American Psycho (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
American Psycho
Psicopata Americano (PRT/BRA)
Poster do lançamento fílmico
 Canadá[1]
 Estados Unidos[2]

2000 •  cor •  101[3] min 
Direção Mary Harron
Produção
Roteiro
Elenco
Música John Cale
Cinematografia Andrzej Sekuła
Edição Andrew Marcus
Companhia(s) produtora(s)
  • Edward R. Pressman Productions
  • Muse Productions
Distribuição Lions Gate Films (Estados Unidos)
Columbia Pictures (Internacional)
Lançamento 21 de janeiro de 2000 (Sundance)
14 de abril de 2000 (Estados Unidos)
Idioma inglês
Orçamento $7 milhões[4]
Receita $34.3 milhões[4]

American Psycho (Psicopata Americano) é um filme de terror psicológico satírico neo-noir[5] americano de 2000 co-escrito e dirigido por Mary Harron, baseado no romance do mesmo nome de 1991 de Bret Easton Ellis.[6] Estrela Christian Bale, Willem Dafoe, Jared Leto, Josh Lucas, Chloë Sevigny, Samantha Mathis, Cara Seymour, Justin Theroux, Guinevere Turner e Reese Witherspoon.

O produtor Edward R. Pressman comprou os direitos de filmagem para o romance em 1992. Após discussões com David Cronenberg caírem a parte, Harron foi trazida para dirigir e elencou Bale no papel principal. Lionsgate adquiriu a distribuição mundial em 1997 e temporariamente substituiu Harron e Bale com Oliver Stone como diretor e Leonardo DiCaprio retratando Patrick Bateman. DiCaprio saiu em favor de The Beach e Harron e Bale foram trazidos de volta. American Psycho estreou no Sundance Film Festival em 21 de janeiro de 2000, e foi lançado nos cinemas em 14 de abril de 2000. O filme foi um sucesso financeiro e recebeu geralmente revisões positivas, com muito do elogio direcionado para a performance de Bale e o roteiro. Tem desde então desenvolvido um seguimento cult.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Em 1987, a vida de um rico banqueiro de investimento de Nova Iorque, Patrick Bateman, gira ao redor de jantar em restaurantes da moda enquanto mantendo as aparências para sua noiva Evelyn e seu círculo de associados rasos e ricos, a maioria de quem ele desgosta. Bateman descreve os apetrechos materiais de seu estilo de vida, incluindo seu diário exercício matinal, rotina de embelezamento, guarda-roupa estilístico e mobília cara. Ele também discute sua coleção de música, qual inclui Huey Lewis and the News, Phil Collins e Whitney Houston.

Bateman e seus associados ostentam seus cartões de negócios em uma demonstração de vaidade. Enfurecido pela superioridade do cartão do colega de trabalho Paul Allen, Bateman assassina um homem sem-teto e mata o cão do homem. Em um festa de Natal, Bateman faz planos para ter um jantar com Allen, quem confunde Bateman por outro colega de trabalho, Marcus Halberstram. Bateman deixa Allen bêbado e atrai ele de volta para seu apartamento. Enquanto tocando "Hip to Be Square" no stereo, Bateman entrega um monólogo para Allen sobre os méritos artísticos da canção e de Huey Lewis and the News, então assassina ele com um machado cromado. Ele descarta o corpo de Allen, e então vai até seu apartamento para encenar a situação para que outros acreditem que Allen tinha corrido longe para Londres.

Bateman é mais tarde entrevistado sobre o desaparecimento de Allen em seu escritório pelo detetive particular Donald Kimball. Durante a noite, Bateman leva duas prostitutas, a quem ele nomeia Christie e Sabrina, para seu apartamento e explica para elas a melhoria que ele viu na banda Genesis após eles se moverem longe do rock progressivo em direção para um som mais pop rock começando com o álbum Duke. Após eles terem sexo, Bateman diz a elas para ficarem, enquanto tirando fora instrumentos que ele usa para danos corporais. Na próxima cena, elas deixam seu apartamento bastante ensanguentadas.[7]

No próximo dia, o colega de Bateman, Luis Carruthers, revela seu novo cartão de negócios. Bateman tenta matar Luis no banheiro de um caro restaurante e tenta estrangular ele. Luis confunde a tentativa de assassinato por um avanço sexual e declara seu amor por Bateman, que foge em enojo. Após assassinar uma modelo, Bateman convida sua secretária, Jean, para jantar, sugerindo para ela encontrar ele em seu apartamento para drinques antes. Quando Jean chega, Bateman, sem o conhecimento dela, segura uma arma de pregos na parte de trás de sua cabeça enquanto os dois conversam. Quando ele recebe uma mensagem da secretária eletrônica de sua noiva, Evelyn, ele pede para a Jean para sair. Kimball encontra Bateman para um almoço e conta para ele que ele não está sob suspeita.

