Protestos na Rússia em 2011–2012

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Protestos na Rússia em 2011–2012
Parte de eleições parlamentares na Rússia em 2011
Bolotnaya-wiki.jpg
Protestos na Praça Bolotnaya em Moscou em 10 de dezembro de 2011
Período 5 de dezembro de 2011
até atualidade
Local  Rússia
Causas Supostas fraudes nas eleições
Características Grupo de pressão, comícios públicos, manifestação, distúrbio.
Repressão
+ 1500 prisões[1] [2]

Os protestos na Rússia de 2011 e 2012[3] começaram como resposta às eleições parlamentares no país, em que jornalistas, ativistas públicos e membros do povo a consideraram como uma fraude.[4] Em 10 de dezembro de 2011, após uma semana de manifestações em pequena escala, a Rússia viu os maiores protestos em Moscou desde a queda da União Soviética.[5] O foco dos protestos têm sido o partido no poder, Rússia Unida, e Vladimir Putin, o atual primeiro-ministro e ex-presidente, que anunciou sua intenção de concorrer novamente à presidência em 2012. Em 4 de março de 2012, na eleição presidencial surgiram novos indícios de fraude, o que resultou na continuidade dos protestos.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

De acordo com a agência RIA Novosti, havia mais de 1.100 relatórios oficiais de irregularidades eleitorais em todo o país. Membros dos partidos Rússia Justa, Yabloko e Comunista informaram que os eleitores foram transportados entre os diversos pontos eleitorais para votar várias vezes. Os partidos Yabloko e Liberal Democrata informaram que alguns dos seus observadores (acompanhantes das eleições) tinham sido proibidos de assistir a vedação das urnas e de coletarem imagens de vídeo, e alguns foram expulsos sem justificativa dos pontos de votação.[6] O partido Rússia Unida alegou que os partidos de oposição haviam se envolvido em campanha ilegal através da distribuição de folhetos e jornais nos locais de votação, e que em alguns locais os eleitores foram obrigados a votar no partido Comunista sob ameaças de violência.[6]

Protestos contra o governo[editar | editar código-fonte]

5–7 de dezembro[editar | editar código-fonte]

Em 5 de dezembro, os opositores do governo começaram a protestar em Moscou com aproximadamente 5 mil pessoas denunciando Vladimir Putin, seu governo e as eleições fraudulentas. Alguns defensores argumentaram que as eleições foram uma farsa e exigiram a saída de Putin, enquanto alguns exigiam uma revolução.[4] [7] Acredita-se que Alexey Navalny, um blogueiro e ativista anticorrupção que marcou o partido político de Putin, a Rússia Unida, como o "partido dos Vigaristas e Ladrões",[8] seja responsável pela mobilização inicial dos protestos em massa por meio de publicações em seu blog LiveJournal e no Twitter. A agitação de Navalny foi respondida pelo partido Rússia Unida, como um "desonesto típico procurando autopromomover-se".[9]

Protestos na capital russa, Moscou, em 5 de dezembro.

Muitos partidários pró-governo, incluindo o grupo pró-Putin de jovens Nashi, foram mobilizados em 6 de dezembro no site da manifestação prevista onde eles fizeram apoio ao governo e a Rússia Unida.[10] Houve uma manifestação de 15.000 manifestantes de Nashi na Praça Manezhnaya[11] e um comício de 8000 manifestantes da Jovem Guarda na Praça da Revolução.[12] Cerca de 500 ativistas pró-Rússia Unida marcharam perto da Praça Vermelha.[13] Caminhões com soldados e policiais, foram implantados à frente dos esperados protestos anti-governo, e verificou-se que 300 manifestantes foram presos em Moscou na noite anterior, juntamente com 120 em São Petersburgo.[14] Durante a noite de 6 de dezembro, pelo menos 600 manifestantes foram vistos na Praça Triumphalnaya gritando frases contra Putin,[4] enquanto protestantes contra o governo na Praça da Revolução entraram em confronto com a polícia de choque e tropas do Ministério do Interior, resultando em algumas perseguições e prisões.[15] A quantidade de protestos depois teria alcançado mais de mil pessoas na Praça Triumphalnaya e dezenas de prisões foram relatadas, incluindo Boris Nemtsov, um líder da oposição e ex-vice-primeiro-ministro,[16] e Alexey Navalny.[17] Mais de 250 pessoas foram detidas e suspeitos foram transportados em ônibus da polícia. Pelo menos um jornalista russo alegou ter sido espancado por cacetetes policiais nas pernas.[18] Outras 200 prisões foram relatadas em São Petersburgo e 25 em Rostov na mesma noite. Depois de três horas e meia, o protesto de Moscou chegou ao fim.[19] Tentativas de realizar um grande protesto em Moscou fracassou no dia 7 devido à segurança policial.[20]

Russia Today cobrindo os protestos na Praça Bolotnaya em Moscou em 10 de dezembro.

