Unity (interface de usuário)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura o motor de jogo 3D, veja Unity. Para outros significados, veja Unity (desambiguação).
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde janeiro de 2014). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Unity
Logótipo do Unity
Unity 7.4 no Ubuntu 16.04.
Unity 7.4 no Ubuntu 16.04.
Desenvolvedor Canonical Ltd., contribuidores do Projeto Ayatana,[1] UBports
Plataforma PC,
Smart TV (com Ubuntu TV),
Smartphone,
Tablet
Modelo do desenvolvimento Software livre
Lançamento 9 de junho de 2010 (8 anos)
Versão estável 7.5[2] (25 de maio de 2016; há 2 anos[2])
Versão em teste 8.16.1
Idioma(s) Multilinguagem
Linguagem Unity 2D: C++, JavaScript, QML
2.07.4: C, C++, Python, Vala[3]
8: C++ and QML
Sistema operacional Linux
Gênero(s) Ambiente de desktop
Licença GPL v3, LGPL v3
Estado do desenvolvimento Descontinuado pela Canonical, continuado pela comunidade UBports
Página oficial unity8.io
github.com/ubports/unity8

Unity é uma interface para o ambiente desktop, desenvolvido pela comunidade Ayatana e adaptado pela Canonical Ltd. para o seu sistema operativo Ubuntu. O Unity estreou na versão para netbook do Ubuntu 10.10 e foi desenhado inicialmente para fazer um uso mais eficiente do espaço das telas limitadas dos netbooks, porém devido ao sucesso tornou-se a interface padrão do Ubuntu 11.04 que também incluía ainda o GNOME como opção. Diferente do GNOME, KDE, Xfce e LXDE, o Unity não incluía aplicações, já que foi feito para usar programas em GTK+ já existentes. A partir da versão 11.10 do Ubuntu, o Unity passou a ser a única interface padrão.

No dia 5 de Abril de 2017, foi anunciado que o Unity não será mais desenvolvido. A partir da versão 18.04 LTS, o Ubuntu terá como desktop padrão o GNOME.[4][5][6][7] Mesmo assim, já há movimentações para que o Unity continue sendo desenvolvido (sem o envolvimento da Canonical) ou ainda que se faça um fork do mesmo, como aconteceu com o MATE, que surgiu do desenvolvimento descontinuado do GNOME 2, este que por sinal era a interface padrão do Ubuntu até 2010. O fundador da UBports, Marius Gripsgård, anunciou que a organização continuaria o desenvolvimento do Unity.[8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «The Ayatana Project in Launchpad». Launchpad.net. Consultado em 3 de maio de 2019 
  2. a b «Unity in Launchpad». Consultado em 3 de maio de 2019 
  3. Jagdish Patel, Neil (Novembro de 2010). «~unity-team/unity/trunk: 4105». Consultado em 3 de maio de 2019 
  4. Diego Kerber (5 de abril de 2017). «Ubuntu desiste dos smartphones e vai voltar a usar o GNOME». Adrenaline. Consultado em 3 de maio de 2019 
  5. Dionatan Simioni (5 de abril de 2017). «Adeus Unity! Canonical abandonará interface e Ubuntu voltará à interface Gnome!». Diolinux. Consultado em 3 de maio de 2019 
  6. Canonical. «Growing Ubuntu for Cloud and IoT, rather than Phone and convergence». Ubuntu Insights. Consultado em 3 de maio de 2019 
  7. «Ubuntu To Abandon Unity 8, Switch Back To GNOME». Phoronix.com. Consultado em 3 de maio de 2019 
  8. Nestor, Marius (7 de abril de 2017). «Unity 8 Now Has a New Home Over at UBports, Development Will Start Very Soon». Softpedia. Consultado em 3 de maio de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Unity


Ícone de esboço Este artigo sobre Informática é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre software livre é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.