Legio III Gallica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Moeda cunhada por Heliogábalo. No verso pode ver-se a insígnia e símbolo da III Gallica.

Legio III Gallica (ou terceira legião gálica, ou gaulesa) foi uma legião romana[1] criada em 49 a.C. por Júlio César. O último registo da actividade desta legião data do princípio do século IV, no atual Médio Oriente. O símbolo desta legião era o touro.

A III Gallica foi recrutada por César no início da guerra civil contra a facção conservadora do senado, liderada por Pompeu. O cognome sugere que tenha sido originalmente constituída por homens recrutados nas províncias gálicas. A legião serviu bem o intento da sua criação pois participou em todas as campanhas de Júlio César contra os seus inimigos, estando presente nas batalhas de Farsalos e Munda.

Depois da morte de César em 44 a.C., a III Gallica foi integrada no exército que Marco António, levou para o Oriente para a campanha contra o Império Parta, que nunca chegou a ser consumada. De regresso à Europa, fizeram parte do exército que Fúlvia e Lúcio António, a mulher e irmão mais novo de Marco António, mobilizaram numa revolta contra César Augusto. O episódio acabou pouco depois, com a rendição de Perúgia no Inverno de 41 a.C. e subsequente exílio de Fúlvia. Depois da batalha de Áccio em 31 a.C., a III Gallica foi de novo enviada para o Oriente, como guarnição da província da Síria.

A III Gallica foi uma das legiões usadas por Cneu Domício Córbulo na campanha bem sucedida contra os arménios. A vitória foi de tal modo expressiva que Nero passou a ver Córbulo como um perigo e ordenou o seu suicídio. Logo após, a III Gallica foi transferida para a Mésia, na fronteira do Danúbio. No ano dos quatro imperadores (69 d.C.), a legião acompanhou os exércitos do Danúbio no seu apoio primeiro a Otão, depois a Vespasiano. A legião desempenhou um papel importante na batalha de Cremona contra Vitélio e na subida na dinastia flaviana ao trono imperial.

Após esta guerra civil, a legião foi de novo enviada para o Oriente, onde lutaram contra os insurrectos locais nas revoltas dos Judeus do século II. Participaram também nas campanhas de Lúcio Vero (161-166 AD) e Septímio Severo (197-198 d.C.) contra o Império Parta.

Em 219, a III Gallica foi desmobilizada pelo imperador Heliogábalo, após uma tentativa mal sucedida de usurpação pelo seu comandante, Vero. Os legionários da III Gallica foram incorporados noutras legiões, principalmente a Legio III Augusta, que estava estacionada no norte de África. A unidade foi restabelecida no reinado seguinte, de Alexandre Severo, e enviada de novo para o Médio Oriente, de onde, em 323, se obtém o último registo conhecido desta legião.

Referências

  1. Grandes Impérios e Civilizações: Roma - Legado de um império. 1.ed. Madri: Ediciones del Prado, 1996. pp.112 p.. 2 v. v. 1 ISBN 84-7838-740-4
absbottom
Legiões Romanas

I Adiutrix - I Italica - II Adiutrix - II Italica - III CyrenaicaIII Augusta - III Gallica - IV Macedonica - V Alaudae - IX Hispana - X Gemina - XIII Gemina - XVII - XVIII - XIX - XX Valeria Victrix - XXI Rapax - XXII Primigenia - mais...