Planalto Serrano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Planalto serrano)
Ir para: navegação, pesquisa
Paisagem típica do planalto Serrano, com araucárias e rio de pedras.

O planalto Serrano (ou serra Catarinense) é uma região que aproximadamente inclui as mesorregiões do Oeste Catarinense Serrana e parte do Norte Catarinense. Distante cerca de 100 quilômetros do litoral do estado, com montanhas que ultrapassam os mil metros de altitude e clima subtropical de altitude, nesta região se encontram importantes cidades como Lages e São Joaquim.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Grande parte das suas cidades estão a mais de mil metros de altitude, o que permite que durante o inverno ocorra a geada e a neve, com a temperatura freqüentemente atingindo marcas negativas, já tendo chegado a temperaturas extremas como -17,8°C (não oficial) no morro da Igreja em 1996.

Formada por camadas de basalto (derrames de lavas), intercaladas com camadas de arenito, A superfície do planalto é regular e se inclina suavemente para oeste. Os rios que correm para o Paraná abriram nele profundos vales.

As atividades econômicas estão ligadas à pecuária, à agroindústria e uma grande área destinada à indústria florestal. O turismo de inverno está associado ao frio, às paisagens bucólicas e também pela neve que se precipita em algumas cidades, trazendo o fluxo de turistas para a região.

Morro da Igreja, ponto onde foi registrada a menor temperatura do Brasil, -17,8°C.

No município de Bom Jardim da Serra encontra-se a serra do Rio do Rastro (ou Serra do Doze), que desce em curvas sinuosas de uma altitude de 1.467 metros até o nível do mar em Lauro Müller. A vista do mirante da serra é uma atração à parte, pois é possível se avistar o mar em dias claros.

A região é coberta pela mata de Araucárias, típica das regiões de planalto do sul do Brasil.

Clima[editar | editar código-fonte]

Nas zonas mais elevadas do setor norte do planalto, o verão é fresco e o inverno frio. No planalto sul, devido às altitudes que variam de cerca de 800 a até 1828 metros, o frio é mais ainda forte e perdura por mais tempo. Ali, é frequente a ocorrência de geadas e neve, com temperaturas que podem atingir 15 °C negativos [1][2]. Bom Jardim da Serra, São Joaquim, Urubici e Urupema são os municípios mais frios do estado e estão entre os mais frios do Brasil[1].

Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), em Caçador foi registrada a menor temperatura (em registros oficiais) já observada no Brasil, de -14 °C, em junho de 1952.[3] A segunda menor temperatura oficialmente registrada no país foi de -11,6 °C, em Xanxerê, no oeste do estado, em 20 de julho de 1953.[4]

Relevo=[editar | editar código-fonte]

A Serra Catarinense possui a maior cadeia de montanhas do sul do país

É na região serrana catarinense que se localiza o ponto mais alto do estado, o Morro da Boa Vista, situado entre os municípios de Urubici e Bom Retiro, com uma altitude de 1.827 m.[5] O segundo ponto mais elevado do estado é o Morro da Igreja com 1.822 metros acima do nível do mar que situado no município de Bom Jardim da Serra, próximo as divisas com Urubici, Grão Pará e Orleans. O Morro da Igreja é considerado o ponto habitado mais alto da Região Sul do Brasil. Com 77% de seu território acima de 300m de altitude e 52% acima de 600m, Santa Catarina figura entre os estados brasileiros de mais forte relevo. Formada por camadas de basalto, intercaladas com camadas de arenito, a superfície do planalto é regular e se inclina suavemente para oeste.

Turismo[editar | editar código-fonte]

O turismo na região encontram-se em constante desenvolvimento, procurando prover os visitantes com uma infraestrutura mais adequada. Lages, o maior município da Serra Catarinense, tem em torno de 170 mil habitantes e é considerado o berço do turismo rural no Brasil. Foi lá que as primeiras fazendas se transformaram em hotéis, na década de 1980, oferecendo aos turistas o cenário ideal para um contato direto e genuíno com a natureza e com o ambiente rural. Os principais pontos turísticos da região são:

