Mário Bunge

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mário Bunge
Filosofia do século XX e Filosofia do século XXI
Bunge em 2007
Nome completo Mario Augusto Bunge
Escola/Tradição: Filosofia analítica
Data de nascimento: 21 de setembro de 1919 (98 anos)
Local: Buenos Aires, Argentina
Principais interesses: Filosofia da ciência
Pseudociência
Filosofia da física
Emergentismo
Realismo científico
Religião Ateu
Trabalhos notáveis Treatise on Basic Philosophy, 1974-1989
Influências: Carl Gustav Hempel
Ernest Nagel
Rudolf Carnap
Ludwig von Bertalanffy

Mario Augusto Bunge (Florida Oeste, Buenos Aires, Argentina, 21 de setembro de 1919) é um físico, filósofo da ciência e humanista argentino, defensor do realismo científico, do sistemismo e da filosofia exata. É conhecido por expressar publicamente sua posição contra as pseudociências, entre as quais inclui a psicanálise, a homeopatia e a microeconomia neoclássica (ou ortodoxa) e manifestar críticas contra correntes filosóficas como o existencialismo, a fenomenologia, o pós-modernismo, a hermenêutica e o feminismo filosófico. Atualmente, Mario Bunge trabalha como professor de lógica e metafísica na McGill University do Montreal.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Bunge começou seus estudos na Universidade Nacional de La Plata, graduando-se com um Ph.D. em ciências físico-matemáticas em 1952. Foi professor de física teórica e filosofia, de 1956 a 1966, pela primeira vez em La Plata, em seguida, na Universidade de Buenos Aires. Ele é atualmente o Professor de lógica e metafísica na Universidade McGill, em Montreal, onde tem sido desde 1966.[1][2]

Mario Bunge foi premiado com dezesseis doutorados honorários e quatro cátedras honorárias por universidades tanto das Américas quanto da Europa. Bunge é membro da American Association for the Advancement of Science (desde 1984) e da Royal Society of Canada (desde 1992). Em 1982, ele foi premiado com o Prêmio Príncipe de Asturias, em 2009, com a bolsa Guggenheim[3] e, em 2014, com o prêmio Ludwig von Bertalanffy em Complexity Thinking.[4]

Interesses[editar | editar código-fonte]

Seus interesses incluem filosofia geral (semântica, ontologia, epistemologia, metodologia de pesquisa, praxiologia e da ética) e aplicada (física, biologia, psicologia e ciências sociais), sem negar considerações sobre a filosofia da lógica e da matemática como a base não só de seu trabalho científico, mas também filosófico. Considera a matemática apenas como dedutiva, sem enfatizar a fase de produção (de pesquisa), utilizando experimentação, intuição, casos finitos e analogia, tal como considera o matemático húngaro George Polya (1887-1985). Também declarou sobre setenta matemáticos que trabalham nos Estados Unidos, incluindo o matemático finlandês Lars Ahlfors (1907-1996). Neste contexto, ele fundou a Sociedade para Filosofia Exata,[5] que procura empregar apenas conceitos exatos, definidos pela lógica ou matemática, a fim de evitar ambiguidades e característica imprecisão de outros estilos filosóficos, incluindo o fenomenológico, o pós-moderno (especialmente a hermenêutica) e causa (ao mesmo tempo que estimula) o tratamento de problemas não-triviais como contraste com a gigantesca produção filosófica livresca que recursivamente interpreta as opiniões dos outros filósofos ou que tratam com objetos ideais ou mundos possíveis.[6]

Trabalhos e enfoque filosófico[editar | editar código-fonte]

Bunge é um intelectual muito prolífico, tendo escrito mais de 400 artigos e 80 livros, notadamente seu Monumental Tratado em Filosofia Básica em 8 volumes (1974-1989), Bunge fez um estudo abrangente e rigoroso desses aspectos filosóficos que são considerados o núcleo da filosofia moderna: semântica, ontologia, epistemologia, filosofia da ciência e ética. Aqui, Bunge desenvolve uma perspectiva científica abrangente, que aplica-se a várias ciências naturais e sociais.[carece de fontes?]

A concepção filosófica da Bunge pode descrever, como tem feito repetidamente, usando uma combinação de vários "ismos", dos quais os principais são realismo, o cientificismo, materialismo e sistemismo.[7][8][9]

O realismo científico de Bunge inclui aspectos ontológicos (as coisas têm existência independente de um sujeito que as conhecem), epistemológicos (a realidade é inteligível) e éticos (há fatos morais e verdades morais objetivas) de seu pensamento. Cientificismo é a concepção que afirma que o melhor conhecimento da realidade é o obtido por aplicação do método de investigação científica. Materialismo, que sustenta que tudo o que existe é material (por exemplo, para Bunge, a energia é uma propriedade da matéria). Sistemismo, por final, é a visão de que tudo o que existe é um sistema ou parte de um sistema.[carece de fontes?]

