Hen Ogledd

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Yr Hen Ogledd (O Antigo Norte) c. 550 – c. 650

Yr Hen Ogledd (em português: O Antigo Norte) é um termo galês utilizado por estudiosos para se referir às partes do que é hoje o norte da Inglaterra e o sul da Escócia nos anos entre 500 e as invasões viking de c. 800, com particular interesse nos povos de línguas britônicas que lá viviam.

O termo é derivado da poesia heroica como dito pelos bardos para o gozo e benefício dos reis galeses daquela época. Do ponto de vista relativo ao sul de Gales, estas são histórias dos Gwŷr y Gogledd (Homens do Norte), com suas relações com os grandes homens do passado dado por genealogias, como a Bonedd Gwŷr y Gogledd (Descendência dos Homens do Norte) e das genealogias harleianas. 'O Norte' se tornou 'O Antigo Norte', em reconhecimento da passagem do tempo uma vez que as obras literárias eram contemporâneos, portanto, O Antigo Norte Velho' e 'Homens do Antigo Norte'.

Na tentativa de construir uma história razoavelmente precisa das áreas que hoje compõem o sul da Escócia e o norte da Inglaterra, os estudiosos têm adotado o termo "Hen Ogledd" ou "Antigo Norte" originário da poesia heroica galesa para se referir aos reinos britônicos, como Rheged. Como é utilizado por historiadores, o termo é aplicado a uma área de pesquisa acadêmica, e não se destina a dar um peso excessivo à poesia e à genealogia que empregaram o termo pela primeira.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Quase nada é conhecido de forma confiável sobre a região central da Grã-Bretanha antes de c. 550. Nunca houve um eficaz controle romano em longo prazo das terras ao norte do rio Tyne. O controle efetivo dos romanos na fronteira Solway, e ao sul dessa linha terminou muito antes da partida tradicional dos militares romanos da Britânia em 407. Observou-se nos escritos de Amiano Marcelino e de outros, que houve um controle romano cada vez menor a partir do século II, e nos anos após 360 houve uma desordem generalizada e o abandono permanente em grande escala do território pelos romanos.

Em 550, a região era controlada pelos povos de línguas britônicas, exceto as áreas costeiras do leste, que eram controladas pelos povos anglos da Bernícia e Deira. Ao norte habitavam os pictos, com o reino de Dál Riata controlado pelos irlandeses, a noroeste. Todos esses povos teriam um papel na história do Antigo Norte.

Contexto histórico[editar | editar código-fonte]

De uma perspectiva histórica a imagem dos Homens do Norte como britânicos nativos na defesa contra os intrusos anglo-saxões é uma visão partidária. As guerras internas eram frequentes, e os britânicos eram agressores, bem como defensores, como servia também de verdade para os anglos, os pictos, e os gaels. No entanto, essas histórias galesas do Antigo Norte, que falam de lutas de britânicos contra anglos têm uma contrapartida, contada do lado oposto. A história do desaparecimento dos reinos do Antigo Norte é a história da ascensão da Nortúmbria, a partir da fusão de dois reinos costeiros, para se tornar uma grande potência no norte da Grã-Bretanha com domínio desde o estuário do Humber até o sul dos firths de Clyde e de Forth.

A Região Central da Grã-Bretanha, c. 550
A expansão da Nortúmbria (Bernícia, Deira), 600 – 700

Os interesses dos reinos desse período não se restringiam às suas imediações. As alianças não eram feitas apenas dentro dos mesmos grupos étnicos, nem as inimizades estavam restritas aos grupos étnicos diferentes vizinhos. Uma aliança de britânicos lutou contra outra aliança de britânicos na batalha de Arfderydd. Áedán mac Gabráin de Dál Riata aparece na Bonedd Gwŷr y Gogledd, uma genealogia entre os nobres dos Homens do Norte.[1] A Historia Brittonum afirma que o rei da Nortúmbria, Oswiu se casou com uma britânica que pode ter tido alguma ascendência picta.[2] [3] Um casamento entre famílias reais nortumbriana e picta produziria o rei picto Talorgan. Áedán mac Gabráin lutou como um aliado dos britânicos contra os nortúmbrianos. Cadwallon ap Cadfan de Gwynedd aliou-se com Penda da Mércia para derrotar Eduíno da Nortúmbria.

