Call of Duty: Black Ops

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Call of Duty: Black Ops
Produtora Treyarch
n-Space (DS)
Editora(s) Activision
Square Enix (Japão)
Motor (2010) IW 3.0 (Modificado)
DemonWare (modificado de Call of Duty: World at War)
Plataforma(s) Microsoft Windows, PlayStation 3, Xbox 360, Wii, Nintendo DS[1]
Data(s) de lançamento 9 de novembro de 2010[2]
Gênero(s) Tiro em primeira pessoa
Modos de jogo Single player
Multiplayer
Cooperative
Número de jogadores um jogador, multijogador
Classificação BBFC (Reino Unido)
Inadequado para menores de 18 anos i CERO (Japão)
Inadequado para menores de 17 anos i ESRB (América do Norte)
Inadequado para menores de 18 anos i PEGI (Europa)
Inadequado para menores de 18 anos i USK (Alemanha)
Média Blu-ray, DVD DL, disco óptico da Nintendo, Steam
Requisitos mínimos Sistema Operacional: Windows XP, Vista ou 7
Processador: Intel Core 2 Duo E6600 ou AMD Phenom X3 8750 ou superior
Memória: 2 GB
Placa de vídeo: Shader 3.0 ou superior 256MB NVIDIA GeForce 8600GT / ATI (AMD) Radeon Radeon X1950Pro ou superior
Espaço em disco rígido: 12 GB

Call of Duty: Black Ops é um jogo eletrônico de tiro em primeira pessoa desenvolvido pela Treyarch, publicado pela Activision e lançado mundialmente em 9 de novembro de 2010 para as plataformas Microsoft Windows, Xbox 360, PlayStation 3, Wii e Nintendo DS. Anunciado em 30 de abril de 2010, o jogo é o sétimo capítulo da série Call of Duty, e o primeiro situado durante a Guerra Fria. É o terceiro da série a ser desenvolvido pela Treyarch, sendo uma sequência direta de Call of Duty: World at War.[3]

Nas primeiras 24 horas de lançamento, o jogo vendeu mais de 5,6 milhões de unidades, sendo 4,2 milhões nos Estados Unidos e 1,4 milhão no Reino Unido, batendo o recorde alcançado por seu antecessor, Modern Warfare 2, em aproximadamente 2,3 milhões de cópias.[4] [5] A 1 de maio de 2012 foi revelado a sequela Call of Duty: Black Ops II com lançamento para novembro de 2012.[6]

Jogabilidade[editar | editar código-fonte]

Visão geral[editar | editar código-fonte]

Black Ops é um jogo de tiro em primeira pessoa. O jogador assume o papel de um veterano de guerra que pode manejar diversas armas diferentes (sendo capaz de carregar consigo apenas duas de cada vez), lançar granadas de mão e utilizar vários tipos de equipamento.

Campanha[editar | editar código-fonte]

O jogador assume o papel de diversos personagens durante a campanha single-player, mudando de perspectiva com o avançar da história. Os personagens jogáveis são agentes de forças especiais conduzindo missões clandestinas por trás das linhas inimigas. Sendo assim, cada personagem tem suas próprias características, como vozes e sombras.[3] As missões trazem uma série de objetivos mostrados no heads-up display, que marca a direção e distância a ser alcançada para cumprir cada objetivo. O jogador é acompanhado por tropas aliadas durante todo seu percurso. Embora primeiramente um jogo de tiro em primeira pessoa, o jogador pode também pilotar um helicóptero Mil Mi-24 e guiar tropas a partir de uma aeronave de reconhecimento SR-71 Blackbird.[7] [8] [9] A campanha apresenta diversos momentos roteirizados em estilo cinematográfico, como por exemplo na missão "Victor Charlie", quando um tiro disparado contra soldados vietcongues assume um efeito bullet-time.[10]

Multiplayer[editar | editar código-fonte]

