Tetraidrocanabinol

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Fevereiro de 2008).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Abril de 2010). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.
Tetraidrocanabinol
Alerta sobre risco à saúde
Tetrahydrocannabinol.svg
Delta-9-tetrahydrocannabinol-from-tosylate-xtal-3D-balls.png
Nome IUPAC (−)-(6aR,10aR)-6,6,9-trimethyl-
3-pentyl-6a,7,8,10a-tetrahydro-
6H-benzo[c]chromen-1-ol
Outros nomes Dronabinol
Identificadores
Número CAS 1972-08-3
PubChem 16078
DrugBank DB00470
ChemSpider 15266
Código ATC A04AD10
SMILES
Propriedades
Fórmula química C21H30O2
Massa molar 314.45 g mol-1
Solubilidade em água 0.0028 [1] (23 °C)
Farmacologia
Biodisponibilidade 10-35% (inalação),
6-20% (oral)[2]
Metabolismo sobretudo hepático pela CYP2C[2]
Meia-vida biológica 1,6-59 horas [2]
Ligação plasmática 95-99%[2]
Excreção 65-80% (fezes), 20-35% (urina) como metabolito ácido[2]
Classificação legal



{{{legal_status}}}

Riscos na gravidez
e lactação
C
Compostos relacionados
Compostos relacionados Canabinol
Tetraidrocanabivarina (em vez do pentil, um propil)
Exceto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições normais de temperatura e pressão

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

Tetra-hidrocanabinol, também conhecido como THC (do inglês Tetrahydrocannabinol) , Δ9-THC, Δ9-tetra-hidrocanabinol (delta-9-tetra-hidrocanabinol), ou dronabinol (sintético), é a principal substância psicoactiva encontrada nas plantas do género Cannabis,[3] e pode ser obtido por extracção a partir dessa planta ou por síntese em laboratório.

O Δ9-THC (conhecido segundo uma anterior convenção de nomenclatura como Δ1-THC) foi isolado na forma pura pela primeira vez em 1964 por Raphael Mechoulam, Yechiel Gaoni e Habib Edery no Instituto Weizmann em Rehovot, Israel, através da extracção a partir do haxixe com éter de petróleo, seguido de repetidas cromatografias.[4]

É discutido até que ponto este composto é responsável pelos efeitos verificados com o consumo da planta. Um estudo não encontrou diferenças nos efeitos subjectivos entre a maconha e o THC puro,[5] mas críticas a esse estudo apontam para que tenha sido usada maconha de fraca qualidade e parcialmente deteriorada, que não mantinha os componentes normais de terpenóides e flavonóides tais como canabinol (CBN) e canabidiol (CBD), defendendo que os efeitos do consumo da planta não se devem só ao THC.[6]

Na utilização clínica de Cannabis, os extractos são compostos geralmente pelos topos a florescer e com abundantes tricomas glandulares (sem sementes), com um potência de até 20% de THC.[6] Dados quanto à composição dos extractos usados para consumo recreacional são escassos devido ao facto do seu consumo ser ilegal em muitos países. Um estudo da quantidade de THC em amostras de maconha e haxixe apreendidas pela polícia italiana entre 1997 e 2004 revela valores que variam entre 0,5 e 20%, com a média a subir nos últimos anos para cerca de 13%.[7]

Farmacocinética[editar | editar código-fonte]

Os efeitos do Δ9-THC devem-se sobretudo à sua ligação a receptores canabinóides CB1, presentes em muitas áreas do cérebro.[8] [9] Estes receptores têm importância em diversos processos fisiológicos, tais como regulação do metabolismo, dor, ansiedade, crescimento ósseo e função imunitária.

Biodisponibilidade oral menor que por inalação (25-30%):

  • Sofre efeitos de primeira passagem, sendo metabolizado no fígado;
  • Efeito demora 1~6 horas a instalar-se, mas tem maior duração;
  • Absorção lenta e contínua no intestino;
  • Distribui-se por todo o organismo;

Absorvido por inalação atravessa os alvéolos pulmonares, entra na circulação e atinge o cérebro em minutos.

Uma vez absorvido para a corrente, as concentrações de THC diminuem rapidamente devido ao metabolismo feito pelo fígado, onde a depuração plasmática pode atingir 950 mL/min, ou à sequestração. Acumula-se preferencialmente no tecido adiposo (devido à sua grande lipofília), atingindo o pico de concentração em 4~5 dias. É depois lentamente liberado, atingindo outros compartimentos como o cérebro.

No cérebro é distribuído de diferentes formas, alcançando concentrações mais elevadas nas áreas neocortical, límbica, sensorial e motora.

