M14 (fuzil)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fuzil M14
United States Rifle, 7.62 mm, M14
M14 rifle - USA - 7,62x51mm - Armémuseum.jpg
Dois rifles M14, do Museu do Exército da Suécia sem seus respectivos carregadores.
Tipo Fuzil, Fuzil de precisão
Local de origem  Estados Unidos
História operacional
Em serviço 1959 - atualmente
Utilizadores  Argentina
 Austrália
 Colômbia
Costa Rica
República Dominicana
Equador
El Salvador
Eritreia
 Estónia
 Etiópia
 Grécia
Haiti
Honduras
 Israel
Laos
 Lituânia
 Marrocos
Níger
Filipinas
 Coreia do Sul
Taiwan
 Tunísia
 Estados Unidos
 Venezuela
Guerras Guerra do Vietnã - atualmente
Histórico de produção
Data de criação 1954
Período de
produção
1959-1964 [1] [2]
Quantidade
produzida
1,5 milhão [3]
Variantes M14E1, M14E2/M14A1, M14K, M21, M25, Mk 14 EBR, M1A
Especificações
Peso 9,2 lb (4,17 kg) vazio
10,7 in (272 mm) com carregador cheio
Comprimento 44,3 in (1 130 mm)
Comprimento 
do cano
22 in (559 mm)
Cartucho 7.62×51mm NATO (.308 Winchester)
Ação operado a gás, ferrolho rotativo
Cadência de tiro 700/750 tiros por minuto
Alcance efetivo 850 m/s (2,800 ft/s)
Alcance máximo 500 yd (457 m) [4]
875 yd (800 m) (com ótica)
Sistema de suprimento 20 balas com carregador destacável
Mira Abertura traseira, vista frontal "barleycorn"

O Fuzil M14, (em inglês: M14 Rifle), oficialmente, United States Rifle, 7.62 mm, M14 é um fuzil de assalto de estadunidense que dispara munição 7.62×51mm NATO (militar) ou .308 Winchester (comercial). Foi o rifle padrão dos Estados Unidos de 1959 a 1970. [5]

O M14 foi usado pelo exército e Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos nos níveis básicos e de treinamento individual avançado, e foi o rifle de infantaria padrão paramilitar nos Estados Unidos Continentais, Europa e Coréia do Sul até ser substituído pelo M16, em 1970. Permanece em serviço limitado da linha de frente dentro de todos os ramos das Forças Armadas dos Estados Unidos e também é usado como uma arma cerimonial pela guarda de honra e similares.

O rifle M14 foi também o último fuzil de batalha [6] a ser fabricado em grande quantidade para os militares norte-americanos. O M14 também serviu de base para a fabricação dos fuzis de precisão M21 e M25.

História[editar | editar código-fonte]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

O M14 foi desenvolvido a partir de uma longa linhagem de armas experimentais baseado no rifle M1 Garand. Embora a M1 estivesse entre os fuzis mais avançados da infantaria da década de 1930, não era uma arma perfeita. Modificações começaram a ser feitas no projeto básico do rifle M1, desde o final da Segunda Guerra Mundial. Mudanças essas incluem a adição da capacidade de fogo automático e a substituição do método de carregamento, onde o clipe em bloco com 8 projéteis, de difícil carregamento seria substituído por um carregador destacável de 20 projéteis. As fabricantes Winchester, Remington Arms, Springfield Armory e o próprio John Garand ofereceram diferentes conversões da arma. O projeto de Garand, intitulado "T20" foi o mais popular, servindo de base para os rifles de teste da Springfield entre de 1945 e a década de 1950.

T25 Experimental Rifle.jpg
T47 Experimental Rifle.jpg
Comparativo entre os dois protótipos dos modelos da Springfield Armory, o T-25 (em cima) e o T-47, de maio de 1951 (em baixo).