Cobertura da mídia[editar | editar código-fonte]

De acordo com a BBC em 7 de dezembro, "os canais de TV do Estado têm ignorado os protestos, dando cobertura apenas aos comícios em apoio ao governo".[21] Em contraste, os jornais mencionaram os protestos em maior profundidade.[22] A única estação de TV a mencionar os protestos longamente antes de 10 de dezembro foi a privada REN TV, mas não transmitiu amplamente.[22] A partir de 10 de dezembro, no entanto, todos os principais canais controlados pelo Estado estavam cobrindo os protestos.[23] [24]

A fita branca se tornou o símbolo da oposição.

Símbolos[editar | editar código-fonte]

A fita branca surgiu em outubro de 2011 como um símbolo de oposição. Alguns russos foram amarrando-o em suas roupas, carros e outros objetos, e o tema tem aparecido na runet e no Twitter.[25] Em 10 de dezembro, o canal de televisão Dozhd estava mostrando uma fita branca em seu logotipo na tela. A proprietária da estação, Natalya Sindeyeva, explicou este como sendo um sinal de "sinceridade", em vez de "propaganda", e uma tentativa de ser "mediadores" em vez de simplesmente jornalistas.[24]

Reações[editar | editar código-fonte]

No dia 6 de dezembro, a secretária de Estado americana Hillary Clinton disse que as eleições na Rússia não foram livres e nem justas.[26] [27] Vladimir Putin disse que os comentários de Hillary "ajudou alguns ativistas da oposição" a agir "de acordo com o cenário bem conhecido de uma revolução de cores e em seus próprios mercenários interesses políticos".[28] Um analista escreveu para a BBC que os comentários de Putin para culpar o Ocidente pelos protestos de rua foi um "software muito velho".[28]

Em 7 de dezembro, Mikhail Gorbachev, ex-presidente da União Soviética, disse que uma nova eleição deve ser realizada para reprimir a raiva pública sobre a eleição fraudulenta.[29] Ele disse que o número de russos que acreditavam que a eleição foi fraudada estava levantando-se diariamente e o governo precisava ouvir a opinião pública para evitar mais distúrbios.[21]

De acordo com uma reportagem do The Wall Street Journal, uma solicitação foi feita pelo Serviço Federal de Segurança da Federação Russa, o sucessor do KGB, ao site de rede social VKontakte para bloquear os grupos de oposição que 'incentivasse as pessoas a fazerem "lixos nas ruas, para organizar uma revolução". O pedido foi recusado devido à natureza geralmente pacífica dos protestos.[30]

10 de dezembro[editar | editar código-fonte]

Protestos na Praça Pionerskaya em São Petersburgo em 10 de dezembro de 2011.
Vídeo dos protestos contra Putin na Praça Bolotnaya em 10 de dezembro.
Manifestante na Praça Bolotnaya em 10 de dezembro. O cartaz diz: "Eu não votei nesses safados (logotipo da Rússia Unida), eu votei em outros safados (logotipos da Yabloko, Uma Rússia Justa, Comunista). Quero a recontagem dos votos."
Manifestação contra os resultados oficiais das eleições parlamentares na cidade de Níjni Novgorod (10 de dezembro).

Através de um grupo no Facebook "Суббота на Болотной площади" (Sábado na Praça Bolotnaya),[31] foi feito um convite para realizar um protesto em massa contra o governo no sábado, 10 de dezembro.[21] [32] Antes dos protestos, vários jornais comentaram que milhares de usuários do Facebook responderam positivamente aos convites para protestar, em Moscou,[33] [34] e, da mesma forma, mais de 5 mil em São Petersburgo.[35] A autorização havia sido originalmente emitida para o grupo Solidarnost para uma manifestação legal de 300 pessoas na Praça da Revolução. Em 8 de dezembro, mais de 30 mil pessoas[31] haviam aceitado o convite do Facebook para participar. Após negociações com os manifestantes, o governo de Moscou autorizou um local alternativo para uma manifestação de 30 mil pessoas para a manifestação que teve lugar em 10 de dezembro na Praça Bolotnaya.[36] Antes das manifestações, Putin ameaçou implantar esquemas policiais e forças de segurança para lidar com qualquer participante de protestos ilegais em Moscou ou outras cidades. No entanto, o evento foi pacífico e sem tentativas por parte do Estado de impedi-lo ou perturbá-lo.[37] [38]

Entre as tentativas de interromper os protestos e as organizações que os apoiam, incluíu-se repetidas vezes trotes telefônicos para o partido Yabloko e o jornal Novaya Gazeta. O chefe de Saúde Pública da Rússia, Gennady Onishchenko, advertiu que os manifestantes arriscaram infecções respiratórias como a gripe ou a SARS.[39] Estudantes em Moscou foram requisitados para relatar sábado, durante o horário agendado para a manifestação, um exame especial[39] a respeito de "regras de comportamento seguro na cidade."