A conquista e a derrota não significam, necessariamente, a extirpação de uma cultura e sua substituição por outra. A região britônica do noroeste da Inglaterra foi absorvida pela Nortúmbria angla, no século VII, que ressurgiria trezentos anos mais tarde, como Cúmbria do Sul, unindo-se à Cúmbria do Norte (Strathclyde) para formar um único estado.

Contexto social[editar | editar código-fonte]

A organização dos Homens do Norte era tribal,[nota 1] baseada em grupos de parentescos de famílias extensas, devido a uma submissão à família 'real' dominante, às vezes indiretamente por meio de relações de cliente, e recebendo proteção em troca. Para os povos celtas, esta organização esteve ainda em vigor centenas de anos mais tarde, como representado nas leis irlandesas Brehon, nas leis galesas de Hywel Dda, e nas leis escocesas inter Brettos et Scottos. O Direito anglo-saxão dos germanos tinha origens culturais diferentes, mas com muitas semelhanças com o Direito celta. Assim como o Direito celta, era baseado na tradição cultural, sem qualquer relação perceptível com a ocupação romana da Grã-Bretanha.[nota 2]

A principal corte real (em galês: llys) seria mantida como uma 'capital', mas não era o centro administrativo burocrático da sociedade moderna, nem o povoado ou civitas do governo romano. Como governante e protetor de seu reino, o rei manteria múltiplas cortes em todo o seu território, viajando entre elas para exercer a sua autoridade e para atender às necessidades de seus clientes, como na distribuição da justiça. Este antigo método de distribuição de justiça sobreviveu durante toda a Inglaterra como parte do processo real até as reformas de Henrique II (que reinou de 1154 a 1189) que modernizou a administração do Direito.

Língua[editar | editar código-fonte]

A ciência moderna utiliza o termo cúmbrico para a variedade da língua britânica falada no Hen Ogledd. Parece ter sido muito intimamente relacionada com o galês antigo, com algumas variações locais. Não há textos sobreviventes escritos no dialeto; evidência para isso vem de topônimos, nomes próprios em algumas inscrições antigas e em fontes posteriores não cúmbricas, em dois termos na Leges inter Brettos et Scottos, e o corpo de poesia pelo cynfeirdd, os "primeiros poetas", quase todos relacionados ao norte.[4]

A poesia cynfeirdd é a maior fonte de informação, e é geralmente aceito que uma parte do corpo foi composto inicialmente em norte antigo.[4] Porém, ele sobrevive inteiramente em manuscritos posteriores criados em galês, e não se sabe como eles são fiéis aos originais. Ainda assim, os textos contêm variações perceptíveis que distinguem o discurso do galês contemporâneo. Em particular, esses textos contêm uma série de arcaísmos - características que parecem ter sido outrora comum em todas as variedades britônicas, mas que depois desapareceram do galês e dos dialetos do sudoeste.[4] Em geral, porém, as diferenças parecem ser muito pequenas, e a distinção entre cúmbrico e galês antigo é em grande parte geográfica e não linguística.[5]

O cúmbrico desapareceu gradualmente quando a área foi conquistada pelos anglo-saxões, e mais tarde pelos escoceses e nórdicos, apesar de ainda ter sobrevivido no Reino de Strathclyde, centrado em torno de Alt Clut no que agora é Dumbarton, na Escócia. Kenneth H. Jackson sugeriu que ele ressurgiu na Cúmbria no século X, quando Strathclyde estabeleceu hegemonia sobre aquela área. Não se sabe quando o cúmbrico foi finalmente extinto, mas a série de sistemas de contagem de origem celta registrado no norte da Inglaterra desde o século XVIII têm sido proposto como evidência de uma sobrevivente de elementos do cúmbrico;[5] embora o ponto de vista tenha sido amplamente rejeitado por motivos linguísticos, com evidências que apontam para o fato de que ele foi importado para a Inglaterra após a era do inglês antigo[6] [7] .

