Root no Android

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O root ou rooting é um processo realizado em smartphones e em tablets com sistema operacional Android o qual permite que aplicativos instalados por usuários executem comandos privilegiados que tipicamente são indisponíveis em sua configuração padrão. O nome do procedimento advém do fato de o sistema Android ser baseado em Linux e este sistema possuir um superusuário, chamado root, que possui acesso a comandos, a configurações e a áreas sensíveis do sistema de arquivos do sistema operacional.

O processo de rooting permite ao usuário remover, alterar ou substituir aplicativos de sistema ou pré-instalados de fábrica - liberando, desta forma, espaço na memória interna do dispositivo -, utilizar aplicativos especializados - que requerem permissões administrativas - ou realizar operações de outra forma inacessíveis a um usuário comum. O processo também possibilita a substituição do sistema operacional original do dispositivo por outro.

Historicamente, o HTC Dream foi o primeiro smartphone com Android a sofrer o processo de rooting,[1] com instruções publicadas no fórum XDA 21 dias após seu lançamento oficial.[2]

Procedimentos[editar | editar código-fonte]

O processo de root varia de acordo com o dispositivo, mas em geral inclui explorar uma ou mais falhas de segurança no firmware do aparelho. Uma vez que um exploit é descoberto, uma imagem de recuperação personalizada pode ser gravada, contornando a verificação de assinatura digital para a atualização do firmware. Por exemplo, o arquivo binário su pode ser copiado para algum local registrado na variável PATH (como em /system/xbin/) e conceder permissões de execução com o comando chmod. Uma aplicação de supervisão, como o SuperSU, pode, desta forma, regular e registrar solicitações de elevação de privilégio de outras aplicações.

Dificuldades[editar | editar código-fonte]

No passado, muitos fabricantes tentaram produzir telefones não-rooteáveis com proteções mais elaboradas, apesar de eles continuarem podendo sofrer o procedimento de alguma outra forma. Pode não haver exploits para modelos de telefones lançados recentemente, mas algum geralmente é disponibilizado dentro de poucos meses.

Alguns métodos de rooting envolvem a utilização de prompts de comando e de uma interface de desenvolvimento chamada Android Debug Bridge, ou ADB, enquanto outros podem se valer de aplicativos especializados e serem tão simples quando pressionar um botão.

A prática de rooting atualmente, em geral, exige o desbloqueio do bootloader (em aparelhos de algumas marcas), que acarreta na perda de todos os dados armazenados no dispositivo. Além disso, poderá haver problemas com atualizações e riscos de segurança.[3]

Reação da indústria[editar | editar código-fonte]

Até 2010, os fabricantes de telefones inteligentes e de tablets, assim como as operadoras de telefonia celular, em geral não apoiavam o desenvolvimento de firmwares alternativos. Os fabricantes expressaram preocupação acerca de mau funcionamento dos dispositivos executando software não oficial,[4] assim como dos custos de suporte técnico. Além disso, firmwares como CyanogenMod podem oferecer recursos pelos quais as operadoras geralmente cobrariam alguma tarifa extra, como Tethering.

Devido a isso, obstáculos técnicos, como gerenciadores de inicialização travados e acesso restrito às permissões de root começaram a ser introduzidos em muitos dispositivos. No entanto, como os softwares desenvolvidos pela comunidade começaram a crescer em popularidade no final de 2009, início de 2010,[5][6] os fabricantes e as operadoras começaram a mudar suas posições. Atualmente, alguns fabricantes como HTC,[7] Samsung,[8] Motorola[9] e Sony Mobile Communications[10] apóiam e encorajam o desenvolvimento.

Aspectos legais[editar | editar código-fonte]

Tratados internacionais influenciaram o desenvolvimento de leis afetando o rooting. O Acordo de Direitos Autorais da OMPI, de 1996, exige que as nações participantes deste tratado promulguem leis contra a circunvenção de DRM. A implementação estadunidense é a Digital Millennium Copyright Act, que inclui um processo para estabelecer isenções para fins que não infrinjam os direitos autorais, como o rooting. A Directiva da União Europeia sobre direito de autor implementou o tratado na Europa em 2001, exigindo que os países membros da União Europeia implementassem proteções legais para medidas de proteção tecnológica. Essa diretiva possui exceções para permitir quebrar essas medidas para fins que não infrinjam os direitos autorais, tais como executar softwares alternativos,[11] mas os Estados-membros variam na implementação da Diretiva.

Brasil[editar | editar código-fonte]

A maioria dos fabricantes afirma que a realização do rooting acarretará a perda imediata da garantia do aparelho. No Brasil, porém, o Código de Defesa do Consumidor assegura uma garantia legal de 90 dias após a data da compra do dispositivo contra defeitos de fabricação. Alguns juristas argumentam que a prática do root não caracteriza mau uso do produto e veem problemas nos aspectos legais nos contratos de isenção que o proprietário do dispositivo é obrigado a aceitar eletronicamente para obter os códigos de acesso necessários à realização do procedimento.[12]

Referências

  1. «Which was the First Android Rooted Device and Custom ROM?». Consultado em 26 de Fevereiro de 2016 
  2. «How-to- Root, Hack, and Flashing your G 1/Dream Read first!!». Consultado em 26 de Fevereiro de 2016 
  3. «5 motivos para não fazer root em seu dispositivo com Android». Consultado em 25 de Fevereiro de 2016 
  4. «Unlock Bootloader». Consultado em 30 de outubro de 2011 
  5. Jason Perlow (18 de janeiro de 2011). «CyanogenMod CM7: Teach your old Droid New Tricks». ZDNet. Consultado em 4 de janeiro de 2012 
  6. «MIUI firmware is "popular"». AndroidAndMe. 16 de agosto de 2011. Consultado em 4 de janeiro de 2012 
  7. «HTC's bootloader unlock page». Htcdev.com. Consultado em 4 de janeiro de 2012 
  8. «CyanogenMod supported by Samsung, gives away Galaxy S2 to devs». ITMag. Consultado em 9 de dezembro de 2015 
  9. «Motorola Offers Unlocked Bootloader Tool». Techcrunch.com. 24 de outubro de 2011. Consultado em 4 de janeiro de 2012 
  10. Dahlström, Karl-Johan. «Sony Ericsson supports independent developers». Sony Mobile Communications. Consultado em 9 de dezembro de 2015 
  11. Duncan Geere (28 de julho de 2010). «Investigation: Is it legal to jailbreak a UK iPhone?». Wired UK. Consultado em 26 de outubro de 2012 
  12. «Root x Garantia: Visão Jurídica». Consultado em 25 de Fevereiro de 2016 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre Informática é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.