Les Proscrits

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Les Proscrits (em português Os Proscritos) é um romance de Honoré de Balzac, surgido em 1831 nas edições Gosselin, depois em 1846 na Furne, Bubochet, Hetzek nos Estudos filosóficos da Comédia Humana.

Esse romance faz parte do Livro Místico ao mesmo título que Louis Lambert e Seráfita. Encontra-se aqui um dos temas de Louis Lambert: a teoria do doutor Sigier de acordo com a qual a inteligência tem diversas manifestações: da inteligência do bruto até a inteligência dos anjos. E também a idéia de que os anjos vivem em meio aos homens, idéia que se encontra frequentemente em Balzac na descrição de retratos femininos (Esther, o anjo caído de Esplendores e misérias das cortesãs, tem o aspecto de um anjo e termina sua vida em um tipo de redenção angélica).

Enredo[editar | editar código-fonte]

Em princípio do século XIV, o sargento Tirechair vive atrás de Notre-Dame de Paris em uma casa sombria. Ele aloja dois estrangeiros que o assustam e que ele crê serem capazes de bruxaria, apesar de se tratar de dois fidalgos. O mais velho frequentou a corte do rei, o mais jovem (Godefroy, conde de Gand) é filho da condessa de Mahaut, a qual trabalha como servente na cada dos Tirechair. O sargento se prepara para expulsá-los na mesma tarde em que os dois homens assistem a um curso de teologia mística. Conhece-se então o doutor Sigier e sua teoria dos mistérios da criação.

O velho gentil-homem, que foi proscrito de seu país natal, a Itália, não é outro senão o poeta Dante Alighieri, que um cavaleiro vem informar que pode retornar a Florença, sua cidade de origem. Quanto a Godefroy, que se prepara para se suicidar a fim de se juntar aos anjos, e que o poeta salva em última hora, o jovem acaba por encontrar sua mãe e sua nobre condição.

O desenvolvimento rápido da narrativa, inicialmente complexa, faz dessa esquete histórica (subtítulo de Balzac) uma obra insólita onde se encontra a expressão do misticismo do autor da Comédia Humana.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • (fr) Wayne Conner, « En marge des Proscrits : Vigny lecteur de Balzac », L'Année balzacienne, 1974, p. 322-23.
  • (fr) Allan H. Pasco, « Les Proscrits et l’unité du ‘Livre mystique’ », L’Année balzacienne, juil. 1999, n° 20 (1), p. 75-92.
  • (fr) Maxime Prévost, « Écrire la voyance : présence de Dante Alighieri dans Les Proscrits de Balzac », Études Littéraires, Printemps 2006, n° 37 (2), p. 87-98.
  • (pt) Honoré de Balzac, « A comédia humana ». Porto Alegre: Editora Globo, 1954. Volume XVI.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]