Grande potência

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Grandes potências)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde janeiro de 2013). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Mapa refletindo as categorias do poder nas relações internacionais.[1]
  Países frequentemente considerados superpotências
  Países frequentemente considerados grandes potências
  Países frequentemente considerados potências regionais
  Países frequentemente considerados médias potências

Uma grande potência é uma nação ou o estado que, pela sua grande força econômica, política e militar, é capaz de exercer o poder por cima da diplomacia mundial. As suas opiniões são fortemente consideradas por outras nações antes de empreender uma ação diplomática ou militar. Caracteristicamente, eles têm a capacidade de intervir militarmente em quase qualquer lugar, e eles também têm o poder suave, cultural, muitas vezes na forma de investimento econômico em porções menos desenvolvidas do mundo.

Há um grande debate quanto a quais nações constituem as grandes potências do mundo. Basicamente a pergunta foi respondida pelo recurso "ao bom senso". Isto levou a muita análise subjetiva, com pouco acordo em uma lista definitiva. Uma segunda aproximação que foi tomada, foi uma tentativa de desenvolver uma noção conceptual de grandes potências — critérios derivam que então podem ser aplicados em um exame histórico para identificar aqueles países que têm, ou tiveram, esta posição.

História[editar | editar código-fonte]

Ao longo da história, existiram diferentes grupos grandes potências, ou de potências relevantes; contudo o termo grande potência só foi usado como um discurso escolar ou diplomático desde o Congresso de Viena da era pós-napoleônica em 1815. O Congresso estabeleceu o Concerto da Europa como uma tentativa de conservar a paz depois dos anos das Guerras Napoleônicas.

O Lord Castlereagh, Secretário do Exterior Britânico, usou o termo pela primeira vez no seu contexto diplomático, em uma carta remetida em 13 de Fevereiro de 1814. Ele afirmou que:

O Congresso de Viena compôs-se de cinco potências principais: o Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda, o Império Austríaco, o Reino da Prússia, o Reino da França, e o Império Russo. Os reinos de Espanha, Portugal e Suécia foram consultados em certos problemas específicos, mas eles não foram participantes cheios. Em questões que se relacionam com a atual Alemanha, os reinos de Hanôver, da Baviera e de Württemberg também foram consultados. Esses cinco participantes primários constituíram as grandes potências originais como conhecemos o termo hoje.

Dentro de algum tempo, essas cinco potências originais foram sujeitas à maré habitual e o fluxo de eventos. Alguns, como o Reino Unido e a Prússia (que se tornou parte de um Império Alemão unificado), crescimento econômico contínuo e poder político. Os outros, como o Império Russo e o Império Austro-Húngaro, lentamente ossificaram-se. Ao mesmo tempo, outros estados emergiam e expandiam-se no poder; os dianteiros dos quais foram o Império do Japão (Restauração Meiji) no Extremo Oriente, Reino da Itália (Risorgimento) na Europa e os Estados Unidos (após sua guerra civil) na América. Claramente, na alvorada do século XX, o equilíbrio do poder mundial tinha-se modificado substancialmente desde 1815 e o Congresso de Viena. A Aliança das Oito Nações (Império Austro-Húngaro, República Francesa, Império Alemão, Reino da Itália, Império do Japão, Império Russo, Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda e Estados Unidos da América) formada em 1900 para invadir o Império Chinês representou o clube das grandes potências no início do século XX.

Um dos carimbos do status de grande potência contemporânea são os assentos permanentes do Conselho de Segurança da ONU.

Os turnos do poder internacional ocorreram mais notavelmente por conflitos principais. Na sequência da Primeira Guerra Mundial, o Império Alemão foi derrotado, o Império Austro-Húngaro foi dividido em novos Estados menos poderosos e o Império Russo caiu em uma revolução. A conclusão da guerra e o resultante Tratado de Versalhes viu o Reino Unido, a França, o Itália, os Estados Unidos e o Japão como os principais árbitros da nova ordem mundial. O fim da Segunda Guerra Mundial viu os Estados Unidos, o Reino Unido e a União Soviética emergirem como os vencedores primários. A importância da China e da França foi reconhecida pela sua inclusão (junto com "os três Grandes") no grupo de países com assentos permanentes no Conselho de Segurança das Nações Unidas.

