Palmeira (Paraná)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Palmeira
Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceição.jpg

Bandeira de Palmeira
Brasão de Palmeira
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 7 de abril de 1819
Gentílico palmeirense
Prefeito(a) Edir Havrechaki (PSC)
(2013–2016)
Localização
Localização de Palmeira
Localização de Palmeira no Paraná
Palmeira está localizado em: Brasil
Palmeira
Localização de Palmeira no Brasil
25° 25' 44" S 50° 00' 21" O25° 25' 44" S 50° 00' 21" O
Unidade federativa  Paraná
Mesorregião Centro Oriental Paranaense IBGE/2008 [1]
Microrregião Ponta Grossa IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Ponta Grossa, Campo Largo, Porto Amazonas, Lapa, São João do Triunfo e Teixeira Soares
Distância até a capital 70 km
Características geográficas
Área 1 457,261 km² [2]
População 32 125 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 22,04 hab./km²
Altitude 865 m
Clima subtropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,763 alto PNUD/2000 [4]
PIB R$ 411 018,353 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 12 732,12 IBGE/2008[5]
Página oficial

Palmeira é um município brasileiro do estado do Paraná. Localiza-se na Microrregião de Ponta Grossa, a uma latitude 25º25'46" sul e a uma longitude 50º00'23" oeste, estando a uma altitude de 865 metros. Sua população estimada em 2010 é de 32.125 habitantes. Possui uma área de 1465,1 km². Foi neste município que se situou a célebre Colônia Cecília.

Com a Construção do Caminho de Viamão, no século XVIII, muitos povoados foram surgindo na região dos Campos Gerais. Com o povoamento definido chegam os imigrantes. Os russos-alemães em 1878, os poloneses em 1888 e os italianos em 1890 liderados por Giovani Rossi, sendo que estes últimos, formaram a primeira colônia anarquista da América, a Colônia Cecília. E, em 1951, chegaram os alemães menonitas que fundaram a Colônia Witmarsum e a Cooperativa Mista Agropecuária Witmarsum Ltda produtora de leite e derivados, e de frangos com a marca Cancela. Criado através da Lei Estadual nº 238, de 9 de novembro de 1897, e instalado na mesma data, foi desmembrado de Ponta Grossa.

Os habitantes naturais do município de Palmeira são denominados palmeirense. Está localizada na Mesorregião do Centro Oriental Paranaense, mais precisamente na Microrregião de Ponta Grossa, estando a uma distância de 70 km da capital do estado, Curitiba.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A denominação deve-se ao fato de ter sido a cidade localizada e fundada em um capão (bosque em meio de um descampado) já anteriormente denominado Capão da Palmeira.[6] Certamente pela existência de palmeiras na região.[6]

História[editar | editar código-fonte]

O núcleo que deu origem ao atual município de Palmeira surgiu nas margens do histórico Caminho de Sorocaba-Viamão,[7] no final do século XVIII.[8]

Assim o Curral das Vacas, no sítio abandonado de Santa Cruz do Sutil, onde Antônio Bicudo Camacho lavrara ouro nos anos de 1694 a 1699, se foi formando um insignificante povoado[9]
 
David Carneiro,

Este lugar era primitivamente local de pouso e curral de gado, utilizado por tropeiros que demandavam do Rio Grande a São Paulo.[10]

Inicialmente denominada Freguesia Nova, foi oficialmente elevada à categoria de freguesia em 1833, sob a invocação de Nossa Senhora da Conceição,[9] sendo que sua história é intimamente ligada à Freguesia Colada de Tamanduá (da qual atualmente só existem ruínas),[11] que situava-se nas vizinhanças.[10] [12] Esta freguesia, Colada de Tamanduá, possuía área de meia légua, doada pelo coronel Antonio Luíz "Tigre", que faleceu sem deixar herdeiros de seu vasto patrimônio, que ficou nas mãos do Convento do Carmo, de São Paulo.[13]

Moisés Marcondes de Oliveira e Sá em seu livro "Pai e Patrono", faz interessante e rica descrição sobre os primórdios desta localidade:[12]

