São Sebastião do Alto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outras cidades com este nome, veja São Sebastião (desambiguação).


São Sebastião do Alto
  Município do Brasil  
Praça Prefeito Dr. Hermes Ferro, ao fundo, atual sede da Prefeitura, Câmara Municipal e da Comarca de São Sebastião do Alto-RJ
Praça Prefeito Dr. Hermes Ferro, ao fundo, atual sede da Prefeitura, Câmara Municipal e da Comarca de São Sebastião do Alto-RJ
Símbolos
Bandeira de São Sebastião do Alto
Bandeira
Brasão de armas de São Sebastião do Alto
Brasão de armas
Hino
Apelido(s) "A Mesopotâmia Fluminense"
Gentílico altense
Localização
Localização de São Sebastião do Alto no Rio de Janeiro
Localização de São Sebastião do Alto no Rio de Janeiro
Mapa de São Sebastião do Alto
Coordenadas 21° 57' 25" S 42° 08' 06" O
País Brasil
Unidade federativa Rio de Janeiro
Municípios limítrofes Cantagalo, Itaocara, Macuco, Santa Maria Madalena, São Fidélis e Trajano de Morais
Distância até a capital 232 km
História
Fundação 17 de abril de 1891 (129 anos)
Aniversário 17 de abril
Administração
Prefeito(a) Carlos Otávio da Silva Rodrigues (Solidariedade, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [1] 397,180 km²
População total (Censo IBGE/2010[2]) 8 906 hab.
Densidade 22,4 hab./km²
Clima Tropical de Altitude (Cwa)
Altitude 575 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010[3]) 0,636 médio
 • Posição RJ: 80º
PIB (IBGE/2008[4]) R$ 75 889,832 mil
PIB per capita (IBGE/2008[4]) R$ 8 434,08
Cidade de São Sebastião do Alto-RJ, abril de 2018.

São Sebastião do Alto é um município brasileiro do estado do Rio de Janeiro. Localiza-se 21º57'26" de latitude sul e 42º08'05" de longitude oeste, a 575 metros de altitude. Conta com uma população de 8906 habitantes (2008).[2]

Estende-se por uma área de 397,214 km²[5], a cerca de três horas de viagem da cidade do Rio de Janeiro e a uma hora de Nova Friburgo.

Conhecido como a Mesopotâmia Fluminense, o município de São Sebastião do Alto tem a sede localizada próxima à "Serra do Deus Me Livre", que revela uma pequena cidade onde a tranquilidade é excessiva. Possui um clima agradável e uma população acolhedora.

Sua principal singularidade é a configuração geográfica harmônica. O céu acolhedor o protege entre montanhas, rios e vales. Uma altitude bem expressiva dá-nos a impressão de uma linda paisagem moldurada pela própria natureza.

História[editar | editar código-fonte]

A Criação[editar | editar código-fonte]

Segundo historiadores, desbravadores aqui vieram motivados pela febre do ouro, que na metade do século XVIII, arrastou bandos de aventureiros para as margens dos córregos auríferos e afluentes dos rios Macuco, Negro e Grande, dirigidos pelo legendário bandoleiro Manoel Henriques, conhecido pela alcunha de Mão de Luva.

Seus primeiros habitantes foram formados por tribos de Coroados e Goitacás, dominados pelos desbravadores por seu número e valentia.

Desiludidos por não haver encontrado o metal, muitos dos garimpeiros foram embora, outros aqui permaneceram, se firmaram, e como colonizadores se ramificaram. Desenvolveram a agricultura do café e criaram o Arraial de São Sebastião do Alto[6], elevado a Curato[7] pelo Decreto Provincial Nº 600 de 20 de setembro de 1852, com Freguesia em Santa Rita no Município de Cantagalo.

Artigo 1º. Fica criado um curato, sob a invocação de S. Sebastião, no arraial da mesma denominação, na freguesia de Santa Rita, município de Cantagalo.
Artigo 2º. O presidente da província fica autorizado a marcar os limites daquele curato, ouvindo para esse fim não só a câmara municipal, como as autoridades eclesiásticas competentes.[8]
Palácio do governo da província, em 20 de setembro de 1852.
Luiz Pedreira do Coutto Ferraz.

A deliberação, estabelecendo as primeiras divisas de São Sebastião do Alto, conforme o artigo 2º do Decreto Provincial Nº 600 de 20 de setembro de 1852:

Artigo único. A linha divisória do território do curato de S. Sebastião, do termo de Cantagalo, creado pelo decreto n. 600, de 20 de setembro do anno passado, partirá do morro do - Doudo - junto ao Rio Grande, e seguirá pelo mesmo rio até á barra do córrego - Macapá -, d'onde continuará pelo Rio Negro comprehendendo as fazendas de José Antônio de Faria á margem do Rio Grande, do fallecido padre Rainha, e de João Ferreira de Oliveira, á margem do Rio Negro; e depois por este rio acima até a barra do ribeirão do Macuco, pelo qual subirá até o ponto em que passam as divisas da freguesia do SS. Sacrameto, e por estas até tornar a encontrar o sobredito morro do - Doudo -.[9]
Palácio do governo da província, em 28 de janeiro de 1853.
Luiz Pedreira do Coutto Ferraz.
Vista parcial da Freguesia de São Sebastião do Alto-RJ em 1877. Ao fundo, a igreja de São Sebastião e o antigo chafariz.

Em 28 de setembro 1855, através do Decreto Provincial Nº 802, foi elevado à Freguesia[10]. Através da Lei Nº 1.208 de 24 de outubro de 1861, a Freguesia de São Sebastião do Alto é desmembrada do município de Cantagalo e anexada a Santa Maria Madalena[11], que se elevou à categoria de Vila, assegurando sua emancipação pela mesma lei.[12]

Artigo 1º. - Fica elevada à categoria de - Villa -, com a mesma denominação, a freguesia de Santa Maria Madalena, do termo de Cantagallo; e farão também parte do novo município as freguesias de São Sebastião do Alto e São Francisco de Paula, desmembradas do mesmo termo.
Artigo 2º. - Esta Villa será instalada logo que os moradores do logar mobiliarem, à sua custa, uma casa para as sessões da Câmara Municipal, do jury e audiências das autoridades e terá dous tabelliães do judicial e notas.[13]
Palácio do governo da província, em 24 de outubro de 1861.
Luiz Alves Leite de Oliveira Belo