O Japão e a Alemanha (após sua reunificação) são também grandes potências, embora devido às suas grandes economias avançadas (tendo a terceira e a quarta maiores economias, respectivamente), em vez das suas capacidades estratégicas e de poder duro (isto é, a falta de lugares permanentes e o poder de veto no Conselho de Segurança da ONU; Alcance militar estratégico). A Alemanha tem sido membro juntamente com os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança no grupo P5 + 1 das potências mundiais. Em sua publicação de 2014, Great Power Peace e American Primacy, Joshua Baron considera a China, a França, a Rússia, a Alemanha, o Japão, o Reino Unido e os Estados Unidos como as grandes potências atuais.

A Itália tem sido descrita como uma grande potência por um número de acadêmicos e comentadores na era após a Segunda Guerra Mundial.[2][3][4][5] A estudiosa de lei internacional americana Milena Sterio escreve:

As grandes potências são estados super soberanos: um clube exclusivo dos estados mais poderosos economicamente, militarmente, politicamente e estrategicamente. Esses estados incluem aqueles com poder de veto membros do Conselho de Segurança da ONU (EUA, China, Rússia, França e Reino Unido), assim como potências econômicas tais como a Alemanha, Itália e Japão.[3]


Sterio também cita o status da Itália no Grupo dos Sete (G7) e a influência da nação em organizações regionais e internacionais como sendo o de uma grande potência.[3] Outros analistas assertam que a Itália é uma "potência intermitente" ou a "menor das grandes potências",[6][7] Enquanto outros acreditam que a Itália é uma potência regional ou média.[8][9][10]

Desde o fim das Guerras Mundiais, o termo grande potência foi juntado por um número de outras classificações de poder. Dianteiro entre esses é o conceito de superpotência, usada para descrever aquelas nações com o poder esmagador sobre o resto do mundo. Média potência emergiu como um termo referente àquelas nações que exercem um grau da influência global, mas insuficiente para ser decisivas em assuntos internacionais. As Potências regionais são aquelas cuja influência é confinada à sua região, os termos Potência principal e Potência global emergiram como os sinônimos de grande potência.


1815 1878 1900 1919 1939 1945 c. 2000 c. 2010
 Prússia[11][12][13]  Alemanha[14]  Alemanha[15]  Alemanha[16]  Alemanha[2][11][17][3][4][18]  Alemanha[2][11][17][18][19][20]
 Áustria[11][12][13]  Áustria-Hungria[14]  Áustria-Hungria[15]
 China[11][21]  China[11][21][17][18][22][23]  China[11][21][17][18][22][24]
 Estados Unidos[15]  Estados Unidos[25]  Estados Unidos[16]  Estados Unidos[11][21][26]  Estados Unidos[2][11][21][17][27][3][4][18]  Estados Unidos[2][11][21][17][27][3][4][18]
Flag of the Kingdom of France (1814-1830).svg França[11][12][13]  França[14]  França[15]  França[25]  França[16]  França[11][21]  França[2][11][21][17][3][4][18]  França[2][11][21][17][18][28]
 Itália[29][30][31][32]  Itália[15]  Itália[25]  Itália[16]  Itália[2][3][4][33][34][35]  Itália[2][3][4][36][37][38]
 Japão[15]  Japão[25][nota 1]  Japão[16]  Japão[11][17][22][39][3][18]  Japão[11][17][22][39][18][40]
 Império Britânico[11][12][13]  Império Britânico[14]  Império Britânico[15]  Império Britânico[25]  Reino Unido[nota 2][16]  Reino Unido[11][21][26]  Reino Unido[2][17][21][11][3][4][41][18][42][43]  Reino Unido[2][17][21][11][18][28][44]
 Rússia[11][12][13]  Rússia[14]  Rússia[15]  União Soviética[16]  União Soviética[11][21][26]  Rússia[11][21][17][22][3][4][18]  Rússia[11][21][17][22][18][45]