É metabolizado no fígado pela CYP 450 essencialmente a 11-hidróxi-THC (potencialmente mais potente que o THC), mas existe uma enorme variedade de metabólitos, com elevados tempos de meia-vida. Posteriormente o 11-hidroxi-THC pode ainda ser substrato da álcool desidrogenase.

Devido à sequestração, o tempo de meia-vida do THC pode variar desde 20h até 10~13 dias.

25% dos metabolitos são eliminados na urina sob a forma de éster de ácido glucurónico.

A maioria é liberada no intestino pelo fígado, e pode ser reabsorvido (circulação entero-hepática), prolongando a sua acção, ou eliminado nas fezes onde se verifica a predominância da forma não conjugada.

A eliminação total pode demorar até 30 dias.

Devido à sequestração e à existência de metabolitos activos, é difícil estabelecer uma relação entre a concentração de THC no plasma ou urina e a intoxicação.

Interacções Farmacológicas[editar | editar código-fonte]

O THC reforça a acção sedativa de outras substâncias psicotrópicas como o álcool e as benzodiazepinas.

Reforça ainda a acção de relaxantes musculares, brocodilatadores, medicamentos antiglaucoma, da acção analgésica de opiáceos, do efeito antiemético das fenotiazinas e do efeito antiepilético das benzodiazepinas. Inibidores da ciclooxigenase (COX), como os AINEs e a indometacina, antagonizam o efeito do THC.

Usos Terapêuticos[editar | editar código-fonte]

Devido às suas propriedades, os canabinóides podem ser potencialmente usados com vista à analgesia, relaxamento muscular, imunossupressão, como anti-inflamatórios, antialérgicos, sedativos, para melhorar o humor, como estimulante do apetite, antiemético, diminuidores da pressão intra-ocular, broncodilatação, neuroproteção e efeitos antineoplásicos.

O THC teve aprovação do FDA em 1986. Actualmente é usado um THC sintético, o dronabinol (Marinol, Unimed, Marietta, Ga., USA) com duas indicações terapêuticas: náuseas e enjoos induzidos pela quimioterapia e anorexia associada a SIDA.

Verificou-se que agonistas canabinóides inibem a proliferação celular no cancro da mama, na mulher e in vitro, e apresentam actividade antineoplásica em gliomas malignos em ratos Algumas pesquisas sugerem que o THC pode estar indicado em caso de epilepsia, depressão, distúrbio bipolar, quadros de ansiedade, dependência de opiáceos e álcool, sintomas de retirada, assim como distúrbios do comportamento na doença de Alzheimer, mas revela-se necessária uma investigação mais aprofundada.

Provas crescentes demonstram a efectividade dos efeitos do THC contra os espasmos provocados pela esclerose múltipla, lesão na medula espinhal e na síndrome de Tourette (não só diminuição dos tiques, mas também melhoria do comportamento). Verifica-se também actividade em outras desordens do movimento, como distonia.

A acção do THC no tratamento da asma e do glaucoma está praticamente confirmada.

Clinicamente, o THC é usado no tratamento das náuseas e vómitos refractários causados por medicamentos antineoplásicos, no tratamento da perda de apetite na anorexia e na caquexia em doentes com HIV/SIDA.

Toxicidade[editar | editar código-fonte]

Os benefícios terapêuticos atribuídos à Cannabis têm sido alvo de alguma relutância, uma vez que os seus efeitos adversos tendem a tornar a relação risco/benefício desfavorável ao seu uso clínico.

Toxicidade aguda[editar | editar código-fonte]

A toxicidade aguda do THC é muito baixa. A dose letal em humanos não é ainda conhecida nem há relatos comprovados de morte em seres humanos por THC ou Cannabis. A gravidade, duração e frequência destes sintomas variam com a susceptibilidade do indivíduo, com meio cultural em que este se insere e com a frequência e intensidade do consumo prévio de Cannabis.

No cérebro, o consumo agudo de Cannabis pode desencadear efeitos adversos psicóticos, cognitivos e no controlo psicomotor.

Efeitos no controlo psicomotor[editar | editar código-fonte]

  • Desajustes no controle e coordenação motora
  • Redução da actividade psicomotora
  • Alterações da percepção sensorial e temporal
  • Perturbações da comunicação oral
  • Inibição do movimento

Efeito cognitivos[editar | editar código-fonte]

  • Dificuldades de concentração
  • Distúrbios na memória a longo prazo
  • Danos em todos os estágios da memória incluindo codificação, consolidação e recuperação
  • Dificuldades de atenção
  • Diminuição do desempenho aritmético
  • Efeitos amnésicos (relacionados com a inibição da liberação de neurotransmissores)

Efeitos Psíquicos[editar | editar código-fonte]

  • Euforia
  • Sensação de bem-estar
  • Sonolência
  • Sedação
  • Síndrome de ansiedade
  • Despersonalização/Desrealização
  • Aumento do apetite