Em 17 de abril de 1891, através do Decreto Nº 194 do Governador Francisco Portela, foi elevado a categoria de Vila e criado o Município de São Sebastião do Alto.[14]

Art. 1º. – Fica creado o município de S. Sebastião do Alto, cuja sede será a freguesia do mesmo nome, que é elevada à categoria de villa.
Parágrafo único. O novo município, que fará parte da comarca de Santa Maria Magdalena, terá os mesmos limites daquela freguesia.
Art. 2º. – Ficam revogadas as disposições em contrário.[15]
17 de abril de 1891.
Francisco Portela

A Extinção[editar | editar código-fonte]

Em 08 de maio de 1892, fundamentado na nova Constituição do Estado do Rio de Janeiro, de 9 de abril de 1892[16], o município de São Sebastião do Alto foi extinto pelo então Presidente do Estado Dr. José Tomás da Porciúncula, junto com mais treze municípios, pelo Decreto Nº 1, de 08 de maio de 1892, que estabelecia condições para a existência dos municípios[17], dentre elas, ter população superior a dez mil habitantes, tendo como referência o senso de 31 de agosto de 1890. [18]

Com a nova reorganização política do Estado, São Sebastião do Alto, foi anexado ao município de São Francisco de Paula, hoje, Trajano de Moraes, como terceiro distrito. Valão do Barro passou a ser denominado quarto distrito.[19]

A anexação de São Sebastião do Alto a São Francisco de Paula, permitiu, que somado o numero de habitantes dos dois municípios, garantir a autonomia do município de São Francisco de Paula, já que este também não tinha a numeração populacional exigida pelo criterioso Decreto, pela nova Constituição.[20]

O Reestabelecimento[editar | editar código-fonte]

Em 30 de agosto de 1892, com o entendimento que deveria ser realizado um novo recenseamento, admitindo que o anterior demonstrava imprecisão, um novo senso foi realizado e comprovado que a população de São Sebastião do Alto e a população de Valão do Barro somavam 10.823 habitantes, portanto, atendendo os critérios para manter sua emancipação.[21]

Com base nos resultados do senso, em 18 de outubro de 1892, uma campanha de reconquista do município sensibilizou o deputado João Alves de Matos Pitombo, que apresentou o Projeto de Lei Nº 139, que repararia a injustiça de extinção do município.[22]

Pedi a palavra para apresentar um projecto que é a reparação de uma injustiça, embora não proposital, e sim resultante de condições legaes.
O Presidente do Estado quando, pelo o que determina a Constituição, fez a actual divisão municipal, eliminou alguns municípios que não podião permanecer, porque a sua população pelo recenseamento existente naquela ocasião não correspondia ao que a lei estabeleceu.
Esta Assembléia em boa hora votou que o novo recenseamento fosse feito, e com as bases por ele colhidas, chegou-se à conclusão de que o município de S. Sebastião do Alto estava pelo lado da população nas condições de novamente ser creado.
Além da população este município tem tido os requisitos exigidos pela lei votada por esta Assembléia, e, portanto, apresentando o projeto que passo a lêr, não faço mais do que reparar uma injustiça (Apoiados).
Vem à mesa, é lido, julgado objeto de deliberação e remettido a comissão de Estatística, Divisão Civil e Judiciária, o seguinte Projecto
1892 – N. 139 A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, resolve:
Art. 1º. - Fica restabelecido o município de São Sebastião do Alto, com as divisas que tinha, por contar com população superior a 10.000 habitantes, como ficou provado pelo último recenseamento, e achar-se nas condições estatuídas na lei de organização municipal.
Art. 2º. – Ficão revogadas as disposições em contrário.
Salão de sessões, 18 de outubro de 1892.
Mattos Pitombo.[23]

Após o projeto votado e aprovado em plenário no dia 30 de novembro de 1892, foi encaminhado para ser sancionado pelo Presidente do Estado do Rio de Janeiro como Lei Nº 33, de 7 de dezembro de 1892, que reestabeleceu os limites originais do Município de São Sebastião do Alto.[24]

O povo do estado do Rio de Janeiro, por seus representantes, decretou e eu promulgo a seguinte lei:
Art. 1º.  Fica restabelecido o município de São Sebastião do Alto, com as divisas que tinha.
Art. 2º. Ficam revogadas as disposições em contrário.
Mando, portanto, a todas as autoridades a que o conhecimento e execução desta lei competir, que a executem e façam executar e observar fiel e inteiramente como nella se contém.
Publique-se em todo o território do Estado.
Palácio do governo do Estado do Rio de Janeiro, 7 de dezembro de 1892.
Dr. José Thomaz da Porciuncula – Miguel Joaquim Ribeiro de Carvalho.[25]
Missa Campal em frente a Câmara Municipal de São Sebastião do Alto, em 1920.

Após o reestabelecimento do município, em dezembro de 1892, foi realizada a primeira eleição para a Câmara Municipal, que exercia a função legislativa e executiva à época. No dia 4 de fevereiro de 1893, tomaram posse os vereadores[26]:

  • Leudegário Gonçalves de Lima Gaeto (presidente)
  • Antônio Teixeira da Fonseca (vice)
  • Antônio Gomes Rocha Sobrinho
  • Boaventura da Costa Pinheiro
  • Constantino Cerbino
  • João José Patrício
  • Luiz Carneiro Viana
  • Manoel Gonçalves Ribeiro
  • Ricardo Tavares de Souza Lima

O Risco de Supressão[editar | editar código-fonte]

Vista parcial da cidade de São Sebastião do Alto, outubro de 1938. Atualmente, em primeiro plano, a Rua Dr. Júlio Vieitas; ao fundo, Rua Coronel Francisco Salustiano Pinto.

Em 1943, o interventor Amaral Peixoto manifesta o interesse de extinguir, mais uma vez, o município de São Sebastião do Alto. O interesse de supressão estava ligado ao seu projeto de ascensão de um novo e próspero município, Cordeiro, que seria emancipado de Cantagalo, com Macuco e São Sebastião do Alto como distritos. Já Valão do Barro, seria desmembrado e anexado ao município de Itaocara[27].