Bateman mais tarde convida Christie e sua conhecida Elizabeth até o apartamento de Allen para sexo, e mata Elizabeth durante o ato. Christie corre, descobrindo múltiplos corpos femininos em vários quartos como ela procura por uma saída. Um nu Bateman persegue ela enquanto empunhando uma motosserra, e joga isso nela como ela foge abaixo de uma escadaria, matando ela.

Bateman interrompe seu engajamento com Evelyn. Naquela noite, como ele usa um ATM, ele encontra um gatinho vagando. O ATM exibe o texto "feed me a stray cat". Como ele prepara para atirar no gato, uma mulher vê e tenta parar ele; ele atira nela e deixa o gato ir livre. Uma perseguição policial ocorre mas Bateman destrói os carros de polícia por atirar em seus tanques de gasolina. Fugindo para seu escritório, Bateman entra no prédio de escritórios errado, onde ele assassina um guarda de segurança e um zelador. Em um escritório que ele acredita ser seu, Bateman chama seu advogado Harold Carnes e freneticamente deixa uma longa confissão na secretária eletrônica de Carnes.

Na manhã seguinte, Bateman visita o apartamento de Allen, esperando para estar cheio de corpos em decomposição e no meio de uma investigação policial, mas está vago, frescamente pintado e para venda. A corretora trocadilha Bateman para revelar que ele não está lá para a venda e enigmaticamente diz para ele que esse não é o apartamento de Paul Allen, antes de ordenar ele para sair. Como Bateman vai ao encontro com seus colegas e advogado para almoço, uma horrorizada Jean encontra detalhados desenhos de assassinato e mutilação no diário de escritório de Bateman, implicando que seus assassinatos podem ser invenções da imaginação de Bateman.

Bateman vê Carnes em um restaurante e menciona a mensagem telefônica que ele deixou na noite anterior. Carnes confunde Bateman por outro colega e ri fora da mensagem telefônica de confissão como uma piada. Bateman desesperadamente explica quem ele é e novamente confessa o assassinato, mas Carnes diz que é impossível, como ele tinha jantado com Allen em Londres dias antes. Um confuso e exausto Bateman retorna para seus amigos, onde eles brevemente meditam sobre se Ronald Reagan é um inofensivo velho homem ou um escondido psicopata, antes de discutirem suas reservas de jantar ainda novamente. Em uma final narração voice-over, ele percebe que ele irá continuar a escapar da punição que ele merece, e que não tem havido alguma catarse: "This confession has meant nothing".

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

O produtor Edward R. Pressman comprou os direitos de filmagem para o romance de Bret Easton Ellis, American Psycho em 1992, com Johnny Depp expressando um interesse no papel principal.[8] Após discussões com Stuart Gordon para dirigir caírem a parte, David Cronenberg se tornou apegado e trouxe Ellis para adaptar o romance para um roteiro. O processo foi dificultoso para Ellis, devido para os constrangimentos de cenas de Cronenberg e por não querer usar qualquer material de clubes noturnos ou restaurantes de Ellis do romance. O script terminou com uma elaborada sequência musical para "Daybreak" de Barry Manilow no topo do World Trade Center. "Estou agradecido que isso não foi gravado, mas aquele tipo mostra para você onde eu estava quando eu fui escrever o script," Ellis refletiu. "Eu estava entediado com o material."[9] Cronenberg foi ainda listado como sendo apegado para dirigir em março de 1994, mas com um novo script por Norman Snider.[10]

