Inbox by Gmail

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Inbox by Gmail
Captura de tela
Desenvolvedor Google
Lançamento outubro de 2014 (5 anos)
Sistema operacional Android, iOS, web
Gênero(s) Cliente de e-mail
Licença Freeware
Página oficial www.google.com/inbox

Inbox by Gmail foi um aplicativo de e-mail criado pela Google para os sistemas operacionais Android, iOS, com também para os navegadores Chrome, Firefox, e Safari. O aplicativo era focado na melhoria da produtividade de e-mail e em organização, permitindo ao usuário a soneca mensagens por um tempo depois, agrupar e-mails semelhantes em conjunto, e receber cartões Google Now de estilo para coisas tais como horas de voo.[1] O Inbox foi descontinuado 2019[2].

História[editar | editar código-fonte]

O Inbox foi oficialmente lançado como uma versão beta em 22 de outubro de 2014.[3] Inicialmente, um convite era necessário para acessar o Inbox, mas em 28 de maio de 2015, a Google anunciou que o aplicativo seria aberto para qualquer um que tivesse uma conta do Gmail.[4] Em 24 de junho de 2015, a Google adicionou um botão "Desfazer Envio" no Inbox, permitindo que os usuários desfizessem o envio de um e-mail no prazo de 10 segundos após clicar em "Enviar".[5] Já em 2018 o Google anunciou que seria descontinuado e que todas as suas funcionalidades estariam disponíveis no Gmail. Foi descontinuado em 03 de Abril de 2019 no aplicativo e sua url foi redirecionada para o Gmail 05 de Abril do mesmo ano.[6]

Operação[editar | editar código-fonte]

Quando os usuários fazem login, a Google verifica a conta de e-mail para informações importantes ou similares. Em seguida, apresenta o que considera as partes mais importantes do e-mail primeiro e e grupos de e-mails similares como "pacotes" que são nomeados por tipo (como por exemplo, "Viagens" ou "Atualizações"). Ele também converte os endereços físicos em links no Google Maps e números de confirmação da companhia aérea em uma atualização de status de voo.[7] Os usuários podem fazer pacotes personalizados como fariam com os filtros do Gmail, e podem especificar a hora do dia para mostrar o pacote. Eles também podem organizar e-mails com ações rápidas, como deslizar a tela para a direita para arquivar uma mensagem, ou passando esquerda para adiar um e-mail para mais tarde. Esta função "soneca" funciona de forma semelhante à do aplicativo Mailbox, da Dropbox.[8] O usuário pode manter o seu dedo na tela para acessar ações em massa, como o arquivamento, soneca, ou apagar e-mails em lotes.[8] A caixa de mensagens é mostrada em ordem cronológica, colocando as mensagens mais recentes no topo.[8] Os e-mails podem ser fixados ao topo da tela, como uma lista de lembretes de tarefas.[7] No canto inferior direito da tela, um botão vermelho "compor" mostra os contatos recentes.[8]

Recepção[editar | editar código-fonte]

A crítica elogiou o visual e design do produto do aplicativo, e observou que eles iriam usá-lo no lugar do atual aplicativo do Gmail.[7][8] David Pierce, do The Verge, escreveu que o design do aplicativo foi fácil de usar, rápido, "minimalista, e adorável".[7] Ele observou que o seu espaço em branco abundante iria causar problemas para usuários avançados de e-mail e pediu uma "visualização compacta".[7] No lançamento do app, Pierce preferiu o Inbox no iOS do que o aplicativo do Gmail e disse que o Inbox "se parece muito com o futuro do e-mail".[7] Sarah Mitroff, do CNET,  elogiou da mesma forma o Inbox como "novo matador de app de e-mail" da Google, e planejava usá-lo mais do que o aplicativo do Gmail no futuro.[8] Ela acrescentou que o Inbox foi seguido do Material design da Google, introduzido como o Android Lollipop.[8]

Referências

  1. Vincent, James (May 28, 2015).
  2. «Google+ e Inbox by Gmail acabam nesta terça-feira; goo.gl deixa de encurtar links». Tecnoblog. 2 de abril de 2019. Consultado em 5 de abril de 2019 
  3. Pichai, Sundar (Oct 22, 2014).
  4. Gawley, Alex (May 28, 2015).
  5. Ghoshal, Abhimanyu (June 25, 2015).
  6. «Google Inbox vai ser descontinuado em março». Tecnoblog. 12 de setembro de 2018. Consultado em 5 de abril de 2019 
  7. a b c d e f Pierce, David (October 22, 2014).
  8. a b c d e f g Mitroff, Sarah (October 22, 2014).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]