O módulo multiplayer online de Black Ops geralmente gira em torno de duas equipes envolvidas em uma missão específica. Em "Team Deathmatch", por exemplo, a equipe com maior placar de mortes vence, enquanto em "Capture the Flag", os jogadores devem adquirir as bandeiras da equipe adversária e levarem-as a sua própria base. Em complemento, há o módulo "Free For All", no qual os jogadores não são incorporados em equipes, e assim jogando solo. Sem incluir as fases extras disponíveis para download, há 14 mapas diferentes.[11]

Zombies[editar | editar código-fonte]

O jogo traz também um módulo cooperativo intitulado "Zombies", cujo propósito é lutar contra uma invasão de zumbis. Projetado inicialmente para World at War, foi retrabalhado para ser incluído em Black Ops. No mapa "Five", os jogadores a pele John F. Kennedy, Richard Nixon, Robert McNamara e Fidel Castro. Há também um mapa baseado no jogo original, chamado "Kino der Toten" (Cinema dos Mortos em alemão). Não se tem uma informação oficial, mas o mapa Kino der Toten, tem uma semelhança muito grande ao teatro nazista que aparece no filme Bastardos Inglórios, lançado em 2009. Esta fase apresenta os personagens de World at War — Edward Richtofen, Tank Dempsey, Takeo Masaki e Nikolai Belinski.[12]

Call of Duty: Elite[editar | editar código-fonte]

Em 31 de maio de 2011, a Activision anunciou que Call of Duty: Elite, assim como Bungie.net e Battle.net, é um novo serviço social para Call of Duty, em comunidade, para acompanhar e comparar as estatísticas, criar vídeos e conteúdo "premium" de acesso.[13] O serviço está totalmente integrado em Black Ops e em Call of Duty: Modern Warfare 3, e foi lançado para coincidir com o lançamento mundial do jogo MW3 a 8 Novembro de 2011. Foi lançada uma versão beta de Call of Duty: Elite para o Black Ops a 14 de Julho de 2011.[14] [15]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Série Call of Duty
(Cronologia Fictícia)

Arco Segunda Guerra

1942–1945Call of Duty
                   – United Offensive
                   – Finest Hour
                   – Call of Duty 2
                   – Big Red One
                   – Call of Duty 3
                   – Roads to Victory


Arco Modern Warfare

2011Modern Warfare (DS)
2015Defiance
2016–2017Modern Warfare 2
                   – Mobilized
                   – Modern Warfare 3


Arco Black Ops

1942–1945World at War (DS)
                   – Final Fronts
1961–1968Black Ops 1986–2025Black Ops II (Declassified)


Arco Zombies

1945Nazi Zombies (World at War: Zombies)
1962–2011Zombies (Black Ops: Zombies)


Personagens e ambientação[editar | editar código-fonte]

Call of Duty: Black Ops é situado na década de 1960, durante o auge da Guerra Fria. A história é focada nas divisões Special Activities Division (SAD) e Studies and Observations Group (SOG) da CIA, que atuam clandestinamente por trás das linhas inimigas. Suas missões ocorrem em diversas partes do mundo, como Cuba, Laos, Vietnã e Montes Urais, na Rússia central. A campanha single-player gira em torno de uma arma química experimental Alemã roubada pelos sovieticos durante a segunda guerra mundial denominada "Nova-6".

O jogador controla primariamente Alex Mason, agente das forças especiais da SAD/SOG, e ocasionalmente Jason Hudson, assim como outros personagens. Mason trabalha com frequência com Frank Woods e Joseph Bowman, enquanto Hudson forma equipe com Grigori Weaver, um agente de campo russo. O jogo marca o retorno de Viktor Reznov, personagem chave na campanha soviética de World at War — juntamente com seu protagonista Dimitri Petrenko, que aqui faz uma breve aparição. Black Ops apresenta diversas figuras históricas: Mason encontra John F. Kennedy, Robert McNamara e Fidel Castro.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Em 25 de fevereiro de 1968, Alex Mason, agente da SAD/SOG, está preso a uma cadeira em uma sala de interrogatórios. Sem saber onde está, ele é bombardeado por seus captores ocultos com perguntas sobre a localização de uma emissora de números. As técnicas usadas no interrogatório começam então a provocar uma série de flashbacks em Mason.