Durante a Exposição Agropecuária de Cordeiro, em 26 de maio de 1943, na presença do presidente Getúlio Vargas, Amaral Peixoto disse no final de seu discurso: “A população do distrito de Cordeiro pode se considerar emancipada de Cantagalo”[28]. Diante do risco real do cumprimento e supressão do município de São Sebastião do Alto, a população se organizou e em 25 de setembro de 1943 foi eleita uma Comissão Pró-Defesa, para comprovar que o município tinha características singulares, se comparado aos demais municípios, através de um memorial demonstrativo fundamentado em dados do IBGE, apontando que o município estava à frente em vários aspectos, em comparação a outros municípios não ameaçados de extinção[29].



A Comissão Pró-Defesa[editar | editar código-fonte]

Por aclamação, se elegeu a Comissão Pró-Defesa do Município de São Sebastião do Alto, assim constituída:

  • Dr. Hermes Pereira Ferro
  • Dr. Jair Pontes Pereira
  • Dr. Eurico Cerbino
  • Coronel Eulógio Pereira de Queiroz
  • Firmo Daflon
  • Padre Manoel Dias da Costa
  • Sebastião do Freitas Britto
  • Nazareno Latini Sobrinho
  • Professor Waldyr Vieitas
  • Deodoro de Lima Carvalho
  • Silvio da Rocha Queiroz

A Campanha Pró-Defesa[editar | editar código-fonte]

Na primeira fase da campanha, a comissão foi ao Palácio do Ingá, em Niterói, para apresentar os argumentos contra a extinção do município, entretanto, após diversas tentativas sem sucesso de uma audiência com o Interventor Amaral Peixoto, foi colocada em prática a segunda fase da campanha pró-defesa.[30]

A partir de 1º de novembro de 1943, foi realizado um verdadeiro bombardeio de telegramas, de diversas pessoas, endereçados ao interventor Amaral Peixoto no Palácio do Ingá, argumentando e solicitando a permanência de São Sebastião do Alto como município. O bombardeio telegráfico durou quinze dias, chegando a ser remetidos dez telegramas por dia, com o objetivo de pressionar o interventor a abandonar a ideia de supressão do município.[31]

No dia 15 de novembro de 1943, após quinze dias de envios de telegramas, foi informado que a Comissão de Reforma Territorial e Administrativa do Palácio do Ingá, que São Sebastião do Alto continuaria como município. O que foi confirmado pelo Decreto Lei Nº 1.055 de 31 de dezembro de 1943, publicada no Diário Oficial em 1 de janeiro de 1944, que criou o município de Cordeiro[32] apenas com Macuco como distrito.[33]

A Comissão de Agradecimentos[editar | editar código-fonte]

A Comissão de Agradecimentos recebida por Amaral Peixoto no Palácio do Ingá, em Niterói. Janeiro de 1944
A Comissão de Agradecimentos na saída do Palácio do Ingá, em Niterói. Janeiro de 1944.

Uma comissão de agradecimentos foi recebida por Amaral Peixoto no Palácio do Ingá, em Niterói, para mostrar gratidão à decisão de manter a autonomia do município de São Sebastião do Alto.[34]

  • Dr. Hermes Pereira Ferro
  • Walter Vieitas
  • Artur Nery de Sá
  • Manoel de Araújo Filho
  • João Teixeira Vogas
  • Deodoro Lima de Carvalho
  • Nazareno Latini Sobrinho
  • Américo Teixeira Vogas
  • Antônio Moreira da Silva
  • Eulógio Pereira de Queiroz
  • Delcio Vahia de Abreu
  • Boaventura Borges do Amaral
  • Firmo Daflon Filho
  • Domingos Constantino Latini
  • Francisco Manoel dos Santos
  • Silvio da Rocha Queiroz
  • Manoel de Oliveira Conceição
  • Franklin José Pereira
  • Cid de Azevedo Tavares
  • José Latini
  • Norival Siqueira

Símbolos[editar | editar código-fonte]

Brasão[editar | editar código-fonte]

Idealizado pela professora Beatriz Fajardo de Oliveira Viana, a pedido do então prefeito Hermes Pereira Ferro, o Brasão foi inspirado na beleza natural de São Sebastião do Alto e pelas atividades econômicas da época, como montanhas, a pecuária e a agricultura. A coroa mural e as cores da Bandeira Nacional foram aplicadas no emblema distintivo do município.[35]

  • A coroa mural de cinco torres, em metal prata, simboliza a elevação à cidade.
  • A paisagem traduz um céu acolhedor que a protegem entre montanhas, rios e vales, com singularidade e a configuração geográfica harmônica.
  • O gado leiteiro simboliza a pecuária.
  • A haste do lado esquerdo representa a força do plantio de cana-de-açúcar da agricultura na época.
  • A haste do lado direito representa a força do plantio de milho da agricultura na época.
  • O listel tem do lado esquerdo a inscrição da data de elevação a município em 1891. Na parte central o topônimo do município. E do lado direito a inscrição da data do primeiro centenário em 1991.

Bandeira[editar | editar código-fonte]

A Bandeira do município de São Sebastião do Alto - RJ, instituída com as seguintes características: esquartelada nas cores (branco e azul) em um retângulo, mantendo a proporção 07:10, ou 14 x 20 módulos, como a bandeira nacional, com o brasão do município ao centro ocupando 5/7 de altura.

Hino[editar | editar código-fonte]

Em 27 de março de 1998, o município, em concurso aberto, elege o seu hino oficial[36], tendo como vencedor o de autoria do compositor Marcelo Romeiro Juliano. Em magnífico arranjo do também músico Arthur Salomão, o hino fez vibrar a grande e numerosa plateia, ao som da voz de Raquel Carvalhães. Aprovado pela Lei Municipal nº. 298, de 08 de dezembro de 1998, sancionada pelo prefeito Antônio José Segalote Pontes.

Hino de São Sebastião do Alto
Capa do CD do Hino do Município de São Sebastião do Alto-RJ
O compositor Marcelo Romeiro Juliano e a intérprete Raquel Carvalhães. 27 de março de 1998, Ciep-274 Maria Amélia Daflon Ferro, em São Sebastião do Alto-RJ.

Foram os desbravadores.
Que o garimpo trouxe aqui.
À margem dos rios, índios, sofrimento,
Ilusão do ouro descobrir.

E os colonizadores
No afã de construir
Gerações de ferro,
Desenvolvimento,
Emancipação, subir.