Pressman apareceu no 1996 Cannes Film Festival para pré-vender os direitos de distribuição, mas não teve sucesso.[11] Mary Harron substituiu Cronenberg como diretor enquanto escrevendo um novo script com Guinevere Turner. Harron elencou Christian Bale em um acordo de boa fé,[12] e apegou Willem Dafoe e Jared Leto em papéis de apoio. Desenvolvimento foi procurado mover para frente seguindo seis anos de rejeição pelos estúdios de Hollywood[13] quando o distribuidor independente canadense Lionsgate Films adquiriu a distribuição mundial em abril de 1997.[13] Após tendo esperado por um ano, Bale e Harron estavam pretendendo começar a filmar em agosto de 1998 em um orçamento de $6–10 milhões,[13][14] mas Lionsgate em vez disso buscou Edward Norton e Leonardo DiCaprio para o papel principal, argumentando que Bale não era famoso o suficiente.[8] Lionsgate estava ainda esperando finalizar um acordo com Harron,[14] enquanto o acordo de aperto de mão de Bale sem um pagamento ou contrato de atuação foi deixado ir. Harron recusou se encontrar com DiCaprio, descontente como ela tinha escolhido Bale e acreditado que a presença de tela de DiCaprio iria ter sido muito infantil para Patrick Bateman. Ela também acreditava que a reputação do ator como um ídolo adolescente seguindo Romeo + Juliet e Titanic iria distrair a produção e tom de American Psycho.[8]

Lionsgate estava planejando aumentar o orçamento de produção para $40 milhões nas esperanças de assegurar o preço pedido de $21 milhões de DiCaprio.[15] No 1997 Cannes Film Festival, um comunicado de imprensa foi emitido que DiCaprio tinha tomado a oferta,[14] qual foi rapidamente refutado pelo manager de DiCaprio, Rick Yorn, que afirmou que o ator tinha simplesmente expressado interesse na parte. Yorn também queria deixar claro que DiCaprio não tinha conhecimento da história do desenvolvimento sob Harron e Bale.[16] DiCaprio elaborou uma curta lista de diretores de substituição, incluindo Oliver Stone, Danny Boyle, e Martin Scorsese. Trabalhando a partir de um novo script escrito por Matthew Markwalder, Stone foi trazido a bordo, quem Harron chamou "provavelmente a única pior pessoa solteira para fazer isso". O diretor queria eliminar a sátira do script de Harron, enfatizando os traços psicológicos do personagem de Patrick Bateman. Entretanto, Stone não poderia concordar sobre a direção do filme com DiCaprio, que decidiu estrelar em The Beach em vez disso.[8]

Bale permaneceu comprometido, recusando outros papéis em filmes e audições por nove meses, confiante de que DiCaprio iria embora.[8] Lionsgate fez uma oferta para Ewan McGregor, que recusou isso após Bale pessoalmente incitar ele a fazer isso.[17] Harron e Bale foram eventualmente trazidos de volta sob o acordo de que o orçamento não iria exceder $10 milhões.[8] Bale gastou vários meses trabalhando fora por si mesmo, e então três horas por dia com um treinador durante a pré-produção, para alcançar a apropriada psiquê para o narcisista Bateman.[18] Harron reivindicou que Bale lutou com o papel até ele perceber Tom Cruise em uma entrevista no Late Night with David Letterman, sendo atingido pela energia de Cruise e "intensa amizade com nada por trás dos olhos".[19] Bale também usou a performance de Nicolas Cage em Vampire's Kiss como inspiração para este papel.[20] Filmagem começou em março de 1999 em Toronto, Canadá.[8]

Marketing[editar | editar código-fonte]

Como promoção, um poderia se registrar para receber e-mails "de" Patrick Bateman, supostamente para seu terapeuta.[21] Os e-mails, escritos por um escritor ligado ao filme e aprovado pelo autor do livro, Bret Easton Ellis, seguem a vida de Bateman desde os eventos do filme. Ele discute tais desenvolvimentos como seu casamento com (e iminente acordo de divórcio com) sua anterior secretária, Jean, sua completa adoração de seu filho, Patrick Jr., e seus esforços para triunfar sobre seus rivais de negócios. Os e-mails também descrevem ou mencionam interações com outras personagens do romance, incluindo Timothy Price (Bryce na versão fílmica), Evelyn, Luis, Courtney, David, Detective Kimball, e Marcus. Entretanto, a estrela do filme, Christian Bale, não estava feliz com esse tipo de marketing: "Minha principal objeção é que algumas pessoas pensam que isso irá ser eu retornando estes e-mails. Eu não gosto disso ... Eu penso que o filme fica de pé em seus próprios méritos e deveria atrair uma audiência que pode apreciar sátira inteligente. Isso não é um filme slasher, mas também não é American Pie. O marketing deve refletir isso."[21]