É 1961, e Mason, Woods e Bowman tentam assassinar Fidel Castro durante a invasão da Baía dos Porcos. Mason aparentemente é bem sucedido em cumprir a missão, mas a retirada de sua equipe dá errado, e ele é forçado a ficar para trás e proteger o avião em fuga de seus companheiros. Ele é capturado por Castro, que revela que seu sósia é que fora assassinado. Em decorrência de uma aliança com a União Soviética, Castro entrega Mason ao General Nikita Dragovich. Mason é imprisionado no Gulag de Vorkuta por dois anos. No cárcere, ele faz amizade com Viktor Reznov, ex-soldado do Exército Vermelho. Reznov revela a Mason a identidade daqueles envolvidos em sua prisão e subsequente tortura: Dragovich, Lev Kravchenko (seu braço direito) e Friedrich Steiner, um ex-cientista Nazista que desertou para a União Soviética. Todos os três compartilham uma ligação com Reznov: em outubro de 1945, Reznov, Dragovich, Kravchenko e Dimitri Petrenko integraram uma equipe enviada para localizar Steiner, escondido com uma unidade das SS no Círculo Polar Ártico. Durante a operação, Reznov é traído por Dragovich, que usa a criação de Steiner, um gás conhecido como "Nova-6" em Petrenko. Reznov é poupado do mesmo destino quando comandos britânicos atacam os russos. Durante a confusão, ele destrói o Nova-6 que, no entanto, é posteriormente recriado para os soviéticos por Steiner e um cientista britânico chamado Daniel Clarke. Pouco depois, Reznov é detido em Vorkuta. Ele e Mason dão início a uma rebelião de presos, mas apenas este último consegue escapar do local.

Um mês depois, o presidente John F. Kennedy autoriza o assassinato de Dragovich. Em novembro de 1963, Mason, Woods, Bowman e Weaver são despachados para o Cosmódromo de Baikonur na República Socialista Soviética Cazaque para sabotar o programa espacial soviético e eliminar os integrantes do projeto "Ascensão", antigos cientistas nazistas cooptados pelo regime soviético. No começo da operação, Weaver é capturado e torturado por Kravchenko, mas Mason e sua equipe conseguem libertá-lo, destruindo nesse meio tempo a nave espacial Soyuz. Dragovich escapa da morte, fazendo com que Mason fique em seu encalço pelos cinco anos seguintes. Em 1968, o MACV-SOG é estabelecido no Vietnã para investigar a presença de tropas soviéticas. Após defender Khe Sanh, o SOG é posicionado em Huế durante a Ofensiva do Tet para recuperar um dossiê com informações sobre Dragovich fornecidas por um desertor russo. A equipe recupera o documento enquanto Mason encontra Reznov, que revela ser ele a fonte. O SOG segue então para Laos para interceptar um carregamento de Nova-6 transportado por um avião soviético abatido. No local da queda, eles são subjugados pelas levas de soldados vietcongues e da Spetsnaz, sendo eventualmente capturados. Mason e Reznov escapam, mas Bowman é executado e Woods morre em uma explosão junto a Kravchenko.