São Sebastião do Alto
Das montanhas posso ver
Perto do céu
Teu ar é mais propenso
No trabalho e no lazer.
São Sebastião do Alto
Juro nunca te esquecer
Perto do céu
Teu verde é mais intenso
A razão do meu viver.

Hoje, estabilidade,
Cultura e educação.
Metas, realidade
Na família união.
Povo sagrado Altense
A conduz com tradição
Mesopotâmia Fluminense
Que bate em nosso coração.


Letra e Música: Marcelo Romeiro Juliano[37]

A Mesopotâmia Fluminense[editar | editar código-fonte]

Por suas características geográficas únicas, o município de São Sebastião do Alto é uma acidentada e longa mesopotâmia (terra entre rios). Formada pelas serras de São Sebastião e do Deus me Livre, entre os rios Grande (80km) e Negro (70km) até sua confluência no rio Dois Rios, apresenta em suas terras uma fertilidade uniforme, configurando uma singular mesopotâmia no território fluminense.

Oficialmente, o termo Mesopotâmia Fluminense surgiu na aclamação da Comissão Pró-Defesa, para demonstrar a singularidade do território de São Sebastião do Alto durante campanha contra os desejos de supressão do município, pelo então interventor do Estado Amaral Peixoto, em 1943.

Obra Literária[editar | editar código-fonte]

Capa do Livro A Mesopotâmia Fluminense. História do Município de São Sebastião do Alto 1786 - 1991. Houve apenas uma tiragem do livro em 1992. Hoje, um exemplar é considerado raríssimo.

O livro “A Mesopotâmia Fluminense” foi escrito especialmente pela ocasião das comemorações do primeiro centenário de criação do município de São Sebastião do Alto, comemorado em 17 de abril de 1991, com objetivo de resgate de sua rica história e de seus personagens. O lançamento da obra ocorreu um ano após as comemorações do primeiro centenário, devido a necessidade de mais pesquisas, para que a história reconstituída fosse enriquecida em detalhe e profundidade.[38]

  • Obra: A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto 1786 – 1991.
  • Autor: Ramos, Lécio Augusto.
  • Editor: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, RJ.
  • Impressão: Zoomgraf-K Ltda, Avenida Jansen de Mello, 403, centro, Niteroi-RJ.
  • Publicação: 17 de abril de 1992.
  • Descrição física: 358 páginas, 23cmX16cm.
  • Assunto: São Sebastião do Alto, RJ. História.
O autor Lécio Augusto Ramos em visita ao Centro Cultural Pe. Peter Joseph Corbett, São Sebastião do Alto-RJ, em 30 de maio de 2017
  • Biografia: Nascido em Brasília em 1963, Lécio Augusto Ramos graduou-se em Comunicação Social em 1985, pela Universidade Federal Fluminense. Dedica-se as pesquisas históricas e genealógicas. Autor de “Edgar Brasil, um ensaio biográfico”, em colaboração com Hernani Heffner, trabalho que despertou-lhe o interesse pela história de São Sebastião do Alto, já que Edgar – um dos maiores fotógrafos do país – era filho de Cornélio de Souza Lima (1849-1941), importante personalidade da história do município.[39] Mestre em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Foi professor substituto do Departamento de Cinema e Vídeo da Universidade Federal Fluminense. Foi professor auxiliar da Universidade Estácio de Sá. Servidor público concursado da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ). Experiente na área de Comunicação, com ênfase em História da Comunicação e do Jornalismo, Teoria da Comunicação, História do Cinema, Teoria do Cinema e Análise Fílmica. Desenvolveu pesquisas sobre mutações de identidade no cinema, representações da medicina no cinema, cinema digital, história do cinema brasileiro, história e evolução das salas de cinema, teoria e linguagem do cinema, análise da narrativa fílmica, imigração europeia no estado do Rio de Janeiro.[40]


  • Outras obras:
    • Fernão Ramos ; MIRANDA, L. F. ; RAMOS, Lécio Augusto . Enciclopédia do Cinema Brasileiro. São Paulo: SENAC, 2000 (Autoria de verbetes e pesquisa geral e filmográfica)
    • RAMOS, Lécio Augusto . Corpo e identidade - medicina e imaginação no thriller hollywoodiano contemporâneo. CONTRACAMPO (UFF) , Niterói, v. 7, p. 79-106, 2002.
    • FREIRE, Mariana Baltar ; RAMOS, Lécio Augusto ; PLAZA, Pedro ; MORAIS, F. . O cinema e os filmes ou doze temas em torno da imagem. CONTRACAMPO (UFF) , v. 8, p. 125-151, 2003.

Famílias Altenses Tradicionais[editar | editar código-fonte]

As famílias altenses tradicionais consistem principalmente naquelas estabelecidas no município desde o princípio de sua história e aquelas que adotaram um protagonismo no processo de sua colonização, das quais, seus descendentes ainda estejam radicados no município.

Portuguesas e Brasileiras[editar | editar código-fonte]

Flag of Brazil.svg
Flag of Portugal.svg
Flag of Italy.svg
Flag of Switzerland.svg
Flag of France (1794–1815, 1830–1958).svg
Flag of Germany.svg
Flag of the Netherlands.svg

Alípio, Alves Moreira, Alves Ribeiro, Amorim, Andrade, Araújo Lima, Azevedo Tavares, Barbosa da Cruz, Campos, Carvalho Bastos, Conceição, Corrêa da Rocha, Corrêa Dias, Corrêa Neves, Costa Pinheiro, Damasceno, Espíndola, Esteves, Fajardo, Faria Salgado, Fernandes Carneiro Viana, Ferreira da Rocha, Ferreira Mariano, Fontes, Gomes de Araújo, Gonçalves de Moraes, Gonçalves Jardim, Gonçalves Lima, Guerreiro Bogado, Lessa, Lima e Silva, Lopes Barbosa, Lopes Martins, Machado, Machado Botelho, Madeira, Mendes, Menezes, Moraes, Moreira da Silva, Nepomuceno, Oliveira, Pereira, Pinto, Pontes, Ribeiro, Ribeiro Passos, Rodrigues de Souza, Santos Gomes, Silva Freire, Souza Ismério, Souza Lima, Souza Lopes, Tavares de Oliveira, Teixeira Cipriano, Teixeira de Carvalho, Teixeira Vogas, Verdadeiro de Souza, Vieira de Cristo, Vieitas, Xavier de Souza.[41]

