Eleição presidencial nos Estados Unidos em 1812

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Eleição presidencial dos Estados Unidos em 1812
 

1808 ← Flag of the United States.svg → 1816


30 de outubro de 1812
James Madison.jpg DeWitt Clinton by Rembrandt Peale.jpg
Candidato James Madison DeWitt Clinton
Partido Democrata-Republicano Federalista
Natural de Virgínia Nova Iorque
Running mate Elbridge Gerry Jared Ingersoll
Colégio eleitoral 128 89
Vencedor em 11 estados 7 estados
Votos 140.431 132.781
Porcentagem 50,4% 47,6%
ElectoralCollege1812-Large.png

Seal of the President of the United States.svg
Presidente dos Estados Unidos

A eleição presidencial dos Estados Unidos de 1812 foi a sétima eleição presidencial no país e decorreu no período inicial da guerra anglo-americana de 1812. A corrida deu-se entre o então presidente, do Partido Democrata-Republicano James Madison e um dissidente desse mesmo partido, DeWitt Clinton, sobrinho do anterior Vice-presidente. A oposição, o Partido Federalista decidiu apoiar DeWitt Clinton.

Madison foi reeleito no Colégio Eleitoral com 128 votos em Madison e 89 em Clinton.

Guerra anglo-americana de 1812[editar | editar código-fonte]

As guerras Napoleónicas tinham sido prejudiciais aos Estados Unidos, pois tanto os britânicos como os franceses, que não respeitavam os direitos dos Estados Unidos no mar, capturavam os seus navios. Os britânicos provocavam os marinheiros americanos, mantendo fortalezas dentro do território dos Estados Unidos, no nordeste, e apoiavam índios americanos na guerra contra os Estados Unidos no noroeste e sudoeste.

Entretanto, a expansão para sul e oeste dos Estados Unidos ocupou o Canadá britânico e a Florida espanhola, utilizando as provocações como pretexto para ocupar ditas áreas. A tensão era constante, e em 12 de junho de 1812, depois de Madison ter sido nomeado pelo Democrata-Republicano, os Estados Unidos declararam a guerra ao Reino Unido.

Processo eleitoral[editar | editar código-fonte]

Os eleitores gerais elegem outros "eleitores" que formam o Colégio Eleitoral. A quantidade de "eleitores" por estado varia de acordo com a quantidade populacional do estado. Em quase todos os estados, o vencedor do voto popular leva todos os votos do Colégio Eleitoral.[1]

Votações das indicações dos congressistas[editar | editar código-fonte]

Os congressistas americanos se reuniam informalmente para decidirem quem seriam os candidatos pelo seu partido.

Indicação do Partido Democrata-Republicano[editar | editar código-fonte]

Em 18 de maio, a votação dos Democratas-Republicanos nomeou o presidente James Madison. Para companheiro de chapa, a bancada escolheu inicialmente o governador de Nova Hampshire John Langdon para equilibrar o bilhete, mas depois de Langdon diminuiu devido à sua idade, uma segunda votação realizada nomeou o Governador de Massachusetts Elbridge Gerry para a Vice-Presidência, que tinha sido vago desde a morte de George Clinton um mês antes.

Dissidente do Partido Democrata-Republicano[editar | editar código-fonte]

Em 29 de maio, houve uma votação de dissidentes Democratas-Republicanos na legislatura de Nova Iorque do nomeado DeWitt Clinton, o sobrinho do falecido vice-presidente, que serviu como senador e agora foi o prefeito de Nova Iorque e vice-governador de Nova Iorque, para presidente. A campanha de Clinton teve seus panfletos adaptados por região. No Nordeste, Clinton foi retratado como o candidato anti-guerra. Enquanto isso, no Sul e Oeste, onde havia poucas pessoas se opõem à guerra, Clinton correu com base em um processo mais vigoroso da guerra.

Em setembro, após intenso debate, a votação Federalista em Nova Iorque, decidiu apoiar Clinton como sua melhor chance de derrotar os Republicanos-Democratas desde a eleição de 1800. A votação, em seguida, escolheu ex-procurador dos Estados Unidos Jared Ingersoll da Pensilvânia como seu companheiro de chapa.

Resultados[editar | editar código-fonte]

Candidato presidencial Partido Estado de origem Voto popular(a), (b) Colégio Eleitoral(c)
Votos Porcentagem
James Madison Democrata-Republicano Virgínia 140,431 50,4% 128
DeWitt Clinton Federalista Nova Iorque 132,781 47,6% 89
Rufus King Federalista Massachusetts 5,574 2,0% 0
Total 278,786 100% 217
Votos mínimos do Colégio Eleitoral que se precisa para vencer 109

Fonte:[2] [3]

(a)Apenas 9 dos 18 estados escolheram "eleitores" pelo voto popular.
(b)Os Estados que escolheram "eleitores" pelo voto popular tinham muitas diferentes restrições ao sufrágio por meio de exigências de propriedade.
(c)Um "eleitor" de Ohio não votou.

Candidato Vice-presidencial Partido Estado de Origem Colégio Eleitoral
Elbridge Gerry Democrata-Republicano Massachusetts 131
Jared Ingersoll Federalista Connecticut 86
Total 217
Votos mínimos do Colégio Eleitoral que se precisa para vencer 109

Fonte:[3]

Seleção dos "eleitores" do Colégio Eleitoral[editar | editar código-fonte]

Método de escolha dos "eleitores" do Colégio Eleitoral Estado (s)
Cada "eleitor" é nomeado pelo legislativo estadual. Connecticut, Delaware, Geórgia, Louisiana, Nova Jersey, Nova Iorque, Carolina do Norte, Carolina do Sul, Vermont.
Cada "eleitor" é escolhido pelos eleitores em todo o estado. Nova Hampshire, Ohio, Pensilvânia, Rhode Island, Virgínia.
O estado é dividido em distritos eleitorais, os eleitores de cada distrito escolhem um "eleitor". Kentucky, Maryland, Tennessee.
Dois "eleitores" são escolhidos pelos eleitore em todo o estado;
Um "eleitor" é escolhido pelo Congresso do distrito dos votantes daquele distrito.
Massachusetts.

Referências

  1. Eliene Percília. Como é eleito o presidente nos Estados Unidos. Brasil Escola. Página visitada em 12/07/2011.
  2. Our Campaigns - U. S. President - National Vote Race - 1812. Acessado em 15/07/2011.
  3. a b U. S. Electoral College.(1789-1996) Acessado em 15/07/2011.
Ícone de esboço Este artigo sobre Eleições nos Estados Unidos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.