Lionsgate gastou $50,000 em um jogo de mercado de ações online, Make a Killing with American Psycho, qual convidava jogadores para investir em filmes, atores, ou músicos usando falso dinheiro de Hollywood. Essa jogada de marketing fez pouco para ajudar a receita do filme mas o co-presidente do estúdio, Tom Ortenberg, ainda afirmou que isso foi um sucesso: "O objetivo era para ganhar exposição e consciência para o filme, e nós fizemos isso," ele disse. "Lionsgate irá fazer um arrumado lucro do filme."[22]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

A trilha sonora para o filme foi pontuada por John Cale, com artistas tais como David Bowie, The Cure, e New Order.[23] A canção "Hip to Be Square" de Huey Lewis and the News aparece no filme e foi inicialmente intencionada para estar no álbum da trilha sonora, mas foi removida do álbum devido para falta de direitos de publicação.[24] Como um resultado, Koch Records foi forçada para recolher aproximadamente 100,000 cópias do álbum qual foram destruídas. Presidente da Koch Records, Bob Frank, disse, "Como um resultado da violenta natureza do filme, o management de Huey Lewis decidiu não dar autorização para a trilha sonora."[24] Manager de Lewis, Bob Brown, afirmou que o músico não tinha visto o filme e que "nós sabiamos nada sobre um álbum de trilha sonora. Eles apenas foram em frente e colocaram o corte lá. Eu penso o que eles estão tentando fazer é angariar publicidade para eles mesmos."[24] Em um entrevista de 2013 com Rolling Stone, Lewis afirmou que a violência no filme desempenhou nenhuma parte na decisão de não permitir a canção para ser incluída na trilha sonora. Ele reiterou a negação anterior de Bob Brown afirmando "Isso estava no USA Today e qualquer outro lugar. Isso dizia, 'Huey Lewis viu o filme e foi tão violento que ele puxou seu tom da trilha sonora.' Isso foi completamente inventado."[25] Em adição, antes do início da fotografia principal, Whitney Houston recusou em permitir o uso de sua performance da canção "The Greatest Love of All" no filme; sua versão foi substituída por uma versão orquestrada de fácil escuta.[24]

AllMusic classificou o álbum de trilha sonora em três de cinco estrelas.[26]

American Psycho: Music from the Controversial Motion Picture

  1. "You Spin Me Round (Like a Record)" – Dope (Dead or Alive cover)
  2. "Monologue 1" – John Cale
  3. "Something in the Air" (American Psycho Remix) – David Bowie
  4. "Watching Me Fall" (Underdog Remix) – The Cure
  5. "True Faith" – New Order
  6. "Monologue 2" – John Cale
  7. "Trouble" – Daniel Ash
  8. "Paid in Full" (Coldcut Remix) – Eric B. & Rakim
  9. "Who Feelin' It" (Philip's Psycho Mix) – Tom Tom Club
  10. "Monologue 3" – M. J. Mynarski
  11. "What's on Your Mind" (Pure Energy Mix) – Information Society
  12. "Pump Up the Volume" – M/A/R/R/S
  13. "Paid in Full" (Remix) – The Racket
  14. "Monologue 4" (hidden track)

Outras canções que aparecem no filme mas não no álbum

  1. "Walking on Sunshine" – Katrina and the Waves
  2. "I Touch Roses" – Book of Love
  3. "Hip to Be Square" – Huey Lewis and the News
  4. "The Lady in Red" – Chris de Burgh
  5. "If You Don't Know Me by Now" – Simply Red
  6. "In Too Deep" – Genesis
  7. "Sussudio" – Phil Collins
  8. "Secreit Nicht" – Mediæval Bæbes
  9. "Red Lights" – Curiosity Killed the Cat
  10. "Simply Irresistible" – Robert Palmer
  11. "Greatest Love of All" – Whitney Houston (Instrumental Version)
  12. "Al Mirar Tu Cara" – Santiago Jimenez Jr.
  13. "All I Ever Wanted" – Depeche Mode

