Chromium OS

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Chromium OS
Versão do sistema operativo Chromium OS (baseado no núcleo do Linux)
Logótipo
Captura de tela
Captura de tela do Chromium OS versão 59.0.3070.0.
Produção Google
Linguagem C, C++
Modelo Código aberto
Arquitetura(s) x86, ARMv7[1]
Núcleo Monolítico (núcleo do Linux)[2]
Interface Baseado em janelas [navegador web] WIMP
Página oficial www.chromium.org/chromium-os
Estado de desenvolvimento
Atual (no caso do Chrome OS, pré-instalado em Chromebooks, Chromeboxes, Chromebits e no Chromebase)

Chromium OS é a versão de desenvolvimento de código aberto do Chrome OS, um dos sistemas operacionais do Google. O Chromium OS é baseado no núcleo do Linux e usa o navegador Chromium como a sua principal interface do usuário. Como resultado disso, o Chromium OS suporta primariamente aplicativos da web.[3]

Arquitetura[editar | editar código-fonte]

A arquitetura do Chromium é composta de três camadas, consistindo de "três maiores componentes":

  • O navegador baseado no Chromium e o gerenciador de janelas
  • Software no nível do sistema e serviços de user-land: o núcleo [Linux], drivers, gerenciador de conexão, e assim por diante
  • Firmware[4]

Disponibilidades[editar | editar código-fonte]

O Chromium OS foi disponibilizado primeiramente na forma compilada por terceiros. Esforços mais organizados surgiram ao longo do tempo, incluindo alguns fabricantes que venderam seus dispositivos com o sistema operacional pré-instalado.

Compilações e forks[editar | editar código-fonte]

Em maio de 2010, as versões compiladas do código fonte do trabalho em andamento foram baixadas da Internet mais de um milhão de vezes. A versão mais popular, chamada de "Chromium OS Flow", foi criada por Liam McLoughlin, na época um estudante de 17 anos de idade em Manchester, Inglaterra, postando sob o nome "Hexxeh". As compilações de McLoughlin são bootáveis a partir de um pendrive e incluem recrusos que os engenheiros do Google ainda não haviam implementado, como suporte para a linguagem de programação Java.[5] Enquanto o Google não esperava que os terceiros usassem e avaliassem o Chromium OS antes do lançamento oficial, Sundar Pichai, vice-presidente de gerenciamento de produtos do Google (atualmente CEO), disse que "o que pessoas como o Hexxeh estão fazendo é incrível de se ver." Pichai disse que os lançamentos antecipados foram uma consequência não intencional do desenvolvimento de código aberto. "Se você decidir fazer projetos de código aberto, você tem que estar aberto o caminho todo."[5]

O trabalho de Hexxeh continuou no ano seguinte. Ele anunciou o "Chromium OS Lime" em dezembro de 2010,[6] e em janeiro de 2011, lançou "Luigi", um aplicativo criado para "jailbreak"/"rootear" o hardware protótipo do Google Cr-48 "Mario" e instalar uma BIOS genérica.[7] O desenvolvedor fez com que as compilações fossem disponibilizados em formato de máquina virtual em 13 de março de 2011.[8] Sem a compilação oficial do sistema operacional Chromium do Google, compilações diárias "vanilla" do Chromium OS de Hexxeh foram o principal recurso para as pessoas que desejam experimentar Chromium OS. Hexxeh parou de disponibilizar essas compilações em 20 de abril de 2013.

As versões mais recentes do Chromium OS estão disponíveis de Arnoldthebat, que mantém compilações diárias e semanais[9] juntamente com diretrizes de uso e ajuda.[10] Em julho de 2012, o Chromium Build Kit foi lançado. Ele compila automaticamente uma compilação de desenvolvedor e instala o Chromium OS em um pendrive.[11]

Em 2015 a empresa novaiorquina Neverware produziu uma fork do Chromium OS chamada de CloudReady para o mercado educacional, com a intenção de estender a vida de antigos PCs e laptops.[12][13] Uma versão posterior pode fazer dual boot entre o sistema da Neverware e o sistema operacional Windows.[14] Em 2016, a Nexedi lançou o NayuOS, uma fork do Chromium OS pré-compilada para diversos computadores Chromebook. O sistema operacional fornece capacidades como as do Chrome OS sem armazenar dados nos servidores do Google. Ele opicionalmente remove o login do Google e oferece ferramentas de desenvolvedores adicionais.[15][16]

Hardware[editar | editar código-fonte]