Italianas Pioneiras[editar | editar código-fonte]

Bellieni, Cerbino, Lauro, Marconi, Mezzavilla, Stanizio.[42]

Italianas Colonos Agrícolas[editar | editar código-fonte]

Badini, Bochimpani, Bollorini, Bonan, Campagnucci, Castricini, Cimini, Fratani, Latini, Montechiari, Pietrani, Segalotti, Topini.[43]

Suiças[editar | editar código-fonte]

Boechat, Dafflon, Geveaux, Herdy (Herde), Lantimant(Lanthemann), Lemgruber (Leimgruber), Pecly, Rimes (Rime), Wellinger.[44]

Francesas[editar | editar código-fonte]

Brassier, Duprat, Robin, Roure.[45]

Alemãs[editar | editar código-fonte]

Alt.[46]

Holandesas[editar | editar código-fonte]

Van Erven.[47]

A influência italiana[editar | editar código-fonte]

Cornélio de Souza Lima, intelectual e influente fazendeiro do município de São Sebastião do Alto, introduziu os primeiros colonos italianos no território altense. [48]

Proprietário de uma das maiores fazendas de café no interior, percebeu que deveria se antecipar à época e fazer a transição da monocultura do café por outras formas de plantio, como a baunilha e cana de açúcar, e com isso, promover a renovação da mão de obra em suas lavouras.[49]

Através da empresa agenciadora Angelo Fionita & Cia, acertou para que localizassem interessados na Itália e realizasse o translado de um grupo de imigrantes italianos para uma parceria agrícola na fazenda São Marcos, em São Sebastião do Alto.

Província de Macerata
Província de Ancora
Província de Fermo

Em meados de dezembro de 1884, chegaram os primeiros imigrantes italianos em terras altenses, onde firmaram um contrato de trabalho e parceria agrícola no dia 22 de dezembro no cartório de juízo de paz da então freguesia de São Sebastião do Alto. O modelo adotado era receber do proprietário da lavoura alojamento, suprimentos necessários para o trabalho e até metade de toda produção da colheita, em troca de sua mão de obra na lavoura.[50]

Os primeiros colonos italianos foram:

Da Província de Macerata
Benedetto Polloni, Carlo Raffaele Topini, Domenico Broglia, Enrico Montechiari, Eugenio de Angelis, Giuseppe Giampaoli, Luigi Latini, Luigi Storani, Luigi Tambesi, Natale Baldoni, Nicola Forconi, Pacifico Tacconi, Pasquale Cimine e Vincenzo Pianesi.
Da Província de Ancora
Luigi Bartola e Paolo Moriconi.
Da Província de Fermo
Giuseppe Lelli.

A partir desse primeiro contrato de trabalho e parceria, muitos outros imigrantes italianos se interessaram a vir para a fazenda São Marcos e suprir essa crescente carência da mão de obra na lavoura. Logo, as terras onde se encontravam os alojamentos, se tornaram uma característica vila de italianos, formando até uma banda de música com o nome Recreio de São Marcos, que se apresentava em eventos festivos na fazenda e nas festas religiosas em São Sebastião do Alto.[51]

Dentre muitas famílias de italianos que vieram posteriormente para a fazenda São Marcos, também foram registrados:

Nicola e Pietro Temperini, Angelo Fratani, Carlo Badini, Luigi Sagretti, Pasquale Talarico, Constantino Castricini, Giovanni Pietrani, Ettore Bonan, Luigi Bollorini, Enrico Campagnucci, Secondo Bochimpani, Luigi Mangaritini e Floriano Segalotti.[52]

Com a notícia se espalhando sobre o sucesso do projeto de parceria com os imigrantes italianos e o crescente incentivo do governo brasileiro na imigração de europeus, outros fazendeiros aderiram ao pioneiro modelo de trabalho em terras altenses e centenas de colonos italianos começaram a integrar de forma bem expressiva a sociedade.[53]

A expressiva presença de imigrantes europeus não portugueses, principalmente os italianos, influenciou uma parcela bem significativa da composição étnica do município de São Sebastião do Alto.[54]

Praça das Bandeiras[editar | editar código-fonte]

No centro de São Sebastião do Alto está localizada a Praça das Bandeiras[55], onde estão hasteadas as bandeiras Brasileira, Alemã, Francesa, Holandesa, Italiana, Portuguesa e Suíça, em homenagem a todas as famílias tradicionais altenses.

Perfil Geográfico[editar | editar código-fonte]

Rio Negro: nasce no município de Duas Barras, no local conhecido como Alto dos Micheis. Situa-se na parte oeste do município de São Sebastião do Alto com 70km de extensão. É limite natural do município de São Sebastião do Alto com os municípios de Cantagalo, Itaocara e São Fidelis.[57]

Afluentes da margem direita do Rio Negro: Córrego de São Joaquim, Córrego dos Indios e Córrego Valão do Barro.
Afluente da margem direita do Córrego São Joaquim: Córrego Santa Olga.
Afluentes da margem direita do Córrego dos Indios: Córrego das Águas Ferreas e Córrego do Santo.

Rio Grande: afluente da margem direita do Rio Paraíba do Sul, nasce na serra do Paquequer em Nova Friburgo. Situa-se na parte leste do município de São Sebastião do Alto com 80km de extensão. É limite natural do município de São Sebastião do Alto com os municípios de Trajano de Moraes, Santa Maria Madalena e São Fidelis.[58]

Afluentes da margem esquerda do Rio Grande: Córrego da Babilônia, Córrego da Barra, Córrego Humaitá e Córrego do Sobrado.

Rio Macuco: Nasce na serra do Pacau com o nome de Macuquinho, no município de Duas Barras, e deságua na margem direita do Rio Negro em São Sebastião do Alto.

Afluentes da margem direira do Rio Macuco: Córrego do Oliveira e Córrego do Várzea.