Neste quarteto deve adicionar mais dois "ismos": emergentismo, que está associado com sistemismo, e é caracterizada pela tese de que os sistemas têm propriedades sistêmicas, globais ou emergentes e suas partes componentes, portanto, são irredutíveis a propriedades de níveis organizacionais inferiores; e agatonismo, a concepção bungeana de ética, que é guiado pela máxima "Aproveite a vida e ajude os outros a viver uma digna para ser apreciada" e supõe que cada direito correspondente a um dever e vice-versa.[9][10]

Seu pensamento ainda encarna o racionalismo e o consequencialismo. Bunge tem repetidamente e explicitamente negado ser um positivista lógico, e tem escrito sobre a metafísica. Na arena política, Bunge definiu-se como um liberal de esquerda e socialista democrático, na tradição de John Stuart Mill e José Ingenieros.[11]

Popularmente, ele é conhecido por suas declarações considerando a psicanálise como um exemplo de pseudociência.[12][nota 1]

Publicações selecionadas[editar | editar código-fonte]

  • 1974–89. Treatise on Basic Philosophy: 8 volumes:
    • I: Sense and Reference. Dordrecht: Reidel, 1974.
    • II: Interpretation and Truth. Dordrecht: Reidel, 1974.
    • III: The Furniture of the World. Dordrecht: Reidel, 1977.
    • IV: A World of Systems. Dordrecht: Reidel, 1979.
    • V: Epistemology and Methodology I: Exploring the World. Dordrecht: Reidel, 1983.
    • VI: Epistemology and Methodology II: Understanding the World. Dordrecht: Reidel, 1983.
    • VII: Epistemology and Methodology III: Philosophy of Science and Technology: Part I. Formal and Physical Sciences. Dordrecht: Reidel, 1985. Part II. Life Science, Social Science and Technology. Dordrecht: Reidel, 1985.
    • VIII: Ethics: the Good and the Right. Dordrecht: D. Reidel, 1989.
  • Bunge, Mario (1997). Ciencia, Técnica y Desarrollo. Buenos Aires: Editorial Sudamericana. ISBN 9789500712408 
  • Bunge, Mario Augusto (1973). Filosofia da fisica. Lisboa: Edições 70 
  • Bunge, Mario Augusto (1985). Racionalidad y realismo. Madri: Alianza. ISBN 9788420624457 
  • Bunge, Mario (1985). Seudociencia e ideologia. Madri: Alianza. ISBN 9789686001556 
  • Bunge, Mario (1974). Teoria e realidade. São Paulo: Perspectiva. ISBN 9788527308380 
  • Bunge, Mario. «Una caricatura de la ciencia: la novisima sociologia de la ciencia». Interciencia, Caracas. 16 (2): 69-77. ISSN 0378-1844 

Notas

  1. O Treatise on Basic Philosophy é seu principal trabalho e engloba o que ele considera "o núcleo da filosofia contemporânea": a semântica (teorias de verdade e sentido), a ontologia (teorias gerais do mundo), a epistemologia (teorias do conhecimento) e a ética (teorias de valor da ação correta). Por cerca de 20 anos Bunge esteve envolvido na elaboração de sua magnus opus para investigar e sintetizar a filosofia contemporânea em um sistema único e abrangente que é compatível filosoficamente e cientificamente com o avanço do conhecimento humano. A - Treatise on Basic Philosophy: Semantics (I & II), Ontology (III-IV), Epistemology and Methodology (V-VII) Axiology and Ethics (VIII).[13]

Referências

  1. Spitzberg, Daniel. «Profile. Mario Bunge: Philosophy in flux» (em inglês). McGill Reporter. Consultado em 18 de março de 2018.. Cópia arquivada em 9 de setembro de 2017 
  2. «Mario Bunge» (em inglês). John Simon Guggenheim Memorial Foundation. Consultado em 18 de março de 2018.. Cópia arquivada em 22 de junho de 2011 
  3. «BIOGRAPHY: Dr. M. BUNGE» (em inglês). University of Ottawa. Consultado em 19 de março de 2018.. Arquivado do original em 15 de fevereiro de 2009 
  4. «Ludwig von Bertalanffy Award in Complexity Thinking». www.bcsss.org. Bertalanffy Center for the Study of Systems Science (BCSS). Consultado em 18 de março de 2018.. Cópia arquivada em 15 de outubro de 2017 
  5. «SEP - Society for Exact Philosophy». web.phil.ufl.edu 
  6. «Los primeros 98 años de Mario Bunge» (em espanhol) 
  7. Marone, Luis; e González del Solar, Rafael (2000): "Homenaje a Mario Bunge, o por qué en ecología las preguntas deberían comenzar con 'por qué'". Em Denegri, Guillermo; e Martínez, Gladys E.: Tópicos actuales en filosofía de la ciencia. Homenaje a Mario Bunge en su 80.º aniversario (págs. 153 a 178). Mar del Plata: Martín, 2000.
  8. Bunge, Mario: A la caza de la realidad. La controversia sobre el realismo. Barcelona: Gedisa, 2007.
  9. a b «Como é a filosofia de Mario Bunge? Uma síntese conceitual». Universo Racionalista. 2014. Consultado em 16 de janeiro de 2015. 
  10. Bunge, M.(2002) Ser, saber hacer. México: Paidós Mexicana. P. 38-49.
  11. Bunge, M.(2009) Filosofía política. Solidaridad, cooperación y democracia integral. Barcelona: Gedisa.
  12. «Is Psychoanalysis Science or Pseudoscience? - RealClearScience» 
  13. Corazzon, Raul. «Selected Bibliography on the Scientific Philosophy of Mario Bunge». Theory and History of Ontology (em inglês). Consultado em 18 de Março de 2018.. Cópia arquivada em 15 de setembro de 2017 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Mário Bunge