Call of Duty: Black Ops II

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde novembro de 2012).
Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Call of Duty: Black Ops II
Desenvolvedora Treyarch
Publicadora(s) Activision
Square Enix (Japão)
Escritor(es) David S. Goyer
Compositor(es) Jack Wall[1]
Trent Reznor (musica tema)[2]
Motor Black Ops II engine[3]
Plataforma(s) Microsoft Windows
PlayStation 3
Xbox 360
Wii U[4] [5]
Série Call of Duty
Data(s) de lançamento PlayStation 3, Xbox 360, Microsoft Windows
13 de novembro de 2012[6] [7] [8]
Wii U
AN18 de Novembro de 2012[9]
EU30 de Novembro de 2012
Gênero(s) Tiro em primeira pessoa, estratégia em tempo real
Modos de jogo Um jogador, multijogador, cooperativo
Classificação Inadequado para menores de 18 anos i DEJUS (Brasil)
Inadequado para menores de 17 anos i ESRB (América do Norte)
Inadequado para menores de 18 anos i PEGI (Europa)
Requisitos mínimos Ver secção Desenvolvimento
Último
Último
Call of Duty: Modern Warfare 3
Call of Duty: Ghosts
Próximo
Próximo

Call of Duty: Black Ops II (abreviado como Black Ops II, Black Ops 2 ou BO2) é um videojogo de tiro em primeira pessoa, desenvolvido pela Treyarch e publicado pela Activision (Square Enix no Japão). Black Ops II foi um dos videojogos mais esperados de 2012,[10] [11] [12] e editado a 13 de novembro de 2012 para Microsoft Windows, PlayStation 3, Xbox 360.[6] [7] [8] Para Wii U foi lançado a 18 de Novembro na América do Norte, 30 de Novembro de 2012 na Europa e 20 de Dezembro de 2012 no Japão.[4] [5] É o nono jogo da série Call of Duty e a sequela de Call of Duty: Black Ops (2010). Um jogo correspondente, Call of Duty: Black Ops: Declassified, foi lançado simultaneamente e em exclusivo para a PlayStation Vita.

Black Ops II decorre entre os anos de 1980 e 2025, durante o final da Primeira Guerra Fria e durante uma futura Segunda Guerra Fria[13] [14] e é também o primeiro jogo da série que irá apresentar cenários, armamento e tecnologia futurista. Também pela primeira vez nos jogos Call of Duty, Black Ops II apresenta histórias ramificadas com jogabilidade não-linear, bem como vários finais.[15]

Call of Duty: Black Ops II foi no geral bem recebido pela critica. Detém no site Metacritic a pontuação de 83% para Xbox 360, 83% para PlayStation 3, 85% para Wii U e 80% para PC. As análises elogiaram sobretudo a história, o modo Zombies e o multijogador. As criticas foram mais dirigidas à inteligência artificial do modo Strike Force e que apesar de decorrer num ambiente futurista, das histórias ramificadas e da jogabilidade não-linear, não apresenta inovação, ainda assentando muito sobre as bases deixadas por Call of Duty 4.

À meia noite de 13 de Novembro de 2012, Black Ops II foi colocado à venda em mais de 16,000 lojas por todo o mundo, rendendo $500 milhões nas primeiras 24 horas,[16] batendo o recorde de Call of Duty: Modern Warfare 3, tornando-se assim no maior lançamento de sempre na industria do entretenimento,[17] [18] até Setembro de 2013, quando a Take-Two anunciou que Grand Theft Auto V tinha rendido $800 milhões no primeiro dia de vendas.[19] [20] Segundo a NPD, a 24 de Novembro de 2012 Black Ops II já tinha vendido cerca de 7,5 milhões de cópias nos EUA, tornando-se no jogo que mais vendeu durante esse mês.[21]

Jogabilidade[editar | editar código-fonte]

Strike Force[editar | editar código-fonte]

Black Ops II é o primeiro jogo Call of Duty com histórias ramificadas e jogabilidade não-linear, durante a qual as escolhas do jogador afectam a missão corrente e por sua vez, o rumo da história em geral.[14]

O jogo terá missões especiais, chamadas Strike Force, que são oferecidas para o jogador ir escolhendo durante a campanha.[14] Escolhendo uma das missões bloqueia as outras, a menos que o jogador inicie uma nova campanha.[22]

As missões Strike Force permitem ao jogador controlar um diferente numero de ativos de guerra, como veículos aéreos não tripulados, caças e robots. Se o jogador morre durante uma missão Strike Force, apesar dessa perda, a campanha continua, em vez de começar num checkpoint ou numa gravação anterior. O progresso do jogador durante as missões de Strike Force pode mudar os planos do antagonista da história, Raul Menendes, bem como os resultados da nova Guerra Fria.[22]

Zombies[editar | editar código-fonte]

A Treyarch confirmou que o modo "Zombies" irá regressar com uma campanha própria.[14] [23] É a terceira vez que um modo "Zombies" aparece num jogo Call of Duty (depois de Call of Duty: World at War e Call of Duty: Black Ops), e a primeira vez que tem sua campanha juntamente com a história principal.[14] A Treyarch também confirmou que "Zombies" também terá o seu próprio multijogador.[14] [24] Também está confirmado que o modo Zombies suporta 8 jogadores em cooperativo.[14] A Treyarch anunciou em Agosto de 2012 que o mapa Nuketown irá ser refeito como um mapa Zombie para aqueles que comprarem as edições Hardened ou Care Package Edition de Black Ops II.[25] Em Setembro de 2012, foi revelado o video de Zombies assim como a confirmação de três novos modos: "Tranzit" é o modo de jogo que é uma combinação de múltiplos mapas num só jogo e a único maneira de viajar é com um autocarro, "Survival" é o modo original de Call of Duty: World at War e Call of Duty: Black Ops em que o jogador tem de sobreviver durante o maior tempo possível e o modo "Grief" que consiste em 4 jogadores vs 4 jogadores vs zombies.[26]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Série Call of Duty
(Cronologia Fictícia)

