Glifosato

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Roundup)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Glifosato
Alerta sobre risco à saúde
Glyphosate.svg
Glyphosate-3D-balls.png
Nome IUPAC N-(fosfonometil)glicina
Outros nomes 2-[(fosfonometil)amino]ácido acetico
Identificadores
Número CAS 1071-83-6,
38641-94-0 (sal de isopropilamônio)
70393-85-0 (sal de sesquisódio)
81591-81-3 (sal de trimetilsulfônio)
PubChem 3496
ChemSpider 3376
Número RTECS MC1075000
SMILES
InChI
1/C3H8NO5P/c5-3(6)1-4-2-10(7,8)9/h4H,1-2H2,(H,5,6)(H2,7,8,9​)
Propriedades
Fórmula química C3H8NO5P
Massa molar 169.05 g mol-1
Aparência Pó branco cristalino
Densidade 1.704 (20 °C)
Ponto de fusão

184.5 °C

Ponto de ebulição

decomp. a 187 °C

Solubilidade em água 1.01 g/100 ml (20 °C)
log P −2.8
Acidez (pKa) <2, 2.6, 5.6, 10.6
Riscos associados
MSDS InChem MSDS
Classificação UE Irritante (Xi)
Perigoso para o ambiente (N)
Índice UE 607-315-00-8
Frases R R41, R51/53
Frases S S2, S26, S39, S61
Ponto de fulgor não inflamável
Compostos relacionados
Compostos relacionados Ciliatina (ácido (2-aminoetil)-fosfônico)
Glicina (ácido 2-amino-acético)
Exceto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições normais de temperatura e pressão

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

O glifosato (N-(fosfonometil)glicina) é um herbicida sistêmico de amplo espectro e dessecante de culturas. É um composto organofosforado, especificamente um fosfonato. É usado para matar ervas daninhas, especialmente as folhosas perenes e gramíneas que competem com as culturas. Suas propriedades herbicidas foram descobertas por volta de 1970, pelo químico John E. Franz, da Monsanto.[1] A Monsanto lançou o glifosato no mercado em 1974, sob o nome comercial Roundup, também conhecido no Brasil como Mata-Mato. A patente do glifosato expirou em 2000, e atualmente o produto é vendido por vários fabricantes. Nos EUA, mais de 750 produtos contêm a substância, que é o agrotóxico mais usado no mundo. [2]

Agricultores rapidamente adotaram o glifosato, especialmente depois de a Monsanto introduzir culturas resistentes ao glifosato - as culturas Roundup Ready -, permitindo aos agricultores matar as ervas daninhas sem matar as suas culturas. Em 2007, o glifosato foi o herbicida mais utilizado no setor agrícola dos Estados Unidos e o segundo mais usado em casa e jardim, pelo governo e indústria, e no comércio.[3] A frequência e o volume de aplicações de herbicidas à base de glifosato (HBGs) aumentou mais de 100 vezes entre o final dos anos 1970 e 2016, levando ao surgimento de ervas daninhas resistentes ao glifosato, o que, por sua vez, deve causar mais crescimento em seu uso.[4]

O glifosato é absorvido através das folhas, e minimamente através de raízes,[5][6][7] e transportado para pontos de crescimento. Ele inibe uma enzima vegetal envolvida na síntese de três aminoácidos aromáticos: fenilalanina, triptofano e tirosina. Portanto, é eficaz somente em plantas em crescimento ativo e não é eficaz como um herbicida de pré-emergência. Um número crescente de culturas foram geneticamente modificadas para serem tolerantes ao glifosato (por exemplo, a soja Roundup Ready, a primeira cultura Roundup Ready, também criada pela Monsanto), que permite que os agricultores usem o glifosato como um herbicida pós-emergente contra ervas daninhas. O desenvolvimento de resistência ao glifosato em espécies de ervas daninhas está tornando-se um problema caro. Apesar de o glifosato e suas formulações, tais como Roundup, terem sido aprovados pelas entidades reguladoras em todo o mundo, persistem preocupações sobre seus efeitos no ser humano e no meio ambiente.[4][2]