Enquanto isso, Hudson e Weaver interrogam em Kowloon o dr. Daniel Clark, o engenheiro que estabilizou o Nova-6. Clark identifica Steiner como parte da conspiração, revelando a localização de uma base secreta no Monte Yamantau antes de ser morto pelos homens de Dragovich. Hudson e Weaver seguem para o local para destruir a base e capturar Steiner. Durante a missão, Hudson recebe um transmissão de Steiner solicitando que o encontre na Ilha Vozrozhdeniya, no Mar de Aral, para saber como interromper uma transmissão de números que mandará instruções para agentes em prontidão lançarem o gás Nova-6 em cidades americanas. Nesse meio tempo, Mason e Reznov estão a caminho da ilha para assassinar Steiner. No presente, Mason afirma veementemente que foi Reznov que executou Steiner, apesar de Hudson ter testemunhado Mason atirar contra o cientista. Neste ponto, Hudson e Weaver revelam-se como os interrogadores de Mason. Hudson percebe que Dragovich fez uma lavagem cerebral em Mason para que ele guardasse os números da transmissão e se tornasse um agente espião soviético. Esgotadas as alternativas, Hudson liberta Mason para segui-lo. É revelado então que o Reznov verdadeiro fora morto durante a fuga de Vorkuta, e que as visões de Mason relacionadas ao russo são resultado de um transtorno dissociativo de identidade provocado pelo traumático programa de lavagem cerebral. Reznov, na verdade, reprogramara Mason para assassinar Dragovich, Kravchenko e Steiner ao invés do presidente Kennedy, o alvo original. Hudson faz Mason ouvir os números uma última vez, o que o leva a se lembrar da localização do navio cargueiro soviético Russalka, ancorado na costa de Cuba.

Ao amanhecer, a equipe lança um ataque contra o Russalka, com Mason e Hudson infiltrando-se em uma estação de transmissão subaquática protegida pelo navio, que estava disfarçando também uma base de submarinos projetada para apoiar a invasão dos Estados Unidos após o planejado ataque de Nova-6. Confirmando que o Russalka é o emissor dos números, Hudson solicita reforços da Marinha dos Estados Unidos para bombardear o navio e sua base submarina. Mason e Hudson finalmente encontram Dragovitch nos níveis inferiores da base, e conseguem matá-lo antes da destruição do local, nadando para a superfície durante a explosão dos alvos. Enquanto volta à superfície, Mason ouve Reznov dizer-lhe que conseguiu o que ele mesmo não seria capaz de fazer. Weaver comemora a vitória, mas Mason permanece incerto, perturbado por sua última conversa com Dragovich.

São mostradas então imagens de arquivo do presidente Kennedy em 22 de novembro de 1963, enquanto uma locutora e Mason narram números aleatórios. As imagens de arquivo são reprisadas, revelando a presença de Mason na multidão que cerca o presidente enquanto as últimas palavras de Dragovich são repetidas, sugerindo que Mason seguiu a programação original de sua lavagem cerebral e assassinou Kennedy.

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Em maio de 2009, espalhou-se o boato de que a editora Activision estaria licenciando músicas da época da Guerra do Vietnã, o que levou à especulação de que Call of Duty 7 seria situado neste período.[16] No mesmo mês, David Kim, funcionário da Treyarch, revelou em seu perfil no LinkedIn que trabalharia como animador no jogo.[17] Em novembro, poucos dias depois do lançamento de Modern Warfare 2, a Actvision confirmou o lançamento de um novo título da série Call of Duty para 2010.[18] Em fevereiro de 2010, testes de elenco para Call of Duty 7 levaram à especulações de que o jogo seria situado durante a Guerra Fria, com algumas batalhas a serem realizadas no Vietnã do Sul.[19] Em 30 de abril do mesmo ano, Black Ops foi oficialmente anunciado.[2]

O jogo roda em um motor World at War aperfeiçoado, a 60 frames por segundo.[20] Apresenta uma tecnologia de estrutura de streaming (também vista em Modern Warfare 2) que torna possível fases amplas como "Payback", onde o jogador controla um helicóptero. Os efeitos de luz também foram melhorados.[21] O jogo suporta imagens em três dimensões, renderizadas por seu próprio motor.[22] O hardware necessário para tal, contudo, depende da plataforma (com exceção do Wii, que não suporta o formato).[23]