Arco Segunda Guerra

1942–1945Call of Duty
                   – United Offensive
                   – Finest Hour
                   – Call of Duty 2
                   – Big Red One
                   – Call of Duty 3
                   – Roads to Victory


Arco Modern Warfare

2011Modern Warfare (DS)
2015Defiance
2016–2017Modern Warfare 2
                   – Mobilized
                   – Modern Warfare 3


Arco Black Ops

1942–1945World at War (DS)
                   – Final Fronts
1961–1968Black Ops 1986–2025Black Ops II (Declassified)


Arco Zombies

1945Nazi Zombies (World at War: Zombies)
1962–2011Zombies (Black Ops: Zombies)


Personagens e Cenário[editar | editar código-fonte]

A campanha de Black Ops II tem duas histórias que estão interligadas, uma que decorre entre os anos 80 e 90 e a outra que acontece em 2025. O protagonista de Black Ops, Alex Mason regressa como protagonista na secção da Guerra Fria, onde irá lutar numa guerra de procuração pelos Estados Unidos. Nesta secção do jogo inclui áreas da América Central e a invasão soviética do Afeganistão. Esta seção do jogo também contará a história de como o principal antagonista do jogo, Raul Menendez, se tornou infame.[27] O amigo e colega de Mason, Frank Woods, também regressa (apesar do fato de aparentemente ter sido morto em Black Ops), e irá narrar a história do jogo até à secção de 2025.

A seção do jogo que decorre em 2025 tem como protagonista David Mason, filho de Alex Mason.[22] Neste novo cenário, a China e os Estados Unidos estão presos numa guerra fria, depois da China proíbir a exportação de elementos de terras-raras na sequência de um ataque cibernético que paralisa a Bolsa de Valores Chinesa.[28] A guerra é agora definida pela robótica, guerra cibernética, veículos não tripulados e outras tecnologias modernas.[27] Tentando tirar vantagem por estar fora, Raul Menendez, agora um narco-terrorista e o líder da "Cordis Die", um movimento populista celebrado como o campeão das vitimas da desigualdade económica, tenta fazer com que as duas nações entrem em guerra incitando conflitos entre estas.[22]

Na seção de 2025, o jogador terá acesso às 'Strike Force missions', que contêm como característica as "permanent death", podendo assim afectar o decurso da história.[22]

Foi indicado que a narrativa paralela de Viktor Reznov e a sua relação com Alex Mason, que começou em World at War e avançada em Black Ops continua em Black Ops II.[22]

Enredo[editar | editar código-fonte]

No ano de 2025, agentes das Forças Especiais americanas lideradas por David Mason e o seu parceiro, Harper, chegam ao "Vault", uma casa de segurança máxima, lar do envelhecido Frank Woods, que eles suspeitam possuir informações vitais sobre o paradeiro de Raul Menendez. Woods admite que Menendez recentemente visitou-o, e mostra-lhes um medalhão que o último tinha deixado para trás. Frank então narra várias missões secretas levadas a cabo durante a sua carreira militar que abrangem os seus encontros anteriores.

De acordo com Woods, em 1986 Alex Mason tinha-se efetivamente retirado do serviço ativo para prosseguir uma existência obscura no Alasca com o seu filho, David com sete anos de idade. O seu relacionamento é instável e tenso ainda mais quando Mason é solicitado por Jason Hudson que pretende recrutá-lo para uma missão no Cuando Cubango, durante o auge da guerra civil angolana e guerras de fronteira sul-africanas. Woods tinha desaparecido com os seus homens ao ajudar os rebeldes da UNITA de Jonas Savimbi contra o governo marxista de Angola, as suas acções já tinham sido desautorizadas pela CIA e Hudson esperava resgatar alguns sobreviventes. Com a ajuda da UNITA, Mason e Hudson recuperam Woods do Rio Cubango e posteriormente localizam Menendez entre um contingente de conselheiros militares cubanos. No entanto, um tiroteio irrompe, e a sua presa escapa enquanto os americanos são resgatados por um helicóptero. É revelado que Menendez é responsável por manter Woods em cativeiro, depois de assassinar a sua equipa.

Natural da Nicarágua, Raul Menendez é o antagonista de Black Ops II. Segundo a Treyarch, Menendez é o "vilão mais insidioso da história de Call of Duty."[29] [30]

À luz desta informação, Mason e Hudson começam a perseguir Menendez, que se estabeleceu como um traficante de armas para conflitos na África Austral e na América Latina. No final do ano, a CIA autoriza um ataque contra o natural da Nicarágua, que sem escrúpulos faz lucros saudáveis a traficar armas no Afeganistão, ocupado pelos soviéticos. Neste ponto, o motivo de Menendez para a sua vingança aparentemente sem sentido contra o Ocidente ficou mais claro: a sua amada irmã foi gravemente ferida num ato de incêndio criminoso cometido por empresários norte-americanos. O clã Menendez, que domina um poderoso cartel de drogas, foi novamente abalada pela perda quando a CIA sanciona o assassinato do pai de Raul. Um Menendez amargurado agora considera o conflito pessoal, mas a sua luta de um homem só contra o Ocidente é interrompida quando Woods, Hudson e as forças de segurança locais atacam a sua sede na Nicarágua; um Woods enfurecido, inadvertidamente, mata a irmã de Raul com uma granada.