Referências

  1. Adam Chapnick, The Middle Power.
  2. a b c d e f g h i j k Canada Among Nations, 2004: Setting Priorities Straight. [S.l.]: McGill-Queen's Press - MQUP. 17 de janeiro de 2005. p. 85. ISBN 0773528369. Consultado em 13 de junho de 2016.  ("The United States is the sole world's superpower. France, Italy, Germany and the United Kingdom are great powers")
  3. a b c d e f g h i j k l Sterio, Milena (2013). The right to self-determination under international law : "selfistans", secession and the rule of the great powers. Milton Park, Abingdon, Oxon: Routledge. p. xii (preface). ISBN 0415668182. Consultado em 13 de junho de 2016.  ("The great powers are super-sovereign states: an exclusive club of the most powerful states economically, militarily, politically and strategically. These states include veto-wielding members of the United Nations Security Council (United States, United Kingdom, France, China, and Russia), as well as economic powerhouses such as Germany, Italy and Japan.")
  4. a b c d e f g h i Transforming Military Power since the Cold War: Britain, France, and the United States, 1991–2012. [S.l.]: Cambridge University Press. 2013. p. 224. ISBN 1107471494. Consultado em 13 de junho de 2016.  (During the Kosovo War (1998) "...Contact Group consisting of six great powers (the United states, Russia, France, Britain, Germany and Italy).")
  5. Why are Pivot States so Pivotal? The Role of Pivot States in Regional and Global Security. Netherlands: The Hague Centre for Strategic Studies. 2014. p. Table on page 10 (Great Power criteria). Consultado em 14 de junho de 2016.. Arquivado do original em 11 de outubro de 2016 
  6. editors, Dimitris Bourantonis, Marios Evriviades (1997). A United Nations for the twenty-first century : peace, security, and development. Boston: Kluwer Law International. p. 77. ISBN 9041103120. Consultado em 13 de junho de 2016. 
  7. Italy: 150 years of a small great power, eurasia-rivista.org, 21 December 2010
  8. Verbeek, Bertjan; Giacomello, Giampiero (2011). Italy's foreign policy in the twenty-first century : the new assertiveness of an aspiring middle power. Lanham, Md.: Lexington Books. ISBN 978-0-7391-4868-6 
  9. "Operation Alba may be considered one of the most important instances in which Italy has acted as a regional power, taking the lead in executing a technically and politically coherent and determined strategy." See Federiga Bindi, Italy and the European Union (Washington, D.C.: Brookings Institution Press, 2011), p. 171.
  10. "Italy plays a prominent role in European and global military, cultural and diplomatic affairs. The country's European political, social and economic influence make it a major regional power." See Italy: Justice System and National Police Handbook, Vol. 1 (Washington, D.C.: International Business Publications, 2009), p. 9.
  11. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x Peter Howard (2008). «Great Powers». Encarta. MSN. Consultado em 20 de dezembro de 2008.. Arquivado do original em 31 de outubro de 2009 
  12. a b c d e Fueter, Eduard (1922). World history, 1815–1920. United States of America: Harcourt, Brace and Company. pp. 25–28, 36–44. ISBN 1584770775 
  13. a b c d e Danilovic, Vesna. "When the Stakes Are High—Deterrence and Conflict among Major Powers", University of Michigan Press (2002), pp 27, 225–228 (PDF chapter downloads) (PDF copy).
  14. a b c d e McCarthy, Justin (1880). A History of Our Own Times, from 1880 to the Diamond Jubilee. New York, United States of America: Harper & Brothers, Publishers. pp. 475–476 
  15. a b c d e f g h Dallin, David. The Rise of Russia in Asia. [S.l.: s.n.] 
  16. a b c d e f g Harrison, M (2000) The Economics of World War II: Six Great Powers in International Comparison, Cambridge University Press.
  17. a b c d e f g h i j k l m n T. V. Paul; James J. Wirtz; Michel Fortmann (2005). Balance of Power. United States of America: State University of New York Press, 2005. pp. 59, 282. ISBN 0791464016  Accordingly, the great powers after the Cold War are Britain, China, France, Germany, Japan, Russia, and the United States p.59
  18. a b c d e f g h i j k l m n Baron, Joshua (22 de janeiro de 2014). Great Power Peace and American Primacy: The Origins and Future of a New International Order. United States: Palgrave Macmillan. ISBN 1137299487 
  19. Otte M, Greve J (2000) A Rising Middle Power?: German Foreign Policy in Transformation, 1989-1999, St. Martin's Press
  20. Sperling, James (2001). «Neither Hegemony nor Dominance: Reconsidering German Power in Post Cold-War Europe». British Journal of Political Science. 31 (2). doi:10.1017/S0007123401000151 
  21. a b c d e f g h i j k l m n o Louden, Robert (2007). The world we want. United States of America: Oxford University Press US. 187 páginas. ISBN 0195321375 