Ao contrário de jogos anteriores, a Treyarch direcionou todo o seu pessoal para a produção de Black Ops. Formou, no entanto, diferentes equipes, cada uma trabalhando em etapas distintas do jogo.[24] O estúdio utilizou a tecnologia de captura de movimento, similar àquela usada por James Cameron em seu filme Avatar, que proporciona expressões faciais mais realistas ao capturar toda a performance do ator.[25] A Treyarch consultou também veteranos das forças especiais de ambos os lados beligerantes da Guerra Fria: o major John Plaster, que serviu na MACV-SOG durante a Guerra do Vietnã, e Sonny Puzikas, ex-agente das forças especiais soviéticas.[26] Este último demonstrou à produtora como soldados da Spetsnaz reagiam em combate, tal como rolar no chão para fugir da linha de fogo. A inteligência artificial de personagens da Spetsnaz no jogo foi modelada em Puzikas, a partir de suas táticas e expressões faciais.[27] [28] Apesar de ter um fundo histórico, o aspecto secreto destes agentes da Guerra Fria permitiu que a Treyarch criasse sua própria história fictícia.[29]

Recepção[editar | editar código-fonte]

 Recepção
Críticas e Prêmios
Resenha crítica
Publicação Nota
1UP.com A-[30]
Game Informer 9/10[31]
Eurogamer 8/10[32]
Famitsu 39/40 [33]
GameSpot 9/10[34]
The Guardian 5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svg[35]
GamePro 5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svg[36]
IGN 8.5/10 (Xbox 360)[37]
8.5/10(PS3)[38]
8.5/10(PC)[39]
GamesRadar 9/10[40]
GameTrailers 9.3/10[41]
Destructoid 6/10[42]
GameSpy 4 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar empty.svg [43]
Official Xbox Magazine 9.5/10[44]
Official Xbox Magazine (UK) 9/10[45]
PC Gamer 64/100[46]
The Daily Telegraph 10/10
Giant Bomb 4 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar empty.svg[47]
Pontuação global
Publicação Nota média
GameRankings 87.60% (Xbox 360)[48]
88.14% (PlayStation 3)[49]
78.27% (PC)[50]
Metacritic 87/100 [51]

Vendas[editar | editar código-fonte]

Nas primeiras 24 horas de seu lançamento, Black Ops vendeu um total de 5.6 milhões de unidades nos mercados britânico e americano, ultrapassando Modern Warfare 2 e estabelecendo um novo recorde de vendas de um produto de entretenimento.[52] Comparada à esperada estréia da primeira parte de Harry Potter and the Deathly Hallows, o jogo lucrou mais do que o dobro do filme, alcançando a soma de 360 milhões de dólares.[53] Somente cinco dias após o lançamento, as vendas do jogo mundialmente alcançaram 650 milhões de dólares, superando o recorde obtido anteriormente por Modern Warfare 2, que em cinco dias rendeu 550 milhões.[54] Em 22 de dezembro de 2010, os lucros mundiais obtidos por Black Ops ultrapassaram a marca de 1 bilhão de dólares.[55]

