Akita Inu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura por raça canina americana, veja Akita americano.
Akita inu
Akita adulto
Nome original 秋田犬
País de origem  Japão
Características
Altura do macho 66-71 cm na cernelha
Altura da fêmea 61-66 cm na cernelha
Expectativa de vida 11-15 anos
Classificação e padrões
Federação Cinológica Internacional
Grupo 5 - Cães de tipo Spitz e de tipo Primitivo
Seção 5 - Spitzs asiáticos e raças semelhantes
Estalão #255 de 02 de abril de 2001

Akita inu (em japonês: 秋田犬) é uma raça de cães de grande porte do tipo spitz originária das regiões montanhosas do norte do Japão. Existem duas variedades distintas de Akita: um tipo japonês, comumente chamado Akita inu (inu significa cão em japonês) ou Akita japonês, e um tipo americano, conhecido como Akita americano.

O Akita tem uma pelagem dupla curta semelhante à de muitas outras raças de spitz do norte, como o Husky Siberiano, mas cães de pelagem longa também podem ser encontrados em muitas ninhadas devido a um gene recessivo.[1] A raça Akita é famosa pela história de Hachikō, e é amplamente conhecida por sua lealdade.

História[editar | editar código-fonte]

A raça de cães Akita originou-se nas terras nevadas e rurais de Akita e Odate, regiões montanhosas do Japão. Eles foram treinados para caçar animais como javalis e pequenos ursos.[2] Durante o Período Edo, a raça era muito utilizada em combates e brigas, especialmente populares na região de Odate. Entre os anos 1500 e 1800, o Akita serviu como companheiro para samurais.[3]

Os ancestrais do Akita inu são da raça Matagi, cães de caça e de tamanho médio originários do norte do Japão. Usados inicialmente como cães de briga, os Akita eram chamados de Odate. Levados à Tosa, tornaram-se lutadores ainda mais famosos, sendo então levados à província de Akita, que deu origem a seu nome. A partir de 1868, para atender à crescente demanda por cães de combate, os Akitas originais foram cruzados com raças maiores. Durante o início do século XX, a raça Akita estava em declínio, como resultado dos cruzamentos com raças maiores, como o Pastor-alemão, o Mastim Inglês e Tosa (raça). Como resultado, muitos espécimes começaram a perder suas características de spitz e adquiriram orelhas caídas, caudas retas, cores não japonesas (máscaras pretas e qualquer outra cor que não seja vermelha, branca ou tigrada) e pele solta.

A raça japonesa nativa Matagi foi usada junto com a raça Hokkaido inu para se misturar novamente com o Akita inu para recuperar o fenótipo de spitz e restaurar a raça Akita. Os Akita japoneses modernos têm relativamente poucos genes de cães ocidentais e são spitz em fenótipo após a reconstrução da raça, no entanto, o Akita americano descende amplamente do Akita misto antes da restauração da raça e, portanto, não são considerados verdadeiros Akita pelo padrão japonês.[4]

Os Akitas foram utilizados durante a Guerra Russo-Japonesa para rastrear prisioneiros de guerra e marinheiros perdidos.[5] Durante a Segunda Guerra Mundial os Akitas foram também cruzados com o cão Pastor-alemão em uma tentativa de salvá-los da ordem do governo em tempo de guerra para que todos os cães não militares sejam abatidos.[6] Alguns foram usados como batedores e guardas durante a guerra.

Em 1908, em vista dos efeitos sociais adversos, a proibição das brigas de cães foi finalmente emitida na prefeitura de Akita. Com a popularidade das lutas de cães em declínio, a mestiçagem com cães pesados europeus foi esquecida, o que ajudou a manter a pureza da raça nos anos seguintes.

A história de Hachikō, o mais venerado Akita de todos os tempos, ajudou a popularizar a raça internacionalmente. Hachikō nasceu em 1923 e pertenceu ao professor Hidesaburō Ueno.[7] O professor Ueno viveu próximo à estação de trem de Shibuya em um subúrbio da cidade e ia ao trabalho todos os dias de trem. Hachikō acompanhava seu mestre até a estação diariamente.[8] Em 25 de maio de 1925, quando o cão tinha 18 meses, ele esperou a chegada de seu mestre no trem das quatro horas, mas o professor Ueno sofreu uma hemorragia cerebral fatal no trabalho.[8] Hachikō continuou esperando o retorno de seu mestre.[8] Ele viajou para a estação todos os dias pelos próximos nove anos. Ele permitiu que os parentes do professor cuidassem dele, mas nunca desistiu da vigília na estação por seu mestre.[8] Sua vigília se tornou mundialmente reconhecida quando, em 1934,[9] pouco antes de sua morte, uma estátua de bronze foi erguida na estação de trem de Shibuya em sua homenagem.[8] Esta estátua foi derretida para munições durante a guerra, mas uma nova foi encomendada após a guerra.[9] Anualmente, desde 1936, no dia 8 de abril, Hachikō é homenageado com uma cerimônia solene de lembrança na estação ferroviária de Shibuya, em Tóquio.[10][11]