Interesse galês[editar | editar código-fonte]

Uma das histórias tradicionais relacionadas com a criação do País de Gales é derivada da chegada em Gales de Cunedda e seus filhos como 'Homens do Norte'. O próprio Cunedda é considerado o progenitor da dinastia real de Gwynedd, um dos maiores e mais poderosos dos reinos medievais galeses, e um participante da história do Antigo Norte. Cunedda, aliás, é representado como um descendente de um dos generais de Máximo, Paterno, que Máximo nomeou como comandante em Alt Clut. Porém, a relação entre Gales e o Antigo Norte é mais substancial do que este evento único, na ordem de uma auto-percepção de que os galeses e os Homens do Norte são um só povo.[nota 3]

Muitas das fontes tradicionais de informação sobre o Antigo Norte, acredita-se ter chegado ao País de Gales vindas do Antigo Norte, e por meio dos bardos, como Aneirin (o renomado autor de Y Gododdin) que provavelmente tenham sido poetas na corte do Antigo Norte. Essas histórias e bardos são tidos serem menos galeses que as histórias e bardos que eram realmente de Gales.

Natureza das fontes[editar | editar código-fonte]

Uma relação de passagens das fontes literárias e históricas, particularmente relevantes para o Antigo Norte, pode ser encontrada no artigo Wales and the Britons of the North de Edward Anwyl.[11] Uma introdução um tanto datada para o estudo da poesia galesa antiga pode ser encontrada em seu artigo de 1904 Prolegomena to the Study of Old Welsh Poetry.[12]

Fontes literárias[editar | editar código-fonte]

As histórias elogiando um patrono e a construção de genealogias lisonjeiras não são fontes nem imparciais, nem confiáveis de informações historicamente precisas. Porém, embora possam exagerar e fazer afirmações apócrifas, não falsificam ou alteram os fatos históricos que eram de conhecimento dos ouvintes dos bardos, uma vez que traria o ridículo e o descrédito para os bardos e seus patronos. Além disso, a existência de histórias da derrotas e tragédias, bem como histórias de vitórias, dá uma credibilidade adicional ao seu valor como fontes da história. Dentro desse contexto, as histórias contêm informações úteis, em grande parte incidental, sobre uma época da história britânica, onde muito pouco é conhecido de forma confiável.

Fontes históricas[editar | editar código-fonte]

Estas fontes não estão isentas de erros. Os autores e seus posteriores transcritores, por vezes, demonstraram um partidarismo que promoveu os seus próprios interesses, retratando suas próprias ordens de trabalho em uma luz positiva, sempre do lado da justiça e da retidão moral. Os fatos em oposição àquelas agendas são muitas vezes omitidos, e as entradas de apócrifos são por vezes adicionadas.

Apesar de Beda ser um partidária da Nortúmbria e expressou seu preconceito contra os bretões nativos, sua História Eclesiástica é altamente considerada por seus esforços no sentido de narrar com precisão a história, e pelo uso de fontes confiáveis. Ao passar ao longo da informação "tradicional", que carece de um fundamento histórico, Beda toma o cuidado de observá-la como tal.[15]

O De Excidio et Conquestu Britanniae de Gildas (c. 516 – 570) é ocasionalmente relevante na medida em que menciona antigas pessoas e lugares também mencionados nas fontes literárias e históricas. O trabalho destinava-se a pregar o Cristianismo para os contemporâneos de Gildas e não foi concebido para ser uma história. É um dos poucos relatos contemporâneos de sua época que sobreviveu.

