São Raimundo Esporte Clube (Manaus)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
São Raimundo
Sraimundoeclube.jpg
Nome São Raimundo Esporte Clube (Manaus)
Alcunhas Tufão da Colina
Tufão
Mundico
São Rai
Alvi-Celeste da Colina
Torcedor/Adepto São-raimundense
Alvi-celeste (Colinense)
Mascote Tufão
Fundação 18 de novembro de 1918 (95 anos)
Estádio Colina
Capacidade 11 000 pessoas
Mando de jogo em Colina
Capacidade (mando) 11 000 pessoas
Presidente Brasil Mozart Luís dos Santos
Treinador Brasil Edson Ferreira
Patrocinador Brasil TECON Construtora
Brasil Academia Hiper Sport
Brasil Jornal A Crítica/ Núcleo Craque
Brasil Rodviários
Brasil Governo do Amazonas
Brasil Academia Cheik Club
Brasil VICAL Transportes
Material esportivo Brasil Siker
Competição Amazonas Campeonato Amazonense
Amazonas CA 2014 7º colocado
Amazonas CA 2013 6º Colocado
Amazonas CA 2012 5° colocado
Website http://saoraimundo.net
Kit left arm srec-am14h.png Kit body srec-am14h.png Kit right arm srec-am14h.png
Kit shorts.png
Kit socks.png
Uniforme
titular
Kit left arm crato14a.png Kit body crato14a.png Kit right arm crato14a.png
Kit shorts srec-am14a.png
Kit socks.png
Uniforme
alternativo
editar

O São Raimundo Esporte Clube é um clube de futebol brasileiro sediado na cidade de Manaus. Foi fundado oficialmente em 18 de novembro de 1918, a partir do então Risófolis Clube Recreativo, que havia sido criado em 1915, e foi batizado em homenagem ao no bairro homônimo na capital amazonense.

É um dos principais clubes do Amazonas, tendo conquistado 7 Campeonatos Amazonense e 3 Copas Norte - sendo recordista de títulos neste antigo torneio regional. Possui também 1 vice-campeão da Campeonato Brasileiro da Série C. Entre outros feitos, o Tufão foi o único do clube amazonense a ter participado de um torneio internacional oficial, a Copa Conmebol de 1999, do qual acabou sendo semifinalista. O clube ainda participou por oito vezes da Copa do Brasil.

História[editar | editar código-fonte]

O São Raimundo Esporte Clube foi fundado oficialmente no dia 18 de novembro de 1918, logo após do fim do "boom" da Borracha em Manaus. O nome deve-se ao bairro, que por fim deve este nome ao santo, São Raimundo Nonato, que nasceu em 1204, na Espanha. O bairro em Manaus foi, por muito tempo, latifúndio da Igreja Católica, no século XIX, até que emigrantes nordestinos viessem lá residir. São Raimundo está localizado à 200 metros do Centro Antigo de Manaus, separado deste pela Ponte Fábio Lucena, que só foi inaugurada em 1986.

Em 1915, Francisco Rebelo e o Professor Assis fundam o Risópolis Clube Recreativo. Mais tarde, em maio de 1918, mudam o nome para Risofóles, que meses depois acaba transformando-se finalmente num nome que identificasse o proletário bairro, daí o nome de São Raimundo.

Fundadores[editar | editar código-fonte]

Alguns dos fundadores do São Raimundo são: Sr. Belmiro Costa, Sr. Olímpio Carvalho, Sr. Carlos Frederico, Sr. José Quincas, Sr. Vidal, Sr. Sena e Sr. Queiróz. O presidente desse novo clube era o "batalhador" Francisco Rebelo.

A Primeira sede do São Raimundo localizava-se na mesma "rua da Ponte", a rua 5 de setembro. Antes desta data, as reuniões eram em locais aleatórios.

O São Raimundo só chegou na Primeira Divisão da antiga FADA em 1955, disputando no ano seguinte junto aos "grandes" de Manaus. Dono de uma torcida apaixonada, que mesmo quando o São Raimundo deixou de participar dos campeonatos amazonenses (de 1980 a 1983 e 1994 e 1995) nunca deixou de torcer pelo seu time e em ter esperança de sua volta aos gramados.

O São Raimundo, atuando a apenas 5 anos no profissionalismo arrebatou o Campeonato Amazonense de 1961. O outro título viria 5 anos depois, em 1966, sendo o primeiro campeão profissional do Amazonas, que neste campeonato tinha a recém criada FAF (Federação Amazonense de Futebol). Esse campeonato só terminou em 1967.