Muitas avaliações acadêmicas e de entidades reguladoras atestaram a baixa toxicidade relativa do glifosato como um herbicida. Uma avaliação toxicológica, feita pelo Instituto Federal Alemão para Avaliação de Riscos, em 2013, descobriu que "os dados disponíveis são contraditórios e longe de serem convincentes” no que diz respeito às correlações entre a exposição às formulações de glifosato e o risco de vários cânceres, incluindo linfoma não-Hodgkin (LNH).[8]Uma meta-análise publicada em 2014 identificou um risco aumentado de LNH em trabalhadores expostos a formulações de glifosato.[9]

Em março de 2015, a Agência Internacional de Pesquisas em Câncer (IARC), da Organização Mundial da Saúde, classificou o glifosato como "provavelmente cancerígeno em humanos" (Categoria 2A) com base em estudos epidemiológicos, estudos em animais e estudos in vitro.[10][11][2]

Mas, alguns meses depois, em novembro de 2015, a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (AESA ou EFSA) reavaliou as conclusões da IARC e publicou um outro relatório acerca da carcinogenicidade potencial do glifosato ou de herbicidas contendo glifosato. A conclusão foi de que dificilmente o glifosato representaria risco de câncer para os seres humanos e que não havia evidências nesse sentido.[12] Segundo a EFSA, embora formulações contendo glifosato sejam provavelmente cancerígenas, estudos que consideram exclusivamente a substância ativa glifosato não mostram este efeito.[13][14] O relatório da AESA acrescenta que há várias razões que explicam as divergências em relação ao relatório da IARC. Uma delas é que o IARC não avaliou somente o glifosato, isoladamente, mas também as formulações à base de glifosato, enquanto a revisão interpares da AESA considerou apenas a substância ativa pura. A AESA reconheceu que a questão da toxicidade das formulações contendo glifosato deve ser considerada mais aprofundadamente, uma vez que alguns estudos de genotoxicidade publicados (não de acordo com o Genetic Literacy Project ou com as directrizes da OCDE) sobre tais formulações apresentaram resultados positivos in vitro e in vivo. Em especial, considerou-se que o potencial genotóxico dessas formulações deve ser abordado. Além disso, a AESA salientou que outros parâmetros devem ser esclarecidos, como a toxicidade e a carcinogenicidade a longo prazo, a toxicidade na reprodução e no desenvolvimento e o potencial de desregulação endócrina das formulações contendo glifosato.[12]

Em maio de 2016, o Encontro sobre Resíduo de Pesticidas, promovido pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e pela Organização Mundial da Saúde, concluiu ser pouco provável que o glifosato constitua um risco cancerígeno para os seres humanos em exposição através da dieta", mesmo em doses tão altas quanto 2.000 mg/kg de massa corporal por via oral.[15]

Em novembro de 2017, os países da União Europeia votaram pela renovação da licença do glifosato, apesar das campanhas contra a substância.[16]

Química[editar | editar código-fonte]

O glifosato é um aminofosfonato análogo ao aminoácido natural glicina, que portanto ocupa o lugar desta na síntese proteica. Seu nome é uma contração de glicina + fosfato.

Bioquímica[editar | editar código-fonte]

O glifosato mata as plantas por inibir a enzima 5-enolpiruvoil-shikimato-3-fosfato sintetase (EPSPS), que sintetiza os aminoácidos aromáticos: fenilalanina, tirosina e triptofano. A EPSPS catalisa a reação do shikimato-3-fosfato (S3P) e do fosfoenolpurivato para formar EPSP e fosfato. Os aminoácidos aromáticos são usados também para produzir metabólitos secundários como folatos, ubiquinonas e naftoquinas. A via do shikimato [17] não está presente em animais.

Toxicidade[editar | editar código-fonte]

Formulações comerciais de glifosato contêm, além de sais de glifosato, certos aditivos, tais como surfactantes de diferentes tipos e em concentrações variáveis. Toxicologistas têm estudado os efeitos do glifosato isoladamente, dos aditivos isoladamente e das formulações. Análises toxicológicas sugerem que outros ingredientes em combinação com o glifosato podem ter maior toxicidade do que o glifosato isoladamente.[18]

Em humanos[editar | editar código-fonte]