Fontes duvidosas e fraudulentas[editar | editar código-fonte]

A Historia Regum Britanniae de Godofredo de Monmouth é menosprezada como pseudo-história, embora se agigante como uma fonte para a grande parte das histórias ficcionais românticas conhecidas coletivamente como a Matéria da Bretanha. A falta de valor histórico atribuído à Historia reside apenas parcialmente no fato de que ela contém tantas ficções e falsificações da história;[nota 4] o fato de que a clara precisão histórica não era uma consideração em sua criação faz qualquer referência a pessoas reais e lugares não mais do que uma conveniência literária.

Os Manuscritos Iolo são uma coleção de manuscritos apresentados no início do século XIX por Edward Williams, que é mais conhecida como Iolo Morganwg. Contendo contos diversos, material anedótico e genealogias elaboradas que ligam praticamente todos da nota com todos os outros da nota (e com muitas conexões com o Rei Artur e a região nativa de Iolo, a de Morgannwg), eles foram à princípio aceitos como verdadeiros, mas se mostraram com o tempo serem uma variedade de manuscritos falsos ou falsificados, transcrições e fantasias, principalmente inventadas pelo próprio Iolo. A lista de obras contaminadas pela confiança no material apresentado por Iolo (às vezes sem atribuição) seria bastante longa.

Reinos e regiões[editar | editar código-fonte]

Reinos principais[editar | editar código-fonte]

Os locais no Antigo Norte, que são mencionados como reinos nas fontes literárias e históricas são:

  • Alt Clut ou Ystrad Clud – um reino centrado no que é hoje Dumbarton na Escócia. Posteriormente conhecido como Reino de Strathclyde, foi um dos mais confirmados dos reinos do norte britânico. Foi também o último sobrevivente, uma vez que funcionava como um reino independente até o século XI antes de ser finalmente absorvido pelo Reino da Escócia.[19]
  • Elmet – centrado na região oeste de Yorkshire, no norte da Inglaterra. Foi localizado ao sul de outros reinos do norte britânico, e também bem a leste do atual País de Gales, mas conseguiu sobreviver até o início do século VII.[20]
  • Gododdin – um reino no que hoje é o sudeste da Escócia e nordeste da Inglaterra, a área anteriormente registrada como o território dos votadinos. Eles são o tema do poema Y Gododdin, que descreve uma incursão desastrosa por um exército de Gododdin contra os anglos da Bernícia.[21]
  • Rheged – um reino importante que evidentemente incluía partes da atual Cúmbria, embora toda a sua extensão seja desconhecida. Pode ter abrangido uma vasta área em um determinado período, pois está muito intimamente associado com seu rei Urien, cujo nome está ligado a lugares em todo o noroeste da Grã-Bretanha.[22]

Reinos menores e outras regiões[editar | editar código-fonte]

Várias regiões são mencionadas nas fontes, consideradas como regiões notáveis dentro de um dos reinos ou separadas deles:

  • Aeron – um reino menor mencionado em fontes, tais como Y Gododdin, a sua localização é incerta, mas vários estudiosos têm sugerido que ele ficava na região de Ayrshire, no sudoeste da Escócia[23] [24] [25] [26] Esta frequentemente associado a Urien Rheged, e deve ter feito parte de seu reino.[27]
  • Calchfynydd ("Chalkmountain") – quase nada se sabe sobre esta área, embora fosse provável que se situasse em algum lugar do Hen Ogledd, uma vez que um de seus governantes, Cadrawd Calchfynydd, está listado no Bonedd Gwŷr y Gogledd. William Forbes Skene sugeriu uma identificação com Kelso (anteriormente Calchow) na Scottish Borders.[28]
  • Eidyn – esta era a área ao redor da cidade moderna de Edimburgo, então conhecida como Din Eidyn (Forte de Eidyn). Foi intimamente associada com o reino de Gododdin.[29] Kenneth H. Jackson argumentou fortemente que Eidyn se refere exclusivamente a Edimburgo,[30] mas outros estudiosos têm tomado-o como uma designação para a área mais ampla.[31] [32] O nome sobrevive atualmente em topônimos como Edimburgo, Dunedin, e Carriden (de Caer Eidyn), localizado cerca de vinte quilômetros o oeste.[33] Din Eidyn foi sitiada pelos anglos em 638 e ficou sob seu controle durante os três séculos seguintes.[34]
  • Manaw Gododdin – a área litorânea ao sul do Firth of Forth, e parte do território dos gododdin.[21] O nome sobrevive em Slamannan Moor e nas aldeias de Slamannan, em Stirlingshire.[35] Isto deriva de Sliabh Manann, a 'Lagoa de Manann'.[36] Aparece também no nome de Dalmeny, cerca de sete quilômetros a noroeste de Edimburgo, e anteriormente conhecida como Dumanyn, assumiu ser derivado de Dun Manann.[36] O nome também sobrevive ao norte do Forth, em Pictish Manaw como nome do burgh de Clackmannan e o condado homônimo de Clackmannanshire,[37] derivado de Clach Manann, a 'pedra de Manann',[36] referindo-se a um monumento de pedra localizado lá.
  • Novante – um reino mencionado em Y Gododdin, presumivelmente relacionadas com a tribo Nóvantas da Idade do Ferro, no sudoeste da Escócia.[38] [39]
  • Regio Dunutinga – um reino menor ou região em North Yorkshire mencionado na Vita Sancti Wilfrithi. Recebeu esse nome devido a seu governante chamado Dunaut, talvez o Dunaut ap Pabo conhecido das genealogias.[40] Seu nome sobrevive na moderna cidade de Dent.[41]

Os reinos que não faziam parte do Antigo Norte, mas que são parte de sua história são:

Reinos prováveis[editar | editar código-fonte]

Os seguintes nomes aparecem em fontes históricas e literárias, mas não se sabe ou não se referem aos reinos britânicos e regiões do Hen Ogledd.

Notas

  1. Os domínios tribais eram chamados reinos e eram governados por um rei, mas não eram organizados como Estados-nação no sentido moderno (ou antigo romano) da palavra. Os reinos deveriam crescer e encolher baseados nas fortunas transitórias do líder da tribo e da família real, com alianças regionais e inimizades desempenhando um papel à parte na organização resultante. Esta organização era aplicável ao sul do País de Gales da era pós-romana, onde as inter-relações reais dos reinos de Glywysing, Gwent, e Ergyng estão tão completamente entrelaçados que não é possível construir uma história independente de qualquer um deles. Quando a contenção (isto é, 'guerra') ocorria, era entre os indivíduos do alto escalão e seus respectivos clientes, na forma da disputa entre a Casa de Lencastre e a Casa de York durante a Guerra das Rosas no século XV.
  2. O "Direito anglo-saxão" é um moderno neologismo para o Direito saxão de Wessex, o Direito anglo da Mércia, e o Danelaw, os quais eram suficientemente semelhantes para merecerem inclusão dentro deste termo genérico. As leis da angla Nortúmbria foram suplantadas pela Danelaw, mas certamente eram semelhantes a estas. As origens do Direito inglês têm sido muito estudadas. Por exemplo, no século XII, o Tractatus de legibus et consuetudinibus regni Angliae (Tratado sobre as leis e costumes do Reino da Inglaterra) é o livro de referência sobre a common law inglesa, e os estudiosos têm sustentado que ele tem uma dívida com o Direito normando e o Direito germânico, e não com o Direito romano.
  3. O moderno termo galês termo para si mesmos, Cymry, deriva dessa relação antiga. Não é originalmente um termo étnico ou cultural, e refere-se aos galeses do País de Gales e aos Homens do Norte de fala britônica, exclusiva de todos os outros.[8] [9] Nunca incluiu os córnicos ou os bretões, que são de herança, cultura e língua semelhantes a dos galeses e aos Homens do Norte. A palavra entrou em uso como uma auto-descrição no início do século VII, e provavelmente mais cedo.[10] Tinha sido usado na Idade Média para descrever Strathclyde (o Estado sucessor de Ystrad Clud, conhecido como Cúmbria do Norte, que floresceu c. 900-1100) e a Inglaterra ocidental ao norte do estuário do Ribble (Cúmbria do Sul). Sobrevive até hoje, no nome do País de Gales (em galês: Cymru, terra dos Cymry) e no nome de um dos territórios do Antigo Norte, Cúmbria.
  4. Os trabalhos acadêmicos de autores de renome, tais como A History of Wales from the Earliest Times to the Edwardian Conquest (1911), deJohn Edward Lloyd, contém numerosas citações de fabricações de histórias de Godofredo, nunca o citando como fonte de informação histórica legítima [16] Trabalhos mais recentes de história tendem a gastar menos energia com a Historia de Godofredo, simplesmente ignorando-o nas passagens. Em A History of Wales (1990) de Davies, o primeiro parágrafo da página 1 discute a importância de Godofredo, depois o que ele é ocasionalmente mencionado como a fonte de imprecisões históricas e não como um fonte de informação histórica legítima.[17] Os trabalhos mais antigos devem dedicar alguns parágrafos detalhando a prova de que Godofredo foi o inventor de informações fictícias, como em The Early History of Oxford de James Parker, onde pessoas como Eldad, Eldod, Abbot Ambrius, e outros são observados como sendo produtos da própria imaginação de Godofredo.[18]