O cão Odate passou a ser chamado de "cão Akita" a partir de 1931.[12] No mesmo ano, o Akita foi oficialmente declarado como um Monumento Natural do Japão.[8] Em 1934, o primeiro padrão japonês de raça para o Akita inu foi listado, após a declaração da raça como um monumento natural do Japão.[13] Em 1967, comemorando o 50º aniversário da fundação da Akita Dog Preservation Society, o Akita Dog Museum foi construído para abrigar informações, documentos e fotos.[8] Há uma tradição no Japão, que quando uma criança nasce, recebe uma estátua de um Akita. Esta estátua simboliza saúde, felicidade e vida longa.[14]

O Akita "Tachibana",[15] um dos poucos Akitas que sobreviveram à guerra, retratado aqui em um selo postal japonês de 1953.

A Segunda Guerra Mundial levou o Akita à beira da extinção. No início da guerra, os cães tinham falta de comida nutritiva. Então muitos foram mortos para serem comidos pela população faminta e suas peles foram usadas como roupas. Finalmente, o governo ordenou que todos os cães restantes fossem mortos à vista para evitar a propagação de doenças. A única maneira de os proprietários preocupados poderem salvar seus amados Akitas era libertá-los em áreas montanhosas remotas, onde eles criavam seus cães ancestrais, os Matagi,[6] ou os escondiam das autoridades por meio do cruzamento com pastores alemães.[6] Morie Sawataishi e seus esforços para criar o Akita são os principais motivos pelos quais essa raça existe hoje.[16]

Após a guerra, o Akita inu foi levado para o exterior devido às forças de ocupação que chegaram ao Japão e às trocas humanas com países estrangeiros. Os cães Akita nessa época frequentemente eram cruzados com a raça Pastor-alemão, e esse tipo de cão Akita foi levado para os Estados Unidos, mais tarde se tornando o "Akita americano".[17] A famosa autora e ativista política Helen Keller é creditada por levar o primeiro Akita para os Estados Unidos em 1937, inspirada pelo lendário Hachikō. Keller achou os cães "gentis, amigáveis e confiáveis".[18]

No Japão, durante os anos de ocupação após a guerra, a raça começou a prosperar novamente através dos esforços de Sawataishi e outros.[15] Pela primeira vez, os Akitas foram criados para uma aparência padronizada.[19] Os criadores de Akita no Japão começaram a reunir e exibir os Akitas restantes e a produzir ninhadas para restaurar a raça a números sustentáveis e acentuar as características originais da raça.[20]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Como uma raça spitz, a aparência do Akita inu reflete adaptações para o frio essenciais à sua função original. Cão de grande porte e bem proporcionado, com uma estrutura óssea robusta.[21]

A testa é larga, com um nítido sulco frontal e sem rugas. Os olhos são relativamente pequenos, de formato quase triangulares devido à elevação do canto externo do olho e de cor marrom escuro. As orelhas são relativamente pequenas, grossas e triangulares, ligeiramente arredondadas nas extremidades, inseridas moderadamente separadas, eretas e inclinadas para frente. A cauda é vigorosamente enrolada sobre o dorso; com a extremidade quase alcançando os jarretes quando abaixada (esticada).[22]

O Akita tem pelos espessos e de duas camadas: uma camada externa dura e reta, e uma camada interna densa e macia. A cernelha e a garupa são revestidas com um pelo ligeiramente mais comprido e o pelo da cauda é mais longo que o do resto do corpo.[22] O pelo pode se apresentar nas seguintes cores: vermelho-fulvo, sésamo (pelos vermelho-fulvo com as pontas pretas), tigrado e branco. Todas as cores, exceto a branca, devem apresentar o “urajiro”, isto é, uma pelagem esbranquiçada nas laterais do focinho, nas bochechas, na face ventral da mandíbula, pescoço, peito, tronco e a cauda e na face interna dos membros.[22]

Existem dois tipos de pelagem no Akita: o comprimento padrão e o comprido.[1] Essa característica deriva de um gene autossômico recessivo que se acredita provir de cruzamentos antigos com o agora extinto cão karafuto-ken (樺 太).[23] O pelo longo é considerado uma falha desqualificante segundo o padrão oficial da raça.[22]

Diferenças entre o Akita inu e o Akita americano[editar | editar código-fonte]

Akita americano (esquerda), Akita Inu (direita)

As semelhanças entre as duas raças estão nas origens e no temperamento. A origem das duas raças obviamente são as mesma já que por anos seguidos foram considerados a mesma raça, ou seja, você poderia cruzar cães Akita inu com cães Akita americano.

