João, Infante de Portugal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde março de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
João de Portugal
Infante de Portugal
Senhor de Reguengos, Colares e Belas
Infante João nos Painéis de São Vicente de Fora
Condestáveis de Portugal
Antecessor Nuno Álvares Pereira
Sucessor Diogo de Portugal
Esposa Isabel de Barcelos
Descendência
Diogo de Portugal
Isabel de Portugal
Beatriz de Portugal
Filipa de Portugal
Casa Avis
Pai João I de Portugal
Mãe Filipa de Lencastre
Nascimento 13 de Janeiro de 1400
PortugueseFlag1385.svg Santarém
Morte 18 de Outubro de 1442 (42 anos)
PortugueseFlag1385.svg Alcácer do Sal
Religião Católico
Brasão

João de Portugal (Santarém, 13 de Janeiro de 1400Alcácer do Sal, 18 de Outubro de 1442) foi um infante de Portugal da dinastia de Avis, filho do rei D. João I e de sua mulher, a rainha Filipa de Lencastre.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Foi 3.º Condestável de Portugal, sucedendo a Nuno Álvares Pereira, 10.º Mestre da Ordem de Santiago, e ainda 1.º Senhor de Reguengos, Colares e Belas. Em 1424, João casou com a sobrinha Isabel de Barcelos, filha do duque Afonso.

Durante o reinado de Duarte, João juntou-se ao irmão Pedro, duque de Coimbra na contestação à expedição a Tânger que haveria de acabar em desastre. Defendeu ainda a entrega da cidade de Ceuta, conquistada em 1415 em troca da liberdade do Infante Santo, mesmo contra a vontade do próprio.

No início do reinado do seu sobrinho Afonso V de Portugal, a regência do reino foi entregue a Leonor de Aragão, a rainha mãe. Esta decisão testamentária do falecido rei provocou contestação popular e ameaças de motins em Lisboa. Foi João que se instalou na capital, para evitar uma rebelião. Depois, recusando as ofertas de aliança de Leonor e Afonso, Conde de Barcelos (o futuro Duque de Bragança), defendeu a realização de cortes para nomear o duque de Coimbra novo regente.

Descendência[editar | editar código-fonte]

Realeza Portuguesa
Casa de Avis
Descendência
Ordem Avis.svg
Precedido por
Nuno Álvares Pereira
Condestáveis de Portugal
Sucedido por
Diogo de Portugal