Linux Mint

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde dezembro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Linux Mint  v  e 
Linux Mint Official Logo.svg
Linux Mint 15 Cinnamon.png
Linux Mint 15 ("Olivia") com interface Cinnamon
Desenvolvedor Linux Mint Team
Arquiteturas x86 x86-64
Modelo do desenvolvimento Software Livre
Lançado em 27 de setembro de 2006 (7 anos)
Versão estável Linux Mint 15 ("Olivia") / 29 de maio de 2013 (0 anos)
Língua natural Multilíngue
Família Ubuntu ou Debian
Núcleo Linux
Método de atualização APT
Gerenciamento de pacotes dpkg
Interface Cinnamon/MATE/Xfce/KDE
Licença GNU GPL / Outras
Estado do desenvolvimento Corrente
Website www.linuxmint.com (em inglês
Posição no Distrowatch (em inglês, em espanhol, em francês, em alemão, em tcheco/checo, em japonês e em chinês
Origem comum  Irlanda
Portal do Software Livre

Linux Mint é uma distribuição Linux irlandesa. Possui duas versões: uma baseada em Ubuntu (com o qual é totalmente compatível e partilha os mesmos repositórios) e outra versão baseada em Debian.

Diferencia-se de ambos os sistemas por incluir drivers e codecs proprietários por padrão e por alguns recursos que permitem fazer em modo gráfico configurações que em ambos os sistemas são feitas através do modo texto. Utiliza por padrão o desktop Gnome modificado, com um menu no painel inferior junto à barra de tarefas (o MintMenu), similar ao menu do KDE, ou o menu "Iniciar" do Windows. O propósito da distribuição é providenciar um sistema Linux que funcione "out-of-the-box"; isto é, esteja pronto para uso assim que terminar a instalação. Dessa maneira, o único trabalho do usuário será o de personalizar a aparência, se desejar, e instalar programas extra, caso necessite.

A concepção da interface de usuário é um pouco diferente, incluindo:

  • Uma interface de usuário distinta e semi-independente, incluindo um melhorado do gerenciador de boot, layout do desktop, temas de gráficos, e menu exclusivo.
  • Um forte foco em plena funcionalidade (por exemplo: drivers de WiFi incluídos, plugins completos para reproduzir formatos de mídia, resolução de tela automaticamente definido, etc. O Mint também inclui o Adobe Flash Player para que os utilizadores possam ver sites como YouTube sem ter que instalar qualquer outra coisa.
  • As ferramentas do Linux Mint correspondem a uma coleção de utilitários de sistema cuja finalidade é tornar o sistema de gestão e administração mais fácil para usuários finais.

Os lançamentos das versões do Linux Mint baseadas no Ubuntu ocorrem pouco depois do lançamento das versões equivalentes do Ubuntu, e utiliza uma numeração sem casas decimais (p. ex.: "Linux Mint 8", em comparação com "Ubuntu 9.10"). Os nomes-código são sempre nomes de mulheres que terminam com a letra "A". A versão atual, baseada no Ubuntu 13.04 recebeu o codinome de "Olivia".[1] Já a versão baseada no Debian é rolling release, e o DVD de instalação sempre inclui os pacotes mais recentes.

Em relação ao Ubuntu, o Linux Mint tem outro sistema de atualização. Em vez de usar a atualização incremental - ou seja, instalar a nova distribuição modificando automaticamente os repositórios e substituindo os pacotes antigos pelos pacotes novos, o Linux Mint encoraja o usuário a fazer uma instalação "limpa", gravando um novo CD/DVD e reinstalando todo o sistema. Para isso, disponibiliza uma ferramenta de backup, que grava a lista de repositórios e pacotes baixados e os arquivos da pasta pessoal, desta forma poupando tempo do usuário.

Edições[editar | editar código-fonte]

O Linux Mint, sistema baseado no Ubuntu vem em várias edições, versões de 32 e 64 bits, Linux Mint com a interface gráfica Cinnamon que é baseada no Gnome mas vem sendo desenvolvida independentemente e já esta em sua versão 2.0, e a interface gráfica Mate 1.6 que proporciona uma experiência mais suave para hardwares mais modestos mas sem perder suas principais funções e características que são praticidade e fluidez em aplicações. O mint também é distribuído através das edições comunitárias ("Community Editions"), utilizando os desktops KDE, LXDE, Xfce e Fluxbox.

A maioria dos idiomas são incluídos, incluindo a Língua Portuguesa.

A versão baseada em Debian, oficialmente batizada "Linux Mint Debian Edition" (LMDE), utiliza os repositórios Debian e dos próprios mantenedores do Linux Mint. Considerando os codecs e plugins automaticamente instalados, determinadas aplicações específicas e temas visuais para o sistema, o LMDE é uma instalação Linux sem maiores modificações de um sistema Debian.


By: Alex Zaggo

Testes[editar | editar código-fonte]

Semelhante a muitas outras distribuições de Linux, o Mint tem diferentes ramos de repositórios. O ramo com os novos recursos, ou "ramo instável", é chamado de "Romeo". O Mint não o ativa por padrão, para os usuários que desejam ajudar a testar novos pacotes, poderão ativar o "Romeo" no APT.

Mint4Win[editar | editar código-fonte]

Mint4Win é um método de instalação do Linux Mint em dual-boot. A instalação por esse método é muito mais fácil, segura e rápida, podendo inclusive ser feita por quem não têm um conhecimento muito avançado de informática. A instalação cria um disco rígido virtual, sendo que o Linux Mint é instalado dentro dele, evitando assim a necessidade de particionamento do disco.

Vantagens[editar | editar código-fonte]

  • Pode ser feita segura, rápida e fácil por usuários sem conhecimentos avançados.
  • Não é necessário particionar o disco rígido, algo que exige conhecimento avançado e pode ocorrer em erros.
  • Possíveis erros na instalação afetam apenas o Linux Mint, ficando a instalação do Windows intacta e funcionando.
  • A desinstalação pode ser feita em segundos e de forma segura através do Painel de Controle do Windows. (No método tradicional de dual-boot, a desinstalação do Linux Mint exigiria mais tempo e conhecimentos avançados.)

Desvantagens[editar | editar código-fonte]

  • Desempenho de disco levemente reduzido.
  • Disco virtual só pode ter até 30GB.
  • Não é possível usar a Hibernação (a Suspensão funciona sem problemas).

Instalação[editar | editar código-fonte]

A instalação pelo Mint4Win está disponível na versão 32 bits (x86) e 64 bits (x64) do Linux Mint e é suportado no Windows XP, Vista, 7 e 8 (tando versões x86 como x64).

Para realizá-la basta montar a imagem ISO do Linux Mint com um programa emulador (Por exemplo: Daemon Tools), executar o arquivo mint4win.exe e clicar em "Instalar a partir do Windows". Digite um nome de usuário e senha, escolha o tamanho do disco virtual (até 30GB), selecione instalar na partição do Windows (C:) e clique em "Instalar". Ao reiniciar o computador, a opção de boot já estará disponível. Porém, na primeira vez, o computador levará cerca de 20 minutos para realizar a instalação.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Release Notes for Linux Mint 15. Página visitada em 30 de Maio de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui multimídias sobre Linux Mint