Há uma pequena diferença de tamanho entre o Akita japonês e o Akita americano. O Akita japonês tem um tamanho que varia de 59 a 64 cm, enquanto o Akita americano pode atingir uma altura entre 61 e 71 cm.[24] O Akita inu apresenta pelagem apenas nas seguintes cores: vermelho-fulvo, sésamo, tigrado e branco[22]; já o Akita Americano apresenta pelos em diversas cores e combinações.

Outra diferença notável é a aparência da cabeça - um Akita americano tem uma cabeça de urso, mas um Akita japonês tem uma cabeça de raposa. Embora ambos tenham orelhas triangulares, as orelhas da Akita japonesa são menores e ficam um pouco mais à frente, mas as orelhas da Akita americana ficam mais eretas, maiores e de inserção mais semelhante ao dos Pastores alemães.[24]

O Akita inu não é tão musculoso quanto o Akita americano; geralmente têm uma aparência mais magra e uma cauda enrolada que se curva nas costas. Os olhos do Akita americano são pequenos e profundos, já os olhos de um Akita inu são amendoados, semelhantes aos de um Husky. O Akita americano parece mais musculoso e tem uma pele mais frouxa do que o Akita japonês. Ambas as variedades têm um casaco duplo e perdem pelo sazonalmente.[24]

Cuidados e Alimentação[editar | editar código-fonte]

A raça precisa de cuidados com sua aparência, necessita de escovagem semanal, visto que eles perdem muito pelo, e trocam de pelagem de duas a três vezes por ano.[1]

Eles precisam de muita atenção e preferem por ficar dentro das residências dos seus donos, sempre com companhia[25]. Eles também têm a capacidade de suportar ambientes com temperaturas mais baixas.

O temperamento é calmo, fiel, dócil e receptivo.[22] Embora o cão seja um pouco teimoso, ele se comportará adequadamente sob a orientação de um treinador dedicado. No entanto, alguns Akitas mostram sinais de agressão a outros cães e ficam nervosos com estranhos.[21] Com a sua personalidade forte e por serem animais territoriais, recomenda-se que eles sejam o único cão da residência para evitar brigas e lesões desnecessárias. Quando colocado em ambientes diferentes e educado dessa forma desde cedo, ele tende a ser mais socializável. Como sempre devemos ser precavidos, é recomendável ficar de olho quando ele estiver próximo de outros animais e até mesmo crianças desconhecidas, para acompanhar seu comportamento e ver se ele não irá agir de forma diferente.[26]

Às vezes são descritos como felinos em suas ações; não é incomum um Akita limpar o rosto depois de comer, se limpar como um gato e agir de forma meticulosa.[27]

Na alimentação, o Akita deve se dar bem com um alimento de alta qualidade, com rações de alta qualidade ou alimentos preparados em casa com supervisão e aprovação de um veterinário. Qualquer dieta deve ser apropriada à idade do cão (filhote, adulto ou sênior). Alguns especialistas em raças recomendam que os Akitas com 7 anos ou mais sejam alimentados com uma dieta "leve" ou menos densa em calorias como defesa contra o possível aparecimento de doença renal.[28]

Saúde[editar | editar código-fonte]

Doenças autoimunes[editar | editar código-fonte]

Sabe-se que muitas vezes ocorrem no Akita muitas doenças autoimunes, que incluem, entre outras:

Doenças endócrinas imunomediadas[editar | editar código-fonte]

Além desses, também existem as doenças endócrinas imunomediadas com um fator hereditário, como:

Doenças específicas não-imunes[editar | editar código-fonte]

Outras condições específicas não-imunes conhecidas por terem ocorrido no Akita incluem:

Força da mordida[editar | editar código-fonte]

O Akita possui uma mordida muito potente para o seu tamanho, na ordem dos 350-400 psi, o que corresponde aproximadamente a 25-28,1 kgf/cm2 (quilograma-força por centímetro quadrado).[37]