A toxicidade aguda do glifosato puro em mamíferos é baixa,[19] embora haja relatos de mortes após overdose intencional de formulações com altas concentrações.[20] Surfactantes podem elevar a toxicidade aguda das formulações em que estão presentes.[18] Em uma avaliação de risco de 2017, a Agência Europeia das Substâncias Químicas (ECHA) escreveu: "As informações sobre irritação da pele em humanos é muito limitada. Onde foi relatado irritação da pele, não está claro se está relacionada ao glifosato ou a outros componentes presentes na formulação do herbicida." A ECHA concluiu que os dados disponíveis sobre humanos era insuficiente para dar suporte a uma classificação para corrosão ou irritação da pele. [21] A inalação é uma via de exposição menor, mas a névoa da pulverização pode provocar desconforto oral ou nasal, um sabor desagradável na boca, ou formigamento e irritação na garganta. Contato nos olhos pode resultar em conjuntivite leve. Danos superficiais às córneas é possível se os olhos não forem lavados em tempo ou de forma adequada após exposição.[18]

Os relatórios das agências de avaliação de risco de diversos países, bem como os de autoridades transnacionais, consensualmente classificam o glifosato como seguro e não carcinogênico.[22][23] Uma revisão em 2000 concluiu que "sob as condições de uso atuais e esperadas no futuro, não há potencial para o herbicida Roundup representar risco à saúde humana".[24] Em 2012, uma meta-análise de estudos epidemiológicos de exposição a formulações de glifosato não encontrou correlação com nenhum tipo de câncer.[25] A revisão sistemática de 2013 pelo Instituto Alemão de Avaliação de Risco dos estudos epidemiológicos de trabalhadores que usam pesticidas não encontrou evidência de risco significativo com glifosato para vários tipos de câncer, incluindo o Linfoma não-Hodgkin (LNH), dizendo que "os dados disponíveis são contraditórios e estão longe de serem convincentes".[26] Em 2014, outra meta-análise identificou um risco elevado de um tipo de NHL em trabalhadores expostos a formulações com glifosato.[9] Uma revisão sistemática e meta-análise de 2016 não encontrou relação causal de exposição ao glifosato com nenhum tipo de câncer linfohematopoiético, incluindo LNH. De acordo com o estudo, quando associações estatísticas fracas foram encontradas, estas observações podem ser atribuídas a viés e a fatores de confusão, devido a trabalhadores normalmente estarem expostos a outros produtos potencialmente carcinogênicos. A revisão relatou que estudos indicando um efeito entre o uso de glifosato e linfoma não-Hodgkin tem sido criticados por não considerar estes fatores, bem como a qualidade subjacente dos estudos sob revisão, ou se a relação é causal ou meramente correlacional.[27]

Meio ambiente[editar | editar código-fonte]

O glifosato liga-se fortemente ao solo, portanto a poluição dos aquíferos é limitada.[28] Glifosato é rapidamente degradado por micróbios no solo, produzindo ácido aminometilfosfônico (AMPA, que, assim como o glifosato liga-se fortemente ao solo). Apesar de ambos o glifosato e o AMPA serem detectáveis em corpos de água, parte do AMPA detectado pode ser resultado da degradação de detergentes.[29]

Na Argentina, o uso massivo do glifosato provocou a aparição de resistência, levando a um aumento progressivo das doses usadas, e assim a uma desvitalização e perda de fertilidade do solo.[carece de fontes?]

O glifosato é geralmente menos persistente na água do que no solo. Foi observada uma persistência 12 a 60 dias nas águas das lagoas canadenses; no entanto, no norte dos Estados Unidos, foi observada uma persistência superior a um ano em sedimentos lacustres analisados em Michigan e Oregon.[30] Glifosato, em baixas concentrações, também tem sido encontrado em muitos córregos e rios dos Estados Unidos e da Europa .[31]

Segundo um estudo de 2003, abrangendo várias formulações de glifosato, "as avaliações de risco baseadas em concentrações estimadas e observadas de glifosato, resultantes da sua utilização contra plantas indesejáveis, em pântanos ou áreas encharcadas, mostraram que o risco para os organismos aquáticos é insignificante ou pequeno, se as taxas de aplicação forem inferiores a 4 kg / ha, e ligeiramente maior, se as taxas de aplicação forem de 8 kg / ha".[32]