Em 1945, Harvey Earle, engenheiro da Springfield Armory, projetou um rifle completamente diferente, o T-25, para o cartucho T-65 .30 Light Rifle, sob a direção do coronel Rene Studler, então servindo no Pentágono. [7] Ao final de 1945, os dois homens foram transferidos para a Springfield Armory, onde o trabalho na T25 continuou. O T-25 foi projetado para o cartucho T-65, pelo Arsenal Frankford, baseado no cartucho .30-06 Springfield usado do rifle M1, porém seu comprimento foi encurtado para .300 Savage [7] . Embora mais curto que o .30-06, com menor capacidade de fogo, o T65 possuía a mesma energia balística do .30-06, pelo uso da tecnologia recém desenvolvida do uso de bolas, pela Olin Industries. [7] [8] Depois de experimentar diversos projetos de balas, o T-65 foi concluso para adoção com o cartucho da OTAN 7.62, de 51mm. Posteriormente a Olin Industries comercializou o cartucho no mercado comercial como .308 Winchester. Após uma série de revisões de Earle Harvey e outros membros do grupo de design do .30 Light Rifle e os testes iniciais realizados em 1950, o T-25 foi rebatizado como T-47. [7]

Em contra partida, o protótipo do fuzil T-44, que teve um orçamento curto, foi projetado como alternativa ao T-47. Contando apenas com os recursos mínimos disponíveis, o protótipo mais antigo do T-44, usava simplesmente receptores T20E2 equipados com carregadores de bloco e seu cano foi reaproveitado para o uso do 7.62mm NATO, com a ação de funcionamento do M1 substituída pelo sistema de corte à gás do T-47. Lloyd Corbett, engenheiro do grupo de design de Earle Harvey, acrescentou vários refinamentos ao projeto T-44, incluindo uma haste de operação direta e um pino para reduzir o atrito. [7]

Testes no Conselho do Batalhão de Infantaria[editar | editar código-fonte]

O T-44 participou de uma competição conduzida pelo Batalhão de Infantaria do Forte Benning, na Georgia, contra o Springfield T-47 e o FN FAL da Fabrique Nationale de Herstal, designado como T-48. [9] O T-47, que não possuía o bolt roller e foi pior nos testes em tempo frio que qualquer T-44 ou T-48, assim foi desconsiderado em 1953. [7] Durante 1952-53, testes provaram que o T-48 e o T-44 tiveram desempenho comparavelmente muito próximos, porém o T-48 possuía uma vantagem em campos abertos e boa resistência à poeira e a desvantagem do longo tempo de espera de desenvolvimento do produto. [7] [9] Um artigo da revista Newsweek em julho de 1953 apontava o T-48/FAL como o selecionado, ganhando do T-44. [7] [10] Durante o inverno de 1953-54, ambos competiram nas instalações do Exército estadunidense, no Ártico. [9] [11] Engenheiros da Springfield Armory ansiosos para garantir a seleção do T-44 prepararam uma modificação específica para os testes sob câmara fria, incluindo o redesenho do regulador de gás e modificações personalizadas do carregador e outras peças, visando reduzir o atrito e a pressão dos ambientes extremamente frios.[9] [11] Os T-48 que não receberam tal preparação especial e durante os testes experimentaram um sistema de gás lerdo, que continuava frio após os disparos. Os engenheiros da FN, tentando melhorar o funcionamento, abriram espaços para a saída do gás, o que causou a quebra e extração precoce de peças, resultando aumento de pressão. O relatório do Conselho de Testes no Ártico deixou claro que uma melhora no T-48 seria necessária e como resultado, o T-44 foi classificado como superior em climas frios, até ser superado pelo T-48 no inverno seguinte. [7] [9] [11]

Um raro modelo de apresentação, série #0010.

Em junho de 1954, finalmente foi disponibilizado o financiamento para os receptores recém fabricados do T-44, especialmente projetados para o cartucho T-65. Os testes no Forte Benning continuaram até o outono de 1956, altura em que os T-48/FAL também tinham sido melhorados.

Por fim, o T-44 teve vantagem sobre o T-48/FAL e foi selecionado para ser o M14, principalmente pelos seguintes fatores: [7] [9] [11]

  • Menor peso (cerca de 1Kg mais leve)
  • Simplicidade (possuía menos partes)
  • Um sistema auto-compensador à gás (para ambientes frios)
  • O argumento de que o T-44 poderia ser fabricado usando as mesmas máquinas existentes para a fabricação do M1 (conceito que mais tarde tornou-se impraticável)

Contratos de produção[editar | editar código-fonte]

Os contratos iniciais para o M14 foram atribuidos à Springfield Armory, Winchester, e H&R. A TRW Inc., mais tarde, foi premiada com um contrato para produção. [12] Aproximadamente 1 376 031 fuzis M-14 foram produzidos entre 1959 e 1964. [12]

Implantação[editar | editar código-fonte]

