br/jol/pdf/2001_mielniczuk_caracteristicasimplicacoes.pdf. Acesso em 11 jun. 2010. Trabalho apresentado no II Congresso da SOPCOM, Lisboa, 2001.
  4. PALACIOS, Marcos. Fazendo Jornalismo em Redes Híbridas: Notas para discussão da Internet enquanto suporte mediático. Salvador: FACOM, 2002. Disponível em: http://www.facom.ufba.br/jol/pdf/2003_palacios_redeshibridas.pdf. Acesso em: 11 jun. 2010.
  5. PALACIOS, Marcos. Jornalismo Online, Informação e Memória: Apontamentos para debate. Apresentado nas Jornadas de Jornalismo Online, Departamento de Comunicação e Artes, Universidade da Beira Interior, Portugal, sob a coordenação do prof. Antonio Fidalgo. Jun. 2002. Disponível em: http://www.facom.ufba.br/jol/doc/covilha_palacios.doc. Acesso em: 1º ago. 2003. Documento MS Word. Também disponível documento PDF em: http://www.facom.ufba.br/jol/pdf/2002_palacios_informacaomemoria.pdf e documento HTML em http://www.eca.usp.br/pjbr/arquivos/artigos4_f.htm. Acesso em 2 de fev. 2005.
  6. ROCHA, J. A. M.. Entendendo o Jornalismo Online. In: Ivan Pinheiro Machado. (Org.). Tendências na Comunicação. 1 ed. Porto Alegre, 2000, v. 3, p. 84-94.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. A tecnologia de computadores atuais é melhor definida como binária, e não de digital. O fato de trabalhar com lógica binária é que torna os computadores tão poderosos. Eles trabalham relativamente pouco com informação digital (numérica).
  2. Busca full text é aquela usada por bancos de dados que armazenam todas as palavras significativas de um documento, e não apenas palavras-chave.
  3. Vídeo em corrente, exibido conforme vai sendo recebido pelo computador multimídia. As informações são descartadas depois de exibidas, não ficando gravadas em forma de arquivo no disco do computador. Assim, podem ser enviadas grandes quantidades de informações sem ocupar espaço no disco do usuário.

Referências