Uma meta-análise de 2013 também analisou os dados disponíveis relacionados com potenciais impactos dos herbicidas à base de glifosato sobre os anfíbios. De acordo com os autores, a utilização de pesticidas à base de glifosato não pode ser considerada como a principal causa do declínio dos anfíbios, já que a maior parte desse declínio ocorreu antes do uso generalizado de glifosato ou até em áreas tropicais intactas, com exposição mínima ao glifosato. Os autores recomendam maiores estudos sobre as espécies e o estágio de desenvolvimento da toxicidade crônica, bem como dos níveis de glifosato ambientais, com monitoramento contínuo dos dados, para que se possa determinar se o glifosato tem algum papel no declínio dos anfíbios em todo o mundo - e qual seria esse papel. Sugerem também incluir os anfíbios em baterias de testes padronizados.[33]

As formulações de glifosato contendo surfactantes são muito mais tóxicas para anfíbios e peixes do que o glifosato isoladamente, por isso, produtos com glifosato para uso aquático geralmente não usam surfactantes.[34]

As formulações de glifosato podem conter certos componentes ditos "inertes" ou coadjuvantes, que muitas vezes não são informados, já que a legislação de diversos países não exige que esses ingredientes sejam revelados..[31] Segundo um estudo publicado em 2010, o glifosato comercial causou falhas neurais e malformações craniofaciais em rãs-de-unhas-africanas (Xenopus laevis). Nos experimentos foram usados embriões de rã que foram incubados em uma solução comercial de glifosato com diluição de 1:5000. Os embriões sofreram redução do tamanho do corpo, alterações na morfologia do cérebro, redução dos olhos, alterações dos arcos branquiais e da placa neural, entre outras anomalias do sistema nervoso. Os autores sugerem que o próprio glifosato tenha sido responsável pelos resultados observados pois a injeção de glicosato puro produziu resultados similares em embriões de galinha.[35]

A Monsanto e outras empresas oferecem produtos de glifosato com diferentes tipos de surfactantes especificamente formulados para uso aquático. A Monsanto produz o "Biactive" e o "AquaMaster".[36][37] Em 2001, os efeitos do Vision®, da Monsanto, foram estudados em áreas pantanosas do Canadá. Verificou-se mortalidade significativa quando as concentrações foram superiores aos limites estabelecidos pelas autoridades canadenses. Além disso foi constatado que fatores locais, tais como pH e a presença de sedimentos em suspensão, afetavam substancialmente a toxicidade nas larvas de anfíbios testadas . Mas, em geral, "os resultados sugerem que o uso silvicultural do herbicida Vision®, quando feito de acordo com o rótulo do produto e com as normas ambientais canadenses, tenha efeitos adversos desprezíveis sobre as fases de vida larval de anfíbios nativos."[38]

Resistência ao glifosato[editar | editar código-fonte]

Alguns microrganismos possuem uma forma de 5-enolpiruvoil-shikimato-3-fosfato sintetase (EPSPS) resistente ao glifosato. A versão usada nas culturas geneticamente modificadas foi isolada da cepa C4 da Agrobacterium que era resistente ao glifosato. O gene CP4 EPSPS foi clonado e inserido na soja.

O gene CP4 EPSPS foi manipulado para expressão em plantas pela fusão de sua parte terminal com um peptídeo de cloroplasto obtido de outra planta, no caso a petúnia. Este peptídeo demonstrara anteriormente a habilidade EPSPS bacterial para os cloroplastos de outras plantas. O plasmídeo utilizado para transportar o gene para dentro da soja foi o PV-GMGTO4. Ele possui três genes de bactérias: dois genes PC4 EPSPS, e um gene marcador, de Escherichia coli, que codifica a beta-glucuronidase (GUS).

Foi usado o método de aceleração de partículas para injetar o gene no cultivar A54O3 da soja. A expressão do gene GUS foi testada por um método de coloração, e as plantas que apresentaram o gene GUS foram pulverizadas com glifosato para testar sua tolerância.

Culturas geneticamente modificadas[editar | editar código-fonte]

Em 1991 começou a ser vendida a soja geneticamente modificada. Em 2004 o glifosato era usado em 80% das plantações de soja dos EUA para eliminar ervas.