Fingindo a sua morte com a ajuda do ditador panamenho Manuel Noriega, Menendez vive para se vingar contra aqueles que ele considera responsáveis pela morte da sua irmã. Durante a invasão do Panamá em 1989, ele sequestra Hudson e David, usando-os como isco para uma armadilha. Ele então usa Hudson para enganar Woods, manipulando-o para dispara contra Mason, em vez de si próprio. Dependendo das acções do jogador no Afeganistão, está implícito que Menendez tinha usado espiões dentro da CIA. Se o jogador desobedecer as instruções de Hudson para disparar contra Alex Mason na cabeça em vez disso disparar na perna, ele vai sobreviver e reaparecer no fim do jogo. No caos que se seguiu, Menendez mata Hudson, e fere Woods. Insatisfeito com a sua vingança, Menendez permite a Woods e David viver, prometendo voltar para completar a sua vingança quando for a hora certa.

Três décadas depois, Menendez re-emerge como o líder da Cordis Die, um movimento massivo populista com mais de um bilião de seguidores. Ele encena um ataque cibernético que paralisa a Bolsa Chinesa, em resposta, a China proíbe a exportação de terras raras, fermentando o início de uma nova Guerra Fria entre a chinesa Strategic Defense Coalition (SDC) e a Joint Special Operations Command (JSOD) dos EUA. Aproveitando este impasse, Menendez tenta trazer os dois poderes a uma guerra aberta, ao incitar conflitos entre eles ajudando secretamente Tian Zhao, líder da SDC, que trabalhou com Mason e Woods durante a sua operação no Afeganistão, em 1986. Usando a inteligência fornecida por Woods, David, agora um Navy SEAL, nome de código Section, leva as forças JSOC numa nova busca por Menendez.

Pouco depois de reunir informação de Woods, a Section e a JSOC dirigem-se para Myanmar para investigar um pico de actividade na região. Lá, a equipa da Section encontra um engenheiro de informática, empregado de Menendez, que os alerta para um ataque cibernético com um dispositivo Celerium, um computador quântico capaz de se infiltrar em qualquer sistema de computador. A equipa da Section é mais tarde implantada no Paquistão, para tentar reunir informações sobre os esquemas de Menendez. Durante a infiltração, Menendez revela o nome de um alvo, "Karma" nas Ilhas Caimão. Section e os agentes SEAL Harper e Salazar infiltram-se nas Ilhas Caimão, descobrindo que "Karma" é uma mulher chamada Chloe Lynch, uma ex-funcionária da Tacitus, uma corporação de Menendez. Lynch foi a principal produtora do dispositivo Celerium, e como um meio de eliminar as pontas soltas, Menendez tinha contratado mercenários para a raptar.

JSOC depois consegue informações sobre Menendez no Iêmen, onde Farid, activo da JSOC se infiltra para ajudar a Section a capturar o líder. O jogador, como Farid tem de fazer uma escolha durante a missão. Menendez, suspeitando deslealdade de Farid, ordena-lhe para dispara contra Harper capturado. Se o jogador escolher não disparar contra Harper, e em vez disso tenta acertar em Menendez, ele falha, mas Harper sobrevive e é resgatado. Se o jogador escolher disparar contra Harper, Farid sobrevive, e Harper não estará presente em qualquer conversa ou missões seguintes. Menendez é capturado com sucesso, mas este era apenas um estratagema para Menendez invadir o computador da infra-estrutura militar dos EUA, no porta-aviões U.S.S. Obama, e assim assumir o controle dos de toda a frota de drones dos Estados Unidos.

É revelado que Salazar era um espião de Menendez, infiltrado dentro da JSOC, e facilita o ataque de Menéndez- Salazar ajuda-o na fuga, e quando Menendez entra na sala de comando do Obama, Salazar dispara contra os soldados que guardavam o Almirante Briggs, com a sobrevivência de Lynch dependendo da sobrevivência de Farid na missão anterior. O jogador, jogando como Menendez, tem a escolha de matar ou ferir o Almirante Briggs. Se o jogador só fere Briggs, e o tenha completado todas as missões Strike Force, a JSOC e a SDC fazem uma aliança, e de seguida, o jogador é informado mais tarde que o SDC enviou centenas de drones para defender o Obama, e consequentemente Briggs foi capaz de salvar o navio e a sua tripulação. Menendez então usa os drones para preparar um ataque a Los Angeles, durante uma reunião dos líderes do G20, na esperança de matá-los e causar danos catastróficos na economia global. Mason acompanha o Presidente dos Estados Unidos para segurança durante o ataque dos drones.

JSOC finalmente encontra a fonte das transmissões responsáveis ​​pela invasão ao Haiti, onde a Section lidera as forças JSOC em recapturar o complexo na missão final, e apreender ou matar Menendez. Existem diferentes finais dependendo das acções que o jogador assume ao longo da campanha, a existência ou não de uma aliança entre os Estados Unidos e a China, assim como a escolha do destino de certas personagens no jogo.

Durante a campanha principal, o jogador pode optar por participar em missões de ataque opcionais (missões Strike Force). As missões de ataque envolvem a JSOC tentar apaziguar a influência global da SDC, impedindo-os de forçar os países vizinhos para a sua aliança. A Section não participa nessas missões directamente, embora possa comandar as forças remotamente a partir de um centro de comando. Se as missões são concluídas com êxito, o SDC é enfraquecido o suficiente para se aliar à JSOC, e auxiliar o jogador no final da campanha, como por exemplo, no envio dos seus próprios drones para resgatar o U.S.S. Obama.