Lançamento[editar | editar código-fonte]

American Psycho estreou no 2000 Sundance Film Festival.[27] A Motion Picture Association of America (MPAA) inicialmente deu ao filme uma classificação NC-17 por uma cena apresentando Bateman tendo um threesome com duas prostitutas. Os produtores retiraram aproximadamente 18 segundos de filmagem para obter uma R-rated versão do filme.[28][29]

Recepção[editar | editar código-fonte]

American Psycho debutou no Sundance Film Festival, onde isso polarizou audiências e críticos; alguns regaram o filme com elogios por sua escrita e performance de Christian Bale, outros com criticismo por sua violenta natureza.[30] Em cima de seu lançamento fílmico, entretanto, o filme recebeu positivas revisões em cruciais publicações, incluindo The New York Times qual chamou isso uma "média e magra comédia de horror clássica".[31] Isso foi comparado com Fight Club, em qual Leto também apareceu. Roger Ebert deu ao filme três de quatro estrelas e considerando Christian Bale como sendo "heróico no caminho que ele permite o personagem saltar alegremente para a desprezabilidade; não há instinto de autopreservação aqui, e essa é uma marca de um bom ator".[32] Em sua revisão para o Los Angeles Times, Kenneth Turan escreve, "A verdade difícil é que quanto mais visualizadores puderem modelar a si mesmos após o protagonista Bateman, mais eles podem distanciar a eles mesmos da realidade humana da escorregadia violência que preenche a tela e leva isso todos os tipos de uma piada legal, mais eles prováveis para apreciar este pedaço de trabalho natimorto, sem ponto".[33] David Ansen da revista Newsweek escreve, "Mas após uma hora de dissecar a cultura do materialismo, narcisismo e ganância dos anos 80, o filme começa a repetir a si mesmo. Isso se torna mais terrível e surreal, mas não mais interessante."[34] Em sua revisão para The Village Voice, J. Hoberman escreve, "Se qualquer coisa, Bale é muito sabido. Ele ansiosamente trabalha dentro das restrições das marcas de citação que Harron coloca ao redor de sua performance".[35]

Peter Travers da Rolling Stone escreve, "sempre que Harron cava abaixo da terrível superfície em procura de sentimentos que não tinham sido dessensibilizados, o horrível e hilário American Psycho pode ainda atacar um nervo cru".[36] Em uma de alguma forma positiva revisão para revista Slate, David Edelstein notou a brutalidade e conteúdo sexual atenuados em comparação para o romance e escreveu que o momento onde Bateman poupa sua secretária é quando "este filme unidimensional floresce como uma flor".[37] Owen Gleiberman deu ao filme uma classificação "A&minus", escrevendo para Entertainment Weekly: "Por tratar o livro como matéria-prima para um exercício exuberantemente perverso na Nostalgia dos anos 80, [Harron] reformula os anos go-go como um template para a casualmente cultura de imagem/moda/consumidora de lavagem cérebral que emergiu deles. Ela tem feito um filme que é realmente uma parábola de hoje."[38] Richard Corliss da revista Time escreve, "Harron e co-roteirista Guinevere Turner entendem o livro, e elas querem que seu filme seja entendido como uma comédia de costumes de período".[39]

Bloody Disgusting classificou o filme no No. 19 em uma lista dos "Top 20 Horror Films of the Decade", com o artigo elogiando "A hilária vez perturbadora/sombria de Christian Bale como serial killer/homem de negócios de Manhattan Patrick Bateman, um papel que em retrospectiva poderia não ter sido interpretado por outro ator. ... Em seu melhor, o filme reflete nosso próprio narcisismo, e a rasa cultura americana da qual isso foi gerado, com penetrante eficácia. Muito do crédito por isso pode ir para diretora Mary Harron, cujas tendências fora de ordem são um bom complemento para o estilo único de Ellis."[40]