A manifestação em Moscou foi em geral tranquila e terminou à tarde com todos cantando "Peremen", de Viktor Tsoi, que significa "Mudanças" – um hino da perestroika dos anos de 1980. Relatórios da manifestação, incluindo seu grande tamanho e as exigências de novas eleições foram realizadas no noticiário da noite na Rússia pela mídia controlada pelo Estado.[37]

Segundo a polícia de Moscou, cerca de 25 mil pessoas estiveram nos protestos, enquanto a oposição alegou que mais de 100 mil pessoas estiveram presentes durante a manifestação.[5]

Exigências[editar | editar código-fonte]

Apesar de não ser possível definir uma exigência específica nos primeiros dias de protestos, até 10 de dezembro havia cinco pontos principais[40] :

1. liberdade para os presos políticos; 2. anulação dos resultados das eleições; 3. a renúncia de Vladimir Churov, chefe da comissão eleitoral, e uma investigação oficial sobre fraude eleitoral; 4. registro dos partidos da oposição e nova legislação democrática para partidos e eleições; 5. novas eleições democráticas e abertas.

Outras cidades[editar | editar código-fonte]

Assim como em Moscou, foram planejados para ocorrer outros protestos em São Petersburgo, Vladivostok e Kaliningrado, bem como 88 outras cidades na Rússia.[41] [42] Os protestos menores foram relatados em Tomsk,[43] Omsk,[44] Arkhangelsk, Murmansk,[44] Yekaterinburg, Novosibirsk, Krasnoyarsk, Kurgan,[44] Perm, Karelia,[45] Khabarovsk,[46] Kazan[47] e Nizhny Novgorod.[48]

Pelo menos 10 mil manifestantes saíram à rua em São Petersburgo, 3 mil em Novosibirsk,[49] enquanto outros 4 mil se reuniram em Yekaterinburg.[50] Pelo menos mil pessoas se reuniram na cidade portuária de Vladivostok no Oceano Pacífico da costa russa.[51]

17-18 de dezembro[editar | editar código-fonte]

Manifestação do partido Yabloko Praça Bolotnaya (Moscou, 17 de dezembro).
Manifestação do Partido Comunista na Praça Manezhnaya (Moscou, 18 de dezembro).

Em 17 de dezembro outra manifestação foi realizada na Praça Bolotnaya em Moscou contra a fraude eleitoral. A manifestação foi organizada pelo partido Yabloko, mas os membros de outros partidos políticos também participaram. Entre os manifestantes estavam Grigory Yavlinsky e Sergey Mitrokhin do partido Yabloko e Vladimir Ryzhkov do Partido Liberdade das Pessoas. A Polícia de Moscou afirmou que havia 1.500 manifestantes, mas testemunhas afirmaram que havia até 5 mil pessoas no auge da manifestação.[52] [53]

Uma manifestação foi realizada em 18 de dezembro, em Moscou, organizado pelo Partido Comunista da Federação Russa na Praça Manezhnaya. A polícia afirmou cerca de 3,3 mil pessoas estiveram na manifestação, mas o partido afirmou em sua página da internet que havia "entre 10 mil e 20 mil pessoas".[54] Outro comício menor teve lugar em São Petersburgo na Praça Pionerskaya.[55]

24 de dezembro[editar | editar código-fonte]

Moscow rally 24 December 2011 Sakharov Avenue 14 14 19 crop.jpg
Moscow rally 24 December 2011, Sakharov Avenue-12.jpg
Manifestações em Moscou na avenida Sakharov em 24 de dezembro. Nas imagens podem ser vistos "posters de proteção contra Putin".
Vídeo das manifestações em Moscou na avenida Sakharov em 24 de dezembro.

Grandes manifestações foram realizadas em 24 de dezembro, incluindo uma manifestação "por eleições justas" na avenida Prospekt Akademika Sakharova, em Moscou.[56] [57] Houve manifestações em Vladivostok, Novosibirsk, Orenburg, Chelyabinsk, Saratov, Níjni Novgorod e São Petersburgo.[58] [59]

O ambiente era pacífico, mas pelo menos 40 ônibus com policiais estavam presentes. Alexei Kudrin, um ex-amigo de Putin, falou defendendo o diálogo.[58] Ele foi vaiado por alguns, mas aclamado por outros.[60]

Pelo menos 21 mil manifestantes foram a Moscou às 11 horas e 10 minutos da manhã no horário de Greenwich, de acordo com a Agência de Informação e Telegrafia da Rússia havia pelo menos 100 prisões em Vladivostok. De acordo com repórteres que estavam no local, o ambiente estava divertido, com fitas brancas, balões e cartazes de preservativos - uma forma de "proteção" contra a "infecção" de Vladimir Putin.[61] [62]

O Ministério do Interior estima que pelo menos 28 mil pessoas estavam presentes,[63] embora alguns opositores tenham alegado 120 mil manifestantes em Moscou. Repórteres do The Moscow Times disseram que havia cerca de 80 mil manifestantes.[64]

4 de fevereiro[editar | editar código-fonte]

Protestos na rua Yakimanka, na Praça Bolotnaya, 4 de fevereiro.

