Amundo Jacó da Suécia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Anundo Jacó da Suécia)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde setembro de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Margrave's coronet.png
Amundo Jacó
Rei da Suécia
Reinado c. 1022 a 1050
Antecessor(a) Olavo
Sucessor(a) Emundo
 
Esposa Grunilda, filha de Heraldo
Descendência Gida da Suécia
Casa Munsö
Nascimento c. 25 de julho de 1008
Morte 1050 (42 anos)
Pai Olavo, o Tesoureiro
Mãe Astride dos Obotritas

Anundo Jacó (conhecido na Suécia como Anund Jakob e também como Anund Kolbränna, lit. Anundo, o Queimador; em nórdico antigo Önundr Óláfsson; em latim: Amundus Jacobus; ca. 25 de julho de 1008ca. 1050), foi rei da Suécia de aproximadamente 1022 até à sua morte em 1050. Era o filho mais velho do rei Olavo, o Tesoureiro (Olof Skötkonung) e de sua esposa Astride dos Obotritas (Estrid).[1][2][3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Foi batizado com o nome cristão de Jacó (Jakob), mas aquando da sua eleição pelo "conselho do povo" (Ting) para co-regente da Suécia, o povo levantou objecções ao seu nome não-svea. Assim, recebeu o primeiro nome Anund, frequente na dinastia dos Inglingos. [4] O epíteto Kolbränna é devido ao seu hábito de ajustar contas com os adversários, queimando-os vivos dentro das suas habitações. Este cognome aparece numa antiga lista anexa de monarcas na Lei da Gotlândia Ocidental (Västgötalagen).[5]

Anundo Jacó tinha como objetivo político manter o equilíbrio de poder na Escandinávia. Assim, ele apoiou os reis noruegueses Olavo II (Olav den hellige) e Magno I (Magnus den gode) contra o rei dinamarquês Canuto, o Grande (Knud den Store), durante os anos 1020 e 30 do século XI. Anundo e Olavo foram derrotados por Canuto na batalha de Helgeå, tendo este consequentemente dominado a zona em redor do lago Mälaren. Esta zona, que compreende a actual capital da Suécia, Estocolmo, era estrategicamente importante nessa altura, e Canuto mandou cunhar a sua moeda numa das principais cidades da zona, Sigtuna. Quando Magno I se tornou rei da Noruega e Dinamarca em 1042, Anundo Jacó apoiou-o até à sua morte, em 1047.[1]

Referências

  1. a b Örjan Martinsson. «Olof Skötkonung» (em sueco). Tacitus.nu. Consultado em 16 de novembro de 2016 
  2. Larsson,Lars-Ove. Vem är vem i svensk historia (em sueco). Estocolmo: Prisma. Capítulo: Medeltiden.  208 p. ISBN ISBN 91-518-3427-8
  3. http://www.tacitus.nu/svenskhistoria/kungar/vikingatid/anund_jakob.htm
  4. Örjan Martinsson. «Anund Jakob» (em sueco). Tacitus.nu. Consultado em 22 de fevereiro de 2017 
  5. N. Beckman. «Anund Jakob» (em sueco). Svenskt biografiskt lexikon (Riksarkivet) - Dicionário Biográfico Sueco (Arquivo Nacional Sueco). Consultado em 22 de fevereiro de 2017 
Precedido por
Olavo
Olof Skötkonung
Margrave's coronet.png
Rei da Suécia

1022-1050
Sucedido por
Emundo
Emund Gamle
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.