O autor Ellis disse, "American Psycho foi um livro que eu não penso que precisaria ser transformado em um filme", como "o médio do filme demanda respostas", quais iriam fazer o livro "infinitamente menos interessante".[41] Ele também disse que enquanto o livro tentava adicionar ambiguidade para os eventos e para confiabilidade de Bateman como um narrador, o filme apareceu para fazer eles completamente literais antes de confundir a questão bem perto do fim.[42] Em uma aparição de 2014 no podcast WTF with Marc Maron, Ellis indicou que seus sentimentos em direção ao filme eram mais mistos que negativos; ele reiterou sua opinião que sua concepção de Bateman como um narrador não confiável não fez uma inteiramente sucedida transição da página para tela, adicionando que a narração de Bateman era tão não confiável que mesmo ele, como autor do livro, não saberia se Bateman estava honestamente descrevendo eventos que realmente aconteceram ou se ele estava mentindo ou mesmo alucinando. Entretanto, Ellis apreciou que o filme clarificou o humor para audiências que confundiram a violência do romance por flagrante misoginia como oposta para a deliberadamente exagerada sátira que ele intencionava, e gostou que isso deu ao seu romance "uma segunda vida" em introduzir isso para novos leitores. Ultimamente, Ellis disse "o filme estava okay, o filme estava bom. Eu apenas não pensei que isso precisasse ter sido feito."[43]

No Rotten Tomatoes o filme tem uma classificação de aprovação de 68% baseada em 145 reviews, com uma ponderada média de 6.3/10. O consenso do website afirma "Se isso cai curtamente da mortal sátira do romance de Bret Easton Ellis, American Psycho ainda encontra sua própria mistura de horror e humor, graças em parte para uma apropriada performance arrepiante por Christian Bale." [44]

Mídia doméstica[editar | editar código-fonte]

Um DVD de edição especial foi lançado em 21 de julho de 2005.[45] Nos EUA, duas versões do filme têm sido lançadas: uma versão R-rated e unrated. Para o lançamento cinemático da versão editada e R-rated nos EUA, os produtores retiraram cerca de 18 segundos de filmagem de uma cena apresentando Bateman tendo um threesome com duas prostitutas. Algum diálogo foi também editado: Bateman ordena uma prostituta, Christie, para se inclinar para que a outra, Sabrina, possa "see your asshole", qual foi editada para "see your ass". A versão não editada também mostra Bateman recebendo sexo oral de Christie. A versão uncut foi lançada em Blu-ray em 6 de fevereiro de 2007.[46]

Legado[editar | editar código-fonte]

O músico independente Miles Fisher cobriu a "This Must Be the Place (Naive Melody)" em seu autointitulado EP de 2009, Miles Fisher. O vídeo musical é uma homenagem para American Psycho, com Fisher imitando a performance de Christian Bale como Patrick Bateman.

A influência do filme pode ser vista no vídeo musical de Kanye West, "Love Lockdown".[47]

O filme tem gerado vários trabalhos acadêmicos que examinam o filme como uma forma de crítica social.[48]

American Psycho tem encontrado popularidade no website imageboard 4chan como algo de um meme entre seus usuários.[49]

Sequela[editar | editar código-fonte]

Uma sequela direct-to-video, American Psycho 2, dirigida por Morgan J. Freeman e estrelando Mila Kunis, foi lançada em 2002. A única conexão da sequela com o original é a morte de Patrick Bateman (interpretado por Michael Kremko usando uma máscara de rosto), brevemente mostrada em um flashback. O filme foi denunciado pelo autor de American Psycho, Bret Easton Ellis.[50] Em 2005, a estrela Mila Kunis expressou constrangimento sobre o filme, e falou contra a ideia de uma sequela. "Por favor—alguém pare isso," ela disse. "Escreva uma petição. Quando eu fiz aquele segundo, eu não sabia que isso iria ser American Psycho II. Isso foi supostamente para ser um projeto diferente, e isso foi reeditado, mas, ooh ... Eu não sei. Mau."[51]

Série de televisão[editar | editar código-fonte]