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

O CEO da Activision Blizzard Robert Kotick afirmou em Novembro de 2011 que um novo jogo Call of Duty estava em desenvolvimento para ser lançado em 2012.[32] Foi confirmado oficialmente pela Activision em fevereiro de 2012, prometendo "grandes inovações" para a série.[33] [34]

Oliver North, que esteve envolvido no caso Irão-Contras, foi consultor e ajudou a promover o jogo.[35] [36]

Fugas Internas[editar | editar código-fonte]

Revelações de Black Ops 2 começaram a surgir quando o produto ficou à venda na Amazon francesa tendo sido imediatamente retirado em fevereiro de 2012. Nenhuma informação não tinha sido lançada pela Activision, mas a GameBlog alegou que a Activision exigiu remover o seu relatório original também.[37] Pela mesma altura, o artista de jogos de computador Hugo Beyer listou "Black Ops 2" como um projecto corrente no seu Linkedin, antes da sua página do LinkedIn ter sido retirada.[38]

A marca registada "Black Ops 2" pela Activision foi vista em janeiro de 2012.[39] Black Ops 2 foi listado na retalhista internacional Fnac em Portugal e Espanha, com um lançamento provável em novembro.[40]

A 18 de abril de 2012 a Kotaku recebeu uma imagem de "uma fonte de retalho", que mostrava um poster onde faltava o titulo do jogo mas tinha muitas semelhanças com Black Ops e uma data "2 de maio" que apontava para uma revelação.[41]

A 27 de abril de 2012, uma imagem contendo dois cartões pré-pagos enviada por um leitor da IGN confirmaram o nome do jogo e data de lançamento. Os cartões mostravam claramente o logótipo de Call of Duty: Black Ops II, e data de lançamento para 13 de novembro de 2012.[42] [43]

Revelação[editar | editar código-fonte]

Publicidade a Call of Duty: Black Ops II na Gamescom 2012 em Colónia, Alemanha.

A 23 de abril de 2012, a Activision redesenhou a página oficial CallofDuty.com anunciando que o jogo seria revelado em 1 de maio, durante um jogo da NBA na TNT.[44] No entanto algumas partes do site desbloquearam horas antes do anuncio, revelando o titulo e confirmando a data de lançamento para PC, Xbox 360 e PlayStation 3 e o cenário de "Guerra Fria do séc. XXI".[45]

Tal como prometido pela Activision, a previsão do jogo foi revelada em forma de um video do YouTube que detalhava o cenário futurista, os personagens dos jogos anteriores e o conflito. Muitos criticos fizeram notar que o video de apresentação tinha muitas similaridades com o de Metal Gear Solid 4: Guns of the Patriots.[46] [47] [48]

A Activision insinuou que o jogo poderá ficar eventualmente disponível para as consolas da Nintendo, sem no entanto ter sido anunciado oficialmente.[49] [50] A 19 de julho de 2012, um novo video foi lançado pela Treyarch dando uma melhor visão de como poderá ser o argumento do jogo. Também foi dito por David S. Goyer que a história é "melhor que um filme de Hollywood".[51] Em Outubro de 2012 foi revelado que Black Ops II tem a opção de ser jogado em 3D.[52]

De acordo com dados de MCVUK.com, após o anúncio oficial a 1 de maio de 2012, Black Ops II já tinha três vezes mais pré-reservas do que o primeiro Black Ops. O lançamento oficial do jogo, após ser adiado em quase um mês, foi marcado para o dia 13 de novembro de 2012.[53]

Revisões na jogabilidade[editar | editar código-fonte]

Ao produzir Black Ops II, a Treyarch introduziu novas características às mecânicas da jogabilidade para o multijogador, que foram até à data uma imagem de marca da série Call of Duty. Inclui por exemplo a introdução de jogos de "multi-equipa" que permite ter três ou mais equipas de jogadores, em oposição aos tradicionais, de duas facções de equipas;[54] revisões também foram feitas ao nível da criação de classes ("Create-A-Class") que permite aos jogadores personalizar personagens para usar no multijogador.[55] A função "Kill Streak", que dava aos jogadores recompensas por mortes consecutivas, será conhecida agora como "Score Streaks". Os jogadores continuarão a receber recompensas, estas que são desbloqueadas ao fazer certas acções - como matar outros jogadores, capturar com sucesso um território, etc - em vez de simplesmente matar outros jogadores.[56] [57] Além disso, os "wager matches" (modo incluído em Call of Duty: Black Ops), foram removidos.[55]

Estas mudanças foram introduzidas por forma a mudar a ênfase em direcção a um único objectivo, permitindo aos jogadores recompensas por trabalharem em equipa e para tornar o jogo mais acessível aos novos jogadores.[56]

A Treyarch também anunciou planos para integrar Black Ops II no mundo dos "eSports" (desportos electrónicos) ou em competições de jogos.[58] Para este fim, a Treyarch revelou um sistema de criação de jogos ("matchmaking") projetado para criar pares de jogadores com base nas suas habilidades dentro do jogo e para garantir que os jogos online são relativamente iguais no que toca à habilidade do jogador. Também anunciaram o termo "CODcasting", uma forma de fluxo de média, que permite aos usuários transferirem para o YouTube os seus vídeos a partir das suas consolas.[58]

As mudanças nas mecânicas do multijogador, o "matchmaking" e os fluxos de média foram criados para tornar Black Ops II mais acessível e mais "amigo dos jogadores".[56] [58]

Áudio[editar | editar código-fonte]

Black Ops II apresenta as vozes de Sam Worthington como Alex Mason, Michael Keaton que substitui Ed Harris como Jason Hudson, James C. Burns dá a voz e a captura de movimentos a Frank Woods, Gary Oldman regressa como Viktor Reznov de World at War e Black Ops numa breve aparência, Andrew Divoff como Lev Kravchenko, Michael Rooker como o colega de David Mason, Harper, Erin Cahill como Chloe "Karma" Lynch, Tony Todd dá a voz e acptura de movimentos a Admiral Briggs e Robert Picardo como Erik Breighner. A banda sonora do jogo foi escrita por Jack Wall,[1] excepto o tema titulo que foi composto por Trent Reznor.[2]

A banda sonora foi lançada como parte do conteúdo das edições Hardened Edition e Care Package e no iTunes e Amazon, com duas faixas extra por Brian Tuey, assim como a Symphony No. 40 em G menor, K550 (Allegro Molto) por Wolfgang Amadeus Mozart.

