Crise política no Quênia (2007 – 2008)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Instabilidade política no Quênia em 2007
Data 27 de dezembro - presente
Local Quênia
Desfecho Em andamento
Combatentes
Governo e polícia queniana Movimento Democrático Laranja
Comandantes
Mwai Kibaki Raila Odinga

A instabilidade na política queniana começou após Mwai Kibaki ser declarado vencedor das eleições presidenciais do país, ocorridas em 27 de dezembro de 2007, dando-lhe seu segundo mandato como chefe de Estado do Quênia. Os opositores de Kibaki, Raila Odinga, começaram distúrbios em várias partes do país proclamando uma suposta fraude eleitoral, o que foi confirmado pelos observadores internacionais. Além disso, o partido Movimento Democrático Laranja denunciou ao Tribunal Penal Internacional por crimes de Kibaki contra a humanidade acusando às forças quenianas de disparar contra manifestantes.

Até agora, entre 800 e 1000 pessoas já morreram e mais de 250.000 se refugiaram em países vizinhos, como Uganda.[1]

Depois duma longa campanha de mediação presidida pelo antigo Secretário-Geral da ONU, Kofi Annan (na qual também participou Graça Machel) e duma visita-relâmpago do actual Ban Ki-Moon, Kibaki e Odinga concordaram em assinar, a 28 de Fevereiro de 2008, um acordo denominado "National Accord and Reconciliation Act", que inclui a formação dum governo de coligação e a nomeação de Odinga como Primeiro-Ministro, com poderes executivos.[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre o Quênia é um esboço relacionado ao Projeto África. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.