  • Alagados: região de fácil acesso e de extrema beleza, onde se destaca a variedade de fauna e flora, podendo ser utilizada como área de pesca esportiva e de estudos ecológicos.
  • Cânion das Laranjeiras - Fazenda Santa Cândida: Situado na localidade de Santa Bárbara no município de Bom Jardim da Serra, o Cânion das Laranjeiras é um dos destaques da região, sendo mais uma demonstração de beleza da Serra Geral. Chega-se ao local através de trilhas, percorridas a pé ou a cavalo.
  • Cascata da Barrinha: Localizada às margens da Rodovia SC-438, a 3 km do centro de Bom Jardim da Serra. Seu fácil acesso possibilita a visitação e a utilização como balneário de piquenique.
  • Morro da Igreja: Diferente do que se pensava, o Morro da Igreja é pertencente ao município de Bom Jardim da Serra. É o segundo ponto mais alto do estado e o ponto mais alto habitado da Região Sul do Brasil com 1822 m acima do nível do mar. O acesso é feito pela SC-370 (antiga SC-439) pelo município de Urubici, cerca de 28 km do centro da cidade. No mesmo local está instalado um radar do CINDACTA II que monitora todas as aeronaves que sobrevoam o sul do País, na base aérea da Aeronáutica. A visitação é feita por trilhas, percorridas a pé ou a cavalo, motocross e jeeps, estimulando o turismo de aventura.
  • Parque Nacional de São Joaquim: foi criado com o objetivo de garantir a preservação da fauna e flora exclusivas do Sul do País, sobretudo da araucária, também conhecida como pinheiro brasileiro. Com 49 mil hectares, o Parque é uma das maiores áreas destinadas à preservação permanente. Abrange os municípios de Urubici, Bom Jardim da Serra, Grão-Pará e Orleans.
  • Rio Pelotas: nasce no Município, sendo o maior afluente do Rio Uruguai. Além deste, mais dezoito rios nascem em Bom Jardim da Serra e desembocam no Rio Pelotas. As nascentes do rio Pelotas estão nas encostas do Morro da Igreja.
  • Serra da Veneza: O tráfego é feito somente a pé ou a cavalo. É situada na localidade de São Bento, a 38 km do centro de Bom Jardim da Serra.
  • Serra do Imaruí: O tráfego é feito somente a pé ou a cavalo. É situada na localidade de Santa Bárbara, a 25 km do centro de Bom Jardim da Serra.
  • Serra do Rio do Rastro: É pertencente ao município de Lauro Muller e é cortada pela rodovia SC-438. A Serra do Rio do Rastro é um dos principais cartões postais do estado de Santa Catarina e a principal ligação da Serra Catarinense com o litoral sul do estado. A serra fica a 23 km do centro de Lauro Muller e 12 km do centro de Bom Jardim da Serra. Ao anoitecer, a estrada é iluminada revelando suas sinuosas e belíssimas curvas que é um dos principais destaques da região.
  • Mirante da Serra do Rio do Rastro: Fica a 11 km do centro de Bom Jardim da Serra, possui estacionamentos, quiosques e cafeterias. É um dos pontos mais visitados da região onde pode observar as montanhas e a estrada deslumbrante encravada na montanha. Esta estrada é líder em uma pesquisa de uma revista espanhola concorrendo com mais de 10 estradas internacionais. Em dias de céu limpo é possível a visibilidade do mar.
  • Torre de Energia Eólica: Localizada às margens da SC-438 nas proximidades do Mirante da Serra do Rio do Rastro, no município de Bom Jardim da Serra. A torre tem 44 m de altura e três hélices medindo 22 m cada uma, gerando 600 kWh, que são incorporados na rede de alta tensão. A iluminação da estrada da Serra do Rio do Rastro é feita através desta torre.
  • Parque Eólico: Localizado no topo da Serra do Rio do Rastro, no município de Bom Jardim da Serra. Seu acesso é feito por uma Rodovia Municipal que fica próxima ao topo da serra. Nesta mesma região está sendo instalado o Condomínio Altos da Serra, o primeiro condomínio fechado de Bom Jardim da Serra.
  • Serra do Corvo Branco: Está localizada no município de Grão Pará e é cortada pela rodovia SC-370 (antiga SC-439). A estrada da serra não tem pavimentação e é estreita, o que torna difícil seu percurso.

Municípios[editar | editar código-fonte]

Os 18 municípios que compõem a serra Catarinense ocupam uma área de mais de 16 000 km², equivalente a 17% do território catarinense. Sua população, é de mais ou menos 280 000 habitantes, que representa 5% da população total catarinense.

  • São Joaquim: localizada no meio de um Parque Nacional com mais de 49 mil hectares, a cidade é atração de inverno durante os meses de inverno, quando frequentemente ocorre as geadas e ocasionalmente ocorre a precipitação de neve . É considerada a cidade mais fria do Brasil.
  • Lages: um dos municípios pioneiros no turismo rural, com gastronomia típica gaúcha e italiana, passeios a cavalo por fazendas seculares, a cidade originou-se como um ponto de passagem dos boiadeiros que levavam o gado e o charque para as primeiras regiões consumidoras como o interior de São Paulo e Minas Gerais na época do Brasil Colônia.

Referências

  1. a b http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/12024
  2. http://www.sc.gov.br/conteudo/santacatarina/turismo/contrastes/neve.html
  3. Quarta-feira pode ter recorde de temperatura mínima neste ano em Santa Catarina, A Notícia - Joinville, 13 de julho de 2010.
  4. Instituto Nacional de Meteorologia (INMET). «Informações sobre o tempo». Consultado em 29 de maio de 2011 
  5. «Pontos mais altos do Brasil, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação» (PDF). Anuário Estatístico do Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2012. p. 33. Consultado em 20 de outubro de 2014