Nomes comerciais[editar | editar código-fonte]

Inicialmente produzido pela Monsanto com o nome de Roundup, o produto não está mais sob patente e agora é vendido sob vários nomes, como TOP UP48 na Tailândia ou Mata-Mato, no Brasil.

Outros usos[editar | editar código-fonte]

Entre 1994 e 2015, o glifosato foi um dos herbicidas pulverizados nos campos de coca da Colômbia em territórios dominados por traficantes e pelas FARC, como parte do Plano Colômbia, que visava erradicar o cultivo das plantas usadas na fabricação da cocaína. Outros países, como Equador e Peru, também fizeram uso de pulverização aérea com este mesmo fim.[39] Em 2016, menos de um ano após a interrupção da pulverização aérea, a área utilizada para plantação de coca havia aumentado em mais de 50%,[40] e ao final de 2017 o país voltava a bater recordes de produção de cocaína.[41]

História[editar | editar código-fonte]

O glifosato foi inventado pela primeira vez na Suíça, em 1950, pelo químico Henry Martin, mas não se conhecia a sua função herbicida, e a substância foi esquecida. Em 1969, John E. Franz, a serviço da Monsanto, fez experiências com compostos que tinham alguma atividade herbicida até chegar ao glifosato. A substância infiltra-se nas folhas das plantas e bloqueia a ação de uma enzima importante na produção de moléculas orgânicas, acabando por matar os vegetais.

Em 1974, o herbicida Roundup, a marca da Monsanto para o glifosato, estava no mercado. Desde então, muitas variações do produto foram sendo produzidas. Em 2000, a patente da Monsanto expirou e outras empresas apostaram neste químico. Só na Europa, 300 herbicidas à base de glifosato de 40 empresas diferentes são comercializados. Ao mesmo tempo, o desenvolvimento desde a década de 1990 de culturas transgênicas, como a soja, o milho e o algodão, resistentes ao glifosato, fez disparar as vendas deste herbicida. Além da agricultura, o herbicida também é usado nos jardins das cidades.[42]

Condenações judiciais[editar | editar código-fonte]

Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção é sobre um evento atual. A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (editado pela última vez em 6 de novembro de 2019)

Em agosto de 2018, a Monsanto (que naquele mesmo ano havia sido comprada pela Bayer) foi condenada pela Justiça dos Estados Unidos, em primeira instância, a pagar US$ 289 milhões a um homem portador de câncer. Ele alegou que a doença havia sido causada por herbicidas fabricados pela Monsanto, como o Roundup. [16]

Em março de 2019, um júri de San Francisco, Califórnia, decidiu, por unanimidade, que o Roundup foi um "fator importante" no desenvolvimento do câncer (linfoma não Hodgkin, que tem origem nas células do sistema linfático) de Edwin Hardeman, um agricutor de 70 anos, morador da California. Hardeman usou o herbicida regularmente, de 1980 a 2012, em sua propriedade, na Califórnia. Um outro julgamento envolvendo o Roundup está marcado para começar no dia 28 de março no tribunal estadual de Oakland (Califórnia): nesse caso, trata-se de um casal com linfoma não Hodgkin, Os dois alegam que a doença foi causada pelo pesticida.[16]