Após a aprovação do M14, a Springfield Armory começou equipar uma nova linha de produção em 1958, entregando os primeiros fuzis de serviço para o Exército dos EUA em julho de 1959. No entanto, longos atrasos na produção resultaram que apenas a 101ª Divisão Aerotransportada seria a única unidade do Exército totalmente equipada com o M14 até o final de 1961. A frota da Força Marinha (em inglês: Fleet Marine Force) finalmente completou a mudança de M1 ao M14 no final de 1962. Registros da Springfield Armory refletem que a fabricação terminou quando a TRW, cumprindo o seu segundo contrato, cresceu com um incremento na produção final no ano fiscal de 1965 (1 de Julho de 64 - 30 Junho de 65). O arquivo da Springfield também indica que os 1 380 mil fuzis foram adquiridas por mais de US$ 143 milhões, para um custo unitário de cerca de US$ 104. [1] [2]

Um soldado com um fuzil M14 observando os suprimentos arremessados durante a Guerra do Vietnã, em 1967.

O fuzil serviu adequadamente durante sua breve aparição na Guerra do Vietnã. Apesar de ruim para uso em moitas e grama, devido ao seu comprimento e peso, o poder do cartucho 7.62 mm NATO permitiu penetrar e cobrir muito bem o território. No entanto teve várias desvantagens. A tradicional coronha de madeira tinha certa tendência a inchar e expandir pela forte umidade da selva, prejudicando a precisão. Coronhas de fibra de vidro foram desenvolvidas para solucionar este problema, mas antes que fossem distribuídas em todo o campo de batalha, o uso do M14 foi interrompido. Além disso, pelo poderoso cartucho 7.62×51 mm, a arma foi virtualmente considerada incontrolável no modo automático. Para evitar o desperdício de munição em combate a maior parte dos fuzis M14 eram permanentemente usados como semi-automáticos. [13] [14] [15]

O M14 foi desenvolvido como um meio termo afim de tomar o posto de quatro diferentes sistemas de armas, o já citado rifle M1 Garand, a M1 Carbine, a submetralhadora M3 e a Browning Automatic Rifle (BAR). Pensou-se que desta maneira a M14 poderia simplificar as exigências logísticas das tropas, limitando os tipos de munições e peças necessárias a serem fornecidas. No entanto, um relatório da Controladoria do Departamento de Defesa dos Estados Unidos provou ser uma tarefa impossível e considerou a arma completamente inferior ao M1 da Segunda Guerra Mundial. O cartucho era muito poderoso para uma metralhadora de mão demasiadamente leve que serviria como substituta da Metralhadora BAR. [16]

Substituição[editar | editar código-fonte]

O M14 continuou a ser a principal arma de infantaria estadunidense no Vietnã, até que foi substituído pelo M16 em 1966-1967, embora as unidades de engenharia de combate a mantivessem por muitos anos mais. Aquisições suplementares do M14 foram abruptamente interrompidas no final de 1963 devido ao relatório do Departamento de Defesa, mencionado acima, que também afirmara o AR-15 (título técnico anterior do M16) ser superior ao M14. Após o relatório, uma série de testes e relatórios do Departamento do Exército dos Estados Unidos resultaram na decisão de cancelar definitivamente o uso do M14. [16] O M16 foi ordenado pela direção do Secretário de Defesa Robert McNamara, como o substituto oficial do M14, em 1964, decisão amplamente contra os oficiais do exército que haviam apoiado o M14. Embora a produção do M14 fosse oficialmente descontinuada, algumas tropas descontentes conseguiram mantê-las enquanto ridicularizavam o modelo M16 inicial como um frágil "brinquedo da Mattel" que estava propenso ao fracasso. [17] Ao fim do ano 1967, o Exército dos EUA designou o M16 como o fuzil "padrão", e o M14 recebeu o status de "padrão limitado" (limited standard, em inglês). O M14 manteve-se o rifle padrão para o treinamento das categorias de base do exército e das tropas estacionadas na Europa até 1970.

O Exército dos EUA também converteram vários M-14 em fuzis de precisão M-21, que permaneceram como padrão para este fim até à adoção das M24 em 1988.

Serviço militar pós 1970[editar | editar código-fonte]

Um USMC Designated Marksman Rifle (DMR) em uso.