...a Freguesia Colada de Nossa Senhora da Conceição do Tamanduá estava com seus dias contados. Em condições assim desfavoráveis, acrescidas das de ordem religiosa, visto como povoadores, internando-se nos Campos Gerais, em busca de melhores condições, iam cada vez mais se distanciando da capela que, ali fora construída pelos padres carmelitas, no ano de de 1709, operou-se a transferência da freguesia para Palmeira, denominação por que era conhecido o "capão" que lhe o nome e também à Fazenda dos avós maternos de Jesuíno Marcondes, tenente Manoel José de Araújo e sua mulher D. Ana Maria da Conceição e Sá, doadores, por Ato de 7 de abril de 1819, do terreno onde deveria se instalar a nova freguesia, cujo patrimônio foi também enriquecido pelos terrenos doados por escritura pública pelo Barão do Tibagi e por D. Josefa Joaquina de França, conforme se verifica da Lei nº 337, de 19 de abril de 1872, que incorporou os mencionados terrenos aos bens municipais".[12]
 
Moisés Marcondes,

Por outro lado, muito concorreu para essa mudança, segundo se depreende do relatório de 1854 de Zacarias de Góis e Vasconcelos, a luta que manteve o vigário Antônio Duarte dos Passos com o guardião do Carmo, a qual primeiro a estabelecer a igreja no terreno onde hoje se encontra a Matriz de Palmeira.[14] Com a transferência da sede da Freguesia de Tamanduá para Palmeira, naturalmente foi se transferindo a população para o novo povoado onde se construira a nova capela, transferida para ali em busca de melhores condições de vida.[15]

A corrente de povoamento foi mais tarde aumentada com a chegada de colonos russos e alemães, que se estabeleceram nos Campos Gerais a partir de 1878.[15] Pode-se dizer que a evolução social de Palmeira se processou sob os melhores auspícios, tanto pela formação da nova freguesia, com famílias ilustres, quanto pela comunidade da Freguesia de Tamanduá, que se mudou em peso para a nova localidade.[12]

Pela Lei Provincial nº 184, de 3 de maio de 1869, a Freguesia de Palmeira foi elevada à categoria de vila e município, com território desmembrado de Ponta Grossa.[9] A instalação oficial ocorreu no dia 15 de fevereiro de 1870.[9] Pela Lei nº 238, de 9 de novembro de 1877, Palmeira recebeu foros de cidade, sendo que através da Lei nº 952, de 23 de outubro de 1889 foi elevada à categoria de Comarca.[9] A instalação ocorreu a 1º de março de 1890, em solenidade presidida pelo seu primeiro Juiz de Direito, dr. Tristão Cardoso de Menezes.[9]

Palmeira abrigou em seu território inúmeras colônias de imigrantes, dentre as quais: Sinimbu, Marcondes, Nossa Senhora do Lago, Santa Quitéria, Alegrete, Hartmann, Papagaios Novos (todos com alemães vindos do Volga em 1878), e mais Santa Bárbara com Cantagalo com os núcleos Puga, Quero-Quero e Capão da Anta (mais ou menos prósperos, segundo Romário Martins), Kittolandia (ingleses liderados por Charles William Kitto) e a Colônia que foi formada em 1889 por italianos.[16]

Vista lateral da Igreja Matriz da cidade.

A Colônia Cecília é uma página a parte na historiografia regional.[17] Idealizada ainda no regime imperial, sob permissão do Imperador Pedro II, foi organizada por Giovanni Rossi e constitui-se em uma "experiência anarquista" em pleno final do século XIX.[17] Com Rossi vieram entre cem e duzentas pessoas, dentre os quais alguns intelectuais que se dispuseram a pôr em prática seus ideais anarquistas. A colônia ficava entre Palmeira, Porto Amazonas e Lapa, próximo de um lugar denominado Serrinha, sendo que atualmente existem apenas estábulos envelhecidos e poucos descendentes de anarquistas.[17] Plantavam e viviam em comunidade, respeitando a natureza, no entanto a experiência durou apenas de 1889 a 1895.[17] Houve dispersão comunitária, em busca de maior civilidade, mas os ideais anarquistas proliferaram. Giovanni Rossi perdeu dois filhos na Colônia Cecília, sendo um dos últimos a se retirar do lugar.[17]

Em 2 de janeiro de 1892, pelo Decreto nº 7, foi criado o Distrito de Papagaios Novos (sede de antigo núcleo colonial alemão),[6] sendo extinto em 1910,[6] assim como o de Diamantina.[6] A Lei nº 1.164, de 30 de março de 1912, restabeleceu os foros destes distritos,[6] foram novamente extintos em 1920, pela Lei nº 1965.[6] Em 1940 o município de Entre Rios foi anexado, como simples distrito, ao município de Palmeira.[6] Em 1921 foi restabelecido o distrito de Papagaios Novos,[6] que permanece até os dias de hoje jurisdicionada ao município de Palmeira.[6]

Patrimônios históricos[editar | editar código-fonte]

Museu histórico - Casa Fazenda Cancela
Ponte dos Papagaios - Construção histórica do Paraná

O município possui como patrimônio histórico do estado do Paraná, a Ponte dos Papagaios[18] e a arquibancada de madeira do Ypiranga Futebol Clube[19] , o time local da cidade, alem da Casa Fazenda Cancela, que é um museu e edifício histórico localizada dentro da Colônia Witmarsum[20] [21] .

