Xubuntu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Xubuntu  v  e 
Logotipo
Captura de tela
Xubuntu 18.10 Cosmic Cuttlefish
Desenvolvedor Comunidade
Arquiteturas ppc x86 x86-64
Modelo do desenvolvimento Software Livre
Lançado em 23 de junho de 2006 (12 anos)
Versão estável Xubuntu 18.10 (Cosmic Cuttlefish)[1] / 18 de outubro de 2018; há 0 dia
Versão em teste 18.10 (Cosmic Cuttlefish) Beta / 28 de setembro de 2018; há 0 dia
Língua natural Multilíngue
Mercado-alvo Computadores
Família Ubuntu
Núcleo Linux
Método de atualização dpkg
Gerenciamento de pacotes APT
Interface Xfce
Licença Licenças de software livre(em maior parte GPL)
Estado do desenvolvimento Corrente
Website xubuntu.org
Posição no Distrowatch 35ª (em inglês, em castelhano, em francês, em alemão, em tcheco/checo, em japonês e em chinês).
Origem comum  Ilha de Man
Portal do Software Livre

Xubuntu é uma distribuição Linux derivada do Ubuntu que utiliza o ambiente Xfce, além de programas que contribuem para que funcione satisfatoriamente em computadores mais antigos.[2][3][4]

Objetivos[editar | editar código-fonte]

Os objetivos do Xubuntu são[5]:

fornecer uma distribuição fácil de usar, baseada no Ubuntu, usando o Xfce como área de trabalho gráfica, com foco em integração, usabilidade e desempenho, com um foco particular em baixo consumo de memória. A integração no Xubuntu está em um nível de configuração, um nível de kit de ferramentas e combinando a tecnologia subjacente sob o desktop no Ubuntu. O Xubuntu será construído e desenvolvido de forma autônoma como parte da ampla comunidade Ubuntu, baseada nos ideais e valores do Ubuntu.


História[editar | editar código-fonte]

Xubuntu 6.06 LTS Dapper Drake, a primeira versão do Xubuntu.

O Xubuntu foi originalmente planejado para ser lançado ao mesmo tempo que o Ubuntu 5.10 Breezy Badger, 13 de outubro de 2005, mas o trabalho não estava completo até aquela data. Em vez disso, o nome do Xubuntu foi usado para o meta-pacote xubuntu-desktop disponível através do Gerenciador de Pacotes Synaptic que instalou o desktop Xfce.

O primeiro lançamento oficial do Xubuntu, liderado por Jani Monoses, apareceu em 1º de junho de 2006, como parte da linha Dapper Drake do Ubuntu 6.06, que também incluía o Kubuntu e o Edubuntu.

Cody A.W. Somerville desenvolveu uma estratégia abrangente para o projeto Xubuntu chamado Xubuntu Strategy Document. No início de 2009, o documento estava aguardando uma segunda leitura pelo Ubuntu Community Council.[6]

Em fevereiro de 2009, Mark Shuttleworth concordou que uma versão oficial do LXDE do Ubuntu, Lubuntu, seria desenvolvida. A área de trabalho do LXDE usa o gerenciador de janelas Openbox e, como o Xubuntu, pretende ser um ambiente com poucos requisitos de sistema e pouca memória RAM para netbooks, dispositivos móveis e PCs mais antigos e competiria com o Xubuntu nesse nicho.[7][8]

Em novembro de 2009, Cody A.W. Somerville deixou o cargo de líder do projeto e fez uma chamada para indicações para ajudar a encontrar um sucessor.[9] Lionel Le Folgoc foi confirmado pela comunidade Xubuntu como o novo líder do projeto em 10 de janeiro de 2010 e solicitou a formação de um conselho oficial do Xubuntu.[10] A partir do final de março de 2010, as discussões sobre o futuro da governança do Xubuntu e o papel que um conselho poderia ter nele ainda estavam em andamento.

Em março de 2012, Charlie Kravetz, ex-líder do projeto Xubuntu, renunciou formalmente ao projeto. Apesar disso, os membros do projeto indicaram que o Xubuntu 12.04 iria em frente como previsto.[11]

No início de 2016, a equipe do Xubuntu iniciou o processo de transição do projeto para tornar-se membro do conselho em vez de ter um único líder de projeto. Em 1 de janeiro de 2017, um post oficial no blog do site do Xubuntu anunciou a formação oficial do Xubuntu Council. O objetivo do conselho não é apenas tomar decisões sobre o futuro do projeto, mas garantir que a direção do projeto esteja de acordo com as diretrizes estabelecidas no Documento Estratégico.