Efeitos físicos[editar | editar código-fonte]

Os efeitos físicos do THC têm menor relevância que os efeitos comportamentais, excepto nas crianças que se intoxicam por acidente. Entre outros efeitos destacam-se:

  • Taquicardia
  • Aumento da pressão diastólica associada à diminuição do tónus paras-simpático
  • Hipotensão ortostática (que causa tonturas e síncope)
  • Hipossalivação e secura da boca
  • Distúrbios de acomodação oftálmica e diminuição da reacção da pupila à luz
  • Diminuição da secreção lacrimal
  • Dores de cabeça, náuseas, vómitos
  • Relaxamento muscular

Por causar perturbações na coordenação motora, na percepção e nas funções cognitivas e afectivas, o consumo de THC pode apresentar perigos na condução de automóveis, pilotagem de aviões e utilização de máquinas. Para um ser humano morrer devido a dose letal de tetraidrocanabinol seria necessario fumar 15.000 charros em 20 minutos

Toxicidade crónica[editar | editar código-fonte]

O uso de Cannabis por longos períodos de tempo não está associado à morte de animais ou humanos, mas estão descritos diversos efeitos crónicos devido ao uso de Cannabis, efeitos estes que dependem da intensidade e duração do consumo.

Risco de fumar[editar | editar código-fonte]

O uso fumígeno de Cannabis está relacionado com a diminuição da capacidade de respiração durante o exercício físico, dificuldades respiratórias, produção de expectoração, tosse crónica. Note-se que esses sintomas devem-se principalmente à inalação de produtos de combustão da Cannabis, incluindo hidrocarbonetos policíclicos mutagénicos, e compostos químicos como a amônia, não directamente relacionados com o THC.

Efeitos psicóticos[editar | editar código-fonte]

  • Indução do aparecimento de psicoses devido à modulação das concentrações de dopamina por acção nos receptores CB1)
  • Síndromes de confusão
  • Depressão
  • Ansiedade

Efeitos na função cognitiva[editar | editar código-fonte]

  • Danos na memória
  • Dificuldades de atenção
  • Diminuição da capacidade para organizar e integrar informação complexa
  • Tem 1% a mais de chance de desenvolver esquizofrenia de um não fumante

Existe alguma controvérsia relativa à reversibilidade dos efeitos cognitivos: alguns estudos defendem que, após um período de abstinência, os sintomas são reversíveis; outros defendem que o consumo massivo de Cannabis está associado a danos irreversíveis na performance cognitiva.

Riscos do consumo na adolescência[editar | editar código-fonte]

  • Mais efeitos tóxicos na saúde mental dos adolescentes do que em adultos
  • Maior risco de depressões
  • Síndrome de “desmotivação”, caracterizado por apatia, retraimento social e dificuldades de concentração, o que implica consequências na performance académica

Efeitos na gravidez e desenvolvimento fetal[editar | editar código-fonte]

Não está comprovado, mas pesquisas feitas por alto monstram que há um sutil risco de malformações fetais e de danos cognitivos (de 0% a 9%) devido ao consumo de Cannabis .[carece de fontes?]

Efeitos noutros órgãos[editar | editar código-fonte]

O consumo de Cannabis a longo prazo tem um impacto negativo em sistemas de órgãos incluindo o sistema imunitário e a circulação; entre outros efeitos destacam-se:

  • Influência em processos hormonais por interagir com o eixo hipotálamo-hipófise
  • Inibição da motilidade gástrica e do esvaziamento gástrico
  • Aumento do risco da progressão da fibrose na hepatite C crónica
  • Influência na resposta humoral e na resposta imunitária dos linfócitos T (estudos experimentais)
  • Decréscimo na contagem de espermatozóides; inibição da reacção do acrossoma e diminuição da motilidade dos espermatozóides (estudos in vitro)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Cannabis:a health perspective and research agenda; Division of mental health and prevention of substance abuse World Health Organization 11-12.

Franjo Grotenhermen, Nova-Institut, Goldenbergstraße 2, D-50354 Hürth, GERMANY; Pharmacology of Cannabinoids, Neuroendocrinology Letters Nos.1/2, Feb-Apr Vol.25, 2004

C. HEATHER ASHTON, Pharmacology and effects of cannabis: a brief review The British Journal of Psychiatry (2001) 178: 101-102, 2001

Gregory T Carter, Patrick Weydt, Muraco Kyashna-Tocha & Donald I Abrams; Medicinal cannabis: Rational guidelines for dosing, IDrugs, 2004 7(5): The Thomson Corporation ISSN 1369-7056

Franjo Grotenhermen, Nova-Institut, Goldenbergstraße 2, D-50354 Hürth, GERMANY; Pharmacology of Cannabinoids, Neuroendocrinology Letters Nos.1/2, Feb-Apr Vol.25, 2004

Wall ME, Sadler BM, Brine D, Taylor H, Perez-Reyes M.; Metabolism, disposition, and kinetics of delta-9-tetrahydrocannabinol in men and women. Clin Pharmacol Ther. 1983 Sep;34(3):352-63.