Comparativamente com outras raças:

Legenda da tabela:

psi - Pound per Square Inch ou Libra por Polegada Quadrada

kgf/cm2- kilogram force per square centimeter ou quilograma-força por centímetro quadrado

País de Origem Raça Força da mordida
Turquia Kangal 743 psi 52,2 kgf/cm2
Itália Cane corso 700 psi 49,2 kgf/cm2
França Dogue de Bordeaux 556 psi 39,1 kgf/cm2
Japão Tosa Inu 556 psi 39,1 kgf/cm2
Inglaterra Mastim Inglês 552 psi 38,8 kgf/cm2
Espanha Presa Canário 540 psi 38,0 kgf/cm2
Argentina Dogo Argentino 500 psi 35,2 kgf/cm2
Estados Unidos da América Akita Americano 400 psi 28,1 kgf/cm2
Alemanha Leonberger 399 psi 28,0 kgf/cm2
Japão Akita Inu 350 psi 25 kgf/cm2
Alemanha Rottweiler 328 psi 23,1 kgf/cm2
Estados Unidos Buldogue Americano 305 psi 21,4 kgf/cm2
Alemanha Pastor Alemão 238 psi 16,7 kgf/cm2
Estados Unidos American Pit Bull Terrier 235 psi 16,5 kgf/cm2
Alemanha Boxer 230 psi 16,1 kgf/cm2
Alemanha Dobermann 228 psi 16,0 kgf/cm2
Espanha Alano Espanhol 227 psi 16,0 kgf/cm2
Alemanha Pastor Holandês 224 psi 15,7 kgf/cm2
China Chow-Chow 220 psi 15,5 kgf/cm2
Inglaterra Buldogue Inglês 210 psi 14,8 kgf/cm2
Bélgica Pastor Belga (Malinois) 195 psi 13,7 kgf/cm2

Na cultura[editar | editar código-fonte]