Citações

  1. Bromwich 2006, pp. 256–257
  2. Nennius (c. 800), "Genealogies of the Saxon kings of Northumbria", in Stevenson, Joseph, Nennii Historia Britonum, Londres: English Historical Society, 1838, p. 50, http://books.google.com/books?id=Kq8KAAAAYAAJ&pg=PA50 
  3. Nicholson, E. W. B. (1912), "The 'Annales Cambriae' and their so-called 'Exordium'", in Meyer, Kuno, Zeitschrift für Celtische Philologie, VIII, Halle: Max Niemeyer, p. 145, http://books.google.com/books?id=80CwEwwb6d0C&pg=PA145 
  4. a b c Koch 2006, p. 516.
  5. a b Koch 2006, p. 517.
  6. A Dictionary of English Folklore, Jacqueline Simpson, Stephen Roud, xford University Press, 2000, ISBN 019210019X, 9780192100191, Shepeherd's score, pp. 271
  7. Margaret L. Faull, Local Historian 15:1 (1982), 21-3
  8. Lloyd 1911:191 – 192, Nota para o capítulo VI, o Nome "Cymry"
  9. Phillimore, Egerton (1888), "Review of "A History of Ancient Tenures of Land in the Marches of North Wales"", in Phillimore, Egerton, Y Cymmrodor, IX, Londres: Honourable Society of Cymmrodorion, pp. 368 – 371, http://books.google.com/books?id=aFMrAAAAIAAJ&pg=PA368 
  10. Phillimore, Egerton (1891), "Note (a) to The Settlement of Brittany", in Phillimore, Egerton, Y Cymmrodor, XI, Londres: Honourable Society of Cymmrodorion, 1892, pp. 97 – 101, http://books.google.com/books?id=M35QO0vor-EC&pg=PA97 
  11. Anwyl, Edward (July 1907 – April 1908), "Wales and the Britons of the North", The Celtic Review, IV, Edimburgo: Norman Macleod (publicado em 1908), pp. 125 – 152; 249 – 273, http://books.google.com/books?id=6mIGAQAAIAAJ&pg=PA125 
  12. Anwyl, Edward (1904), "Prolegomena to the Study of Old Welsh Poetry", Transactions of the Honourable Society of Cymmrodorion (Session 1903 – 1904), London: Honourable Society of Cymmrodorion (publicado em 1905), pp. 59 – 83, http://books.google.com/books?id=1VoJAAAAIAAJ&pg=PA64 
  13. Lloyd 1911:122 – 123, notas sobre as Tríades Históricas, em The History of Wales
  14. Rachel Bromwich (ed.), Trioedd Ynys Prydein (University of Wales Press, edição revisada 1991) ISBN 0 7083 0690.
  15. Para uma visão recente de tratamento de Beda dispensada aos britânicos em seu trabalho, W. Trent Foley e N.J. Higham, "Bede on the Britons." Early Medieval Europe 17.2 (2009): pp. 154–85.
  16. Lloyd 1911, A History of Wales
  17. Davies 1990:1. A History of Wales
  18. Parker, James (1885), "Description of Oxford in Domesday Survey", The Early History of Oxford 727 – 1100, Oxford: Oxford Historical Society, p. 291, http://books.google.com/books?id=OwYtAAAAIAAJ&pg=PA291 
  19. Koch 2006, p. 1819.
  20. Koch 2006, pp. 670–671.
  21. a b Koch 2006, pp. 823–826.
  22. Koch 2006, pp. 1498–1499.
  23. Koch 2006, pp. 354–355; 904.
  24. Bromwich 1978, pp. 12–13; 157.
  25. Morris-Jones, pp. 75–77.
  26. Williams 1968, p. xlvii.
  27. Koch 2006, p. 1499.
  28. Bromwich 2006, p. 325.
  29. Koch 2006, pp. 623–625.
  30. Jackson 1969, pp. 77-78
  31. Williams 1972, p. 64.
  32. Chadwick, p. 107.
  33. Dumville, p. 297.
  34. Koch 2006, pp. 223–225.
  35. Rhys, John (1904), "The Picts and Scots", Celtic Britain (3rd ed.), Londres: Society for Promoting Christian Knowledge, p. 155, http://books.google.com/books?id=DGsNAAAAIAAJ&printsec=titlepage 
  36. a b c Rhys, John (1901), "Place-Name Stories", Celtic Folklore: Welsh and Manx, II, Oxford: Oxford University, p. 550, http://books.google.com/books?id=2mNWyM2m-zMC&printsec=frontcover 
  37. Rhys 1904:155, Celtic Britain, The Picts and the Scots.
  38. Koch 2006, pp. 824–825.
  39. Koch 1997, pp. lxxxii–lxxxiii.
  40. Koch 2006, p. 458.
  41. Koch 2006, p. 904.
  42. Koch 2006, pp. 302–304.
  43. Koch 2006, pp. 584–585.