Foi confirmado pelo site TechTudo e pela Activision que Call of Duty: Black Ops II será o primeiro jogo da franquia a ser dublado em português para o Brasil. Foram confirmadas as vozes de Gustavo Ottoni como Alex Mason, Isaac Bardavid como Raul Menendez, Carlos Seidl como Harper, Cacau Mello como Misty, Júlio Monjardim como Farid e Milton Parisi como David Mason.[59] [60]

Marketing e Promoção[editar | editar código-fonte]

Para os jogadores que fizerem a pré-reserva do jogo, receberão o mapa Nuketown 2025 para os modos de multijogador. O mapa é uma nova versão de Nuketown do anterior Black Ops.[61]

A 28 de Agosto de 2012 a Activision anunciou as edições especiais de Black Ops II para Xbox 360 e PlayStation 3, a Care Package Edition e a Hardened Edition. Para além de todo o conteúdo, ambas as edições contêm ainda, dependente da plataforma escolhida, dois temas dinâmicos (PlayStation 3) e dois avatares (Xbox 360).[25] [62] Para o PC foi anunciada a Digital Deluxe Edition.[63] Além da edição padrão e da Hardened Edition, foi ainda editada no Brasil a Pro Edition, além do jogo, contém um Headset Turtle Beach Call of Duty Black Ops II Ear Force Kilo, duas Moedas Desafio para colecção, acesso aos mapas Nuketown 2025 e Nuketown Zombies, a banda sonora do jogo e a camuflagem CE Digital".[60]

Conteúdos Normal
(consolas & PC)
"Care Package Edition"[25]
(PS3 & X360)
"Hardened Edition"[25]
(PS3 & X360)
"Digital Deluxe Edition"[63]
(PC)
Cópia do jogo Sim Sim Sim Sim
MQ-27 Dragonfire Drone Não Sim Não Não
Mapas Bónus Sim (Nuketown 2025 com pré-reserva)[61] Sim (Nuketown Zombies & Nuketown 2025) Sim (Nuketown Zombies & Nuketown 2025) Sim (Nuketown Zombies & Nuketown 2025)
Caixa Exclusiva Não Sim Sim Sim
Moedas Limitadas Não Sim Sim Não
Camuflagem para Armas Não Sim Sim Sim
Banda-Sonora (digital) Não Sim Sim Sim
Player Card Não Sim Sim Não
Call of Duty: World at War Game Download Token Não Não Não Sim

Conteúdo Transferível[editar | editar código-fonte]

A 8 de Janeiro de 2013 foi anunciado Revolution, o primeiro pacote de conteúdos para Call of Duty: Black Ops II. Revolution contém quatro novos mapas para o multijogador ("Mirage", "Grind", "Hydro" e "Downhill"), uma nova arma ("Peacekeeper"). Para Zombies o pacote contém um novo mapa ("Die Rise") e um novo modo de jogo, Turned, onde os jogadores podem competir uns contra os outros no papel de zombies e em que existe apenas um único humano, que luta pela sobrevivencia e para ganhar pontos. O primeiro zombie que o caçar, ganha o direito de se transformar também em humano. O pacote Revolution está disponível para Xbox 360 desde 29 de Janeiro de 2013,[64] e para PlayStation 3 e PC a partir de 28 de Fevereiro de 2013.[65]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Segundo a Activision, no dia 13 de Novembro, Black Ops II foi tópico de destaque no Twitter em 23 cidades em todo o mundo e mais de 30 milhões de pessoas já assistiram ao video Surprise, estrelado por Robert Downey Jr., desde a sua publicação a 29 de Outubro de 2012.[66]

Criticas Profissionais[editar | editar código-fonte]

 
Resenha crítica
Publicação Nota
1UP B+[67]
Game Informer 8.5/10[68]
IGN 9.3/10[69]
GamesRadar 4.5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar half.svg[70]
GameSpot 8/10[71]
Giant Bomb 4 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar empty.svg[72]
Destructoid 8.5/10[73]
Joystiq 4 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar empty.svg[74]
PlayStation Official Magazine 8/10[75]
Game Trailers 9.4/10[76]
Eurogamer 8/10[77]
The Telegraph 4 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar empty.svg[78]
The Guardian 3 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar empty.svgStar empty.svg[79]
Pontuação global
Publicação Nota média
Metacritic (X360) 83/100[80]
(PS3) 83/100[81]
(PC) 78/100[82]
(Wii U) 85/100[83]

Call of Duty: Black Ops II recebeu geralmente críticas positivas. O editor Anthony Gallegos da IGN deu a pontiagudo de 9.3/10 e descreve o jogo como "um bom exemplo de como evoluir uma franquia anual".[69] Gallegos elogiou o jogo por contar uma história realmente interessante e criar um vilão com empatia a ponto de ele começar a questionar suas próprias acções durante o decurso da história. Gallegos dirigiu críticas sobre a inteligência artificial dos aliados no modo Strike Force, apontando que muitas vezes teve que encaminhá-los para um canto do campo de batalha e de seguida, fazer tudo sozinho para conseguir completar as missões. Também sentiu que o final do modo campanha foi decepcionante, mesmo quando estando ciente de que o resultado era directamente influenciado pelas escolhas que fez.[69]

Dan Ryckert da Game Informer deu a pontuação de 8.5/10 e criticou igualmente a IA do modo Strike Force, e não se impressionou com o sistema Pick Ten introduzido para os modos multijogador, observando que era "interessante, mas em última análise, menos emocionante" do que o sistema usado nos títulos anteriores de Call of Duty.[68] Como Gallegos, antes dele, Ryckert elogiou a narrativa e estrutura da campanha de um jogador, introduzindo alterações que sentiu que estavam em atraso e observando que o enredo de ramificação "tinha que conversar com outras pessaos sobre minhas experiências de uma maneira que nunca tinha feito antes com esta série."[68]