Referências

  1. US patent 3799758, Franz JE, "N-phosphonomethyl-glycine phytotoxicant compositions", registrado em 26-03-1974, atribuído à Monsanto Company
  2. a b c Cressey D (25 de março de 2015). "Widely used herbicide linked to cancer"Naturedoi:10.1038/nature.2015.17181.
  3. United States EPA 2007 Pesticide Market Estimates AgricultureHome and Garden
  4. a b Myers JP, Antoniou MN, Blumberg B, Carroll L, Colborn T, Everett LG, Hansen M, Landrigan PJ, Lanphear BP, Mesnage R, Vandenberg LN, vom Saal FS, Welshons WV, Benbroo CM (February 17, 2016). "Concerns over use of glyphosate-based herbicides and risks associated with exposures: a consensus statement"Environmental Health15 (19): 13. doi:10.1186/s12940-016-0117-0
  5. Sprankle P, Meggitt WF, Penner D (1975). "Rapid inactivation of glyphosate in the soil". Weed Science: 224–228
  6. "Glyphosate technical fact sheet (revised June 2015)". National Pesticide Information Center. 2010. Retrieved September 1, 2015
  7. "The agronomic benefits of glyphosate in Europe" Arquivado em 17 de janeiro de 2012, no Wayback Machine. (PDF). Monsanto Europe SA. Fevereiro 2010.
  8. «Renewal Assessment Report: Glyphosate. Volume 1. Report and Proposed Decision». German Institute for Risk Assessment. 18 de dezembro de 2013. p. 65 
  9. a b Schinasi, L; Leon, ME (abril de 2014). «Non-Hodgkin lymphoma and occupational exposure to agricultural pesticide chemical groups and active ingredients: a systematic review and meta-analysis» 4 ed. International Journal of Environmental Research and Public Health. 11: 4449–527. PMC 4025008Acessível livremente. PMID 24762670. doi:10.3390/ijerph110404449 
  10. Guyton KZ, Loomis D, Grosse Y, El Ghissassi F, Benbrahim-Tallaa L, Guha N, Scoccianti C, Mattock H, Straif K (May 2015). "Carcinogenicity of tetrachlorvinphos, parathion, malathion, diazinon, and glyphosate"The Lancet. Oncology16 (5): 490–1. doi:10.1016/S1470-2045(15)70134-8PMID 25801782.
  11. "Press release: IARC Monographs Volume 112: evaluation of five organophosphate insecticides and herbicides" (PDF). International Agency for Research on Cancer, World Health Organization. 20 de março de 2015.
  12. a b Conclusion on the peer review of the pesticide risk assessment of the active substance glyphosate1 European Food Safety Authority (EFSA). EFSA Journal 2015;13(11):4302, p. 11 Citação: "... regarding the potential carcinogenicity of glyphosate or glyphosate-containing plant protection products in the on-going peer review of the active substance, EFSA concluded that glyphosate is unlikely to pose a carcinogenic hazard to humans and the evidence does not support classification with regard to its carcinogenic potential according to Regulation (EC) No 1272/2008."
  13. European Food Safety Authority. "EFSA explains risk assessment. Glyphosate report" (PDF). EFSA.
  14. European Food Safety Authority. "Glyphosate: EFSA updates toxicological profile | European Food Safety Authority"www.efsa.europa.eu.
  15. "Joint FAO/WHO Meeting on Pesticide Residues" (PDF). Maio de 2016.
  16. a b c Glifosato: decisão da justiça americana associa agrotóxico liberado no Brasil a câncer. BBC News Brasil, 20 de março de 2019.
  17. Purdue University, Department of Horticulture and Landscape Architecture, Metabolic Plant Physiology Lecture notes, Aromatic amino acid biosynthesis, The shikimate pathway – synthesis of chorismate.
  18. a b c Bradberry SM, Proudfoot AT, Vale JA (2004). «Glyphosate poisoning». Toxicol Rev. 23 (3): 159–67. PMID 15862083. doi:10.2165/00139709-200423030-00003 
  19. Van Bruggen, AC; He, MM; et al. (março de 2018). «Environmental and health effects of the herbicide glyphosate». Sci. Total Environ. 616–617: 255–268. PMID 29117584. doi:10.1016/j.scitotenv.2017.10.309 
  20. Sribanditmongkol, P; Jutavijittum, P; Pongraveevongsa, P; Wunnapuk, K; Durongkadech, P (setembro de 2012). «Pathological and toxicological findings in glyphosate-surfactant herbicide fatality: a case report» 3 ed. The American Journal of Forensic Medicine and Pathology. 33: 234–7. PMID 22835958. doi:10.1097/PAF.0b013e31824b936c 
  21. «Committee of Risk Assessment Opinion proposing harmonised classification and labelling at EU level of glyphosate (ISO); N-(phosphonomethyl)glycine» 
