Projeto Loon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Projeto Loon
Google 2015 logo.svg
Website google.com/loon/
Declaração de missão Internet via balão para todos
Comercial? Sim
Tipo de projeto Internet e telecomunicações
Localização Todo o mundo
Um balão do Projeto Loon no evento de lançamento em Christchurch, Nova Zelândia.

Projeto Loon é um projeto de pesquisa e desenvolvimento que está sendo desenvolvido pelo Google com a missão de fornecer acesso à Internet para áreas rurais e remotas. O projeto usa balões de alta altitude colocados na estratosfera, a uma altitude de cerca de 20 km para criar uma rede sem fio com velocidade semelhante a de 3G das redes de telefonia móvel. Por falar nisso, o funcionamento é através de conexões a smartphones com suporte ao LTE.[1][2][3][4] Por causa dos objetivos da missão aparentemente bizarros do projeto, o Google apelidou de "Projeto Loon", como um trocadilho loon de baloon.[5]

Os balões são manobrados ajustando a sua altitude para flutuar em uma camada de vento depois de identificar a camada de vento com a velocidade e direção desejada usando dados de ventos da National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA). Os usuários do serviço se conectam à rede de balões usando uma antena especial de Internet ligada à sua residencia. O sinal viaja através de balão a balão, em seguida, para uma estação em terra conectada a um provedor de serviços de Internet (ISP), em seguida, para a Internet global. O sistema tem como objetivo levar o acesso à Internet a áreas remotas e rurais com cobertura insuficiente, e para melhorar a comunicação durante catástrofes naturais para as regiões afetadas.[5][6] Pessoas-chave envolvidas no projeto incluem Rich DeVaul, arquiteto técnico-chefe, que também é um especialista em tecnologia wearable; Mike Cassidy, líder de projeto; e Cyrus Behroozi, líder de redes e telecomunicações.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Em 2008, o Google tinha considerado contratação ou a aquisição do Space Data Corp., uma empresa que envia balões carregando pequenas estações-base a cerca de 32 km de altitude para fornecer conectividade para caminhoneiros e empresas de petróleo do sul dos Estados Unidos.[7]

O desenvolvimento não-oficial sobre o projeto começou em 2011 sob a incubação no Google X Lab, com uma série de testes, no Vale Central da Califórnia. O projeto foi anunciado oficialmente como um projeto do Google em 14 de junho de 2013.[1]

Em 16 de junho de 2013, o Google começou um experimento-piloto na Nova Zelândia, onde cerca de 30 balões foram lançados em coordenação com a Autoridade de Aviação Civil em Lake Tekapo na Ilha Sul. Cerca de 50 usuários locais e em torno de Christchurch e na região de Canterbury testaram à rede utilizando antenas especiais.[1] Após este teste inicial, o Google tem planos de enviar até 300 balões ao redor do mundo no Paralelo 40 S que iria dar cobertura para a Nova Zelândia, Austrália, Chile e Argentina. Google espera, eventualmente, ter milhares de balões voando na estratosfera.[1][2]

Em maio de 2014, Astro Teller anunciou que, em vez de negociar uma seção de largura de banda que estava livre para eles em todo o mundo que, ao invés disso, se tornar uma estação base temporária que pode ser alugada pelos operadores móveis do país.

Em maio a junho de 2014 o Google testou seu empreendimento de acesso à Internet via balão no Piauí, Brasil, marcando os seus primeiros experimentos com LTE e foi lançado perto da linha do equador.[8]

Tecnologia[editar | editar código-fonte]

A tecnologia desenvolvida no projeto pode permitir a países para evitar o uso de cabos de fibra caros que teria de ser instalados no subsolo para permitir que os usuários se conectem à Internet. O Google sente que isso vai aumentar muito o uso da Internet nos países em desenvolvimento em regiões como a África e o sudeste da Ásia que não podem pagar para colocar cabo de fibra no subterrâneo.[9]

Os balões de polietileno de alta altitude voam ao redor do mundo sobre os ventos dominantes (principalmente em uma direção paralela com as linhas de latitude, ou seja, leste ou oeste). Painéis solares fornecidos pela PowerFilm, Inc aproximadamente do tamanho de uma mesa de jogo que estão logo abaixo dos balões de voo livre que geram eletricidade suficiente durante quatro horas para alimentar o transmissor por um dia e o feixe do sinal de Internet para baixo para as estações terrestres. Estas estações terrestres são espaçadas em cerca de 100 km de distância, ou dois balões, e envia o sinal para os outros balões que enviam o sinal de volta para baixo. Isso faz com que o acesso à Internet esteja disponível para qualquer pessoa no mundo que tem um receptor e que está dentro do alcance de um balão.[9] Atualmente, os balões se comunicam usando bandas não licenciadas ISM de 2.4 e 5.8 GHz,[10] o Google afirma que a configuração permite entregar "velocidades comparáveis à de 3G" para os usuários. Não está claro como as tecnologias que dependem de tempos curtos de comunicação (baixa latência de ping), tais como VoIP, pode precisar ser modificado para funcionar em um ambiente semelhante aos de telefones móveis, onde o sinal pode retransmitir por meio de vários balões antes de chegar à Internet mais ampla.[11][12]