Personalidades[editar | editar código-fonte]

Palmeira foi o berço de personagens famosos que com seu espírito público, humano e exemplo de laborioso trabalho, ajudaram a construir o Paraná e o Brasil. Homens e mulheres como:

  • Barão do Tibaji e Viscondessa do Tibaji.
  • Jesuíno Marcondes de Oliveira e Sá que participou do Ministério de D. Pedro II durante o Império (Ministro da Agricultura, Comércio e Obras Públicas), além de ter sido o último presidente da Província do Paraná, até 1888.
  • Heitor Stockler de França, príncipe dos Poetas do Paraná
Antiga sede da Coletoria.
  • Alfredo Bertoldo Klas, pracinha da FEB, recebeu várias condecorações por bravura na Segunda Guerra Mundial, escritor, prefeito de Palmeira
  • Newton Stadler de Sousa, grande jornalista do Paraná
  • João Chede, deputado estadual e prefeito de Palmeira por várias vezes
  • Arthur Orlando Klas, dentista, escritor e amante e estudioso da história de Palmeira
  • Assad Kustandi Kardush, comerciante e professor de Inglês, nascido em Nazareth na Palestina chegando em 1950 em Palmeira onde viveu até falecer em 1986. Poliglota e pessoa de grande cultura e muito conhecido na cidade.
  • Metry Bacila, cientista de renome internacional
  • Jorge Amin Bacila, magnífico médico, clinicou na cidade por 30 anos e hoje vive em Curitiba, a capital do estado, com 86 anos. Desde os 4 anos de idade sem nenhuma audição, conquistou seu espaço na medicina. Nascido em 1 de Dezembro de 1920, ainda atuando na profissão.
  • Astrogildo de Freitas, grande historiador e primeiro diretor dos Correios do Paraná. Escreveu três livros sobre a história de Palmeira e dos Correios do Paraná
  • Dom Alberto Gonçalves, primeiro paranaense a ser consagrado bispo
  • Oscar Teixeira de Oliveira, escritor de crônicas e artigos para jornais
  • Maria Edite Lederer, poetisa com 4 livros editados
  • Ivo Arzua Pereira, político e escritor, foi prefeito de Curitiba e ministro da Agricultura do Brasil
  • Francisco Sinke Ferreira, médico humanitário. Pela competência profissional, retidão de caráter e bondade tornou-se um homem muito querido da população da Palmeira, onde recebeu, em vida, inúmeras homenagens
  • Dr. Moisés Marcondes, médico, romancista e cronista
  • Coronel Antônio de Sá Camargo, um dos fundadores da cidade de Guarapuava
  • Claudio Lenine Anderman, nasceu em Urubici e chegou na cidade por volta dos anos 80 e cresceu na indústria ecológica, levando em frente o projeto de um viveiro de plantas, que se tornou o maior do país. Hoje em dia seu filho Leonel Carlos Anderman trabalha com ele em prol de uma cidade com uma boa arborização e bela qualidade de vida. Tocam hoje o Viveiro Porto Amazônas.
Delegacia policial da cidade, inaugurada em 4 de junho de 1950 pelo secretário de Segurança do Estado, Pedro Scherer Sobrinho.

Imigrações[editar | editar código-fonte]

Clube Palmeirense.
Estádio de futebol João Chede.