  22. a b c d e f UW Press: Korea's Future and the Great Powers
  23. Yong Deng and Thomas G. Moore (2004) "China Views Globalization: Toward a New Great-Power Politics?" The Washington Quarterly[ligação inativa]
  24. Yong Deng and Thomas G. Moore (2004) "China Views Globalization: Toward a New Great-Power Politics?" The Washington Quarterly[ligação inativa]
  25. a b c d e MacMillan, Margaret (2003). Paris 1919. United States of America: Random House Trade. pp. 36, 306, 431. ISBN 0-375-76052-0 
  26. a b c The Superpowers: The United States, Britain and the Soviet Union – Their Responsibility for Peace (1944), written by William T.R. Fox
  27. a b «Analyzing American Power in the Post-Cold War Era». Consultado em 28 de fevereiro de 2007. 
  28. a b P. Shearman, M. Sussex, European Security After 9/11(Ashgate, 2004) - According to Shearman and Sussex, both the UK and France were great powers now reduced to middle power status.
  29. Kennedy, Paul (1987). The Rise and Fall of the Great Powers. United States of America: Random House. p. 204. ISBN 0-394-54674-1 
  30. Best, Antony; Hanhimäki, Jussi; Maiolo, Joseph; Schulze, Kirsten (2008). International History of the Twentieth Century and Beyond. United States of America: Routledge. p. 9. ISBN 0415438969 
  31. Wight, Martin (2002). Power Politics. United Kingdom: Continuum International Publishing Group. p. 46. ISBN 0826461743 
  32. Waltz, Kenneth (1979). Theory of International Politics. United States of America: McGraw-Hill. p. 162. ISBN 0-07-554852-6 
  33. "Italy plays a prominent role in European and global military, cultural and diplomatic affairs. The country's European political, social and economic influence make it a major regional power." See Italy: Justice System and National Police Handbook, Vol. 1 (Washington, D.C.: International Business Publications, 2009), p. 9.
  34. Italy: 150 years of a small great power, eurasia-rivista.org, 21 December 2010
  35. Verbeek, Bertjan; Giacomello, Giampiero (2011). Italy's foreign policy in the twenty-first century : the new assertiveness of an aspiring middle power. Lanham, Md.: Lexington Books. ISBN 978-0-7391-4868-6 
  36. "Italy plays a prominent role in European and global military, cultural and diplomatic affairs. The country's European political, social and economic influence make it a major regional power." See Italy: Justice System and National Police Handbook, Vol. 1 (Washington, D.C.: International Business Publications, 2009), p. 9.
  37. Italy: 150 years of a small great power, eurasia-rivista.org, 21 December 2010
  38. Verbeek, Bertjan; Giacomello, Giampiero (2011). Italy's foreign policy in the twenty-first century : the new assertiveness of an aspiring middle power. Lanham, Md.: Lexington Books. ISBN 978-0-7391-4868-6 
  39. a b Richard N. Haass, "Asia's overlooked Great Power", Project Syndicate April 20, 2007.
  40. Robert W. Cox, 'Middlepowermanship, Japan, and Future World Order, International Journal, Vol. 44, No. 4 (1989), pp. 823-862.
  41. McCourt, David (28 de maio de 2014). Britain and World Power Since 1945: Constructing a Nation's Role in International Politics. United States of America: University of Michigan Press. ISBN 0472072218 
  42. Chalmers, Malcolm (maio de 2015). «A Force for Order: Strategic Underpinnings of the Next NSS and SDSR». Royal United Services Institute. Briefing Paper (SDSR 2015: Hard Choices Ahead): 2. While no longer a superpower (a position it lost in the 1940s), the UK remains much more than a 'middle power'. 
  43. Walker, William (22 de setembro de 2015). «Trident's Replacement and the Survival of the United Kingdom». International Institute for Strategic Studies, Global Politics and Strategy. 57 (5): 7-28. Consultado em 31 de dezembro de 2015.. Trident as a pillar of the transatlantic relationship and symbol of the UK's desire to remain a great power with global reach. 
  44. Chalmers, Malcolm (maio de 2015). «A Force for Order: Strategic Underpinnings of the Next NSS and SDSR». Royal United Services Institute. Briefing Paper (SDSR 2015: Hard Choices Ahead): 2. While no longer a superpower (a position it lost in the 1940s), the UK remains much more than a ‘middle power’. 
  45. Neumann, Iver B. (2008). «Russia as a great power, 1815–2007». Journal of International Relations and Development. 11: 128–151 [p. 128]. doi:10.1057/jird.2008.7. As long as Russia's rationality of government deviates from present-day hegemonic neo-liberal models by favouring direct state rule rather than indirect governance, the West will not recognize Russia as a fully fledged great power. 


Erro de citação: Existem elementos <ref> para um grupo chamado "nota", mas não foi encontrado nenhum <references group="nota"/> correspondente (ou falta um elemento de fecho </ref>)