A Eurogamer pontuou com 8/10 referindo que história de Black Ops 2 "acaba por ficar aquém do esperado, já que esta é talvez a mais fraca campanha desde que Modern Warfare entrou em cena" embora "seja interessante a perspetiva oferecida pela guerra futurista e pela comparação que oferece" e que tem "pena que o argumento não tenha sido capaz de acompanhar as transformações que em certa medida resultam." No entanto diz que "o multiplayer, acompanhado pelo Zombies, reforçam a aposta em Black Ops 2 e fazem deste um dos jogos mais apetecidos para combates proporcionados para vários jogadores."[77]

A GamesRadar (4.5/5) diz que o jogo tem como pontos fortes a história da campanha, o modo Tranzit Zombies e o sistema Pick 10. Mas no entanto também criticou a IA no modo Strike Force dizendo "que não reage".[70]

Mike Clayton do The Telegraph deu 4 estrelas em 5 e diz que "Não cometa o erro de confundir a história futurista e as tentativas de narrativas ramificadas como inovação. É mais como que se a Treyarch tivesse uma sala limpa e apenas a tivesse que a decorar: Black Ops II ainda é ostensivamente construído sobre as mesmas bases de Call of Duty 4 de 2007, e em cada capitulo que saiu dai para a frente. A emoção de Call of Duty começa a diminuir, mas poucos vão sentir isso, comprando o bilhete deste ano."[78]

Uma das maiores criticas foi feita por Rich Stanton do The Guardian que deu 3 estrelas em 5: "Black Ops II não é uma actualização anual preguiçosa - merece crédito por tentar brincar com a fórmula mais vencedora dos videojogos. No entanto, este motor começa a mostrar a sua idade, rangendo, às vezes quando os jactos voam em cima de nós. Os novos níveis de estratégia não precisam realmente de estratégia, e as melhores partes são cópias alteradas do que já foi antes. No final, Black Ops II não nos dá uma inovação significativa, e sugere que o sucesso do futuro COD vai depender muito mais do que simplesmente brincar com o passado.[79]

Vendas[editar | editar código-fonte]

A Activision informou que Call of Duty: Black Ops II arrecadou mais de US$500 milhões de dólares nas primeiras 24 horas após o seu lançamento mundial. O jogo estabeleceu um novo recorde para a empresa, batendo em US$100 milhões as vendas do primeiro dia de Call of Duty: Modern Warfare 3 e tornando-se assim no maior lançamento de sempre na industria do entretenimento.[84]

"Com arrecadação inicial de meio bilhão de dólares, acreditamos que Call of Duty é o maior lançamento do entretenimento pelo quarto ano consecutivo", disse Bobby Kotick, CEO da Activision. "As vendas da série Call of Duty já ultrapassaram a receita de Harry Potter e Star Wars, os dois maiores sucessos do cinema até hoje", declarou Kotick, que apesar de tudo, se diz preocupado com a crise económica mundial. "Dado o ambiente macro-econômico desafiador, estamos cautelosos quanto ao balanço de 2012 e 2013".[66] Segundo a NPD, a 24 de Novembro de 2012 Black Ops II já tinha vendido cerca de 7,5 milhões de cópias nos EUA, tornando-se no jogo que mais vendeu durante esse mês.[21]