A região já era povoada por ricos fazendeiros portugueses, antigos bandeirantes paulistas que se fixaram na região, caboclos e negros descendentes de escravos. A partir de 1878, por iniciativa dos governos provincial e imperial começam a se fixar na região outras colônias de imigrantes:

  • Russos-alemães: começaram a chegar em 1878 e formaram sete núcleos ou colônias de povoação. Se dividiam em católicos e luteranos. Muitos abandonaram a atividade agrícola e passaram a se dedicar ao serviço de transporte de mercadorias com carroções. Outros passaram a trabalhar em obras públicas e outras ainda em atividades urbanas.
  • Polacos: chegaram a partir de 1888. Agricultores por excelência, se espalharam pelo município formando várias colônias.
  • Italianos - Anarquistas: chegaram em 1890, motivados por Giovani Rossi para implantar a primeira Colônia Anarquista da América, mundialmente conhecida como "Colônia Cecília". A mesma acabou alguns anos depois por motivos internos e externos, os imigrantes italianos se transferiram para várias regiões do Brasil, contribuindo decisivamente para o surgimento do movimento sindical em nosso país. Ficam em Palmeira apenas três famílias.
  • Alemães Menonitas: chegam em 1951 e fundam a Colônia Witmarsum e a Cooperativa Mista Agropecuária Witmarsum Ltda. que é grande produtora de leite e seus derivados e de frango com a marca Cancela.
  • Russos Brancos: chegaram em 1958 e se fixaram na localidade de Santa Cruz, entre Ponta Grossa e Palmeira, dedicando-se a atividade agrícola.
  • Sírio-libaneses, palestinos, egípcios e japoneses: chegaram no início do século XX. Os sírio-libaneses se dedicaram ao comércio e os japoneses ao comércio e a agricultura.

Esporte[editar | editar código-fonte]

No passado, o Pinheiral Esporte Clube foi vice-campeão paranaense em 1939 [23]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.
  6. a b c d e f g h i j FERREIRA, João Carlos Vicente. O Paraná e seus municípios. Maringá: Memória Brasileira, 1996. 492 p.
  7. Palmeira. Site Oficial da Concessionária Caminhos do Paraná. Página visitada em 2 de setembro de 2010.
  8. Palmeira. Campos Gerais é Mais. Página visitada em 2 de setembro de 2010.
  9. a b c d e f FERREIRA, João Carlos Vicente. Palmeira. Paraná da Gente. Página visitada em 7 de outubro de 2010.
  10. a b FERREIRA, João Carlos Vicente. O Paraná e seus municípios. Maringá: Memória Brasileira, 1996. 490 p.
  11. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. História de Palmeira. Cidades@. Página visitada em 7 de outubro de 2010.
  12. a b c d FERREIRA, João Carlos Vicente. O Paraná e seus municípios. Maringá: Memória Brasileira, 1996. 491 p.
  13. Palmeira. City Brazil. Página visitada em 7 de outubro de 2010.
  14. Zacarias de Góes e Vasconcellos (15 de julho de 1854). Relatorio do presidente da província do Paraná, o conselheiro Zacarias de Góes e Vasconcellos, na abertura da Assembleia Legislativa Provincial. Typographia Paranaense de Candido Martins Lopes. Página visitada em 8 de outubro de 2010.
  15. a b PIZANI, Edilson José (2008). A Igreja Matriz e seu entorno em Palmeira. Secretaria de Estado da Educação do Paraná. Página visitada em 8 de outubro de 2010.
  16. WEBER, Glacy. Imigração no Paraná. Genealogia Weber Ruiz. Página visitada em 8 de outubro de 2010.
  17. a b c d e CHAVES, Lázaro Curvêlo (2001). Colônia Cecília: uma experiência anarquista no Brasil. Cultura Brasil. Página visitada em 8 de outubro de 2010.
  18. Ponte Sobre o Rio dos Papagaios Ponte construída no segundo império brasileiro Site da Secretária da Cultura do Estado do Paraná - Livro Espirais do Tempo — acessado em 18 de fevereiro de 2013
  19. Palmeira Arquibancada de Madeira do Estádio do Ipiranga Futebol Clube Site da Secretária da Cultura do Estado do Paraná - Livro Espirais do Tempo — acessado em 15 de fevereiro de 2013
  20. casa Sede da Antiga Fazenda Cancela - Processo de Tombamento SEDE DA FAZENDA CANCELA Inscrição Tombo 96-II - Processo Número 04/89 - Data da Inscrição: 15 de setembro de 1.989 Site Secretaria da Cultura do Estado do Paraná — acessado em 15 de março de 2013
  21. Casa Sede da Fazenda Cancela Edificação sede da fazenda Cancela, atual museu da Colônia Witmarsum Site da Secretária da Cultura do Estado do Paraná - Livro Espirais do Tempo — acessado em 28 de março de 2013
  22. Livro 1001 Ruas de Curitiba, de Camila Muzzillo, Editora Artes e Testos.
  23. http://aa29demaio.wordpress.com/2009/05/28/bau-do-futebol-antoninense-5/
Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado do Paraná é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.