Ford Del Rey

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Ford Del Rey
Ford Del Rey.jpg
1990 Belina Ghia raro estado de conservação.jpg
Ford Del Rey 1984 (1ª geração) e Ford Del Rey Belina 1990 (2ª geração)
Visão Geral
Produção 1981 - 1991
Fabricante Ford
Modelo
Classe médio de luxo
Carroceria sedã
coupé
perua
Ficha técnica
Motor 1.6L 8V I4 CHT
1.8L 8V I4 AP
Transmissão 3 marchas, automática
4 ou 5 marchas, manual
Modelos relacionados Ford Escort
Ford Corcel
Ford Belina
Ford Pampa
Ford Cortina
Chevrolet Monza
Fiat Regata
Fiat Tempra
Volkswagen Passat
Volkswagen Santana
Cronologia
Último
Último
Ford Galaxie
Ford Versailles
Próximo
Próximo


O Del Rey foi um sedan de luxo da Ford lançado no início dos anos 80 e descontinuado dez anos depois, tendo sido substituido pelo Versailles. É um sedan grande, três volumes bem definidos, opção de duas ou quatro portas e motores robustos, sendo considerado até hoje um dos melhores carros já produzidos pela Ford. O modelo era derivado do Corcel e na sua linha havia ainda a Belina e a picape Pampa, este último produzido até 1997.

De 1981 até 1984 foi disponibilizado nas versões Del Rey "Prata" e "Ouro", de duas e quatro portas, disponível também na versão station wagon. A partir de 1985 houve uma remodelagem estética e evolução mecânica, com o propulsor passando a ser denominado CHT. As versões passaram a ser denominadas como L, GL, GLX e Ghia (sendo a L e a Ghia com opção de duas ou quatro portas), e L, GLX e Ghia para a Belina (esta denominada Del Rey Scala). A partir de 1989 (já modelo 1990), com a criação da Autolatina, o propulsor CHT 1.6 foi substituido por um AP 1.8 da Volkswagen acompanhado da caixa de câmbio com cinco marchas e reforço na suspensão, o que não favoreceu seu desempenho.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Pré-lançamento[editar | editar código-fonte]

A Ford tinha um grande problema a enfrentar no final dos anos 70. Com a nova década, a Ford começou a remodelar seus carros com projetos modernos vindos da América do Norte para não perder as vendas para os modelos mais modernos. Como o mercado estava em crise, não se podia investir bem em um novo modelo, opção tomada na década de 70 quando trouxeram o Ford Maverick do mercado americano, opção revelada errada mais tarde, pois o projeto inicial era trazer o Ford Taunus. A solução foi apelar para a criação de um novo modelo, porém com uma plataforma existente no mercado nacional. As opções eram a criação de um carro com base no Maverick quatro portas, aumentando seu espaço traseiro que era o maior problema do modelo, ou criar um produto com base na plataforma do Corcel II, lançado dois anos antes.

Em uma clínica, foram expostos dois modelos para testar a opinião dos consumidores, e o escolhido foi o que se assemelhava ao projeto final do Ford Del Rey. Um sedan grande, com três volumes bem definidos, opção de duas ou quatro portas e motor econômico, sendo a alternativa para evitar maiores custos. O modelo foi baseado nos modelos Ford Granada MKII, modelo grande da Ford inglesa fabricado na mesma época e no Ford Taunus, também da Ford européia, mas da Alemanha. Eram muito semelhantes tanto frente quanto traseira, assim como a lateral, apesar do modelo brasileiro ser menor.

Primeira fase (1981 - 1984)[editar | editar código-fonte]

O Ford Del Rey debutou no final do ano de 1981, já como modelo 1982 e podia ser encontrado nas versões Ouro e básica (chamada popularmente de "Prata"). Era um carro de acabamento refinado, e que lembrava seu irmão mais velho o Ford Corcel em construção, mas ao mesmo tempo remetia ao bom e velho Galaxie Landau. A versão mais completa vinha de série com itens que não eram comuns mesmo nos carros da sua categoria, como rodas de liga leve, vidros elétricos, travas elétricas nas portas, retrovisores com comando interno, bancos em veludo, farois de neblina, relógio digital localizado no espelho retrovisor central, entre outras coisas. O modelo recebeu câmbio automático como opcional em 1983, e em 1984 recebeu o motor CHT, uma revisão do antigo motor 1.6 de origem Renault que equipava o Corcel GT, e que foi revisado para equipar o recém chegado Ford Escort. O motor fez muito bem ao modelo que apesar de econômico, padecia nas acelerações e retomadas, sendo criticado pelos proprietários, e perdendo sempre nos comparativos com os concorrentes em sua época, sendo eles Chevrolet Opala, Volkswagen Santana e depois de 1985, o Chevrolet Monza[1] .

Remodelação definitiva e novo motor (1985 - 1991)[editar | editar código-fonte]

Em 1985 a Ford fez algumas mudanças no modelo, que permaneceria praticamente intacto até o final da sua vida em meados de 1991. O já cansado sedan ganhou nova frente, semelhante a do Ford Corcel, com “grade aerodinâmica” e um spoiler que servia de moldura para os faróis de neblina. O modelo passou a contar com outras denominações. Saia de linha o Prata e Ouro e entravam o GL como básico, GLX como intermediário e o Ghia como versão top de linha. Perdeu o requinte das rodas de liga leve, mas ganhou novos itens. O aro aumentou para 14 polegadas e foi o primeiro carro nacional não esportivo a utilizar perfil 60. O modelo 1987 trouxe os retrovisores elétricos e a volta da opção de rodas de liga-leve. Com a saída de linha do Ford Corcel no ano anterior, a Ford criou a versão L, de acabamento bem mais simples, para ocupar a lacuna entre o Escort e o Del Rey. Em 1988 o modelo não teve mudanças relevantes.

Com a fusão da Volkswagen e Ford em 1987, foi criada a Autolatina, grande empresa que passou a dominar o mercado e quase canibalizou a Ford do Brasil. O Del Rey foi um dos poucos modelos que lucrou com essa fusão, pois ganhou motor AP 1.8 (o mesmo que equipava o Volkswagem Santana), sendo que pouco mudou o desempenho. Sua velocidade máxima subiu de 146km/h para cerca de 150km/h, e sua aceleração partindo da imobilidade baixava de 19 para cerca de 16,5 segundos, devido a nova redução do câmbio e pequeno aumento de potência. O Del Rey recebeu algumas mudanças mecânicas, molas recalibradas na traseira para melhorar o efeito “anti-dive” nas acelerações e “anti-squat” nas frenagens. O retrovisor externo recebeu uma base modificada foi a penultima mudança que o Del Rey recebeu em 1989. Sendo a últma diferença realmente notável entre os modelos com motor 1.8 e 1.6 era o consumo que havia subido ligeiramente.

Em 1991 o Del Rey foi tirado de linha. É um modelo muito lembrado pela modernidade que tinha em sua época, já que o seu irmão maior (Ford Landau) não possuia muito recursos modernos (como vidros elétricos, travas elétricas e retrovisores elétricos). O seu substituto, o Versailles, não obteve o mesmo sucesso devido a sua falta de carisma.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Del Rey e Monza: o confronto entre dois médios (Edição nº 282, janeiro de 1984)

Referências