Em meados dos anos 1990, o Corpo de Fuzileiros Navais escolheu um novo rifle para uso doméstico, um M14 modificado pela loja de armas de precisão na Marine Corps Base Quantico chamado Designated Marksman Rifle (DMR). É utilizado por equipes de segurança (SRT, FAST), e a equipe Scout Sniper da marinha, nos casos em que um rifle semi-automático é mais adequado que o rifle padrão M40. A equipe USMC Rifle Team usa o M14 em competições de tiro. Embora a extinção do padrão em 1970, variantes do M14 ainda são utilizadas por diversos ramos das Forças Armadas nos EUA, bem como outras forças armadas, especialmente como fuzil de precisão e DMR, devido a sua excelente precisão e eficácia a longo alcance. Unidades especiais ativas, tais como unidades OPFOR do Forte Polk ainda usam.

Um soldado em Fallujah, Iraque, usando um M14 com osciloscópio Leupold LR/T 10×40 mm M3.

Pouquíssimos fuzis M-14 foram usados pelo exército estadunidense durante as recentes guerras no Afeganistão e no Iraque. Desde o início dos conflitos, os M14 de produção original foram empregados como fuzis de precisão, algumas vezes com pequenas modificações como osciloscópios, coronhas de fibra de vidro e outros acessórios. [18] Um estudo de 2009, realizado pelo Exército dos EUA afirmou que metade dos engajamentos no Afeganistão ocorreram além dos 300 metros, logo os rifles em serviço 5.56x45 mm NATO eram ineficazes nestas faixas, o que levou a

uma nova tiragem de fuzis M14. Navios da Marinha dos EUA também carregam diversos fuzis em seus arsenais. [19]

O 1º Batalhão do 3º Regimento de Infantaria ("A Velha Guarda") no distrito militar de Washington é a única unidade de campo regular remanescente do exército onde o M14 ainda é usado como o rifle padrão, juntamente com uma baioneta cromada e coronha de madeira especial, usada em funerais militares, desfiles e outras cerimônias. A Guarda de Honra da Força Aérea dos Estados Unidos usa uma versão do M14. [20] A Base de Honra e a Guarda Cerimonial da Marinha dos Estados Unidos também usam o M-14 para saudações de 3 disparos em funerais militares. Também é usado em desfiles da Academia Militar, Academia Naval, Academia da Força Aérea, Universidade de Norwich, Instituto Militar de Virginia, North Georgia College & State University e The Citadel (academia militar). [21]

Serviço em outras nações[editar | editar código-fonte]

A defesa das Filipinas usam fuzis M-14, bem como M1 e M16, para as suas forças de defesa civil e academia de cadetes. A marinha da Grécia também o usa. [22]

As ferramentas de produção foram vendidas para Taiwan em 1967, que no ano seguinte passou a produzir seu fuzil Type 57. O arsenal da República Popular da China produziu cerca de 1 milhão destes fuzis desde 1969. No passado, as empresas Norinco e Poly Technologies produziram variantes do fuzil, para exportação, que eram vendidos nos Estados Unidos antes da promulgação do Controle de Crimes Violentos e Aplicação da Lei, de 1994. [23] Hoje estão sendo vendidos apenas no Canadá e Nova Zelândia e comercializados pelos nomes M14S e M305. [24] [25] [26]

Características[editar | editar código-fonte]

Soldado estadunidense demonstrando o uso do rifle M14 para um policial durante um treinamento no Iraque, em 2006.

Inscrição[editar | editar código-fonte]

Dados da numeração estampadas em alto-relevo:

  • U.S. Rifle
  • 7.62-MM M14
  • Springfield Armory (ou nome do contratante)
  • Número de série

Coronha[editar | editar código-fonte]

O fuzil M14 inicialmente foi equipado com uma coronha madeira de nogueira, em seguida, de bétula e, finalmente, com um estoque sintético (fibra de vidro).

Fuzis fabricados no final da década de 1960 foram fornecidos com apoios de mão, fabricados de nogueira. Mais tarde, apoios sintéticos, ranhurados e vazados foram fabricados, mas revelaram-se demasiadamente frágeis para uso militar. Estes foram substituídos pela parte sólida sintética ainda em uso, geralmente nas cores marrom escuro, preto ou algum padrão de camuflagem.

Estriamento[editar | editar código-fonte]

Segue o padrão de rifles com 4 ranhuras helicoidais sob uma taxa de torção de 1:12 polegadas (cerca de 304.8 mm).

