Arturo Frondizi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde dezembro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


Arturo Frondizi Ercoli
33º presidente da Argentina Argentina
Período de governo 1 de maio de 1958
a 29 de março de 1962
Vice-presidente Alejandro Gomez
Antecessor(a) Pedro Eugenio Aramburu
de facto
Sucessor(a) José María Guido
de facto
Vida
Nascimento 28 de outubro de 1908
Paso de los Libres,
Argentina
Morte 18 de abril de 1995 (86 anos)
Buenos Aires, Argentina
Dados pessoais
Partido União Cívica Radical
Intransigente
Profissão Advogado
Assinatura Assinatura de Arturo Frondizi

Arturo Frondizi Ercoli (Paso de los Libres, 28 de outubro de 1908Buenos Aires, 18 de abril de 1995) foi um advogado e político argentino, ocupando o cargo de Presidente da República entre 1 de maio de 1958 e 29 de março de 1962.

Durante o processo eleitoral que elegeu Frondizi, o Peronismo estava proibido na Argentina. Por este motivo, firmou um acordo escrito com Juan Domingo Perón comprometendo-se a anular as leis de proibição ao partido Justicialista ao passo que Perón deveria indicar a seus seguidores que votassem em sua candidatura.

Em seu governo foi sancionada uma nova lei sindical. A produção de petróleo triplicou, obtendo-se a autosuficiência argentina do produto. Grandes projetos de hidroeletricidade foram iniciados, além da construção de uma extensa rede de rodovias. A indústria de base foi impulsionada, com investimentos em petroquímica, siderurgia, implemento de técnicas agrícolas e expansão de escolas de educação técnica. Assim, a Argentina iniciou uma década (1963-1974) em que apresentou uma das mais altas taxas de crescimento do mundo, além de praticamente erradicar a pobreza (Gerchunoff,309).

As Forças Armadas restringiiram bastante seu governo, com seis tentativas de golpe. A cada uma delas era obrigado a ceder mais espaço de seu governo para os militares.

Sua política externa foi independente, com boas relações com John F. Kennedy e oposição à expulsão de Cuba da OEA, chegando a se reunir com Ernesto Guevara na residência presidencial argentina.

Como acordado, Frondizi anulou a ilegalização do Peronismo em 1961, tendo o partido ganho nas eleições legislativas do ano seguinte em 10 das 14 províncias argentinas. Contudo as Forças Armadas exigiram que Frondizi anulasse as eleições - o que não ocorreu - desencadeando um golpe militar que o destituiu em 29 de março de 1962.

Frondizi ficou preso na ilha Martín García e posteriormente em Bariloche até a posse de Arturo Illia na presidência, em 1963.

Precedido por
Pedro Eugenio Aramburu
de facto
Presidente da Argentina
1958 - 1962
Sucedido por
José María Guido
de facto
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Arturo Frondizi