  22. Tarazona, Jose V.; Court-Marques, Daniele; Tiramani, Manuela; Reich, Hermine; Pfeil, Rudolf; Istace, Frederique; Crivellente, Federica (3 de abril de 2017). «Glyphosate toxicity and carcinogenicity: a review of the scientific basis of the European Union assessment and its differences with IARC» 8 ed. Archives of Toxicology. 91: 2723–2743. PMC 5515989Acessível livremente. PMID 28374158. doi:10.1007/s00204-017-1962-5 
  23. Cerqueira, João J (12 de agosto de 2018). «O Glifosato não causa cancro e os tribunais não ditam a ciência». Consultado em 14 de outubro de 2019 
  24. Williams, GM; Kroes, R; Munro, IC (abril de 2000). «Safety evaluation and risk assessment of the herbicide Roundup and its active ingredient, glyphosate, for humans» 2 Pt 1 ed. Regulatory Toxicology and Pharmacology. 31: 117–65. PMID 10854122. doi:10.1006/rtph.1999.1371 
  25. Mink, PJ; Mandel, JS; Sceurman, BK; Lundin, JI (agosto de 2012). «Epidemiologic studies of glyphosate and cancer: a review» 3 ed. Regulatory Toxicology and Pharmacology. 63: 440–52. PMID 22683395. doi:10.1016/j.yrtph.2012.05.012 
  26. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome BFR2014
  27. Chang, ET; Delzell, E (2016). «Systematic review and meta-analysis of glyphosate exposure and risk of lymphohematopoietic cancers» 6 ed. Journal of Environmental Science and Health. Part. B, Pesticides, Food Contaminants, and Agricultural Wastes. 51: 402–34. PMC 4866614Acessível livremente. PMID 27015139. doi:10.1080/03601234.2016.1142748 
  28. Borggaard, OK; Gimsing, AL (abril de 2008). «Fate of glyphosate in soil and the possibility of leaching to ground and surface waters: a review» 4 ed. Pest Management Science. 64: 441–56. PMID 18161065. doi:10.1002/ps.1512 
  29. Botta, F; Lavisonb, G; et al. (2009). «Transfer of glyphosate and its degradate AMPA to surface waters through urban sewerage systems» 1 ed. Chemosphere. 77: 133–139. PMID 19482331. doi:10.1016/j.chemosphere.2009.05.008 
  30. «Registration Decision Fact Sheet for Glyphosate (EPA-738-F-93-011)» (PDF). R.E.D. FACTS. United States Environmental Protection Agency. 1993 
  31. a b Pesticide Action Network Asia & the Pacific (PANAP) Glyphosate 2009
  32. Solomon KR, Thompson DG (2003). «Ecological risk assessment for aquatic organisms from over-water uses of glyphosate». J Toxicol Environ Health B Crit Rev. 6 (3): 289–324. PMID 12746143. doi:10.1080/10937400306468 
  33. Wagner, N (agosto de 2013). «Questions concerning the potential impact of glyphosate-based herbicides on amphibians». Environ Toxicol Chem. 32 (8): 1688–700. PMID 23637092. doi:10.1002/etc.2268 
  34. Gary L. Diamond and Patrick R. Durkin (sob contrato do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos). 6 de fevereiro de1997 Effects of Surfactants on the Toxicitiy of Glyphosate, with Specific Reference to RODEO
  35. Paganelli A, Gnazzo V, Acosta H, López SL, Carrasco AE (outubro de 2010). «Glyphosate-based herbicides produce teratogenic effects on vertebrates by impairing retinoic acid signaling». Chem. Res. Toxicol. 23 (10): 1586–95. PMID 20695457. doi:10.1021/tx1001749 
  36. «Response to "The impact of insecticides and herbicides on the biodiversity and productivity of aquatic communities"» (PDF). Backgrounder. Monsanto Company. 1 de abril de 2005 
  37. «Aquatic Use of Glyphosate Herbicides in Australia» (PDF). Backgrounder. Monsanto Company. 1 de maio de 2003 
  38. Wojtaszek BF, Staznik B, Chartrand DT, Stephenson GR, Thompson DG (abril de 2004). «Effects of Vision® herbicide on mortality, avoidance response, and growth of amphibian larvae in two forest wetlands». Environ. Toxicol. Chem. 23 (4): 832–42. PMID 15095877. doi:10.1897/02-281 
  39. «Colombia to ban coca spraying herbicide glyphosate». BBC. 10 de maio de 2015. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  40. Francesco Manetto (15 de julho de 2017). «Cultivo de coca na Colômbia aumentou mais de 50% em 2016». El país. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  41. Santiago Torrado (19 de setembro de 2018). «Colômbia bate recorde de produção de cocaína». O Globo. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  42. «O caso controverso do glifosato» 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]