Acessórios[editar | editar código-fonte]

Um soldado da Força de Segurança e Assistência Internacional durante uma patrulha no Afeganistão, em abril de 2009.

Embora a produção do fuzil tenha terminado em 1964, o status de "padrão limitado" resultou na fabricação contínua de acessórios e peças de reposição para além dos anos 1960.

  • Faca baioneta M6
  • Cartucheira M2
  • Kit de limpeza
  • Gatilho de inverno e de segurança M5
  • Bipé M2
  • Bolsa de carregadores M1961
  • Lançador de granadas M76
  • Lançador de granadas com visor M15

Visor[editar | editar código-fonte]

  • Traseiro, lâmina frontal, métrico

Variantes relacionadas[editar | editar código-fonte]

Militar[editar | editar código-fonte]

M15[editar | editar código-fonte]

O M15 foi uma modificação do M14 desenvolvido para substituir o M1918 Browning Automatic Rifle no de Esquadrões de armas automáticas. Foram acrescidos cano e coronha pesados, uma placa articulada, uma chave seletora para as totalmente automáticas e um bipé.

Testes de fogo mostraram que a M14, quando equipada com os mesmos seletor, placa articulada e bipé obtiveram resultados semelhantes a M15, portanto o M15 foi descartado e o M14 modificado tornou-se a arma dos esquadrões. os problemas com precisão, controle e ergonomia desta variante conduziram a adição de um punho de pistola e um estabilizador de bico. O desenho final foi designado como o M14E2/M14A1.

M14E1[editar | editar código-fonte]

O M14E1 foi testado como uma variedade de tipos de coronhas dobráveis ​​para proporcionar uma melhor manobrabilidade, tanto para infantaria blindada, pára-quédistas, entre outros. Nenhuma variedade foi padronizada.

M14E2/M14A1[editar | editar código-fonte]

Sucessor do M15, esta versão com seleção de fogo padrão utilizado foi usada por esquadrões de armas automáticas. O modelo de desenvolvimento era conhecido como M14E2, porém quando lançado em 1966 recebeu a nomenclatura M14A1.

M14M/M14NM[editar | editar código-fonte]

O fuzil M14M (modificado) é uma versão semi-automática do M14 padrão que foi desenvolvido para uso em atividades civis de pontaria, tais como o en:Civilian Marksmanship Program, mas com o mecanismo de seleção de fogo soldado para impedir o disparo totalmente automático. O fuzil M14NM (National Match) é um rifle M14M construído com padrões de precisão National Match.

M14 SMUD[editar | editar código-fonte]

É utilizado por esquadrões de remoção de explosivos, Stand-off Munition Disruption (SMUD), para destruir munições não deflagradas. Essencialmente um fuzil M14 National Match com mira telescópica.

Mk 14 EBR[editar | editar código-fonte]

Um modelo Mk 14 Mod 0 Rifle.

A Mk 14 Enhanced Battle Rifle é uma versão melhorada do M14, em uso desde 2004. Possui coronha retrátil e múltiplos trilhos para mais acessórios.

M14 Tactical[editar | editar código-fonte]

Um M14 usando o mesmo material do Mk 14, mas com cano de 22 polegadas e um travão frontal fabricado pela Smith Enterprise. É usado pela Guarda Costeira dos Estados Unidos.

M14 Designated Marksman Rifle[editar | editar código-fonte]

Versão modificada para Designated Marksman Rifle, usado pela Marinha dos EUA . Foi substituído pelo M39 Enhanced Marksman Rifle.

M39 Enhanced Marksman Rifle[editar | editar código-fonte]

Modificação do M14 DMR equipado com a mesma coronha do Mk14. Utilizado pela Marinha dos EUA, foi substituído pelo M110 Semi-Automatic Sniper System.

M89SR Model 89 Sniper Rifle[editar | editar código-fonte]

Um M14 em configuração Bullpup, introduzida na década de 1980.

AWC G2A Sniper Rifle[editar | editar código-fonte]

Modificação bullpup projetada por Lynn McWilliams e Gale McMillian durante a década de 1990. Foi produzido e entregue para testes na escola de franco-atiradores do Forte Bragg

M21, M25 sniper rifles[editar | editar código-fonte]

O M21 e o M25 são versões aprimoradas de fuzil de precisão, construídos especificamente para tolerâncias menores que o padrão M14 poderia oferecer. Estas são as variantes padrão dos fuzis de precisão M14.