  • O Akita mais famoso foi Hachiko, que ficou conhecido por aguardar por muitos anos o retorno de seu dono que havia falecido. Hachiko inspirou o filme japonês Hachiko Monogotari(1987) e o remake americano Sempre ao seu lado(2009), e foi também homenageado em sua terra natal, ainda em vida, com uma estátua de bronze e honrarias. Após sua morte em 1935, foi empalhado e continua sendo exposto no Museu Nacional de Ciência do Japão.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Taylor, Jason. (1996). Guide to owning an Akita: puppy care, grooming, training, history, health, breed standard. Neptune, N.J.: T.F.H. Publications. OCLC 37416763 
  2. Bouyet, Barbara (1992). Akita, Treasure of Japan. Japan: MIP Publishing 
  3. «Morie Sawataishi: Saviour of Japan's akita Samurai dog» (em inglês). 11 de dezembro de 2008. ISSN 0307-1235 
  4. Catherine Marien (6 setembro 2004). «Akita Inu (Akita-ken)». Japanese Dogs. Consultado em 14 de outubro de 2020 
  5. Allsopp, Nigel (2012). K9 Cops: Police Dogs of the World (em inglês). [S.l.]: Big Sky Publishing 
  6. a b c «Akita Inu Breed History». Japanese Akita Inu Club Great Britain. 18 maio 2005 
  7. Killilea, David; Jenny Killilea (1988). The Akita Today. Glouchestershire, UK: Ringpress Books Ltd. pp. 15–16. ISBN 1-86054-099-6 
  8. a b c d e f g Chida, Hiroshi (27 novembro 2003). «Odate museum honors national dog, the Akita». Stripes Pacific Travel. Stars and Stripes. Consultado em 6 de agosto de 2020 
  9. a b Andrews, Barbara J. (1996). Akitas. N.J. USA: T.F.H Publications Inc. pp. 21–22. ISBN 0-7938-2760-4 
  10. American Kennel Club (listed author): The Complete Dog Book: The Photograph, History, and Official Standard of Every Breed Admitted to AKC Registration, and the Selection, Training, Breeding, Care, and Feeding of Pure-bred Dogs, Howell Book House, 1985, page 269. ISBN 0-87605-463-7.
  11. Ruthven Tremain, The Animals' Who's Who: 1,146 Celebrated Animals in History, Popular Culture, Literature, & Lore, Scribner, 1984, page 105. ISBN 0-684-17621-1. Accessed via Google Books August 21, 2008.
  12. «秋田犬(あきたいぬ, Japanese Akita)~犬種の歴史・特徴・性格から写真・動画まで | 子犬のへや». www.koinuno-heya.com. Consultado em 6 de agosto de 2020 
  13. Andrews, Barbara J. (1996). Akitas. N.J. USA: T.F.H. Publications Inc. p. 17. ISBN 0-7938-2760-4 
  14. Club, American Kennel. «Akita History & Training/Temperament». www.akc.org. Consultado em 20 de setembro de 2016 
  15. a b «Morie Sawataishi: Saviour of Japan's Akita Samurai dog». Japão: Daily Telegraph. 11 de dezembro 2008 
  16. Sherrill, Martha. Dog Man: An Uncommon Life on a Faraway Mountain. City: Penguin USA. p. 256. ISBN 978-1-59420-124-0  ISBN 978-1-59420-124-0
  17. «みんなの犬図鑑 - 秋田犬». www.min-inuzukan.com (em japonês). Consultado em 7 de agosto de 2020 
  18. «First Akitas in the USA - Natural Akita». Natural Akita (em inglês) 
  19. Robert Bila (7 junho 2013). «Akiko». www.clubakita.ro. Consultado em 7 de fevereiro de 2018 
  20. Kimura, Tatsuo (7 novembro 2005). «A History Of The Akita Dog». Akita Learning Center 
  21. a b «Akita». www.petmd.com. Consultado em 7 de agosto de 2020 
  22. a b c d e f «Padrão Oficial da Raça AKITA» (PDF). Confederação Brasileira de Cinofilia. 2 de abril de 2001. Consultado em 6 de agosto de 2020 
  23. Andrews, Barbara J. (1996). A new owner's guide to akitas. Neptune, N.J.: T.F.H. Publications. OCLC 36040153 
  24. a b c «Japanese Akita vs American Akita». helloBARK! (em inglês). 21 de agosto de 2019. Consultado em 7 de agosto de 2020 
  25. «Fotos Akita - Raça Cachorro». vidanimal.com.br 
  26. Welton, Michele. «Akita Inu: What's Good and Bad About Akitas». www.yourpurebredpuppy.com (em inglês). Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  27. Oct 15, Mara Bovsun; Oct 15, 2015 | 2 Minutes; Minutes, 2015 | 2. «10 Surprising Facts About Akitas». American Kennel Club (em inglês). Consultado em 7 de agosto de 2020 
  28. «Akita Dog Breed Information». American Kennel Club (em inglês). Consultado em 7 de agosto de 2020 
  29. Cottelll, Beverley D.; Barnett, K. C. (1987). «Harada's disease in the Japanese Akita». Journal of Small Animal Practice. 28 (6): 517–21. doi:10.1111/j.1748-5827.1987.tb01445.x 
  30. a b c «Akita Inu Portugal - Japanese Akit Inu». Akita Inu Portugal. Consultado em 7 de agosto de 2020 
  31. «Diseases of The Japanese Akita-Inu». Japanese Akita Club of America. Cópia arquivada em 29 de dezembro de 2014 
  32. a b c d e f g «Akita Inu - Principais doenças». Dicas Petlove. 15 de junho de 2020. Consultado em 7 de agosto de 2020 
  33. Kuhl, K. A.; Shofer, F. S.; Goldschmidt, M. H. (janeiro de 1994). «Comparative Histopathology of Pemphigus Foliaceus and Superficial Folliculitis in the Dog». Veterinary Pathology (em inglês). 31 (1): 19–27. ISSN 0300-9858. doi:10.1177/030098589403100103 
  34. a b c d Bouyet, Barbara; Meyers, Alicia; Eltinge, Steve; Dodds, Jean (2002). Akita, Treasure of Japan. 2. Thousand Oaks, California, USA: Magnum Publishing. pp. 268–269. ISBN 0-9716146-0-1 
  35. Kennedy, L. J.; Quarmby, S.; Happ, G. M.; Barnes, A.; Ramsey, I. K.; Dixon, R. M.; Catchpole, B.; Rusbridge, C.; Graham, P. A. «Association of canine hypothyroidism with a common major histocompatibility complex DLA class II allele». Tissue Antigens. 68 (1): 82–86. ISSN 0001-2815. doi:10.1111/j.1399-0039.2006.00614.x 
  36. a b c d Barbara Bouyet (1999). «Diseases & Disorders». akitarescue.com. Consultado em 7 de agosto de 2020 
  37. Bradford, Casey (22 de fevereiro de 2019). «Top 23 Dog Breeds With the Strongest Bite». Casey Bradford. Consultado em 18 setembro 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Akita Inu