Referências

  1. Craig Harris (27 de julho de 2010). Bringing Black Ops to the Handheld. IGN. Página visitada em 4 de janeiro de 2011.
  2. a b Luke Plunkett (30 de abril de 2010). Next Call Of Duty Game Named, And It's Not Vietnam. Kotaku. Página visitada em 4 de janeiro de 2011.
  3. a b Steve Farrelly (29 de maio de 2010). Call of Duty: Black Ops Interview. AusGamers.com. Página visitada em 4 de janeiro de 2011.
  4. Ben Gilbert (11 de novembro de 2010). Activision: Black Ops tops Modern Warfare 2 day-one sales record, with 5.6M sold in US and UK. Joystiq. Página visitada em 4 de janeiro de 2011.
  5. "PC download charts: 'Call of Duty: Black Ops,' 'Fallout: New Vegas'", The Independent, November 15, 2010. Página visitada em 4 de janeiro de 2011.
  6. Call of Duty: Black Ops 2 revelado oficialmente • Notícias • PC • Eurogamer.pt. www.eurogamer.pt. Página visitada em 3 de maio de 2012.
  7. Brett Molina. "First impressions: 'Call of Duty: Black Ops'", USA Today, 10 de maio de 2010. Página visitada em 4 de janeiro de 2011.
  8. Ryan McCaffrey and Ryan King. (June 2010). "". Xbox 360 The Official Xbox Magazine (60).
  9. Pre-E3 2010: Call of Duty: Black Ops Developer Interview. G4 (28 de maio de 2010). Página visitada em 4 de janeiro de 2011.
  10. Oliver (21 de agosto de 2010). Gamescom 2010: CoD: Black Ops interview discusses violence, pressure, critters... and zombies?. http://www.el33tonline.com/.+Página visitada em 4 de janeiro de 2011.
  11. "Call of Duty: Black Ops Multiplayer Game Modes List"
  12. "Treyarch confirm return of Zombie maps for Black Ops". GamerZines
  13. Pereria, Chris. Call of Duty's Long-Rumored Subscription Service is Here. 1UP. 1UP. Página visitada em 31 May 2011.
  14. Eurogamer.pt Antevisão de Call of Duty: Modern Warfare 3
  15. Stuart, Keith (2011-05-31). Call of Duty Elite 'social service' revealed by Activision. Guardian. Página visitada em 2011-05-31.
  16. Owen Good (3 de maio de 2009). Rumor: Call of Duty Moving on to Vietnam?. Kotaku. Página visitada em 4 de janeiro de 2011.
  17. Alice O'Connor and Chris Faylor (13 de maio de 2009). Call of Duty 7 Under Development at Treyarch. Shacknews. Página visitada em 4 de janeiro de 2011.
  18. Jim Reilly (5 de novembro de 2009). Activision: New Call of Duty, Guitar Hero in 2010. IGN. Página visitada em 4 de janeiro de 2011.
  19. Luke Plunkett (17 de fevereiro de 2010). Rumor: Next Call Of Duty Is A Cold War Cold Game. Kotaku. Página visitada em 4 de janeiro de 2011.
  20. E3 2010: First Details Interview Part 2 HD. GameTrailers (28 de maio de 2010). Página visitada em 4 de janeiro de 2011.
  21. Christopher Grant (28 de maio de 2010). Interview: Call of Duty: Black Ops producer Dan Bunting. Joystiq. Página visitada em 4 de janeiro de 2011.
  22. 3D Feature Interview. GameTrailers (October 5, 2010). Página visitada em 4 de janeiro de 2011.
  23. Call of Duty: Black Ops 3D FAQ. Activision. Página visitada em 4 de janeiro de 2011.
  24. James Orry (7 de maio de 2010). Kotick: CoD Black Ops will 'surprise' fans. videogame.com. Página visitada em 4 de janeiro de 2011.
  25. Mike Snider. "First look: 'Call of Duty: Black Ops' swoops into action", USA Today, 10 de maio de 2010. Página visitada em 4 de janeiro de 2011.
  26. Mike Snider. "More on 'Call of Duty: Black Ops' with Treyarch studio head Mark Lamia", USA Today, 10 de maio de 2010. Página visitada em 4 de janeiro de 2011.
  27. Treyarch. Good Game (19 de julho de 2010). Página visitada em 4 de janeiro de 2011.
  28. Keith Stuart. "Call of Duty: Black Ops preview", The Guardian, 28 de maio de 2010. Página visitada em 4 de janeiro de 2011.