Referências

Leituras adicionais[editar | editar código-fonte]

  • Alcock, Leslie. Kings and Warriors, Craftsmen and Priests in Northern Britain, AD 550-850. Edinburgh, 2003.
  • Alcock, Leslie. "Gwyr y Gogledd. An archaeological appraisal." Archaeologia Cambrensis 132 (1984 for 1983). pp. 1–18.
  • Cessford, Craig. "Northern England and the Gododdin poem." Northern History 33 (1997). pp. 218–22.
  • Dark, Kenneth R. Civitas to Kingdom. British political continuity, 300-800. London: Leicester UP, 1994.
  • Dumville, David N. "Early Welsh Poetry: Problems of Historicity." In Early Welsh Poetry: Studies in the Book of Aneirin, ed. Brynley F. Roberts. Aberystwyth, 1988. 1-16.
  • Dumville, David N. "The origins of Northumbria: Some aspects of the British background." In The Origins of Anglo-Saxon Kingdoms, ed. S. Bassett. Leicester: Leicester University Press, 1989. pp. 213–22.
  • Higham, N.J. "Britons in Northern England: Through a Thick Glass Darkly." Northern History 38 (2001). pp. 5–25.
  • Macquarrie, A. "The Kings of Strathclyde, c.400-1018." In Medieval Scotland: Government, Lordship and Community, ed. A. Grant and K.J. Stringer. Edinburgh: Edinburgh UP, 1993. pp. 1–19.
  • Miller, Molly. "Historicity and the pedigrees of north countrymen." Bulletin of the Board of Celtic Studies 26 (1975). pp. 255–80.
  • Woolf, Alex. "Cædualla Rex Brettonum and the Passing of the Old North." Northern History 41.1 (2004): 1-20.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]