Diferenças para o Ubuntu[editar | editar código-fonte]

O Ubuntu utiliza o ambiente Unity e GNOME. O Xubuntu utiliza por sua vez o ambiente Xfce que, utilizando menos recursos de sistema, funciona melhor com computadores mais antigos. É pensado para usuários com computadores menos potentes, ou que precisam de um ambiente de trabalho eficiente em computadores mais rápidos. O Xubuntu também utiliza principalmente aplicativos GTK+ que foram desenvolvidos para utilizar menos recursos que seus equivalentes GNOME. Mesmo assim, o Xubuntu tem acesso aos mesmos arquivos de aplicativos que o Ubuntu e pode executar a maioria dos mesmos aplicativos com apenas pequenas diferenças na interface (devido à utilização de ambientes diferentes).[12]

Aplicativos[editar | editar código-fonte]

Xubuntu inclui aplicativos para o usuário médio, incluindo:[13][14]

  • Catfish - pesquisa no desktop
  • Common Unix Printing System - utilitário de impressão e criador de PDF
  • Evince - leitor de PDF
  • Firefox - navegador da web
  • GIMP - editor gráfico
  • LibreOffice Calc - planilha
  • LibreOffice Writer - processador de texto
  • Mousepad - editor de texto
  • Orage - calendário
  • Parole - reprodutor de mídias
  • Pidgin - internet messenger
  • Thunderbird - cliente de e-mail
  • XChat - cliente de IRC
  • Simple Scan - utilitários de scanner

O Xubuntu inclui a loja de aplicativos do GNOME, que permite aos usuários baixar aplicativos adicionais dos repositórios do Ubuntu.

Requisitos[editar | editar código-fonte]

Para instalar o Xubuntu são recomendados[15]:

Requisito Desktop
Memória RAM 1 GB
Disco rígido (espaço livre) 20 GB
Mídia Pendrive com a mídia de instalação(ISO)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Xubuntu 18.10 released! « Xubuntu
  2. Canonical Ltd. (2008). «What is Xubuntu?». Consultado em 10 de fevereiro de 2009 
  3. Canonical Ltd. (2008). «Glossary». Consultado em 10 de fevereiro de 2009. Arquivado do original em 28 de setembro de 2011 
  4. Canonical Ltd. (2009). «Products». Consultado em 15 de outubro de 2009 
  5. Somerville, Cody (2008). «Xubuntu/Specifications/Intrepid/StrategyDocument». Consultado em 10 de fevereiro de 2009 
  6. Somerville, Cody (2008). «Xubuntu/Specifications/Intrepid/StrategyDocument». Consultado em 10 de fevereiro de 2009 [ligação inativa] 
  7. Smart, Chris (maio de 2009). «Another day, another Ubuntu derivative.». Consultado em 21 de maio de 2009 
  8. LXDE (fevereiro de 2009). «Lubuntu? LXDE Meet up with Mark Shuttleworth in Berlin». Consultado em 21 de maio de 2009 
  9. «Xubuntu Project Lead: Call for Nominations» 
  10. «Xubuntu/Meetings/Archive/Minutes/2010-01-10». Consultado em 29 de março de 2010 
  11. Bodnar, Ladislav (26 de março de 2012). «DistroWatch Weekly, Issue 449». DistroWatch. Consultado em 27 de março de 2012 
  12. DistroWatch. «DistroWatch.com: Put the fun back into computing. Use Linux, BSD.». distrowatch.com. Consultado em 22 de maio de 2018 
  13. DistroWatch (outubro de 2008). «Xubuntu». Consultado em 10 de fevereiro de 2009 
  14. Canonical Ltd. (2014). «Xubuntu Feature Tour». Consultado em 19 de dezembro de 2014 
  15. community, The Xubuntu. «System Requirements « Xubuntu». xubuntu.org (em inglês). Consultado em 16 de maio de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Ícone de esboço Este artigo sobre software livre é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.