Kirsten R Müller-Vahl, Department of Clinical Psychiatry and Psychotherapy, Medical School Hannover, Carl-Neuberg-Str. 1, D-30625 Hannover, Germany; Cannabinoids reduce symptoms of Tourette’s syndrome. Expert Opinion on Pharmacotherapy, October 2003, Vol. 4, No. 10, Pages 1717-1725

Walsh D.,Nelson K.,Mahmoud F.;Established and potential therapeutic applications of cannabinoids in oncology; The Harry R Horvitz Center for Palliative Medicine; Support Care Cancer (2003)137-138.

Mackie K.; Cannabinoid receptors as therapeutic targets; Departments of Anesthesiology and Physiology and Biophysics, University of Washington School of Medicine, Seattle, Washington 101.

Chemistry and Biodiversity Vol.4 (2007), Review The Toxicology of Cannabis and Cannabis Prohibition by Franjo Grotenhermen, pg. 1745-1747, 1750, 1752-1761

Valle A. Poisoning Part 2 of 3, Cannabis. Medicine Volume 35, Issue 11, November 2007, Page 603

Farmacognosia, Fitoquímica, Plantas Medicinales, 3ª edição (2001) Jean Bruneton pg.446, 448

Iversen, L., Cannabis and the brain (Invited Review 2003) Brain Advance Access pg.5-7, 10-13

Ranganathan M, D’Souza,D. The acute effects of cannabinoids on memory in humans: a review (2006). Psychopharmacology pg.425 Tselnicker I, Keren I,Hefetz A,Pick, Sarne Y. A single low dose of tetrahydrocannabinol induces long-term cognitive deficits(2006). Neuroscience Letters Volume 411, Issue 2, 10 January 2007, Pages 108-111

Pharmacology, Rang and Dale’s pg.253

Grotenhermen F., Pharmacology of Cannabinoids. Neuroendocrinology Letters Feb-Apr V- Cannabis and risk of psychosis minireview (2004), Margret Drewe, Jürgen Drewe, Anita Riecher-Rössler pg.659, 662

Hall W., The Mental Health Risks of Adolescent Cannabis Use, PLoS Medicine, February 2006, Volume 3, Issue 2, e39 pg.160

Lynne B. Whan Ph.D., Mhairi C.L. West Ph.D., Neil McClure M.R.C.O.G. and Sheena E.M. Lewis Ph.D. Effects of delta-9-tetrahydrocannabinol, the primary psychoactive cannabinoid in marijuana, on human sperm function in vitro (2004). Fertility and Sterility Volume 85, Issue 3, March 2006, Pages 653-660

Referências

  1. ChemIDplus Lite chem.sis.nlm.nih.gov. Visitado em 2008-08-08. [ligação inativa][necessário verificar]
  2. a b c d e Grotenhermen F. (2003). "Pharmacokinetics and pharmacodynamics of cannabinoids". Clin Pharmacokinet 42 (4): 327–60. PMID 12648025.
  3. Takahashi RN; Zuardi AW, Karniol IG. (Dezembro 1977). "Chemical composition of Brazilian marihuana samples and the importance of several constituents to the pharmacological activity of the plant". Revista brasileira de pesquisas médicas e biológicas 10(6):379-85.. PMID 609775.
  4. Gaoni Y.; Mechoulam R.. (1971). "Isolation and structure of. DELTA.+-tetrahydrocannabinol and other neutral cannabinoids from hashish" (pdf). Journal of the American Chemical Society.
  5. Wachtel SR; ElSohly MA, Ross SA, Ambre J, de Wit H. (Junho 2002). "Comparison of the subjective effects of Delta(9)-tetrahydrocannabinol and marijuana in humans". Psychopharmacology 161(4):331-9. PMID 12073159.
  6. a b Russo EB; McPartland JM. (Fevereiro 2003). "Cannabis is more than simply Δ9-tetrahydrocannabinol". Psychopharmacology 165:431–432. PMID 12491031.
  7. δ9 THC content in illicit cannabis products over the period 1997-2004 (first four months) (pdf). Visitado em 14 de Abril de 2008.
  8. Lupica, CR; Riegel, AC; Hoffman, AF. (Agosto 2004). "Marijuana and cannabinoid regulation of brain reward circuits". British Journal of Pharmacology 143: 227–234. DOI:10.1038/sj.bjp.0705931.
  9. 1972-08-3-Guidechem.com(em inglês)