Apesar das temperaturas de -20 ºC uma terceira manifestação foi realizada em Moscou pelo movimento Para Eleições Justas em 4 de fevereiro de 2012, com 160 mil participantes, de acordo com os organizadores, ou 38 mil participantes de acordo com a polícia. Desta vez, a manifestação começou com uma marcha da Praça Kaluzhskaya para a Praça Bolotnaya, onde foi realizada um comício. Os manifestantes anti-Putin levaram balões brancos e usavam fitas brancas. Eles gritavam "Putin, Vá Embora!" e "Rússia sem Putin!". Num dos cartazes podia-se ler "Putin é uma pessoa sem vergonha e sem consciência".[65]

O comício foi encerrado por Yuri Shevchuk, que cantou sua famosa canção "Rodina" (Pátria).[66] [67] As manifestações no mesmo dia estavam a ser realizadas em outras cidades por toda a Rússia, como São Petersburgo, Kazan, Kaliningrado, Níjni Novgorod, Penza e Yaroslavl.

26 de fevereiro[editar | editar código-fonte]

Pelo menos 3 500 pessoas se manifestaram contra Vladimir Putin em São Petersburgo, sob forte presença policial, mas nenhuma prisão foi feita.[68] Em Moscou, no domingo de 26 de fevereiro, até 30 mil pessoas[50] se puseram em frente ao Anel dos Jardins, em um protesto chamado de Grande Círculo Branco. Roupas brancas e fitas brancas foram utilizadas por manifestantes formando uma corrente humana de quinze quilômetros[50] segurando uma bandeira branca.[69] O evento foi descrito como um "ato de unidade" apolítico para evitar a permissão oficial, que exigem protestos.[50] [70]

Mulher segura cartaz comparando Putin com vários ditadores (Josef Stalin, Muammar al-Gaddafi e Adolf Hitler).
Manifestação em Moscou na Praça Pushkin (5 de março de 2012)
Policiamento na Praça Pushkin (5 de março de 2012).

5 de março[editar | editar código-fonte]

Após os indícios de fraude na eleição presidencial ocorrida a 4 de março de 2012, novos protestos aconteceram. Sob uma fina neve, cerca de 15 mil pessoas se reuniram na Praça Alexander Pushkin com bandeiras de vários partidos políticos e com faixas onde se lia "Moscou não acredita em lágrimas", se referindo as lágrimas de Putin após ter sido eleito no dia 4. Os manifestantes gritaram "Rússia sem Putin", "Ladrões devem estar na cadeia" e "Slava Rossiya! Urá" (Glória à Rússia! Urá!). Na Praça Vermelha, próximo dali, Putin comemorava a vitória.[71] [72] [73] Mais de 500 manifestantes foram presos. Em São Petesburgo cerca de 3 mil pessoas fizeram manifestações, e 300 foram presas.[74]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Conversas telefônicas de Nemtsov[editar | editar código-fonte]

Em 19 de dezembro, o portal de notícias Lifenews.ru publicou[75] [76] uma gravação de conversas telefônicas atribuída a Boris Nemtsov, líder da oposição, e um dos principais organizadores da manifestação na praça Bolotnaya em 10 de dezembro. De acordo com uma das gravações, que foram chamadas por Nemtsov como[77] "parcialmente autênticos, parcialmente montadas e parcialmente falsas", ele considera manifestantes "lêmingues" (em russo: "хомячки"), "tímidos pinguins" das redes soiciais Facebook e Vkontakte, e afirma que ele é "forçado a representar" essas pessoas. Em outras gravações, ele usou palavrões e referência da vida sexual de alguns outros líderes das manifestações. Ele também chamou outro proeminente líder dos protestos, Alexey Navalny de "um especialista em manipular a multidão da internet". Nemtsov mais tarde pediu desculpas[77] para vários líderes que foram citados nessas conversas, mas não para os manifestantes, e afirmou que as pessoas que fizeram gravações disponíveis ao público cometem um crime.[77] A Lifenews.ru declarou que recebeu pelo menos 3 milhões de visitantes no site durante o dia.[78] [79]