A primeira pessoa a se conectar à "Google Balloon Internet" depois que os balões de teste iniciais foram lançados para a estratosfera foi um fazendeiro na cidade de Leeston, Nova Zelândia, que foi uma das 50 pessoas na área ao redor de Christchurch, que concordaram em ser um testador piloto para o Projeto Loon. O agricultor da Nova Zelândia que vivia na zona rural que não poderia ter acesso à Internet banda larga, e tinha usado um serviço de Internet via satélite em 2009, mas descobriu que ele às vezes tinha que pagar mais de US$ 1.000 por mês para o serviço. Os moradores não sabiam nada sobre o projeto secreto que não seja a sua capacidade para fornecer conectividade à Internet; os trabalhadores do projeto anexaram um receptor do tamanho de uma bola de basquete se que assemelha a um balão na cor vermelho-vivo de uma parede externa de uma propriedade, a fim de se conectar à rede.[9][13]

Os balões de alta altitude voam duas vezes mais altos que os aviões, mas abaixo dos satélites.[2] Cada balão fornece serviço de Internet em um raio de 20 km, cobrindo uma área de cerca de 1.256 km2.[9][14]

Equipamento[editar | editar código-fonte]

Um balão do Projeto Loon.

Os balões utilizados no projeto são feitos pela Raven Aerostar,[15] e são compostos de plástico de polietileno de 0.076 milímetros de espessura. Os balões são cheios de hélio, tem 15 m de diâmetro e 12 m de altura quando totalmente inflados, e carregam um sistema de bomba de ar sob encomenda apelidado de "Croce"[16] que bombeia ar para controlar o balão na sua elevação.[1] Uma pequena caixa de 10 kg contendo os equipamentos eletrônicos de cada balão paira sob o balão inflado. Esta caixa contém placas de circuitos que controlam o sistema, antenas de rádio e um Ubiquiti Networks Rocket M2[17] para se comunicar com outros balões e com antenas de Internet no chão, e baterias para armazenar energia solar para que os balões poderem operar durante a noite. Os eletrônicos de cada balão são alimentados por um conjunto de painéis solares que ficam entre o balão e o hardware. Em plena luz do dia, os painéis de produzem 100 watts de potência, o que é suficiente para manter a unidade funcionando ao mesmo tempo que carrega a bateria para uso à noite. Um pára-quedas é ligado à parte superior da caixa que permite uma descida controlada quando um balão está pronto para ser retirado de serviço.[10] No caso de uma falha inesperada, o pára-quedas é automaticamente acionado.[18] Quando colocado fora de serviço, o balão é guiado para um local bem acessível, e o hélio é liberado para a atmosfera. Os balões normalmente têm uma vida útil máxima em cerca de 55 dias, embora o Google afirma que seu projeto lhes permitam ficar no ar por mais de 100 dias.[11]

Os protótipos das estações terrestres usam Ubiquiti Networks Rocket M5[17] de rádio e uma antena personalizada[19] para se conectar aos balões que irradiam para baixo a Internet quando os balões estão em um raio de 20 km.[6] Alguns relatórios têm chamado o projeto do Google de "Google Balloon Internet".[2][20][21]

Incidentes[editar | editar código-fonte]

Em maio de 2014, um balão caiu em Washington, Estados Unidos.[22]

Em 20 de junho de 2014, um balão, caiu causando pequeno pânico na Nova Zelândia.[23]

Em 20 de novembro de 2014, um balão, caiu em Strydenburg, África do Sul.[24]

Em 27 de fevereiro de 2017, um balão, caiu em Autazes, Brazil.


Recepção[editar | editar código-fonte]

O Projeto Loon foi geralmente bem recebido, apesar das preocupações sobre a interferência de sinal foram referidas pela Square Kilometre Array (SKA) os desenvolvedores de projetos e astrônomos que se preocupam que a menor das duas bandas ISM que o Loon utiliza (2.4 GHz) irá interferir com da faixa de frequência entre (0.5 GHz-3 GHz) usado no Projeto SKA.[25]

O Google ainda não especificou os custos deste projeto.[26]