Referências

  1. a b Gilbert, Ben (2012-07-10). Black Ops 2 soundtrack bolstered by Trent Reznor, Mass Effect composer Jack Wall. Joystiq. Página visitada em 2012-08-04.
  2. a b Whoa, Nine Inch Nails’ Trent Reznor Is Doing the Theme Music for Black Ops 2. Kotaku.com (2012-07-10). Página visitada em 2012-08-04.
  3. Dan. Mark Lamia discusses the Black Ops II engine. One of Swords. Página visitada em Maio 14, 2012.
  4. a b Luís Lemos (11/06/2012). Black Ops 2 confirmado para a Wii U. MyGames. Página visitada em 11/06/2012.
  5. a b Richard Mitchell (13-9-2012). Call of Duty: Black Ops 2 confirmed for Wii U. Joystiq. Página visitada em 13-9-2012.
  6. a b Kelly, Neon (2012-05-01). Black Ops 2 officially confirmed by Activision. Videogamer.com. Página visitada em 1 Maio 2012.
  7. a b Ivan, Tom (2012-05-01). Black Ops 2 site goes live, confirms release date, '21st Century Cold War' setting. Computerandvideogames.com. Página visitada em 1 Maio 2012.
  8. a b Crecente, Brian (2012-05-01). Call of Duty: Black Ops 2 releases on Nov. 13, will include future LA battle. The Verge. Página visitada em 1 Maio 2012.
  9. Call of Duty: Black Ops II Releases. Giant Bomb (Setembro 2012). Página visitada em 17-9-2012.
  10. Keith Stuart (1-6-2012). E3 2012: the 10 most anticipated games. The Guardian. Página visitada em 17-9-2012.
  11. E3 2012 Most Anticipated Games. GameSpot (29-5-2012). Página visitada em 17-9-2012.
  12. John Keefer (20-7-2012). Halo 4, Black Ops 2 most anticipated games. shacknews.com. Página visitada em 17-9-2012.
  13. http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2012/05/trailer-mostra-cenas-de-novo-call-duty-que-mostra-guerra-em-2025.html
  14. a b c d e f g Soares, Jorge (2 Maio, 2012). Tudo o que precisas de saber sobre Call of Duty: Black Ops 2. Eurogamer.pt. Página visitada em 3 Maio, 2012.
  15. call-duty-black-ops-2-new-setting-sandbox-gameplay-player-choice. GamesRadar (2 de maio de 2012). Página visitada em 2 de maio de 2012.
  16. Luke Mansell (19-11-2012). Black Ops 2 brings in $500 million in first day. geekshut. Página visitada em 11-12-2012.
  17. Matt Warman (16-11-2012). Call of duty: Black Ops II sales hit $500 million in first 24 hours. The Telegraph. Página visitada em 16-11-2012.
  18. Adolfo Soares (16-11-2012). Call of Duty: Black Ops II rende $500 milhões. Eurogamer. Página visitada em 16-11-2012.
  19. Jorge Loureiro (18-9-2013). GTA 5 faz $800 milhões em 24 horas: Supera Call of Duty: Black Ops 2 por uma grande margem. Eurogamer. Página visitada em 19-9-2013.
  20. Eddie Makuch (18-9-2013). GTAV generates $800 million in 24 hours. GameSpot. Página visitada em 19-9-2013.
  21. a b Stephany Nunneley (7-12-2012). Black Ops sold 7.5 million copies in November – NPD. VG247. Página visitada em 10-1-2012.
  22. a b c d e f 48 Things That You Should Know About Call of Duty: Black Ops II. Kotaku (Maio 1, 2012). Página visitada em Maio 1, 2012.
  23. http://ez.mygames.sapo.pt/pc/accao/call-of-duty-black-ops-2/noticia/black-ops-2-com-modo-zombies-17708/
  24. http://www.cinemablend.com/games/Call-Duty-Black-Ops-2-Zombie-Mode-Confirmed-Development-Team-Has-300-People-42074.html
  25. a b c d Jim Reilly (28-8-2012). Call Of Duty: Black Ops II Collector's Editions Revealed. GameInformer. Página visitada em 29-8-2012.
  26. Xav de Matos. Call of Duty: Black Ops 2 'Zombies' terrorize an open world, 8-player 'Grief' mode introduced. Joystiq. Página visitada em 8-1-2013.
  27. a b Call of Duty: Black Ops 2 preview. Shacknews (Maio 1, 2012). Página visitada em Maio 1, 2012.
  28. Black Ops 2 spans decades, offers branching missions and choice. Joystiq (Maio 1, 2012). Página visitada em Maio 1, 2012.
  29. Pedro Real Nunes (11-7-2012). Novo vídeo de CoD: Black Ops 2 com música da Trent Reznor. Digital Beat. Página visitada em 11-1-2013.
  30. Stephany Nunneley (11-7-2012). Black Ops II trailer introduces the villain Raul Menendez. VG247. Página visitada em 11-1-2013.
  31. Jorge Loureiro (3 Setembro, 2012). Os requisitos mínimos para Call of Duty: Black Ops 2. Eurogamer. Página visitada em 10 Setembro, 2012.
  32. Scalzo, John. "Activision announces Call of Duty: 9, multiple Blizzard titles for 2012", Warp Zoned, 2011-11-09. Página visitada em 2011-11-09.
  33. Goldfarb, Andrew (2012-02-09). Activision Confirms New Call of Duty Game in 2012. IGN. Página visitada em 2012-02-10.
  34. Votta, Marlon (2012-02-10). Official confirmation on COD:BO2, title a mystery. inentertainment.co.uk. Página visitada em February 11, 2012.
  35. http://kotaku.com/5913092/call-of-duty-makers-say-controversial-oliver-north-helped-make-their-game-more-authentic
  36. http://www.forbes.com/sites/davidthier/2012/05/02/oliver-north-is-selling-call-of-duty-black-ops-2/
  37. Dutton, Fred (2012-02-17). Call of Duty: Black Ops 2 listed on Amazon France - report • News •. Eurogamer.net. Página visitada em 2012-02-27.
  38. Gilbert, Ben (2012-02-17). Treyarch contract art studio employee lists 'Black Ops 2' among current projects [update: pulled!. Joystiq. Página visitada em 2012-02-27.
  39. Sliwinski, Alexander (2012-01-09). Report: Activision scoops up blackops2.com. Joystiq. Página visitada em 2012-02-27.
  40. Purchese, Robert (2010-11-09). Major Spanish/Portuguese shop lists Call of Duty: Black Ops 2. Eurogamer.net. Página visitada em 2012-03-04.
  41. Narcisse, Evan (2012-04-18). Is This an Official Poster for Call of Duty: Black Ops 2?. Kotaku. Página visitada em 2012-04-27.
  42. Goldfarb, Andrew (2012-04-27). Black Ops 2 Title, Release Date Confirmed. IGN. Página visitada em 2012-04-27.