  29. Kikizo Staff (2 de junho de 2010). Call of Duty: Black Ops – The Ultimate Interview. http://videogamesdaily.com.+Página visitada em 4 de janeiro de 2011.
  30. COD: Black Ops Review for PS3, PC, Wii from. 1UP.com (2010-11-09). Página visitada em 2010-11-16.
  31. Adam Biessener (November 9, 2010). Call of Duty: Black Ops review from GameInformer. Game Informer. Página visitada em November 12, 2010.
  32. Tom Bramwell (2010-11-09). Call of Duty: Black Ops Xbox 360 Review – Page 1. Eurogamer.net. Página visitada em 2010-11-16.
  33. http://www.1up.com/news/japan-review-check-black-ops
  34. Watters, Chris (November 10, 2010). CALL OF DUTY: BLACK OPS Computer Games (Multi Platform). Gamespot. Página visitada em November 13, 2010.
  35. Erro: campo title é obrigatório.
  36. Kim, Tae K. (2010-11-09). Call of Duty: Black Ops Review from. GamePro. Página visitada em 2010-11-16.
  37. Call of Duty: Black Ops Review - Xbox 360 Review at IGN (2010-11-09). Página visitada em 2010-11-16.
  38. Call of Duty: Black Ops Review - PlayStation 3 Review at IGN (2010-11-09). Página visitada em 2010-11-16. "Treyarch's latest is a white-knuckled action romp that doesn't disappoint."
  39. Call of Duty: Black Ops Review - PC Review at IGN (2010-11-09). Página visitada em 2010-11-16. "Treyarch's latest is a white-knuckled action romp that doesn't disappoint."
  40. Words: Nathan Irvine, GamesRadar UK (2010-11-09). Call of Duty: Black Ops super review, Call of Duty: Black Ops Review, Xbox 360 Reviews. Games Radar.com. Página visitada em 2010-11-16.
  41. Posted: Nov 9, 2010 (2010-11-09). Call Of Duty: Black Ops Video Game, Review HD | Video Clip | Game Trailers & Videos. GameTrailers.com. Página visitada em 2010-11-16.
  42. Sterling, Jim (2010-10-11). Review: Call of Duty: Black Ops. Página visitada em 2011-03-21.
  43. Will Tuttle (November 9, 2010). GameSpy: Call of Duty: Black Ops Review. GameSpy. Página visitada em June 06, 2011.
  44. Call of Duty: Black Ops. Future Publishing Limited. Official Xbox Magazine (2010-11-09). Página visitada em 2011-06-06.
  45. Call of Duty: Black Ops review. Future Publishing Limited. Official Xbox Magazine UK (2010-11-17). Página visitada em 2011-06-06.
  46. Call of Duty: Black Ops review. Future Publishing Limited. PC Gamer (2010-11-17). Página visitada em 2011-06-06.
  47. Call of Duty: Black Ops Review – Giant Bomb. Giantbomb.com (2010-11-08). Página visitada em 2010-11-16.
  48. Call of Duty: Black Ops for Xbox 360 – GameRankings. Gamerankings (2010-11-09). Página visitada em 2010-11-16.
  49. Call of Duty: Black Ops for PlayStation 3 - GameRankings. Gamerankings. Página visitada em June 06, 2011.
  50. Call of Duty: Black Ops for PC - GameRankings. Gamerankings. Página visitada em June 06, 2011.
  51. Call of Duty: Black Ops for Xbox 360 Reviews, Ratings, Credits, and More at Metacritic. Metacritic (2010-11-09). Página visitada em 2010-11-16.
  52. The Associated Press. "CBC News – Technology & Science – Call of Duty breaks sales record", Cbc.ca, 11 de novembro de 2010. Página visitada em 8 de janeiro de 2011.
  53. Andy Robinson (22 de novembro de 2010). Black Ops annihilates record Harry Potter weekend. Computer and Video Games. Página visitada em 8 de janeiro de 2011.
  54. Staff Writer (18 de novembro de 2010). Call of Duty Black Ops Sales Hit $650M. Social Tech. Página visitada em 8 de janeiro de 2011.
  55. Manikandan Raman (22 de dezembro de 2010). Call of Duty: Black Ops Sales Top $1 Bln. International Business Times. Página visitada em 8 de janeiro de 2011.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]