O primeiro-ministro da Nova Zelândia, John Key fez um discurso no evento de lançamento em Christchurch afirmando que a Internet é importante para a Nova Zelândia para ajudá-la globalmente distribuir o que produz em uma maneira de baixo custo quanto os próximos 4 bilhões de pessoas ficam online; John Key também reconheceu o potencial de utilização do projeto para recuperação de desastres.[27]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f Levy, Steven (14 June 2013). «How Google Will Use High-Flying Balloons to Deliver Internet to the Hinterlands». Wired. Consultado em 15 June 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  2. a b c d «Google to beam Internet from balloons». Agence France-Presse. Google. 15 June 2013. Consultado em 16 June 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  3. «Google launches Project Loon». The New Zealand Herald. 15 June 2013. Consultado em 15 June 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  4. Lardinois, Frederic (14 June 2013). «Google X Announces Project Loon: Balloon-Powered Internet For Rural, Remote And Underserved Areas». TechCrunch. Consultado em 15 June 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  5. a b Mack, Eric (14 June 2013). «Meet Google's 'Project Loon:' Balloon-powered 'net access». CNET. Consultado em 15 June 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  6. a b Brodkin, Jon (14 June 2013). «Google flies Internet balloons in stratosphere for a "network in the sky"». ArsTechnica. Consultado em 15 June 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  7. Sharma, Amol (20 February 2008). «Floating a New Idea For Going Wireless, Parachute Included». The Wall Street Journal. Consultado em 16 June 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  8. The Next Web: Google celebrates Project Loon's birthday with first LTE experiments and launch near the equator
  9. a b c d Perry, Nick; Mendoza, Martha (15 June 2013). «Google launches Internet-beaming balloons». The Associated Press. Consultado em 17 June 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  10. a b «How Loon Works». Google. Consultado em 16 June 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  11. a b Hodson, Hal (18 June 2013). «Google's Project Loon to float the internet on balloons». New Scientist. Consultado em 20 June 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  12. Misra, Archan; Das, Subir; McAuley, Anthony J. (2001). «Hierarchical Mobility Management for VoIP Traffic» (PDF). Consultado em 17 October 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  13. Smith, Mac; Heinrich, Mitch; Wasson, Brian (23 de agosto de 2013). «Ask Away: How was the antenna casing designed?» (Video). Google Project Loon. Consultado em 18 October 2013. 6s: "The challenge for us, we have this big network of balloons that can provide Internet connectivity to people on the ground, but the people who are getting that service can't actually see the balloons. In fact, the only thing that they see from day to day is the device that's attached to their house." - Mac Smith ... 35s: "so we decided to iterate on the antenna form to make it more balloon-like." - Brian Wasson  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  14. «Project Loon Provides 3G Speeds!». Google Project Loon. 4 de setembro de 2013. Consultado em 17 October 2013. Each Balloon can provide connectivity to a ground area about 40 km in diameter at speeds comparable to 3G.  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  15. «Project Loon: Raven Aerostar - Google Collaboration». Raven Aerostar. Consultado em 15 June 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  16. Gartner, Keegan; Ratner, Dan (14 de agosto de 2013). «Ask Away: How do the balloons move up and down?». Google Project Loon. Consultado em 18 October 2013. 58s into video: We call this air control system "Croce" because our co-worker lead saw the shape of our impeller housing was bottle shaped and started singing "Time in a Bottle" [by] Jim Croce  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  17. a b «Re: Internet for all». Ubiquiti Networks Community Forum. I've just been down to talk to the folks from Google, who are here in Christchurch, New Zealand, launching their pilot for Loon. One engineer told me "we use the Ubiquiti Rocket M2 for transceiving, and the M5 for groundstation uplink". He described the downwards-pointing antenna on the ballon, which sounded to me like a UniFi polar map, but on a bigger scale. They have modified the firmware to only work with other modified firmware Rockets.  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  18. Kelion, Leo (15 June 2013). «Google tests balloons to beam internet from near space». BBC News. Consultado em 21 June 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  19. Behroozi, Cyrus. «Ask Away: What's inside the Loon antenna?». Google Project Loon. Consultado em 18 October 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  20. «Google's ambitious Internet balloons soar above New Zealand». The Associated Press. CBS News. 15 June 2013. Consultado em 18 June 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  21. Mendoza, Martha; Perry, Nick (15 June 2013). «Google begins launching Internet-beaming balloons». The Associated Press. NBCNews. Consultado em 18 June 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  22. Lardinois, Frederic. «One of Google's Project Loon balloons crashed into power lines in Washington state». TechCrunch. AOL Inc. Consultado em 15 November 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  23. Sharwood, Simon (20 June 2014). «That's no plane wreck, that's a Google Wi-Fi balloon: unplanned splashdown scrambles New Zealand emergency services». The Register. Consultado em 15 November 2014  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  24. http://library.pressdisplay.com/pressdisplay/viewer.aspx
  25. Richard Chirgwin, Richard (17 June 2013). «Google launches broadband balloons, radio astronomy frets». The Register. Consultado em 25 June 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  26. Hall, Brian S. (19 June 2013). «A Handy Guide To Google's Project Loon». ReadWrite. Say Media Inc. Consultado em 3 October 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  27. Laura Smith-Spark, Laura (15 June 2013). «Up, up and away: Google to launch Wi-Fi balloon experiment». CNN.com. Cable News Network. Consultado em 25 October 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]