Nick Fry

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Nick Fry (Epsom, 29 de Junho de 1956) foi o diretor executivo da equipe de Fórmula 1 Mercedes.[1][2] Antes, Fry desempenhava a mesma função nas antigas British American Racing (BAR), Honda e Brawn GP.[3] Também foi diretor e um dos responsáveis pela expansão da Prodrive.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Sua carreira no automobilismo começou com a Ford Motor Company em 1977,[4] como estagiário de pós-graduação da Universidade do País de Gales com uma licenciatura em economia. Primeiro, Fry trabalhou na área de vendas e, em seguida, pesquisa de mercado. Em 1978, foi transferido para a área de desenvolvimento de produto. Ele ajudou a desenvolver uma variedade de modelos ao longo dos doze anos que esteve presente na função, incluindo modelos como o Ford Escort Cosworth, o RS200 e outros. Ele também passou um período na Aston Martin no início dos anos 1990, enquanto a empresa estava sob a propriedade da Ford, supervisionando o desenvolvimento e lançamento do modelo DB7. Após este período na Aston Martin, ele retornou à Ford em 1995, assumindo o cargo de diretor de engenharia de serviço na divisão de atendimento ao cliente.

Em janeiro de 2001, Fry foi nomeado diretor da Prodrive, onde foi responsável por liderar a expansão da empresa em serviços de engenharia terceirizada. Dentro de quatro meses, a Prodrive tinha uma lista de encomendas cheia para 2001 e passos importantes foram tomadas medidas para o crescimento da empresa no Reino Unido e além, com a aquisição do Grupo Tickford. Essa expansão fez com que Fry se tornasse diretor administrativo do Grupo, supervisionando as operações de engenharia e de corrida da empresa.[5]

Em janeiro de 2002, ele foi nomeado diretor administrativo da equipe BAR, além de continuar com suas responsabilidades na Prodrive.

Fry continuou na equipe após a Honda comprar a mesma e transformá-la na Honda Racing F1 Team para disputar a temporada de Fórmula 1 de 2006.[6] Ele conseguiu sua primeira vitória como gerente/chefe executivo de uma equipe de Fórmula 1 quando Jenson Button recebeu a bandeira quadriculada no Grande Prêmio da Hungria de 2006.[6]

Após a Honda anunciar, em dezembro de 2008, sua retirada da Fórmula 1, deixando o espólio da equipe à venda,[7] Fry ao lado do chefe da equipe, Ross Brawn, liderou a compra do espólio da Honda F1 através de um sistema chamado management buyout[8] e renomearam-a de Brawn GP para disputar a temporada de 2009.[9] A equipe alcançou um grande feito na sua primeira e única temporada ao conquistar os Campeonatos Mundiais de Construtores e de Pilotos (com Jenson Button).[1] Quando a Mercedes-Benz adquiriu a Brawn GP para formar sua própria equipe para competir na categoria a partir da temporada de 2010, Fry permaneceu como diretor executivo e coproprietário da equipe Mercedes até março de 2013.[10][11]

No dia 15 de junho de 2012, Nick Fry recebeu um doutorado honorário da Universidade de Cranfield em reconhecimento aos seus serviços prestados no automobilismo.

Em fevereiro de 2018, Fry foi nomeado pela organização profissional de esporte eletrônico, a Fnatic, como seu novo chefe de estratégia comercial.[4][6]

Referências

  1. a b Weaver, Paul (21 de março de 2013). «Nick Fry to leave Mercedes as team's revolution continues». The Guardian. Consultado em 21 de abril de 2018. 
  2. «Nick Fry to step down as CEO of Mercedes F1 team». BBC Sport. 22 de março de 2013. Consultado em 21 de abril de 2018. 
  3. Joe Saward (17 de fevereiro de 2010). «Some people really have it in for Nick Fry». WordPress.com. Consultado em 21 de abril de 2018. 
  4. a b «Nick Fry joins FNATIC as Head of Commercial Strategy». Esportsinsider. Consultado em 21 de abril de 2018. 
  5. «Nick Fry». Champions Speakers. Consultado em 24 de abril de 2018. 
  6. a b c Ashton, Graham. «Fnatic Brings Aboard Former CEO of Mercedes AMG Formula One Team». The Esports Observer. Consultado em 21 de abril de 2018. 
  7. «Honda se retira da Fórmula-1 e coloca equipe à venda». Clicrbs.com.br. Consultado em 24 de abril de 2018. 
  8. Cary, Tom (27 de fevereiro de 2009). «Honda buy-out gets green light». The Daily Telegraph. London. Consultado em 24 de abril de 2018. 
  9. «Honda Announces Sale of the Honda Racing F1 Team» (Nota de imprensa). Honda. 6 de março de 2009. Consultado em 24 de abril de 2018.. Cópia arquivada em 16 de maio de 2013 
  10. «Fernando Alonso poderia ser tetracampeão da F1, afirma Nick Fry». Portal Terra. Consultado em 21 de abril de 2018. 
  11. «How to win in life and business: Formula One legend Nick Fry». The Esports Observer. 28 de setembro de 2017. Consultado em 24 de abril de 2018. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]