O Rio Macuco, junto com os córregos do Sobrado, do Santo, da Várzea e do Oliveira, são os limites naturais do município de São Sebastião do Alto com o município de Macuco[59]. O limite por terra restringe-se por uma faixa entre 5 a 6 quilômetros na região conhecida como Morro do Sobrado[60]. Devido a singularidade hidrográfica, o município é conhecido como A Mesopotâmia Fluminense.[61]

O subsolo rochoso do município de São Sebastião do Alto é composto principalmente por granito e gnaisse. Também são encontrados berilo, manganês, minério de ferro, talco, giz, caulim e mica. A parte ocidental do município possui jazidas calcárias da região do Rio Negro, situadas em uma cordilheira que se estende por até 25km, entre o Rio Negro e a RJ-116.[62]

Na década de 1980 foram realizados estudos para implementação de uma indústria cimenteira no município, inclusive com conversas com um grupo peruano para exploração. Entretanto, o Governo Federal não autorizou a implantação da fábrica. [63]

  • Grutas
    • Do Frederico (localizada próxima ao Córrego dos índios)
    • De Santa Irene
    • Da Muribeca
    • Do Morro do Céu
    • Das Cabeceiras
    • Toca dos Caboclos

Na década de 1960, foram realizadas algumas prospecções no município de São Sebastião do Alto pelo Programa Nacional de Pesquisas Arqueológicas (PRONAPA). Na gruta Toca dos Caboclos foram encontrados e coletados cacos, ossos e contas de colar feitas de ossos leves. O sítio arqueológico recebeu a classificação RJ-6P8.[64][65]

A altitude média do município de São Sebastião do Alto é 250 metros, entretanto, a Sede municipal está localizada a cerca de 575 metros de altitude, situando-se no alto da Serra de São Sebastião, na junção com as Serras do Macaco e do Deu me Livre.[66]

Ocupando uma posição centro-sul em relação ao território municipal, a sede do município possui um clima bem agradável.

Subdivisão Geográfica[editar | editar código-fonte]

1º Distrito São Sebastião do Alto[editar | editar código-fonte]

O Distrito Sede do município foi instituído pelo Decreto Estadual Nº 194 de 17 de abril de 1891, que criou o Município com sua Sede de mesmo nome e elevada à categoria de Vila pelo Governador Francisco Portela[67]. A instituição da zona urbana do distrito Sede foi criada pela Lei Municipal Nº 12 de 05 de dezembro de 1980, sancionada pelo Prefeito João da Rocha Ferreira Junior. Alterada pela Lei Municipal Nº 666 de 16 de maio de 2014, sancionada pelo prefeito Mauro Henrique Silva Queiroz Chagas.

  • Fica localizado à 221km da capital do Estado do Rio de Janeiro.

2º Distrito Valão do Barro[editar | editar código-fonte]

Foi elevado à Vila em 07 de junho de 1891.[68] A instituição da zona urbana do distrito foi criada pela Lei Municipal Nº 12 de 05 de dezembro de 1980, sancionada pelo Prefeito João da Rocha Ferreira Junior. Alterada pela Lei Municipal Nº 466 de 25 de outubro de 2004, sancionada pelo prefeito Antônio José Segalote Pontes.

  • Fica localizado à 22km da Sede do Município.

3º Distrito Ipituna[editar | editar código-fonte]

Criado pela Lei Municipal Nº 79 de 05 de agosto de 1988, sancionada pelo prefeito Hermes Pereira Ferro.[69]

  • Fica localizado à 34km da Sede do Município.

4º Distrito Ibipeba[editar | editar código-fonte]

Ciado pela Lei Municipal Nº 502 de 06 de dezembro de 2006, alterada pela Lei Municipal Nº 572 de 24 de março de 2010, sancionadas pelo prefeito Geraldo Pietrani. Foi alterada pela Lei Municipal Nº 747 de 11 de julho de 2017, sancionada pelo prefeito Carlos Otávio da Silva Rodrigues.

  • Fica localizado à 30km da Sede do Município.

Feriados Municipais[editar | editar código-fonte]

  • 20 de janeiro - São Sebastião, padroeiro do município de São Sebastião do Alto[70]
  • 25 de março - Santa Irene, padroeira de São Sebastião do Alto[71]
  • 17 de abril - Aniversário de Emancipação Político Administrativa do município de São Sebastião do Alto[72]
  • 24 de abril - São Fidelis, padroeiro de Ibipeba
  • 15 de agosto - Nossa Senhora do Livramento, padroeira de Valão do Barro[73]
  • 13 de dezembro - Santa Luzia, padroeira de Ipituna[74]

Prefeitos[editar | editar código-fonte]

  • 1922
Sede da Câmara Municipal e Prefeitura de São Sebastião do Alto. Década de 1920.
Interior da Câmara Municipal de São Sebastião do Alto.
Sede municipal em 1922.
Vista da Praça da Matriz de São Sebastião e centro de São Sebastião do Alto, em 1950.
Vista aérea da sede municipal em 1968.
São Sebastião do Alto de outro ângulo, na década de 1980.
Vista parcial de São Sebastião do Alto em 2005.
Vista aérea de São Sebastião do Alto em 2018.

RANCISCO SALUSTIANO P.
Eleito. Período: 1922/1924
Destituído em 02/08/1923

  • 1923

CARLOS SCHIMMLER
Nomeado. Período: 1923/1924
Posse: 31/08/1923

  • 1924

EULÓGIO PEREIRA DE QUEIROZ
Eleito. Período: 1924/1926
Posse: 19/06/1924

  • 1926

JULIO VIEITAS
Eleito. Período: 1926/1929
Posse: 31/12/1926

  • 1929

FRANCISCO SALUSTIANO P.
Eleito. Período: 1929/1932
Posse: 31/12/1929
Término do mandato: 31/12/1932
Destituído em 25/10/1930

  • 1930

OSÓRIO ALVES TAVARES
Nomeado. Período: 1930/1931
Posse: 17/11/1930

  • 1931

CARLOS SCHIMMLER
Nomeado. Período: 1931/1932

  • 1932

JOSÉ LEMGRUBER
Nomeado. Período: 1932/1936

  • 1936

JULIO VIEITAS
Nomeado. Período: Fevereiro/agosto de 1936

FRANCISCO SALUSTIANO P.
Eleito. Período: 1936/1939
Posse: 12/08/1936
Término do mandato: 12/12/1939
Destituído em maio de 1939

  • 1939

JOSÉ LEMGRUBER
Nomeado. Período de maio de 1939 a 08/05/1944

  • 1944

JOSÉ BRAZ SOARES
Nomeado. Período: 1944/1945
Posse: 09/05/1944

  • 1945

HERMES PEREIRA FERRO
Nomeado. Período: 1945/1946
Posse: 03/04/1945
Renunciou para concorrer às eleições.

