Héctor Baldassi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes fiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde março de 2013) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes fiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes fiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


Héctor Baldassi
Nome completo Héctor Walter Baldassi
Nascimento 5 de janeiro de 1966 (48 anos)
Río Ceballos, Córdoba,  Argentina
Nacionalidade Argentina argentino
Estatura 1,79
Ocupação ex-Árbitro
Filiação AFA
Árbitro FIFA 2000–2011

Héctor Baldassi (Río Ceballos, Córdoba, Argentina, 5 de janeiro de 1966) é um ex-árbitro argentino de futebol.

História[editar | editar código-fonte]

É árbitro desde 1997 e internacional desde 2000. Foi designado para a Copa América 2004; a Campeonato Mundial de Futebol Sub-20 de 2007 (no entanto não atuou porque um de seus assistentes foi reprovado nos exames físicos); a final da Copa Libertadores da América de 2008 e os Jogos Olímpicos de Verão de 2008, em Pequim.

Em 5 de fevereiro de 2010 foi eleito como um dos trinta árbitros da Copa do Mundo de Futebol de 2010, na África do Sul.[1] [2] Sua estreia como árbitro na Copa do Mundo de Futebol de 2010 foi durante o encontro entre Gana e Sérvia com uma excelente atuação, na qual marcou um penalti difícil de se ver para a equipe africana a seis minutos do fim da partida. O auge de sua atuação no torneio se deu em 29 de junho, no confronto entre Espanha e Portugal. É o único árbitro argentino que já dirigiu todos os clássicos e o Superclássico na Primeira Divisão da Argentina. Colón vs Unión foi o último clássico que dirigiu.

Em 4 de dezembro de 2011 anunciou sua aposentadoria quando atuou na última partida de sua carreira, ao arbitrar a final do torneio Apertura de futebol da primeira divisão, em que o Boca Juniors sagrou-se campeão ao golear o Banfield por 3 a 0.

A nível internacional, sua última partida foi entre as seleções do Uruguai e do Chile no Estádio Centenário de Montevidéu, durante as Eliminatórias da Copa do Mundo FIFA de 2014, no Brasil.[3]

Trajetória na arbitragem[editar | editar código-fonte]

Ano Realização
1990 Obtenção do título de árbitro de futebol pela Asociación de Fútbol de Argentina (AFA).
1991 Estreia como árbitro da categoria infantil.
1993 Estreia como árbitro da categoria juvenil e assistente da primera división.
1995 Estreia como árbitro da primera división D.
1996 Estreia como árbitro da primera división C.
1997 Estreia como árbitro da primera división B e nacional B.
1999 Estreia como árbitro da primera división.
2000 Nomeado pela Asociación de Fútbol de Argentina (AFA) como árbitro internacional.
Estreia na Copa Libertadores da América.
Estreia em partidas das Eliminatórias da Copa do Mundo FIFA de 2002 (Coreia do Sul/Japão).
2001 Designado para o Campeonato Sul-Americano de Futebol Sub-17, em Arequipa (Peru).
2003 Designado para o Campeonato Sul-Americano de Futebol Sub-20, em Montevidéu (Uruguay).
2004 Designado para a Copa América (Peru).
2007 Designado para a Campeonato Mundial de Futebol Sub-20 (Canadá).
2008 Designado para os Jogos Olímpicos de Verão de 2008, Pequim (China).
2009 Designado para o Campeonato Mundial de Futebol Sub-20 (Egito).
2010 Designado para a Copa do Mundo FIFA de 2010 (África do Sul).

Erros de arbitragem contra times Brasileiros[editar | editar código-fonte]

Em 2007, o Flamengo foi vítima da péssima arbitragem de Baldassi por conta de uma arbitragem que foi benevolente com a cera do Defensor, do Uruguai, e que deixou de dar dois pênaltis para os brasileiros e o Rubro-Negro acabou eliminado da competição.

Em 2008, o Santos também se sentiu prejudicado por Baldassi, que apitou seu jogo contra o América do México, nas quartas-de-final da Libertadores.o Peixe perdia por 2 a 0 quando no final, Kléber Pereira fez o gol, mas o árbitro argentino Héctor Baldassi marcou impedimento erradamente.

Mas o maior erro foi na final da Libertadores entre FLUMINENSE E LDU: Sua arbitragem na final da Libertadores (02/07/2008) foi considerada desastrosa. Antes mesmo de a bola rolar no Maracanã, o argentino já prejudicou o Fluminense, ao atrasar o início da partida em mais de quinze minutos, como que esperando a torcida tricolor esfriar.

Durante os noventa minutos do tempo regulamentar, Baldassi ignorou dois pênaltis claríssimos, um sobre Washington e um sobre Cícero. Outro aspecto criticado na arbitragem de Baldassi foi a tolerância com a cera dos equatorianos. O goleiro Cevallos, por exemplo, fazia passar o tempo com simulações intermináveis, desde o primeiro minuto do jogo. Ele só foi advertido com o cartão amarelo aos 13 minutos do segundo tempo da prorrogação.

Na prorrogação, a arbitragem desastrosa continuou. Desta vez, a LDU é que foi prejudicada, tendo um gol mal anulado.

Com o resultado de 3 a 1, e o empate na prorrogação, a final foi para os pênaltis. E Baldassi conseguiu se superar, ao errar até na mesmo na disputa! Na cobrança de Thiago Neves, Cevallos abandonou o gol. A postura correta seria validar o gol do camisa 10, e dar cartão amarelo ao goleiro, o que resultaria em sua expulsão. Mas Baldassi simplesmente mandou voltar a cobrança, sem advertir o goleiro equatoriano.

Outro erro foi contra a Itália.Também em 2008, a Seleção Olímpica da Itália foi mais uma prejudicada, e acabou eliminada das Olimpíadas pela equipe da Bélgica.


Referências

  1. Lista de árbitros e assistentes Copa do Mundo FIFA 2010 (PDF) (em português) FIFA (25 de maio de 2010). Visitado em 12 de março de 2013.
  2. El jugador número 24 (em espanhol) Diario Olé (5 de fevereiro de 2010). Visitado em 12 de março de 2013.
  3. Uruguai 4-0 Chile :: Apuramento WC2014 - CONMEBOL (em português europeu) Zerozero.pt (11 de novembro de 2011). Visitado em 12 de março de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]