Uma Noite no Rio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Uma Noite no Rio
That Night in Rio
 Estados Unidos
1941 •  cor •  1h 35m min 
Direção Irving Cummings
Roteiro Peça:
Rudolph Lothar
Hans Adler
Adaptação:
Jessie Ernst
Filme:
George Seaton
Bess Meredyth
Hal Long
Elenco Don Ameche
Alice Faye
Carmen Miranda
Género comédia, musical
Idioma inglês
Página no IMDb (em inglês)

That Night in Rio (Uma Noite no Rio (título no Brasil) ) é um filme de comédia musical dirigido por Irving Cummings e protagonizado por Alice Faye, Don Ameche e Carmen Miranda.[1]

A fim de evitar controvérsias, a 20th Century Fox submeteu o script do filme à Embaixada brasileira em Washington, que, censurou várias cenas consideradas "pouco convincentes". O estúdio também requisitou, junto ao Departamento de Imprensa e Propaganda do governo Vargas, fotografias do Rio de Janeiro para assegurar uma recriação fiel dos sets.[2]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

O enredo traz Don Ameche em dois papeis distintos, como o Barão Duarte, um rico industrial brasileiro, e como o artista Larry Martin, sósia do mesmo. Muito convenientemente, o ponto alto da interpretação de Larry é uma impecável imitação do industrial, que acaba impressionando os amigos e parceiros do Barão. Quando o Barão Duarte precisa deixar o Brasil para cuidar de negócios urgentes, Larry Martin é chamado para se passar por ele durante a realização de um baile de máscaras. A baronesa Cecilia Duarte (Alice Faye) não desconfia que Larry não seja seu marido, a despeito do tratamento mais romântico e galanteador dispensado por ele. Por outro lado, a namorada do artista, Carmen (Carmen Miranda) se irrita ao pensar que seu companheiro esteja se envolvendo com uma outra mulher.

Produção[editar | editar código-fonte]

Os títulos de trabalho de Uma Noite no Rio foram inicialmente A Latin from Manhattan, Rings on Her Fingers, They Met in Rio e por fim The Road to Rio. A Twentieth Century-Fox teve que mudar o título para That Night in Rio (título original em inglês) devido a um conflito com a Paramount Pictures, que não queria que o estúdio divulgasse o filme por pelo menos seis meses após o lançamento de Road to Zanzibar, a fim de evitar qualquer confusão sobre os títulos semelhantes.

O roteiro do filme, escrito por George Seaton, Bess Meredyth e Hal Long, é uma refilmagem de Folies Bergère de Paris (1935) de Roy Del Ruth com Maurice Chevalier, Merle Oberon e Ann Sothern nos papéis principais, baseado na peça original, O gato vermelho de Hans Adler, que estreou em Nova York em 19 de setembro de 1934.[3] O chefe de produção dá Fox, Darryl F. Zanuck, financiou a produção na Broadway e comprou em seguida os direitos do musical, usando a peça como base para o filme Folies Bergère de Paris. Após Uma Noite no Rio, a 20th Century Fox novamente usou a peça como base para Escândalos na Riviera de 1951 estrelado por Danny Kaye.[4]

Uma Noite no Rio marcou o sexto e último trabalho de Alice Faye e Don Ameche, no filme, eles chegaram a gravar uma versão da canção "Chica, Chica Boom Chic", como um número de dança, mas apenas a sequência entre Ameche e Carmen Miranda foi liberada para o filme. O roteiro foi apresentado ao embaixador do Brasil em Washington, DC, que o aprovou e declarou que seria "um tipo de filme útil para as relações das América do Norte e do Sul". Um relatório publicado nos arquivos da Motion Picture Production Code observou que o filme foi rejeitado para distribuição na Irlanda, embora nenhuma razão fosse dada.[5]

Carmen Miranda sabia muito pouco inglês e precisou decorar as falas foneticamente antes das filmagens.

A casa do barão foi feita inspirada nas mansões de Laurinda Santos Lobo e a de seu vizinho, o empresário Raymundo de Castro Maya (os atuais Parque das Ruínas e Chácara do Céu).

Elenco[editar | editar código-fonte]

Alice Faye, Don Ameche e Carmen Miranda em cena final do filme.

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Músicas escritas por Harry Warren e Mack Gordon:

Música escrita por Jararaca e Vicente de Paiva:

  • "Mama Yo Quiero (Mamãe Eu Quero)"

Música escrita por Roberto Martins:

  • "Cai-Cai" - interpretada por Carmen Miranda

Recepção[editar | editar código-fonte]

O filme foi lançado nos cinemas dos Estados Unidos em 11 de abril de 1941, recebendo, em geral, opiniões positivas dos críticos.

Em seu comentário para o Chicago Reader, Dave Kehr disse que "o technicolor e Carmen Miranda" eram "as principais atrações deste musical".[6] A revista Variety observou que "[Don] Ameche convence em um papel duplo, e [Alice] Faye é atraente de ser ver, mas é a tempestuosa Carmen Miranda que realmente se destaca a partir da primeira seqüência".[7]

O Los Angeles Herald-Examiner descreve Carmen Miranda como "equipada em cores inteligentes, bárbaras, acenando quadris articulados e exuberantemente alegre através do mais divertido filme de sua carreira em Hollywood."

Para o The Washington Star, na verdade, "a tórrida Carmen Miranda ilumina novo musical", e Hollywood Reporter comentou que "o desempenho de Miranda é vívido, ardente e tempestuoso".[8]

O Daily Mirror, disse que "os lábios da aparentemente exótica Carmen Miranda são tão fascinantes como as mãos".[9]

Já o crítico de cinema do New York Times, Bosley Crowther escreveu que "apesar dos seus ritmos latinos quentes e a presença de Carmen Miranda no elenco Uma Noite no Rio se afasta um pouco da formula de comédia musical, o que inevitavelmente sacrifica a originalidade (...) não é um passo na direção certa".[10]

Referências

  1. EWALD FILHO, Rubens. Os Filmes de Hoje na TV. São Paulo: Global Editora, 1975. p. 139
  2. Bianca Freire-Medeiros. «O Rio de Janeiro que Hollywood inventou». Consultado em 12 de maio de 2015 
  3. Joseph Nelson. «Maurice Chevalier 173 Success Facts - Everything You Need to Know about Maurice Chevalier». Consultado em 12 de maio de 2015 
  4. Stanley Green. «Hollywood Musicals Year by Year». Consultado em 12 de maio de 2015 
  5. «American Film Institute Catalog: That Night in Rio». American Film Institute. Consultado em 12 de maio de 2015 
  6. Dave Kehr. «Film Search: That Night in Rio». Chicago Reader. Consultado em 12 de Março de 2014 
  7. «Review: 'That Night in Rio'». Variety. Consultado em 12 de Março de 2014 
  8. «'Vulgar Negroid Sambas': Issues of National Identity, Race, and Gender in That Night in Rio, with Carmen Miranda.» (PDF). Walter Aaron Clark. 7 de março de 1941. p. University of California, Riverside. Consultado em 22 de março de 2014 
  9. (4 de julho de 1942). Daily Mirror. p.5
  10. Bosley Crowther (10 de março de 1941). «MOVIE REVIEW: 'That Night in Rio', a Colorful Musical, With Alice Faye, Carmen Miranda and Don Ameche, Opens at the Roxy -- 'The Mad Emperor' at the 55th St.». The New York Times. Consultado em 12 de Março de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]