Visita à embaixada americana pelos organizadores[editar | editar código-fonte]

Em 17 de janeiro, no primeiro dia após o novo embaixador dos Estados Unidos na Rússia Michael McFaul chegar ao país, alguns organizadores e participantes proeminentes dos protestos, bem como algumas figuras proeminentes dos partidos da oposição, visitou a Embaixada dos Estados Unidos em Moscou. Em um vídeo publicado mais tarde no YouTube,[80] os ativistas da oposição são mostrados na entrada da embaixada sendo encontrados por jornalistas de TV que perguntaram por que eles foram até o novo embaixador.[81] A maioria dos ativistas da oposição não responderam, enquanto Boris Nemtsov disse que veio perguntar ao embaixador "Como ele foi nomeado embaixador?".[81] Mais tarde, quando deixavam a embaixada e foram novamente cercados pelos jornalistas, os ativistas da oposição disseram em voz alta "Vocês estão fazendo propaganda Surkovian!" e não deram outros comentários.[81] Vladislav Sourkov, a quem os ativistas se referiram se trata de um vice-primeiro-ministro russo.[82] O incidente provocou uma reação negativa nos meios de comunicações russos e blogs.[83] [81]

Duas semanas depois, a jornalista Olga Romanova, que conseguiu a despesa financeira dos protestos de dezembro, também visitou a embaixada americana. Ela disse que discutiu com McFaul sobre os protestos russos e as campanhas presidenciais dos Estados Unidos.[84] Anteriormente, em junho de 2011, em uma entrevista ao portal de notícias Slon.ru,[85] McFaul descreveu-se como "especialista em democracia, em movimentos anti-ditadores e revoluções".[86]

Manifestações em aopio ao governo[editar | editar código-fonte]

Protestos pró-Putin no Estádio Lujniki. Cartazes com slogans: "Eu sou a favor de Putin como eu sou para a Pátria!", Putin - Poder, Putin - Glória, Putin - Grande Rússia!".

Simultaneamente com os protestos anti-governamentais, o governo e o partido Rússia Unida foram apoiados por manifestações do movimento jovem Nashi, financiado pelo governo.[87]

Em 4 de dezembro, o Nashi tomou as ruas de Moscou com 15 mil jovens que haviam sido trazidas para Moscou de mais de 20 regiões e foram realizadas manifestações e shows na praça da Revolução e da praça Manezhnaya para expressar seu apoio ao presidente Dmitry Medvedev e o primeiro-ministro Vladimir Putin.[88]

Em 6 de dezembro, cerca de 5 mil ativistas do Nashi e outros grupos jovens pró-Kremlin realizaram comícios pró-governo nas praças Manezhnaya e Triumfalnaya.[88] De acordo com uma reporter do New York Times, parecia que muitos dos participantes no comício foram forçados para participar.[89]

Em 12 de dezembro, no 18º aniversário da Constituição da Rússia, milhares de simpatizantes da Rússia Unida demonstraram em Moscou o apoio a Putin.[90]

Manifestantes com cartaz escrito "Putin - Nossa Escolha" (4 de fevereiro).

Em 23 de fevereiro, uma grande passeata pró-Putin ocorreu em Moscou. A marcha terminou no Estádio Lujniki, onde uma multidão de 130 mil pessoas (de acordo com estimativas da polícia), foi endereçado por Vladimir Putin.[91] [92] A BBC informou, no entanto, que alguns participantes afirmaram terem sido obrigados a estar presente. Alguns disseram ter sido informados que estavam prestes a assistir a uma "festa popular". Depois que Putin discursou, a banda Lubeh subiu ao palco.[93]

Protestos "Anti-Laranjas" (4 de fevereiro)[editar | editar código-fonte]

Juntamente com comícios menores, que reuniram 50 mil pessoas em todo o resto do país,[94] o grande protesto Anti-Laranja foi realizada no Monte Poklonnaya em Moscou, perto do complexo memorial da Segunda Guerra Mundial.[95] A -18ºC, uma multidão de 200 mil pessoas se dividiram em duas manifestações, uma contra Putin e outra a favor. As manifestações que apoiaram Putin foram chamadas de "protesto anti-Laranjas" (em referência à Revolução Laranja da Ucrânia). Vários meios de comunicação independentes denunciaram a pressão exercida pelo governo para que todos os funcionários públicos participassem da manifestação. Foi criado até mesmo um disque-denúncia, para que os cidadãos pudessem informar de maneira anônima às autoridades qualquer abuso de poder. O partido governista, Rússia Unida, foi acusado de pagar entre 500 e 5000 rublos (de 28 a 280 reais) para cada pessoa que participasse da manifestação de apoio a Vladimir Putin.