  43. Gunther, Cory (2012-04-27). Call of Duty: Black Ops 2 confirmed by Target, coming November 13. Slashgear.com. Página visitada em 2012-04-27.
  44. Staff (2012-04-24). May 1 Call of Duty premiere points to Black Ops 2. videogaming247. Página visitada em 2012-04-27.
  45. http://www.computerandvideogames.com/345943/black-ops-2-site-goes-live-confirms-release-date-21st-century-cold-war-setting/
  46. Dave Cook (Maio 2, 2012). Black Ops 2 Trailer Secrets – 29 Things You Missed. NowGamer. Página visitada em 7 Maio 2012.
  47. Plant, Michael. "Call of Duty: Black Ops 2 announcement trailer released", 3 Maio 2012. Página visitada em 7 Maio 2012.
  48. Otero, Jose (05/01/2012). Is Black Ops 2 America's Metal Gear Solid?. 1UP.com. Página visitada em 7 Maio 2012.
  49. Fossum, Erik (2012-05-02). Vi lytter til fansen (em norwegian). pressfire.no. Página visitada em 2012-05-04.
  50. http://www.nintendozoom.com/2012/05/rumor-existe-uma-possibilidade-de-call.html
  51. http://www.businessinsider.com/the-story-line-of-call-of-duty-black-ops-2-better-than-a-hollywood-movie-2012-7
  52. John Scalzo (12-10-2012). Call of Duty: Black Ops II will be coming at you in 3D this November. WarpZoned. Página visitada em 29-11-2012.
  53. Ben Parfitt (3 maio de 2012). Black Ops II is already breaking retail records. MCVUK.com. Página visitada em 3 maio de 2012.
  54. Miller, Ben. "Black Ops 2 Multi-Team game modes and Create-a-Class detailed", Examiner.com, 16 Agosto 2012. Página visitada em 20 Agosto 2012.
  55. a b Cowen, Nick. "Call of Duty: Black Ops 2 – multiplayer hands-on preview", The Guardian, Guardian News and Media, 14 Agosto 2012. Página visitada em 20 Agosto 2012.
  56. a b c Yin-Poole, Wesley. "Treyarch hopes Black Ops 2 multiplayer changes will make Call of Duty a team game again", EuroGamer, 21 Agosto 2012. Página visitada em 22 Agosto 2012.
  57. Ottone, Robert. "Treyarch Looking To Enhance 'Call Of Duty: Black Ops 2' Multiplayer Experience", International Business Times, 21 Agosto 2012. Página visitada em 22 Agosto 2012.
  58. a b c Miller, Ben. "Black Ops 2: CODcasting, live streaming, matchmaking and Game Informer cover", Examiner.com, 16 Agosto 2012. Página visitada em 20 August 2012.
  59. Diego Borges (05/11/2012). Call of Duty: Black Ops 2 terá vozes famosas; conheça os dubladores. TechTudo. Página visitada em 12/11/2012.
  60. a b UOL Jogos (14 de Novembro de 2012). Por R$ 200, "Call of Duty: Black Ops II" chega ao Brasil com dublagem em português. Página visitada em 16 de novembro de 2012.
  61. a b Activision. [http://www.callofduty.com/blackops2/nuketown2025 PRE-ORDER NOW AND GET THE NUKETOWN 2025 BONUS MAP]. callofduty.com. Página visitada em 8-8-2012.
  62. http://www.callofduty.com/uk/en/blackops2/ce
  63. a b GIESON CACHO (2012/08/29). Activision announces three premium Call of Duty: Black Ops II editions. A+E Interactive. Página visitada em 12-9-2012.
  64. Activision - BlackOpsNews (8-1-2013). REVOLUTION DLC MAP PACK ANNOUNCED. CallofDuty.com. Página visitada em 11-1-2013.
  65. Jorge Soares (12-2-2013). DLC Revolution de Black Ops 2 com data para a PS3 e PC. Eurogamer. Página visitada em 13-2-2013.
  66. a b UOL (16 de novembro de 2012). Em 24 horas, "Call of Duty: Black Ops II" arrecada mais de US$ 500 milhões (em inglês). Página visitada em 16 de novembro de 2012.
  67. Marty Sliva (12-11-2012). Call of Duty Black Ops II Review: The Power of Choice. 1UP. Página visitada em 13-11-2012.
  68. a b c Dan Ryckert (13-11-2012). [http://www.gameinformer.com/games/call_of_duty_black_ops_ii/b/ps3/archive/2012/11/13/black-ops-ii-review.aspx Call of Duty: Black Ops II Treyarch Offers FPS Fans A Mixed Bag]. Game Informer. Página visitada em 13-11-2012.
  69. a b c Gallegos, Anthony (November 13, 2012). This is not the Shooter you expected. IGN. Página visitada em November 13, 2012.
  70. a b Lorenzo Veloria (13-11-2012). Call of Duty: Black Ops 2 review. GamesRadar. Página visitada em 13-11-2012.
  71. Chris Watters (13-11-2012). Call of Duty: Black Ops II Review. GameSpot. Página visitada em 13-11-2012.
  72. Jeff Gerstmann (13-11-2012). Call of Duty: Black Ops II Review. Giant Bomb. Página visitada em 13-11-2012.
  73. Jim Sterling (13-11-2012). Call of Duty: Black Ops II Review: Post-modern Warfare. Destructoid. Página visitada em 13-11-2012.
  74. Xav de Matos (13-11-2012). Call of Duty: Black Ops 2 review: War on three fronts. Joystiq. Página visitada em 13-11-2012.
  75. David Meikleham (13-11-2012). Black Ops 2 PS3 review – Ditching modern warfare for future shooter thrills. PlayStation Official Magazine. Página visitada em 13-11-2012.
  76. Call of Duty: Black Ops II Review. GameTrailers (13-11-2012). Página visitada em 13-11-2012.
  77. a b Vítor Alexandre (14-11-2012). Call of Duty: Black Ops II - Análise: Cyber Warfare. Eurogamer. Página visitada em 14-11-2012.
  78. a b Mike Clayton (13-11-2012). Call of Duty: Black Ops II Review. The Telegraph. Página visitada em 16-11-2012.
  79. a b Rich Stanton (16-11-2012). Call of Duty: Black Ops II – review. The Guardian. Página visitada em 21-11-2012.
  80. Call of Duty: Black Ops II - Xbox 360. Metacritic. Página visitada em 13-11-2012.
  81. Call of Duty: Black Ops II - PlayStation 3. Metacritic. Página visitada em 21-11-2012.
  82. Call of Duty: Black Ops II - PC. Metacritic. Página visitada em 21-11-2012.
  83. Call of Duty: Black Ops II - Wii U. Metacritic. Página visitada em 30-11-2012.
  84. PC Gamer (13 de novembro de 2012). Black Ops 2 weapons chart tracks damage spread, accuracy, effective ranges (em inglês). Página visitada em 16 de novembro de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]