Alguns dispositivos são vendidos com o Chromium OS pré-instalado. Em maio de 2011 a Dell Computer também lançou uma compilação para o netbook Dell Inspiron Mini 10v netbook, seguindo em uma versão anterior lançada quase 18 meses antes. TA compilação não suportava áudio, mas era inicializável a partir de um pendrive.[17] Outros dispositivos incluem o Kogan Agora Chromium Laptop da empresa australiana Kogan[18] e o Xi3 Modular Computer, introduzido pela empresa de mesmo nome.[19][20] No final de 2015, uma equipe liderada por Dylan Callahan portou uma versão beta do Chromium OS para o computador de uma placa Raspberry Pi 2.[21]

Disputa de marca registrada[editar | editar código-fonte]

Em junho de 2011, a ISYS Technologies, baseada em Salt Lake City, processou o Google em um tribunal distrital de Utah, reivindicar direitos sobre o nome "Chromium" e, por padrão, Chromebook e Chromebox. O processo tentou impedir o Google e seus parceiros de marketing e hardware de venderem Chromebooks.[22] O processo foi posteriormente abandonado e, como parte de um acordo não revelado entre o Google e ISYS, a ISYS abandonou os seus esforços de marca registrada.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui os portais:

Referências

  1. Womack, Brian (8 de julho de 2009). «Google to Challenge Microsoft With Operating System» (em inglês). Bloomberg.com. Consultado em 8 de julho de 2009 
  2. «Kernel Design: Background, Upgrades» (em inglês). Google. Consultado em 7 de setembro de 2011 
  3. «Kernel Design». The Chromium Projects (em inglês) 
  4. «Software Architecture - The Chromium Projects». www.chromium.org (em inglês). Consultado em 25 de janeiro de 2016 
  5. a b Stone, Brad (7 de maio de 2010). «Test Flights Into the Google Cloud» (em inglês). The New York Times 
  6. Hexxeh. «Now with a citrus twist» (em inglês). Hexxeh's Blog. Consultado em 30 de junho de 2011 
  7. Hexxeh. «Your princess is in another castle…» (em inglês). Hexxeh's Blog. Consultado em 30 de junho de 2011 
  8. Hexxeh. «In my VirtualBox?» (em inglês). Hexxeh's Blog. Consultado em 30 de junho de 2011 
  9. «Chromium OS Builds» (em inglês). Chromium.arnoldthebat.co.uk. Consultado em 4 de julho de 2014 
  10. «ArnoldTheBats World of Whimsy». Consultado em 15 de abril de 2017 
  11. «Chromium Build Kit-- Source Forge». Chromium Build Kit (em inglês). 30 de julho de 2012. Consultado em 30 de julho de 2012 
  12. Popper, Ben (16 de fevereiro de 2016). «How schools around the country are turning dead Microsoft PCs into speedy Chromebooks» (em inglês). The Verge. Consultado em 22 de fevereiro de 2016 
  13. Bishop, Nicholas (13 de novembro de 2015). «ChromiumOS: The Whirlwind Tour» (em inglês). Neverware. Consultado em 22 de fevereiro de 2016 
  14. Cunningham, Andrew (17 de fevereiro de 2016). «Chrome OS distro for regular PCs can now dual-boot with Windows». Ars Technica (em inglês). Consultado em 22 de fevereiro de 2016 
  15. Linder, Brad (29 de janeiro de 2016). «NayuOS is a Google-free operating system for Chromebooks» (em inglês). Liliputing. Consultado em 22 de fevereiro de 2016 
  16. «NayuOS». www.nayuos.com (em inglês). Consultado em 22 de fevereiro de 2016 
  17. Linder, Brad (15 de maio de 2011). «Dell releases Chromium OS build for Inspiron Mini netbooks» (em inglês). Liliputing. Consultado em 16 de maio de 2011 
  18. Kogan Australia. «Laptops - Kogan.com» (em inglês). Kogan Australia 
  19. Joanna Stern. «Xi3 Modular Computer is one cool-looking desktop in a cube». Engadget (em inglês). AOL 
  20. Dana Wollman. «Xi3 modular PC reborn as Chrome OS desktop, promises independence from local storage». Engadget (em inglês). AOL 
  21. Marius, Nestor (9 de dezembro de 2015). «Chromium OS for Raspberry Pi 2 Gets Faster Boot Times, Download Now». Softpedia (em inglês). Consultado em 25 de janeiro de 2016 
  22. «Chrome Turf War: Did Google abandon the Chromium Trademark?» (em inglês). 13 de junho de 2011. Consultado em 4 de fevereiro de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Wikidata Base de dados no Wikidata