Envolvimento da Ucrânia nos protestos russos[editar | editar código-fonte]

A Ucrânia ganhou destaque em 2014 nos protestos da Rússia após a deposição do Victor Yanukovisch do cargo de presidente da Ucrânia graças aos protestos que surgiram quando o presidente deposto desistiu de assinar um acordo com a União Europeia para fazer acordos com a Rússia. Os protestos russos agora passaram a apoiar a anexação da Ucrânia a pedido de Putin, começando com a Crimeia que acabou voltando para Rússia após a Rússia teve mais votos da decisão se Crimeia continuar fazer parte da Ucrânia ou voltar a fazer parte da Rússia. Estados Unidos considerou que a anexão da Crimeia não é democrática e expulsou a Rússia do G8 (Que volta a passar a ser G7) graças a uma sanção contra a Rússia declarada por Barack Obama e por outros membros da União Europeia. O presidente dos Estados Unidos Barack Obama confirmou que vai colocar mais sanções contra a Rússia se a Rússia não respeitar os bens da Ucrânia.

[96]

Referências

  1. Balmforth, Tom. Hundreds Arrested On Second Night Of Opposition Protests In Russia. Rferl.org. Página visitada em 2011-12-08.
  2. UPDATE 1-Russian police block new anti-Putin rally. Reuters (2009-02-09). Página visitada em 2011-12-08.
  3. Maior manifestação dos últimos 12 anos na Rússia para protestar contra Putin. Público (10/12/2011). Página visitada em 10/12/2011.
  4. a b c Elder, Miriam. "Russian police and troops clash with protesters in Moscow", 6 December 2011. Página visitada em 7 December 2011.
  5. a b Russos vão às ruas para pedir a anulação das eleições parlamentares. Jornal Nacional (10/12/2011). Página visitada em 10/12/2011.
  6. a b "'Catch a fraudster' game - carousels, threats and illegal campaigning at Russian Duma polls", 4 December 2011. Página visitada em 7 December 2011.
  7. "Russia election: Hundreds rally against Putin in Moscow", 5 December 2011. Página visitada em 7 December 2011.
  8. Obscenidades de Medvedev no Twitter chocam a Rússia. tvi24 (8/12/2011). Página visitada em 11/12/2011.
  9. Ellen Barry. "Rousing Russia With a Phrase", 9 December 2011. Página visitada em 10 December 2011.
  10. Barry, Ellen. "Russia Cracks Down on Antigovernment Protests", 6 December 2011. Página visitada em 7 December 2011.
  11. Митинг "Наших" оказался многочисленнее мероприятия оппозиции (russo)
  12. Итогам парламентских выборов были сегодня посвящены многотысячные митинги в центре Москвы Channel One (russo)
  13. "Kremlin supporters gather in Moscow after vote protest", 6 December 2011. Página visitada em 7 December 2011.
  14. Clover, Charles (28 November 2011). Protesters defy troops on Moscow streets. FT.com. Página visitada em 8 December 2011.
  15. "Police and protesters clash in Moscow after election protests", 6 December 2011. Página visitada em 7 December 2011.
  16. Clover, Charles (28 November 2011). Protesters defy troops on Moscow streets. FT.com. Página visitada em 8 December 2011.
  17. Ioffe, Julia. "Putin’s Big Mistake?", 6 December 2011. Página visitada em 7 December 2011.
  18. Osborn, Andrew. "Opposition leader held as Russia beats back protests", 6 December 2011. Página visitada em 7 December 2011.
  19. "Post-election clashes continue in Moscow", 6 December 2011. Página visitada em 7 December 2011.
  20. UPDATE 1-Russian police block new anti-Putin rally. Reuters (9 February 2009). Página visitada em 8 December 2011.
  21. a b c "Russia protests: Gorbachev calls for election re-run", 7 December 2011. Página visitada em 7 December 2011.
  22. a b Protests barely seen on Russian TV, BBC, retrieved 09/12/2011
  23. Michael Schwirtz. "On Russian TV, a Straightforward Account Is Startling", December 10, 2011. Página visitada em December 11, 2011.
  24. a b Analysis: Russian TV grapples with protests, BBC, retrieved 10/12/2011
  25. `Russia protest: White ribbon emerges as rallying symbol, BBC, retrieved 09/12/2011
  26. Hillary diz que eleições na Rússia não foram livres nem justas. domtotal.com (6/12/2011). Página visitada em 11/12/2011.
  27. Putin não avalia eleições parlamentares e culpa EUA pelos protestos da população. Época (08/12/2011). Página visitada em 11/12/2011.
  28. a b Russia PM Vladimir Putin accuses US over poll protests BBC
  29. "Gorbachev calls for Russian elections to be declared void", 7 December 2011. Página visitada em 7 December 2011.