Comercial[editar | editar código-fonte]

Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou secção está a ser traduzido de en:M14 rifle. Ajude e colabore com a tradução.

Usuários[editar | editar código-fonte]

País Detalhes e referências
 Argentina

Usado por soldados argentinos da Comapania C, Regimento (Especial) de Infantaria na Guerra das Malvinas durante as batalhas de Goose Green e San Carlos. [13]

 Austrália O modelo M14 SAGE EBR foi usado em número limitado pelo Special Air Service Regiment no Afeganistão. [27]
 Colômbia [22]
Costa Rica [22]
República Dominicana [22]
Equador [22]
El Salvador [22]
Eritreia [22]
 Estónia Chamado Täpsuspüss M14-TP (Precision Rifle M14-PR) [28]
 Etiópia [22]
 Grécia Marinha da Grécia [22]
Haiti Usado pelas forças de segurança no Golpe de Estado no Haiti de 2004 [13]
Honduras [22]
 Israel Usado como rifle de precisão e eventual conversão e produção como M89SR [13] [29]
Laos [carece de fontes?]
 Lituânia Forças Armadas da Lituânia [30]
 Marrocos [carece de fontes?]
Níger [22]
Filipinas [22]
 Coreia do Sul Um número desconhecido foi fornecido pelos Estados Unidos como programa de assistência militar. [31] Uso limitado a forças da reserva e funções cerimoniais. [32]
Taiwan Fabricado sobre licença com o nome Type 57.[13]
 Tunísia [22]
 Estados Unidos Usa o M14SE, fabricado pela Smith Enterprises, sobre as regras de Designated marksman que é comprado de outros fabricantes. [33] Também são usados M14 personalizados (construídos ou alterados) nos arsenais militares, como M39 Enhanced Marksman Rifle. O M14 é usado pelos membros da tripulação dos navios da Military Sealift Command. [34] . Também é utilizado pela Patrulha de Fronteiras e pelo National Park Service. [35]
 Venezuela [36]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Duff, Scott A.; John M. Miller. The M14 owner's guide and match conditioning instructions (em inglês). [S.l.]: S.A. Duff Publications, 1996. p. 20–21. ISBN 978-1-888722-07-9 Página visitada em 27 de setembro de 2011.
  2. a b Stevens, R. Blake. Us Rifle M14: From John Garand to the M21 (em inglês). [S.l.]: Collector Grade Publications, 1991. p. 245. ISBN 9780889351103 Página visitada em 27 de setembro de 2011.
  3. Miller, David. The Illustrated Directory of 20th Century Guns (em inglês). [S.l.]: Salamander Books Ltd, 2001. ISBN 1840652454 Página visitada em 27 de setembro de 2011.
  4. Picatinny. Picatinny: Products (em inglês). Página visitada em 15 de novembro de 2009.
  5. Washington, DC: Headquarters, Department of the Army (1973). Operator's Manual for Rifle (PDF) (em inglês). Página visitada em 14 de janeiro de 2013.
  6. Armas de fogo com munição poderosa, como a 7.62×51mm
  7. a b c d e f g h i j Roy E., Rayle. Random Shots: Episodes In The Life Of A Weapons Developer (em inglês). [S.l.]: Merriam Press, 2008. p. 17-22, 95-95. ISBN 9781435750210 Página visitada em 27 de setembro de 2011.
  8. world.guns.ru. M14 rifle / Mk.14 Mod.0 Enhanced Battle rifle (USA) (em inglês). Página visitada em 14 de janeiro de 2013.
  9. a b c d e f Stevens, R. Blake. The FAL Rifle (em inglês). [S.l.]: Collector Grade Publications, 1993. ISBN 978-0-88935-168-4 Página visitada em 27 de setembro de 2011.
  10. Revista Newsweek. Washington Trends: National Affairs (em inglês). [S.l.]: Newsweek, 1953. p. 20. vol. 42. Página visitada em 27 de setembro de 2011.
  11. a b c d CRUFFLER.COM (24 de abril de 2012). The T48 Automatic Rifle: The American FAL (em inglês). Página visitada em 14 de janeiro de 2013.
