Cinnamon (interface de usuário)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cinnamon
Logótipo
Mint 18 cinnamon.png
Cinnamon no Linux Mint 18
Desenvolvedor Linux Mint
Lançamento 2011; há 7 anos
Versão estável 3.8 (24 de abril de 2018; há 0 dia[1][2])
Linguagem C e JavaScript
Sistema operativo Sistema operacional tipo Unix
Gênero(s) Ambiente Gráfico
Licença GPLv2
Estado do desenvolvimento Corrente
Página oficial developer.linuxmint.com

Cinnamon é uma interface de usuário derivada (em inglês: forked) do GNOME desenvolvida pelo Linux Mint.

Como o fator distintivo do Linux Mint, o Cinnamon recebeu uma cobertura favorável da imprensa, em particular por sua facilidade de uso e curva de aprendizagem suave. Com relação ao seu modelo de design, o Cinnamon é semelhante aos ambientes de desktop: GNOME 2, GNOME Flashback, MATE e Xfce.

É a interface padrão do Linux Mint, mas também está disponível em outras distribuições GNU/Linux, como Fedora, Manjaro Linux, Debian, openSUSE, Sabayon Linux, Ubuntu entre outras.[3]

História[editar | editar código-fonte]

Linux Mint 12 com Cinnamon 1.3.1.

Como vários outros ambientes de desktop baseados no GNOME, incluindo o Unity da Canonical, o Cinnamon foi um produto da insatisfação com o abandono de uma experiência de desktop tradicional em abril de 2011. Até então, o GNOME tinha incluído a metáfora tradicional do desktop, mas o GNOME 3 foi substituído pelo GNOME Shell, uma metáfora abstrata severamente reduzida que não possuía um painel tipo barra de tarefas e outros recursos básicos de um desktop convencional. A eliminação desses recursos elementares era inaceitável para os desenvolvedores de distribuições como o Linux Mint e o Ubuntu, que são focados em usuários que desejam interfaces com as quais ficariam imediatamente confortáveis.

Para superar essas diferenças, a equipe do Linux Mint começou a desenvolver extensões para o Shell do GNOME para substituir os recursos abandonados. Os resultados desse esforço foram as "Mint GNOME Shell Extensions" (MGSE). Enquanto isso, o ambiente de desktop MATE também foi bifurcado do GNOME 2. O Linux Mint 12, lançado em novembro de 2011, incluiu os dois, dando aos usuários a escolha do GNOME 3-com-MGSE ou de um desktop GNOME 2 tradicional.

No entanto, mesmo com o MGSE, o GNOME 3 ainda estava perdendo os confortos do GNOME 2 e não foi bem recebido pela comunidade de usuários. Na época, alguns dos recursos ausentes não podiam ser substituídos por extensões, e parecia que as extensões não seriam viáveis a longo prazo. Além disso, os desenvolvedores do GNOME não eram receptivos às necessidades dos desenvolvedores do Mint. Para dar aos desenvolvedores do Mint um controle melhor sobre o processo de desenvolvimento, o GNOME Shell foi bifurcado como 'Projeto Cinnamon' em janeiro de 2012.[4]

Gradualmente, vários aplicativos principais foram adaptados pelos desenvolvedores do Mint. Começando com a versão 1.2, lançada em janeiro de 2012, o gerenciador de janelas do Cinnamon é o Muffin, que originalmente era uma bifurcação do Mutter do GNOME 3.[5]Da mesma forma, desde setembro de 2012 (versão 1.6 em diante), o Cinnamon inclui o gerenciador de arquivos Nemo que foi bifurcado do Nautilus. O Cinnamon-Control-Center, incluído desde maio de 2013 (versão 1.8 em diante), combina a funcionalidade do GNOME-Control-Center com o Cinnamon-Settings e permite gerenciar e atualizar applets, extensões, desklets e temas através do Centro de Controle. O Gnome-Screensaver também foi bifurcado e agora é chamado de Cinnamon-Screensaver.

Desde outubro de 2013 (versão 2.0 em diante), o Cinnamon não é mais um frontend em cima da área de trabalho do GNOME, como o Unity ou o GNOME Shell, mas um ambiente de desktop separado por si só. Embora o Cinnamon ainda seja baseado nas tecnologias do GNOME e use o GTK+, ele não precisa mais instalar o próprio GNOME.

Histórico de lançamentos[editar | editar código-fonte]

Características[editar | editar código-fonte]

Muito parecida em funcionalidade com a interface dos Windows XP, 2000, Vista e 7, é tida por muitos como a melhor opção para os novos usuários que deles tenham migrado. É uma interface que pode ser amplamente personalizada pois conta com temas, extensões, widgets e aplicativos que podem ser instalados de acordo com a necessidade e preferência dos usuários.[9]

Componentes de software[editar | editar código-fonte]

Gerenciador de arquivos Nemo é baseado no GNOME Files.
Editor de texto Xed versão 1.2.2.