  • 1946

DÉLCIO VAHIA DE ABREU
Nomeado. Período: 1946/1947

  • 1947

HERMES PEREIRA FERRO
Eleito. Período: 1947/1951
Posse: 03/02/1947

  • 1951

DÉLCIO VAHIA DE ABREU
Eleito. Período: 1951/1955
Posse: 03/02/1951

  • 1955

HERMES PEREIRA FERRO
Eleito. Período: 1955/1959
Posse: 03/02/1955
Renunciou em 26/07/1958
Vice-prefeito, João da Rocha Ferreira Júnior, que assumiria, também renunciou.

  • 1958

ODILON PEREIRA DAFLON
Presidente da Câmara Municipal, completou o mandato.
Período: 1958/1959
Posse: 04/08/1958

  • 1959

FRANCISCO MÁRIO MARTINS
Eleito. Período: 1959/1963
Posse: 31/01/1959

  • 1963

HERMES PEREIRA FERRO
Eleito. Período: 1963/1967
Posse: 31/01/1963

  • 1967

FIRMO DAFLON FILHO
Eleito. Período: 1967/1971
Posse: 31/01/1967

  • 1969

ALTAIR JARDIM CORRÊA
Vice-prefeito.
Interino. Período: 11/10/1969 a 31/10/1969

  • 1971

HÉLIO VOGAS
Eleito. Período: 1971/1973
Posse: 31/01/1971

  • 1973

HERMES PEREIRA FERRO
Eleito. Período: 1973/1977
Posse: 31/01/1973

  • 1977

JOÃO DA ROCHA FERREIRA JÚNIOR
Eleito. Período: 1977/1983
Posse: 31/01/1977

  • 1981

CARLIN BENEDITO LATINI
Vice-prefeito. Completou o mandato.
Período: 1981/1983
Posse: 08/04/1981

  • 1983

HERMES PEREIRA FERRO
Eleito. Período: 1983/1988
Posse: 03/01/1983

  • 1989

ANTÔNIO JOSÉ SEGALOTE PONTES
Eleito. Período: 1989/1992
Posse: 01/01/1989

  • 1993

GERALDO PIETRANI
Eleito. Período: 1993/1996
Posse: 01/01/1993

  • 1997

ANTÔNIO JOSÉ SEGALOTE PONTES
Eleito. Período: 1997/2000
Posse: 01/01/1997

  • 2001

ANTÔNIO JOSÉ SEGALOTE PONTES
Eleito. Período: 2001/2004
Posse: 01/01/2001

  • 2005

GERALDO PIETRANI
Eleito. Período: 2005/2008
Posse: 01/01/2005

  • 2009

GERALDO PIETRANI
Eleito. Período: 2009/2012
Posse: 01/01/2009

  • 2013

CARMOD BARBOSA BASTOS
Eleito. Período: 2013/2016
Posse: 01/01/2013
Afastado em 07/06/2013
Destituído em 12/04/2014

  • 2014

MAURO HENRIQUE SILVA QUEIROZ CHAGAS
Vice-prefeito assume o cargo em 14/04/2014
Afastado em 20/03/2015
Destituído em 08/12/2015

  • 2015

ROSÂNGELA PEREIRA BORGES DO AMARAL
Presidente da Câmara Municipal completou o mandato.
Posse: 20/03/2015

