Karel Čapek

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Karel Čapek
Nascimento 9 de janeiro de 1890
Malé Svatoňovice
Morte 25 de dezembro de 1938
Praga
Cidadania Checoslováquia
Progenitores Pai:Antonín Čapek
Cônjuge Olga Scheinpflugová
Alma mater Universidade Carolina
Ocupação escritor, romancista, realizador, fotógrafo, dramaturgo, jornalista, escritor de ficção científica, escritor de literatura infantil
Prêmios Recipient of the Order of Tomáš Garrigue Masaryk, 1st class
Magnum opus Q11082337, Q11241979, Q12031403, Q12031513, Q12059577, The Absolute at Large, Krakatit, Q12054415, Q4533491, Q4533536, The Gardener's Year, Q12035652, Q4533571, Hordubal, A Guerra das Salamandras, První parta, Q12022240, Život a dílo skladatele Foltýna, Q12034543, Q12034011, R.U.R., Pictures from the Insects' Life, The Makropulos Affair, Q10379802, The White Disease, The Mother, Q12021884, Q10824295, Q11995849, Q12042003, Q11722924, Q11774680, Q11862866, Q12039306, Q12020450, Q12027714
Causa da morte pneumonia
Assinatura
PodpisKarlaČapka.jpg

Karel Čapek (Malé Svatoňovice, 9 de Janeiro de 1890Praga, 25 de Dezembro de 1938) foi um escritor checo. Foi o criador da palavra Robot (a partir de robota, que, em sua língua e em outras línguas eslavas, pode significar trabalho exercido de forma compulsória, ou escravo).

História[editar | editar código-fonte]

poster da peça R.U.R.

Em 1921, Capek escreveu uma peça de teatro chamada R.U.R. (lançado no Brasil pela editora Hedra com o título A Fábrica de Robôs),[1] iniciais de "Rosumovi Univerzální Roboti". A peça conta a história de um cientista brilhante, chamado Rossum, que desenvolve uma substância química similar ao protoplasma. Ele utiliza essa substância para construção de humanoides (robôs), com o intuito de que estes sejam obedientes e realizem todo o trabalho físico.

Outras de obras suas são A Guerra das Salamandras, espécie de fábula acerca da descoberta de uma espécie de salamandras dotadas de elevada inteligência e que são escravizadas pelos humanos, numa visão extremamente crítica do capitalismo, da ciência e de diversos aspectos do mundo contemporâneo. Suas "Histórias Apócrifas" são uma série de contos baseados em fatos reais ou pretensamente reais, mas nos quais o autor inventa e insere "variantes" bastante irônicas, tal como num dos contos, no qual um padeiro de Jerusalém conversava com um amigo, dizendo que estava atraído pelos ensinamentos do rabi Jesus, mas que tinha desistido de tal atitude, após descobrir que o rabi teria algo contra os padeiros, uma vez que teria promovido um milagre de multiplicação de pães e criado grande prejuízo para todos os padeiros.

Čapek também praticou literatura infantil, com "Dachenca: a história de uma cachorrinha", que narra carinhosamente a história de uma pequena cadela Fox Terrier, chamada Dachenca. A história é muito bem humorada e inteligente, além de ser enriquecida com desenhos da cachorrinha, feitos pelo próprio autor.


Referências

  1. Bráulio Tavares (30 de dezembro de 2011). «Livro explora novos rumos na ficção científica». Folha de S.Paulo 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • A Guerra das Salamandras. Rio de Janeiro: Editora Record, 2011.
  • Dachenca: a história de uma cachorrinha. Belo Horizonte: Veredas, 2003.
  • Histórias Apócrifas. São Paulo: Ed. 34, 1994.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Karel Čapek


Ícone de esboço Este(a) artigo sobre um(a) escritor(a) de ficção científica e fantasia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.