Anexo:Lista histórica das estrelas mais brilhantes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Sistema solar e todas as outras estrelas visíveis se encontram em diferentes órbitas ao redor do núcleo da Via Láctea. Por isso, as posições relativas das estrelas mudam com o passar do tempo, e para estrelas mais próximas esse movimento pode ser mensurado. Na medida em que uma estrela se aproxima ou se distancia da Terra, seu brilho aparente também muda. Sirius é atualmente a estrela mais brilhante no céu noturno terrestre, mas nem sempre foi assim. A tabela abaixo lista as estrelas mais brilhantes no céu noturno terrestre em diferentes períodos nos últimos e próximos 5 milhões de anos.

Estrela Ano de
início
Ano
final
Ano de brilho
máximo
Magnitude
máxima
Distância
máxima (al)
Epsilon Canis Majoris ... -4,460,000 -4,700,000 -3.99 34
Beta Canis Majoris -4,460,000 -3,700,000 -4,420,000 -3.65 37
Canopus (primeira vez) -3,700,000 -1,370,000 -3,110,000 -1.86 177
Zeta Sagittarii -1,370,000 -1,080,000 -1,200,000 -2.74 8
Zeta Leporis -1,080,000 -950,000 -1,050,000 -2.05 5.3
Canopus (segunda vez) -950,000 -420,000 -950,000[1] -1.09[1] 252[1]
Aldebaran -420,000 -210,000 -320,000 -1.54 21.5
Capella -210,000 -160,000 -240,000[2] -0.82[2] 27.9[2]
Canopus (terceira vez) -160,000 -90,000 -160,000 [1] -0.70[1] 302[1]
Sirius -90,000 +210,000 +60,000 -1.64 7.8
Vega +210,000 +480,000 +290,000 -0.81 17.2
Canopus (quarta vez) +480,000 +990,000 +480,000[1] -0.40 346[1]
Beta Aurigae +990,000 +1,150,000 +1,190,000[2] -0.40[2] 28.5[2]
Delta Scuti +1,150,000 +1,330,000 +1,250,000 -1.84 9.2
Gamma Draconis +1,330,000 +2,030,000 +1,550,000 -1.39 27.7
Upsilon Librae +2,030,000 +2,670,000 +2,290,000 -0.46 30
HR 2853 +2,670,000 +3,050,000 +2,870,000 -0.88 14
Omicron Herculis +3,050,000 +3,870,000 +3,470,000 -0.63 44
Beta Cygni +3,870,000 ... +4,610,000 -0.52 80
[1] O pico de magnitude não representa o brilho máximo para esta estrela.
[2] Esse pico ocorre quando outra estrela atingiu seu brilho máximo.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Sky and Telescope, abril de 1998 (p60), baseado em cálculos dos dados do HIPPARCOS. (Esses cálculos incluem estrelas cujas distâncias ou movimento próprio é incerto).