Renato Cajá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Renato Cajá
Informações pessoais
Nome completo Renato Adriano Jacó Morais
Data de nasc. 15 de setembro de 1984 (32 anos)
Local de nasc. Cajazeiras (PB), Brasil
Nacionalidade brasileiro
Altura 1,73 m[1]
Ambidestro
Apelido Cajá
Informações profissionais
Período em atividade 2003–presente
Clube atual Ponte Preta
Número 10
Posição Meia
Site oficial instagram.com/renatocaja_10
Clubes de juventude
2000–2001
2002–2004
Mogi Mirim Sub-17
Mogi Mirim Sub-20
Clubes profissionais2
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
2003–2005
2006
2007
2008
2009
2009
2010–2011
2011–2014
2011–2012
2012
2013
2014
2014–2015
2015–2016
2016–2017
2017–
Mogi Mirim
Ferroviária
Juventude
Ponte Preta
Al-Ittihad
Grêmio
Botafogo
Guangzhou Evergrande
Ponte Preta (emp.)
Kashima Antlers (emp.)
Vitória (emp.)
Bursaspor (emp.)
Ponte Preta
Sharjah
Bahia
Ponte Preta
0000 0000(0)
0028 0000(4)
0035 0000(5)
0039 000(15)
0025 0000(3)
0004 0000(0)
0047 0000(8)
0010 0000(0)
0038 000(11)
0020 0000(4)
0049 0000(8)
0010 0000(1)
0043 000(13)
0017 0000(1)
0041 0000(4)
0004 0000(1)


2 Partidas e gols totais pelo
clube, atualizados até 29 de abril de 2017.

Renato Adriano Jacó Morais,[1] conhecido como Renato Cajá (Cajazeiras, 15 de setembro de 1984), é um futebolista brasileiro que atua como meia. Atualmente defende a Ponte Preta.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Nascido em Cajazeiras, o que lhe deu o apelido de Cajá, Renato foi revelado pelo Mogi Mirim, em 2000 permanecendo ali até 2005. Defendeu também a Ferroviária-SP e o Juventude, antes de chegar, em 2008 à Ponte Preta.

Pela Macaca, Renato foi o grande destaque da equipe vice-campeã paulista de 2008. Na sequência do ano, suas boas atuações durante a Série B do Brasileirão o fizeram ser contratado pelo Al-Ittihad, da Arábia Saudita.

Em meados de 2009, Renato Cajá retornou ao Brasil, para jogar pelo Grêmio..[2] O meia foi pouco aproveitado e, ao final da temporada, transferiu-se para o Botafogo num contrato válido por um ano e com opção de renovação por mais um.[3]

No dia 9 de março de 2011, Renato acertou sua transferência por quatro anos para o Guangzhou Evergrande, da China. O meia mal chegou ao clube chinês e se envolveu em polêmica. Por ter ofendido o treinador e os torcedores do clube, o brasileiro foi multado e suspenso por três jogos. De acordo com a diretoria do Guangzhou, Cajá levou a punição por ter se recusado a cumprimentar o treinador e não ter saudado os torcedores após ser substituído durante o empate em 2 a 2 com o Beijing Guoan,em partida válida pelo Campeonato Chinês. O meia brasileiro não apenas levou o gancho como teve 20 mil dólares (cerca de 31 mil reais) descontados do seu salário, além de ser multado em 46 mil dólares (cerca de 73 mil reais).

Em maio de 2012, após término do seu período emprestado à Ponte Preta,[4] Cajá acertou um novo empréstimo, dessa vez ao Kashima Antlers, do Japão.

Já no inicio de 2013, finalizou sua passagem pelo futebol japonês e retornou ao Brasil para acertar com o Vitória,[5]. Em sua estreia, anotou dois gols sendo um destes um golaço diante do ASA em jogo válido pela Copa do Nordeste. No dia 7 de abril, no clássico Ba-Vi que marcava a inauguração da Arena Fonte Nova, entrou para a história do estádio ao marcar o primeiro gol do mesmo. O clássico terminou com goleada de 5 a 1 a favor do time de Cajá, o Vitória.[6] Não teve seu contrato renovado, e acabou voltando para o Guangzhou Evergrande.[7]

Foi novamente emprestado, desta vez, para o Bursaspor, da Turquia por 6 meses, após o término do campeonato, voltou ao Guangzhou Evergrande.

Ponte Preta[editar | editar código-fonte]

Sem chance no Guangzhou Evergrande, foi novamente emprestado, desta vez novamente para a Ponte Preta, foi apresentado a torcida no dia 27 de julho de 2014 antes da partida contra o Vasco da Gama válida pela série B do brasileirão.

Antes do jogo entre Ponte e Strikers, disputado em 20/06/15, o meia Renato Cajá foi homenageado com uma placa pela diretoria da Ponte Preta. O motivo foi o golaço marcado pelo camisa 10 na vitória por 3 a 1 sobre a Chapecoense, pela quarta rodada do Brasileirão, no Majestoso[8].

Sharjah FC[editar | editar código-fonte]

Em 13 de julho de 2015, Renato Cajá acerta com Sharjah FC dos Emirados Árabes Unidos. O clube aceitou pagar a multa rescisória para tirar o meia da Macaca (US$ 2 milhões, ou R$ 6,3 milhões).[9]

Bahia[editar | editar código-fonte]

No dia 29 de abril de 2016, foi anunciado como novo reforço do Bahia para a Série B, com contrato até o fim de 2017. Além do Tricolor, também estiveram interessados o Santa Cruz, Ponte Preta, Vitória e Botafogo.[10] Em março do ano seguinte após se recusar entrar em campo contra o Fortaleza pela Copa do Nordeste, Renato chegou a um acordo com o clube e rescindindo seu contrato que ia até o fim do ano.[11]

Retorno a Ponte Preta[editar | editar código-fonte]

Após ter seu vínculo rescindindo com o Bahia, acertou seu retorno a Ponte Preta assinando vínculo até o fim de 2017. Será a quarta passagem do meia pela Macaca, em que acumula mais de 100 jogos pelo clube, tendo anotado 42 gols.[12]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Ferroviária
Al-Ittihad
Botafogo
Guangzhou Evergrande
Kashima Antlers
Vitória

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Bandeira de BrasilSoccer icon Este artigo sobre um futebolista brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.