  30. Olga Razumovskaya. "Russian Social Network: FSB Asked It To Block Kremlin Protesters"" (blog), 9 December 2011. Página visitada em 9 December 2011. “Mr. Tsyplukhin explained in an e-mailed statement that the company received a written request from the FSB to shut down groups that encourage people to “trash the streets, to organize a revolution.” The company said it responded to the authorities that it would not be fair to shut down opposition groups because of a few people who are calling for violence and that it would only make sense to block the violent users.”
  31. a b David M. Herszenhorn. "Grappling With Vote Protests, Putin Seeks to Blame Clinton", 8 December 2011. Página visitada em 8 December 2011.
  32. "Pro democracy protests put Putin, Russia at crossroads", Voice of America, 9 December 2011.
  33. Russian election protests: Mikhail Gorbachev calls for vote to be annulled | Mail Online. Dailymail.co.uk (6 December 2011). Página visitada em 11 December 2011.
  34. Tom Balmforth. "Russian Protesters Mobilize Via Social Networks, As Key Opposition Leaders Jailed", 7 December 2011. Página visitada em 7 December 2011.
  35. Miriam Elder in Moscow. Russia's anti-Putin protests grow | World news. The Guardian. Página visitada em 11 December 2011.
  36. Мэрия Москвы согласовала митинг с участием 30 тысяч человек Lenta.ru (russo)
  37. a b J. David Goodman. "Updates on Protests in Russia" (realtime blog), 10 December 2011. Página visitada em 10 December 2011.
  38. "Putin warns protesters ahead of rally", 8 December 2011. Página visitada em 8 December 2011.
  39. a b Putin faces wave of protests as opposition calls for new Russian elections, Guardian, retrieved 9 December 2011
  40. Russian election protests – follow live updates, Guardian, retrieved 10 December 2011
  41. Gutterman, Steve. "Protests across Russia to test Putin and opponents", 9 December 2011. Página visitada em 11 December 2011.
  42. Pro-Democracy Protests Put Putin, Russia at Turning Point. Voice of America (9 December 11).
  43. Barry, Ellen. "protest in moscow russia in defiance of putin&st=cse Rally Defying Putin’s Party Draws Tens of Thousands", 10 December 2011. Página visitada em 11 December 2011.
  44. a b c Text: Thomas Nilsen (10 December 2011). Election fraud protests in Murmansk and Arkhangelsk. BarentsObserver. Página visitada em 11 December 2011.
  45. Anti-Putin protests erupt across Russia – Europe. Al Jazeera English (4 October 2011). Página visitada em 11 December 2011.
  46. Lee Moran. Russian protests 2011: 'Vladimir Putin's a louse' say demonstrators over alleged election fraud | Mail Online. Daily Mail. Página visitada em 11 December 2011.
  47. May, Robert. "Hundreds Protest Election Results", The Kazan Herald, 10 December 2011. Página visitada em 11 December 2011.
  48. Thousands continue protest in Moscow following elections. OpenGlobe (6 December 2011). Página visitada em 11 December 2011.
  49. Daniel Sandford. BBC News – Russian election: Biggest protests since fall of USSR. BBC. Página visitada em 11 December 2011.
  50. a b c d Russian protests: live. Telegraph (31 May 2011). Página visitada em 11 December 2011.
  51. Video: Russia election protests begin in Vladivostok. Telegraph (10 December 2011). Página visitada em 11 December 2011.
  52. Митинг «Яблока» за честные выборы на Болотной закончился, очевидцы говорят о 5 тысячах участников. Gazeta.ru (2011-12-17). Página visitada em 2011-12-17.
  53. Митинг "Яблока" в Москве собрал несколько тысяч человек. BBC Russian (2011-12-17). Página visitada em 2011-12-17.
  54. Rússia: comunistas protestam contra resultados de eleições. Terra (18/12/2011). Página visitada em 18/12/2011.
  55. http://www.voanews.com/english/news/More-Protests-in-Russia-over-Alleged-Election-Fraud-135824393.html
  56. За честные выборы! (em Russian). For Fair Elections. Página visitada em 23 December 2011.
  57. Ellen Barry. "Tens of Thousands Gather in Moscow to Protest", December 24, 2011. Página visitada em December 24, 2011.
  58. a b "Moscow protest: Thousands rally against Vladimir Putin", December 24, 2011. Página visitada em December 24, 2011.
  59. Feldmann, Yevgeny (23 December 2011). Оппозиционные митинги 24 декабря в городах России и мира (em Russian). Novaya Gazeta. Página visitada em 23 December 2011.