  • 2017

CARLOS OTÁVIO DA SILVA RODRIGUES
Eleito. Período: 2017/2020
Posse: 01/01/2017

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado do Rio de Janeiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  2. a b «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  3. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  4. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  5. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Panorama São Sebastião do Alto, Rio de Janeiro. https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rj/sao-sebastiao-do-alto/panorama. Acessado em 16 de junho de 2020
  6. O Arraial de São Sebastião: razões de sua fundação. RAMOS, Lécio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lécio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. Páginas 52 e 53
  7. O Curato de São Sebastião. RAMOS, Lécio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lécio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. Página 56
  8. Coleção de Leis, Decretos e Regulamentos da Província do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Tipografia do Diário, de A. L. Navarro, 1852, p. 18
  9. Coleção de Leis, Decretos e Regulamentos da Província do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Tipografia do Diário, de A. L. Navarro, 1852, p. 205
  10. A criação da Freguesia de São Sebastião do Alto. RAMOS, Lécio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lécio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. Página 77
  11. A subordinação a Santa Maria Madalena (1861 – 1891). RAMOS, Lécio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lécio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. Página 91
  12. Outubro. Ipanema, Cybelle de, 1924 - Efemérides Fluminenses/Cybelle de Ipanema. - Rio de Janeiro: C. de Ipanema, 2017. 142 p.: il.; 23cm. Página 107
  13. Coleção de Leis, Decretos e Regulamentos da Província do Rio de Janeiro 1861. Rio de Janeiro, Tipografia do Correio Mercantil, 1862, p. 16.
  14. Abril. Ipanema, Cybelle de, 1924 - Efemérides Fluminenses/Cybelle de Ipanema. - Rio de Janeiro: C. de Ipanema, 2017. 142 p.: il.; 23cm. Página 57
  15. Coleção de Leis, Decretos, Atos de Decisões do Governo Provisório do Estado do Rio de Janeiro - 1981. Niterói, Tipografia Salesiana, 1892, p. 53.
  16. COSNTITUIÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, promulgada em 9 de abril de 1892. Arquivo PDF http://www2.alerj.rj.gov.br/biblioteca/assets/documentos/pdf/constituicoes/rio_de_janeiro/constituicao_1892/Constituicao_1892.pdf
  17. Maio. Ipanema, Cybelle de, 1924 - Efemérides Fluminenses/Cybelle de Ipanema. - Rio de Janeiro: C. de Ipanema, 2017. 142 p.: il.; 23cm. Página 64
  18. A extinção e o reestabelecimento do município. RAMOS, Lécio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lécio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. Página 139
  19. A extinção e o reestabelecimento do município. RAMOS, Lécio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lécio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. Página 141
  20. A extinção e o reestabelecimento do município. RAMOS, Lécio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lécio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. Página 142
  21. A extinção e o reestabelecimento do município. RAMOS, Lécio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lécio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. Página 144
  22. A extinção e o reestabelecimento do município. RAMOS, Lécio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lécio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. Página 145
  23. Anais da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, 1892. Rio de Janeiro, Tipografia do Jornal do Commercio, 1892, Livro I, p. 429-30.
  24. A extinção e o reestabelecimento do município. RAMOS, Lécio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lécio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. Página 146
  25. Coleção de Leis, Decretos, Atos e Decisões do Governo Provisório do Estado do Rio de Janeiro - 1892. Niterói, Tipografia Salesiana, p. 690-1.
  26. Anais da Câmara Municipal de São Sebastião do Alto. Ata da 1ª Sessão Ordinária, em 4 de fevereiro de 1893. Livro nº 1 de Atas, página 1.
  27. A campanha contra a extinção do município. RAMOS, Lécio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lécio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. Página 193
  28. A campanha contra a extinção do município. RAMOS, Lécio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lécio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. Página 195
  29. A campanha contra a extinção do município. RAMOS, Lécio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lécio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. Página 197
  30. A campanha contra a extinção do município. RAMOS, Lécio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lécio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. Página 198
  31. A campanha contra a extinção do município. RAMOS, Lécio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lécio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. Página 199
  32. Dezembro. Ipanema, Cybelle de, 1924 - Efemérides Fluminenses/Cybelle de Ipanema. - Rio de Janeiro: C. de Ipanema, 2017. 142 p.: il.; 23cm. Página 126
  33. A campanha contra a extinção do município. RAMOS, Lécio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lécio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. Página 199
  34. A campanha contra a extinção do município. RAMOS, Lécio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lécio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. Página 201
  35. http://ssalto.rj.gov.br/nosso-municipio/
  36. Neste dia 27 de março de 2018, nosso hino completa 20 anos de existência https://www.facebook.com/813398802109036/photos/a.813447538770829/1619934751455433/?type=3&theater
  37. Juliano, Marcelo Romeiro. Performance Studios, Prefeitura de São Sebastião do Alto, Rio de Janeiro, 1998. CD number 199.004.169. Hino do Município de São Sebastião do Alto. Distribuição gratuita
  38. Introdução. RAMOS, Lécio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lécio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. Página 15
  39. RAMOS, Lécio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lécio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. Contracapa
  40. https://www.escavador.com/sobre/4938625/lecio-augusto-ramos
  41. RAMOS, Lecio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lecio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. pág. 300a 328
  42. RAMOS, Lecio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lecio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. pág. 328 a 332
  43. RAMOS, Lecio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lecio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. pág. 332 a 335
  44. RAMOS, Lecio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lecio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. pág. 335 a 340
  45. RAMOS, Lecio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lecio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. pág. 340 a 341
  46. RAMOS, Lecio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lecio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. pág. 341
  47. RAMOS, Lecio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lecio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. pág. 341
  48. Cornélio de Souza Lima e Seus Feitos. RAMOS, Lecio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lecio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. pág. 124 e pág. 142
  49. Cornélio de Souza Lima e Seus Feitos. RAMOS, Lecio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lecio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. pág. 116
  50. Cornélio de Souza Lima e Seus Feitos. RAMOS, Lecio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lecio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. pág. 117
  51. A extinção e o restabelecimento do município. RAMOS, Lecio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lecio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. pág. 143
  52. Cornélio de Souza Lima e Seus Feitos. RAMOS, Lecio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lecio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. pág. 118
  53. Cornélio de Souza Lima e Seus Feitos. RAMOS, Lecio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lecio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. pág. 119
  54. Familias altenses tradicionais. RAMOS, Lecio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lecio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. pág. 299
  55. https://www.flickr.com/photos/cleberudy/9358674347/in/photostream/ por Cleber Moraes, em 21 de julho de 2013
  56. Anuário Geográfico do Estado do Rio de Janeiro, nº 7, 1954, pp.278 e 279. Rio de Janeiro, Serviço Gráfico do IBGE, 1955.
  57. Dicionário Geográfico de São Sebastião do Alto. RAMOS, Lecio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lecio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. pág. 344
  58. Dicionário Geográfico de São Sebastião do Alto. RAMOS, Lecio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lecio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. pág. 343
  59. Dicionário Geográfico de São Sebastião do Alto. RAMOS, Lecio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lecio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. pág. 344
  60. Dicionário Geográfico de São Sebastião do Alto. RAMOS, Lecio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lecio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. pág. 344
  61. Perfil Geográfico. RAMOS, Lecio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lecio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. pág.20
  62. Perfil Geográfico. RAMOS, Lecio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lecio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. pág.21
  63. Perspectivas de São Sebastião do Alto. RAMOS, Lecio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lecio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. pág. 259
  64. Dias Junior, O Ferreira. Síntese das prospecções realizadas no Estado do Rio de Janeiro pelo segundo ano de trabalho do Programa Nacional de Pesquisas Arqueológicas. In: Boletim do Instituto de Arqueologia Brasileira, 1967.
  65. Beltrão, Maria da Conceição. Pré História do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Forense Universitária/Instituto Estadual do Livro, 1978.
  66. Perfil Geográfico. RAMOS, Lecio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lecio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. pág.21
  67. Divisão Administrativa 1º Distrito. RAMOS, Lecio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lecio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. pág.358
  68. Divisão Administrativa 2º Distrito. RAMOS, Lecio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lecio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. pág.358
  69. Divisão Administrativa 3º Distrito. RAMOS, Lecio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lecio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. pág.358
  70. Janeiro. Ipanema, Cybelle de, 1924 - Efemérides Fluminenses/Cybelle de Ipanema. - Rio de Janeiro: C. de Ipanema, 2017. 142 p.: il.; 23cm. Página 31
  71. Festas Religiosas 25 de março. RAMOS, Lecio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lecio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. pág.358
  72. Abril. Ipanema, Cybelle de, 1924 - Efemérides Fluminenses/Cybelle de Ipanema. - Rio de Janeiro: C. de Ipanema, 2017. 142 p.: il.; 23cm. Página 57
  73. Festas Religiosas 15 de agosto. RAMOS, Lecio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lecio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. pág.358
  74. Festas Religiosas 13 de dezembro. RAMOS, Lecio Augusto. A Mesopotâmia Fluminense. História de São Sebastião do Alto/Lecio Augusto Ramos. São Sebastião do Alto: Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto, 1992. pág.358