Turismo na Suécia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O parque de diversões de Liseberg, em Gotemburgo

O turismo na Suécia contribuiu com 2,6% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional em 2018, e atrai milhões de turistas, que geram mais de 5,1 milhões de pernoitas anualmente. [1] Os maiores contingentes de turistas provêm da Noruega, Alemanha e Dinamarca, seguidos dos Estados Unidos, Grã-Bretanha, Holanda e Finlândia. A região mais visitada foi Estocolmo, seguida da Västra Götaland, bastante procurada pelo noruegueses, e também da Dalecárlia, bastante apreciada pelos dinamarqueses. [2] [3]

Principais destinos turísticos[editar | editar código-fonte]

Segundo a Tillväxtverket, são estes os principais destinos turísticos da Suécia (2009):

Posição Destino Comuna Visitantes 2009 [4]
1 Liseberg Gotemburgo 3 100 000
2 Folkets Park Malmö 2 650 000
3 Casa da Cultura Estocolmo 2 323 835
4 Sälens skidanläggningar Malung-Sälen 2 074 000*
5 Fyrishov Uppsala 1 778 000
6 Skansen Estocolmo 1 405 128
7 Globen Estocolmo 1 300 000
8 Eriksdalsbadet Estocolmo 1 267 036
9 Gröna Lund Estocolmo 1 248 135
10 Museu de Vasa Estocolmo 1 154 615
11 Centro de Exposições e Congressos da Suécia Gotemburgo 1 145 349
12 Stockholmsmässan Estocolmo 1 142 524
13 Åre/Duved Åre 1 088 0001*
14 Rosvalla Nyköping 934 000
15 Catedral de Lund Lund 780 000
16 Parque Nacional de Söderåsen Svalöv/Klippan 750 000
17 Pedras de Ale Ystad 750 000
18 Gustavsvik bad Örebro 700 000
19 Scandinavium Gotemburgo 679 489
20 Jardim Zoológico de Kolmården Norrköping 621 352

Galeria de imagens[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Turismens årsbokslut 2018» (em sueco). Tillväxtverket. Consultado em 22 de janeiro de 2020 
  2. «Fakta om svensk turism» (PDF) (em sueco). Tillväxtverket. Consultado em 27 de novembro de 2015 
  3. «Boende- och inkvarteringsstatistik» (em sueco). Tillväxtverket. Consultado em 27 de novembro de 2015 
  4. «Cópia arquivada» (PDF). Consultado em 21 de maio de 2011. Arquivado do original (PDF) em 21 de maio de 2011 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]