  12. a b Lee, Emerson. M-14 Rifle History & Development (em inglês). [S.l.: s.n.], 2009. p. 11, 29, 37, 60-72. Página visitada em 27 de setembro de 2011.
  13. a b c d e Emerson, Lee (10 de outubro de 2006). M14 Rifle History (em inglês). imageseek.com. Página visitada em 10 de outubro de 2008.
  14. world.guns.ru. M14 rifle / Mk.14 Mod.0 (em inglês). Página visitada em 14 de janeiro de 2013.
  15. Dockery, Kevin. Future Weapons (em inglês). [S.l.]: Penguin. p. 45-. ISBN 9780425217504 Página visitada em 27 de setembro de 2011.
  16. a b Major Bruce I. Kay (10 de junho de 1977). An Analysis of the Infantry's Need for an Assault Submachine Gun (PDF) (em inglês) p. 9. Página visitada em 14 de janeiro de 2013.
  17. Rose, p. 387
  18. Título não preenchido, favor adicionar (PDF).
  19. Major Thomas P. Ehrhart (2009). Increasing Small Arms Lethality in Afghanistan: Taking Back the Infantry Half-Kilometer (PDF) (em inglês). Página visitada em 14 de janeiro de 2013.
  20. AF Honor Guard Training Guide (5.2.1). U.S. Air Force.
  21. Ordnance Notes by Stoner – SEAL/MST Weapons Vietnam. Warboats.org.
  22. a b c d e f g h i j k l m Jones, Richard. Jane's Infantry Weapons 2009-2010. [S.l.]: Jane's Information Group, 2009. p. 891-901. ISBN 0710628692
  23. *M14 Type Rifles*. Retrieved on September 24, 2008.
  24. savvysurvivor.com (24 de setembro de 2008). Polytech M14 Rifle (em inglês). Página visitada em 14 de janeiro de 2013.
  25. Norinco M14S. Cópia arquivada em 28 de setembro de 2007.
  26. Norinco M305. Cópia arquivada em 28 de setembro de 2007.
  27. sageebr. Australian SASR soldier Receives VC (em inglês). Página visitada em 27 de novembro de 2011.
  28. Tehnika: Eesti Kaitsevägi. Täpsuspüss M14-TP (em inglês). Página visitada em 27 de novembro de 2011.
  29. Modern Firearms. TEI M89SR Page (em inglês). Página visitada em 24 de setembro de 2011.
  30. Lietuvos kariuomenė (17 de abril de 2009). Automatinis šautuvas M-14 (em inglês). Página visitada em 27 de setembro de 2011.
  31. World Guns. M14 rifle / Mk.14 Mod.0 Enchanced Battle rifle (USA). Página visitada em 14 de janeiro de 2013.
  32. Bemil. 자유사진자료실 (em coreano). Página visitada em 24 de setembro de 2011.
  33. Smithenterprise.com. M14SE Crazy Horse and MK14 SEI Rifles: Smith Enterprise, Inc (em inglês). Página visitada em 27 de setembro de 2011.
  34. Capt. Kelly Sweeney (outubro - novembro de 2008). Mariners need to be able to defend themselves against pirates (em inglês). Professional Mariner.
  35. Goodwin, Liz (28 de fevereiro de 2012). Fighting drugs and border violence at Arizona’s Organ Pipe Cactus National Monument: What about the ranger’s M14 rifle, Yogi? (em inglês). The Ticket/Yahoo News.
  36. Gander, Terry J.. Jane's Infantry Weapons 1995/1996. 21 ed. [S.l.]: Jane's Information Group, 1995. ISBN 9780710612410

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Duff, Scott A.. The M14 Owner's Guide and Match Conditioning Instructions.. [S.l.]: Duff Publications, 1996. ISBN 1-888722-07-X
  • Murphy, Edward F.. The Hill Fights: The First Battle of Khe Sanh. Novato, California: Presidio Press, 2003. ISBN 0891417478
  • Pisor, Robert L.. The End of the Line: The Siege of Khe Sanh. Nova Iorque: W.W. Norton & Company, 2002. ISBN 0393322696
  • Rose, Alexander. American Rifle: A Biography. Nova Iorque: Bantam Dell Publishing, 2008. ISBN 9780553805178
  • Stevens, R. Blake. U.S. Rifle M14: From John Garand to the M21. Toronto, Canadá: Collector Grade Publications, Inc., 1995. ISBN 0889351104

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre M14 (fuzil)