X-Apps[editar | editar código-fonte]

Cinnamon introduz o X-Apps[10] que era baseado no GNOME Core Applications, mas são alterados para funcionar no Cinnamon, MATE e Xfce; eles têm a tradicional interface de usuário(UI).[11][12]

  • Xed é um editor de texto baseado no Gedit / Pluma
  • Xviewer é baseado no Eye of GNOME
  • Xreader é um visualizador de documentos baseado em Evince / Atril
  • Xplayer é um reprodutor de mídia baseado no GNOME Videos (Totem)
  • Pix é um organizador de imagens baseado no gThumb

Recursos[editar | editar código-fonte]

Os recursos fornecidos pelo Cinnamon incluem[13]:

  • Efeitos de área de trabalho, incluindo animações, efeitos de transição e transparência usando composição
  • Painéis equipados com um menu principal, lançadores, uma lista de janelas e a bandeja do sistema podem ser ajustados à esquerda, direita, superior ou inferior da tela
  • Várias extensões
  • Applets que aparecem no painel
  • Visão geral com funções semelhantes às do GNOME Shell
  • Editor de configurações para fácil personalização. Pode-se personalizar:
    • O painel
    • O calendário
    • Temas
    • Efeitos de área de trabalho
    • Applets
    • Extensões

Em 24 de janeiro de 2012, não havia documentação oficial do próprio Cinnamon[14], embora a maior parte da documentação do GNOME Shell se aplique ao Cinnamon. Há documentação para a edição Cinnamon do Linux Mint, com um capítulo do desktop Cinnamon[15].

Modo Overview[editar | editar código-fonte]

Novos modos de visão geral foram adicionados ao Cinnamon 1.4. Estes dois modos são "Expo" e "Scale", que podem ser configurados em Cinnamon Settings.

Extensibilidade[editar | editar código-fonte]

Cinnamon pode ser modificado por temas, applets e extensões. Os temas podem personalizar a aparência de aspectos do Cinnamon, incluindo, entre outros, o menu, painel, calendário e diálogo de execução. Applets são ícones ou textos que aparecem no painel. São cinco applets por padrão, e os desenvolvedores são livres para criar seus próprios applets. Um tutorial para criar applets simples está disponível.[16] As extensões podem modificar as funcionalidades do Cinnamon, como fornecer um dock ou alterar a aparência do alternador de janela Alt + Tab. Os desenvolvedores podem fazer upload de seus temas, applets e extensões para a página da Cinnamon e permitir que os usuários façam download e os avaliem.[17]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Cinnamon 3.8 – The Linux Mint Blog». blog.linuxmint.com. 2 de maio de 2018. Consultado em 3 de maio de 2018. 
  2. Lefebvre, Clement. «Releases · linuxmint/Cinnamon». Consultado em 2 de maio de 2018. 
  3. «DistroWatch». Consultado em 10 de outubro de 2013. 
  4. «Introducing Cinnamon». blog.linuxmint.com. 2 de janeiro de 2012 
  5. «Cinnamon 1.2 released». cinnamon.linuxmint.com. 23 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 1 de novembro de 2012 
  6. «Cinnamon 1.4 Released». The GNOME Project (Nota de imprensa). San Jose, Califórnia. 3 de março de 1999. Consultado em 8 de junho de 2014. 
  7. «cinnamon in Fedora repositories». fedoraproject.org 
  8. «cinnamon in Debian repositories». debian.org 
  9. «Cinnamon». Consultado em 16 de Maio de 2013. 
  10. «New features in Linux Mint 18 Cinnamon». Linux Mint. Consultado em 17 de abril de 2017. 
  11. «Linux Mint Is Getting Its Own Apps Starting with the 18.x Branch». softpedia.com. Softpedia. Consultado em 17 de abril de 2017. 
  12. «Linux Mint Devs Showcase the First Two X-Apps for Linux Mint 18 "Sarah"». softpedia.com. Softpedia. Consultado em 17 de abril de 2017. 
  13. «Cinnamon 1.2 released». cinnamon.linuxmint.com. 23 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 1 de novembro de 2012 
  14. «Cinnamon 1.4 (GNOME Shell Fork)». medvim.com. 13 de março de 2012. Arquivado do original em 6 de abril de 2016 
  15. «User guides for Linux Mint, Cinnamon edition, many languages and versions». linuxmint.com 
  16. «How to make a Cinnamon applet (Force Quit applet tutorial)». cinnamon.linuxmint.com. 31 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 4 de dezembro de 2012 
  17. «New sections for themes, applets and extensions: Cinnamon». cinnamon.linuxmint.com. 28 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 31 de maio de 2012 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Cinnamon (interface de usuário)


Ícone de esboço Este artigo sobre software livre é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.