Kamran Shah

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Kamran Shah
Personagem da série James Bond
Kamranshah.jpg
Profissão guerreiro mujahedin
Categoria aliado de James Bond
Status vivo
Interpretado(a) por Art Malik
Filmes 007 Marcado para a Morte (1987)

Kamran Shah é um personagem do filme 007 Marcado para a Morte (The Living Daylights), décimo-quinto da série cinematográfica de James Bond e primeiro com Timothy Dalton no papel do espião. Foi interpretado nas telas pelo ator britânico nascido no Paquistão, Art Malik.

Características[editar | editar código-fonte]

Um líder mujahedin da resistência contra a ocupação soviética no Afeganistão nos anos 80, educado na Universidade de Oxford, na Inglaterra, é o segundo em comando da resistência afegã no distrito leste do país. Salvo da morte na mãos dos soldados soviéticos por Bond e Kara Milovy depois de libertado da cadeia na base militar onde foi aprisionado por espionagem, torna-se um aliado de Bond e junto com seus homens o ajuda a destruir uma grande transação de ópio do vilão, o general Koskov, numa base aérea do país e a fugir. Faz um personagem amigo e engenhoso.[1]

No filme[editar | editar código-fonte]

Shah está preso numa cela da base russa numa região remota do Afeganistão quando Bond e Kara chegam também aprisionados. O espião consegue dominar seus captores com a ajuda dos dois e aprisioná-los nas celas, jogando as chaves para que o mujahedin possa também fugir. Quando Bond e Kara fogem pulando a cerca da base disfarçados de soldados soviéticos, são recebidos por guerreiros afegãos camuflados na areia de armas na mão, prontos a matá-los, no que são impedidos por Shah que vem logo atrás e avisa que eles não são russos e o ajudaram a fugir.[2]

Levados como hóspedes-prisioneiros ao quartel-general dos guerrilheiros, são introduzidos num palácio com um ambiente suntuoso e descobrem que Shah é na verdade o líder deles e não um simples resistente anônimo aprisionado pelo inimigo soviético. No dia seguinte, Bond e Kara acompanham Shah e seus homens para um encontro no Passo do Khyber com os homens da Irmandade do Leopardo da Neve, que vendiam ópio para o general Korkov em troca de diamantes para comprar armas e continuar a luta contra a invasão. Shah e seus homens ajudavam a escoltar os traficantes em troca de uma comissão para compra de armas. Bond então decide explodir a carga da droga vendida aos russos depois de eles entregarem os diamantes aos afegãos por ela, e conta com o apoio de Shah, escondendo-se num dos caminhões que retorna com a mercadoria para a base aérea, de onde será enviada para a URSS.[2]

Com a ajuda dos guerreiros de Shah, Bond sequestra o avião com a droga enquanto os mujahedins controlam a base em luta com os soldados de Koskov. Depois de matar Necros, o capanga de Koskov, que havia conseguido se esconder no compartimento de carga no avião antes da decolagem, Bond retorna o favor a Shah bombardeando os carros blindados que perseguiam os homens a cavalo de Shah em fuga de volta às montanhas.[2]

Na cena final do filme ele volta a aparecer durante a recepção após o concerto de Kara Milovy em Londres. Shah e alguns de seus homens surgem esbaforidos ao final da festa lamentando terem chegados atrasados por "problemas com a alfândega londrina". Olhando para ele e seus guerreiros em seus turbantes e trajes afegãos, cobertos de cartucheiras de balas, M, também presente, faz um de seus sarcásticos comentários de sempre:"Não posso imaginar por quê ...".[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Kamran Shah (Art Malik)». jamesbond multimedia. Consultado em 2 de fevereiro de 2016 
  2. a b c «The Living Daylights (1987)». filmsite.org. Consultado em 2 de fevereiro de 2016