Em 10 de setembro de 2013, foi anunciado que FX e Lionsgate estão desenvolvendo uma série de televisão de American Psycho que irá servir como uma sequela para o filme.[52] Isso iria ser ambientado no presente, com Patrick Bateman em seus 50 anos, preparando um aprendiz (Andrew Low) para apenas ser como ele.[53]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «AFI|Catalog». catalog.afi.com (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2018 
  2. «BFI|». bfi.org (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2018 
  3. «AMERICAN PSYCHO». British Board of Film Classification. Consultado em 20 de Outubro de 2012 
  4. a b «American Psycho (2000)». Box Office Mojo. Consultado em 18 de Setembro de 2009 
  5. Naremore, James (2008). More Than Night: Film Noir in Its Contexts (2d ed.). Berkeley, Los Angeles, and London: University of California Press. ISBN 978-0-520-25402-2.
  6. «American Psycho (2000)». Allmovie. Consultado em 17 de Julho de 2016 
  7. «SCREEN IT! PARENTAL REVIEW: AMERICAN PSYCHO» 
  8. a b c d e f g Gopalan, Nina (23 de Março de 2000). «American Psycho: the story behind the film». The Guardian. London, England: Guardian Media Group. Consultado em 24 de Fevereiro de 2015 
  9. Buchanan, Kyle (18 de Maio de 2010). «Bret Easton Ellis on American Psycho, Christian Bale, and His Problem with Women Directors». Movieline.com. Los Angeles, California: Penske Media Corporation. Consultado em 24 de Fevereiro de 2015 
  10. Rooney, David (2 de Março de 1994). «Disney wins Houston and Washington teaming …». Variety. Los Angeles, California: Penske Media Corporation. Consultado em 24 de Fevereiro de 2015 
  11. Peter Bart (12 de Maio de 1997). «Fast-talkers can't hold a candle to Pressman». Variety. Los Angeles, California: Penske Media Corporation. Consultado em 24 de Fevereiro de 2015 
  12. Gaydos, Steven (24 de Julho de 1997). «'Edgy' producer Chris Hanley knows how to work biz angles». Variety. Los Angeles, California: Penske Media Corporation. Consultado em 24 de Fevereiro de 2015 
  13. a b c Carver, Benedict (5 de Maio de 1998). «Lion's Gate to fund 'Psycho'». Variety. Los Angeles, California: Penske Media Corporation. Consultado em 24 de Fevereiro de 2015 
  14. a b c Cox, Dan (21 de Maio de 1998). «Casting Leo has Harron hesitant». Variety. Los Angeles, California: Penske Media Corporation. Consultado em 24 de Fevereiro de 2015 
  15. Cox, Dan; Carver, Benedict (17 de Maio de 1998). «Di Caprio in $21 mil payday». Variety. Los Angeles, California: Penske Media Corporation. Consultado em 24 de Fevereiro de 2015 
  16. Cox, Dan (28 de Maio de 1998). «Leo denies Lions' share». Variety. Los Angeles, California: Penske Media Corporation. Consultado em 24 de Fevereiro de 2015 
  17. Heaf, Jonathan (26 de Abril de 2011). «Christian Bale: behind the mask». GQ. New York City: Condé Nast. Consultado em 2 de Março de 2015 
  18. «The method in my madness». The Guardian. London, England: Guardian Media Group. 6 de Abril de 2000. Consultado em 2 de Março de 2015 
  19. Heritage, Stuart (23 de Outubro de 2009). «Who other than Tom Cruise has inspired Christian Bale?». The Guardian. London, England: Guardian Media Group. Consultado em 24 de Fevereiro de 2015 
  20. Cheung, Harrison (2012). Christian Bale: The Inside Story of the Darkest Batman. Dallas, Texas: BenBella Books. p. 166. ISBN 1936661640 
  21. a b Howell, Peter (8 de Março de 2000). «American Psychos Web Promo Sickens Star». Toronto Star. Toronto, Ontario, Canada 
  22. «Greed appeal fails to lift American Psycho». The Guardian. London, England: Guardian Media Group. 5 de Maio de 2000. Consultado em 7 de Julho de 2007 
  23. «American Psycho». IMDb 