  60. Ellen Barry. "Tens of Thousands Gather in Moscow to Protest", December 24, 2011. Página visitada em December 24, 2011.
  61. Lusa (24/12/2011). Milhares exigem realização de novas eleições parlamentares. DNGLOBO. Página visitada em 30/12/2011.
  62. Mass Anti-Vladimir Putin Protest In Moscow Over Disputed Elections – Thousands Expected On Streets | World News | Sky News. News.sky.com. Retrieved on 2011-12-29.
  63. Thousands Protest In Moscow Against Election Fraud. Huffingtonpost.co.uk. Retrieved on 2011-12-29.
  64. Alexander Bratersky. "Saturday Rally Suggests Protest Mood Is Growing", December 24, 2011. Página visitada em December 24, 2011.
  65. 100,000 Protesters at Anti-Putin Rally say Organizers, Police say 33,000 RIAN
  66. "«Не замерзнем, не простим!»", Gazeta.ru, 2012-02-04. Página visitada em 2012-02-04.
  67. "«Не замерзнем, не простим!»", Gazeta.ru, 2012-02-04. Página visitada em 2012-02-04.
  68. http://www.dailymail.co.uk/news/article-2106435/Putin-anger-evident-thousands-protest-prime-minister-Russian-presidential-elections-draw-nearer.html
  69. Michael Schwirtz. "Thousands Join Anti-Kremlin Protest in Moscow", February 26, 2012. Página visitada em February 26, 2012. “The protest was called the Big White Circle, and demonstrators arrived decked out in full-length white furs and huge white hats. Long lines of people unfurled rolls of paper towels and waved them while cars drove along the road, the Garden Ring, honking furiously and displaying their own white flags and banners.”
  70. Os russos disseram adeus ao inverno político. Voz da Rússia (26/02/2012). Página visitada em 29/02/2012.
  71. Oposição russa denuncia fraude na eleição de Vladimir Putin. Jornal Nacional (5/3/2012). Página visitada em 6/3/2012.
  72. Um dia após eleição de Putin, opositores são presos na Rússia. Primeira edição (5/3/2012). Página visitada em 6/3/2012.
  73. Milhares protestam contra vitória de Putin e suspeita de fraude eleitoral. Opera Mundi (5/3/2012). Página visitada em 6/3/2012.
  74. Centenas de ativistas anti-Putin são presos na Rússia. Jornal da Cidade (5/3/2012). Página visitada em 6/3/2012.
  75. Life News публикует тайные переговоры Немцова с оппозиционерами. Lifenews.ru. Retrieved on 2011-12-29.
  76. ПОЛИТ.РУ: Life News опубликовал новый компромат на Немцова. Polit.ru. Retrieved on 2011-12-29.
  77. a b c Борис Немцов – Простите. B-nemtsov.livejournal.com (2011-12-20). Retrieved on 2011-12-29.
  78. Из-за записей разговоров Немцова «лёг» сайт Life News | В России | Русская служба новостей. Rusnovosti.ru. Retrieved on 2011-12-29.
  79. Disputas internas não impedem atuação da oposição ao Kremlin na Rússia 21/12/2011. Acessado em 5/02/2012.
  80. www.youtube.com/watch?v=yf3LjntNX20&feature=youtu.be - Получение инструкций в посольстве США]
  81. a b c d Получение инструкций в посольстве США / Receiving instruction in the Embassy of the U. S. vz.ru (russo)
  82. Ideólogo Vladislav Surkov nomeado vice-primeiro-ministro da Rússia Acessado em 21/02/2012.
  83. Russia Profile Weekly Experts Panel: United States Looms Large in Russian Elections russiaprofile.org
  84. Романова: С Макфолом обсудили «бунты рассерженных горожан» vz.ru (russo)
  85. Разговор с Майклом Макфолом (russo)
  86. Аналитическая программа "Однако" с Михаилом Леонтьевым Channel One (Russia) (russo)
  87. Пока не загорятся здания. Lenta.ru (2012-01-17). Página visitada em 2012-01-17.
  88. a b The empire strikes back, themoscownews.com
  89. Few at Putin Party’s Rally, and Even Fewer Willingly – The New York Times "Moreover, many of the attendees seemed to have been taken there against their will."
  90. Pro-Putin supporters rally in Moscow. Euronews (12 December 2011). Página visitada em 12 December 2011.
  91. Vladimir Putin invokes Napoleon invasion of Russia in patriotic call. The Daily Telegraph (23 February 2012). Página visitada em 26 February 2012.
  92. Putin evokes foreign threats in election battle cry. The Sydney Morning Herald (25 February 2012). Página visitada em 26 February 2012.
  93. Putin tells stadium rally 'battle' is on for Russia, BBC, retrieved 28/2/2012
  94. Как митинг на Поклонной собрал около 140 000 человек politonline.ru (russo)
  95. Митинг на Поклонной горе Interfax (russo)
  96. Eleitores russos vão às ruas e mostram divisão em manifestações. Opera Mundi (5/2/2012). Página visitada em 6/3/2012.