Vitória de França

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde dezembro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros, acadêmico)Yahoo!Bing.
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, podendo ainda necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
Princesa Vitória

Maria Luisa Teresa Vitoria de França (11 de Maio de 17337 de junho de 1799) foi a sétima criança e a quinta filha do rei Luis XV e da rainha Maria Leszczyńska. Como a filha do rei, era a filha da França. Chamada primeiramente Madame Quatrième para depois ser Madame Vitória.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Junto com sua irmãs menores, foi educada, a partir de 1738, pelas religiosas da Abadia de Fontevraud. Foi chamada primeramente "Madame Quatrième" (sua irmã mais velha morreu em fevereiro de 1733 antes de seu nascimento), até que recebeu o batismo em 1745, ao mesmo tempo que suas irmãs, chamando-se, a partir daí, Vitória.

Vitoria era a mais formosa das filhas do Rei e da Rainha: "Seus olhos escuros tem uma inquietante doçura; a boca é sensual; o cabelo negro (como seu pai) é armonizado com o tinte mate e dourado; o vestido bordado em ouro, a echarpe de seda amarela e os encaixes brancos parecem prever um corpo voluptuso" escreveu Pedro de Nolhac ao comentar o retrato pintado por Nattier.

Vitoria voltou a Corte em março de 1748. Muito apegada a sua mãe, a rainha, a seu irmão, o Delfin, e a suas irmãs, sofreu com eles os continuos adulterios do Rei, a rigizez dos protocolos e a baixesa dos cortesãos. de modo que se retirou pouco a pouco da vida mundana de Versalhes. Nunca foi uma filha obediente e devota.

Vitoria aprendeu, como seu irmão e irmãs, a tocar distintos instrumentos de música, mas não chegou a aparecer nos bailes, onde devia aparecer. Mostrou um particular interesse pelos jardins e pelas plantas exoticas, uma fixação muito comun na epóca.Sua irmã Isabel, casada com o Infante de Espanha Felipe , desejava que Vitória se casasse com seu cunhado, o rei Fernando VI, cuja esposa se encontrava frágil de saúde. Mas a demencia que demonstrava Fernando e a morte de sua esposa impediu que se levasse a cabo o casamento.

Ao começar a Revolução francesa, estavam vivas apenas ela e sua irmã Maria Adelaide dos dez filhos que Luís XV teve com a rainha. As duas mulheres fugiram da França em fevereiro de 1791, refulgiando-se cada vez mais longe. Primeiro foram a Turim, onde vivia sua sobrinha Clotilde, irmã de Luis XVI e esposa do principe do Piemonte. Depois foram a Roma, protegidas pelo Papa, que as abrigou no Palácio Farnesio. Com a chegada das tropas francesa, elas se foram para Nápoles, onde reinava uma irmã de Maria Antonieta.

Vitoria foi a primeira a morrer com um Cancer de peito. Seus corpos foram repatriados a França por Luis XVIII, outro de seus sobrinhos, e enterrados na Basílica de Saint-Denis.