  24. a b c d «American Psycho soundtrack in hot water». The Guardian. London, England: Guardian Media Group. 13 de Abril de 2000. Consultado em 27 de Julho de 2010 
  25. Greene, Andy (17 de Maio de 2013). «Huey Lewis on 30 Years of 'Sports': 'Our 15 Minutes Were a Real 15 Minutes'». Rolling Stone. San Francisco, California: Wenner Media LLC. Consultado em 3 de Julho de 2014 
  26. Mathis, Derrick. «Original Soundtrack: American Psycho». Allmusic. Consultado em 1 de Janeiro de 2018 
  27. «American Psycho hits Sundance». The Guardian. London. 26 de janeiro de 2000. Consultado em 27 de julho de 2010 
  28. «American Psycho cut to appease censors». The Guardian. London. 29 de fevereiro de 2000. Consultado em 27 de julho de 2010 
  29. «American Psycho" Achieves "R" Rating From MPAA». 28 de Fevereiro de 2000. Consultado em 10 de Junho de 2019. Cópia arquivada em 15 de Agosto de 2000 
  30. «The Risky Territory of American Psycho». NY Times 
  31. Holden, Stephen (14 de Abril de 2000). «Murderer! Fiend! Cad! (But Well-Dressed)». The New York Times. Consultado em 8 de abril de 2009 
  32. Ebert, Roger (14 de Abril de 2000). «American Psycho». Chicago Sun-Times. Consultado em 8 de abril de 2009 
  33. Turan, Kenneth (14 de Abril de 2000). «American Psycho». Los Angeles Times. Consultado em 8 de abril de 2009  [ligação inativa]
  34. Ansen, David (17 de Abril de 2000). «What A Total Psychopath». Newsweek. Consultado em 8 de abril de 2009 
  35. Hoberman, J (11 de Abril de 2000). «Atrocity Exhibitions». Village Voice. Consultado em 8 de abril de 2009 
  36. Travers, Peter (8 de Dezembro de 2000). «American Psycho». Rolling Stone. Consultado em 8 de abril de 2009. Arquivado do original em 29 de Março de 2009 
  37. «Dressed to Kill». Slate Magazine 
  38. Gleiberman, Owen (14 de Abril de 2000). «American Psycho». Entertainment Weekly. Consultado em 8 de abril de 2009. Arquivado do original em 28 de Março de 2009 
  39. Corliss, Richard (17 de Abril de 2000). «A Yuppie's Killer Instinct». Time. Consultado em 8 de abril de 2009 
  40. «00's Retrospect: Bloody Disgusting's Top 20 Films of the Decade...Part 4». Bloody Disgusting. Consultado em 3 de janeiro de 2010. Arquivado do original em 8 de Fevereiro de 2010 
  41. «Bret Easton Ellis talks film adaptations at SCAD». Creative Loafing. Consultado em 19 de junho de 2010. Arquivado do original em 24 de Junho de 2010 
  42. Buchanan, Kyle (18 de maio de 2010). «Bret Easton Ellis on American Psycho, Christian Bale, and His Problem with Women Directors». Movieline. Consultado em 28 de março de 2013 
  43. «WTF with Marc Maron Podcast - Episode 552 - Bret Easton Ellis». wtfpod.com 
  44. American Psycho (em inglês) no Rotten Tomatoes
  45. http://www.ign.com/movies/american-psycho/dvd-758290
  46. http://www.blu-ray.com/movies/American-Psycho-Blu-ray/135/
  47. Vena, Jocelyn (7 de Outubro de 2008). «Kanye West Says 'Love Lockdown' Video Was Inspired By American Psycho». MTV. Consultado em 8 de abril de 2009. Arquivado do original em 1 de Março de 2009 
  48. Robinson, David (2006). «The unattainable narrative: identity, consumerism and the slasher film in Mary Harron's American Psycho» (PDF). CineAction. Consultado em 7 de Setembro de 2011. Arquivado do original (PDF) em 2 de Abril de 2012 
  49. https://knowyourmeme.com/memes/dubs-guy-check-em
  50. «Bret Easton Ellis Speaks Out». IGN. 21 de Agosto de 2001. Consultado em 22 de Agosto de 2010 
  51. Harris, Chris (6 de Maio de 2005). «Mila Kunis' Career Thrives Despite 'Psycho' In Her Past». MTV. Consultado em 10 de Fevereiro de 2016 
  52. AJ Marechal. «FX Developing 'American Psycho' Followup TV Series». Variety 
  53. Elavsky, Cindy (6 de Outubro de 2013). «Celebrity Extra». King Features. Consultado em 9 de Janeiro de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: American Psycho (filme)