Durante muitos anos, o "Tufão" foi o dono da quarta maior torcida do estado, atrás de Nacional, Rio Negro e Fast Clube. Com a sua definitiva volta aos estádios em 1996, o clube fez com sua torcida crescesse bastante e pode-se dizer hoje que está no mesmo nível do Nacional e do Rio Negro.

Após o titulo estadual de 1966, o clube passou por diversas crises econômicas. Tanto é que nos anos 1980, o clube quase vendeu seu estádio e o mesmo quase fecha suas portas. Algo que não se concretizou.

Renascimento[editar | editar código-fonte]

O São Raimundo, a partir de 1996, "renasceu" para o futebol do Amazonas. Ivan Guimarães e Maneca, nacionalinos fanáticos - o primeiro, radialista e ex-setorista do Nacional, o segundo, presidente do Nacional durante 10 anos -, colocaram a ideia para a presidência do São Raimundo de se criar um Departamento Autônomo dentro do clube. Orlando Saraiva (então presidente do São Raimundo) mais os outros diretores acataram e acreditaram na ideia. O que eles iriam perder? A partir daí o São Raimundo rapidamente chamou ninguém mais, ninguém menos que Aderbal Lana, o mesmo que ganhou o tricampeonato matogrossense pelo Mixto em 1982, e que levou esse mesmo clube a ser uma grata surpresa no Campeonato Brasileiro de Futebol de 1985, o mesmo que embalou o sonho e o orgulho em ser nacionalino em 1985-1986-1987, no tempo da "Máquina Azul", que derrotou Atlético-MG, Internacional-RS, Santa Cruz-PE, Palmeiras-SP, etc... e, a partir daí, inscreveram o "Tufão" no Campeonato Brasileiro da Série C de 1996.

Os resultados foram ruins naquele primeiro momento, mas a dupla continuou seu trabalho incessante, que deu frutos no tricampeonato amazonense (1997/98/99), no terceiro lugar na última Copa Conmebol em 1999 e no vice-campeonato brasileiro na Série C desse mesmo ano, culminando com o acesso à Série B, sem falar no tricampeonato da Copa Norte. Além disso, veio o reconhecimento nacional para o clube, disputando a Copa dos campeões em 2001, quando já havia sido o campeão da seletiva empatando com Sport-PE em Recife e vencendo o Goiás-GO em Manaus.

Rebaixamento à Série C[editar | editar código-fonte]

Ao longo dos sete anos na 2ª divisão, o time apenas brigava contra o descenso, sempre escapando nas últimas rodadas.

Em 2006, após seis anos na Série B, com um time muito ruim tecnicamente e em formação ao longo do campeonato, foi rebaixado para a Série C do Campeonato Brasileiro, ao ficar na 19º posição, melhor apenas do que o lanterna Vila Nova-GO.

Pós-Rebaixamento[editar | editar código-fonte]

Após o rebaixamento à Série C do Campeonato Brasileiro em 2006, o São Raimundo perdeu grande parte do seu elenco. Em 2007, o clube teve base num time de peladas. Fez uma campanha razoável no Campeonato Amazonense e uma péssima campanha na Série C deste ano.

Eleições e Renovação[editar | editar código-fonte]

Em novembro de 2007, ocorreu um fato histórico no São Raimundo: as eleições no clube significaram a quebra de um laço de 12 anos com Ivan Guimarães, que participou do grupo responsável pela arrancada que o clube teve no fim dos anos 1990 e início dos anos 2000. Após campanha péssima na Campeonato Brasileiro de Futebol - Série C, a pressão dos torcedores e da nova diretoria forçaram uma separação com o clube, que posteriormente resultou no acerto do ex-dirigente com o rival Nacional. A chapa vencedora foi eleita mediante aclamação, tendo em vista que as duas forças que atuavam nos bastidores dessa eleição decidiram unir-se em prol de um chapa única e uma eleição sem mais desgastes. De um lado o vereador Jairo Dias, filho do ex-presidente João Dias, e do outro o promotor de justiça David Jerônimo, que conduziu por 3 anos a reformulação do Estatuto do Clube e abriu as portas para novos associados.

Campanha 2008[editar | editar código-fonte]

Mesmo assumindo o clube há 20 dias do início do campeonato Amazonense, a nova presidência com a ajuda do Conselho Deliberativo iniciou a reconstrução de todo o plantel. Foram contratados todos os 30 jogadores, tendo em vista que a administração passada não deixou vínculos com nenhum atleta. A maioria era dos estados de Minas Gerais, Mato Grosso e São Paulo. Os principais destaques foram os atacantes Branco e Marinho, o goleiro Leandro Silveira e os volantes Catatau e Paulinho.

Apesar de não conseguir classificação para a Série C de 2008, o clube manteve um alto nível de competitividade, terminando a competição em 4º lugar no geral, e com o atacante Marinho na vice-artilharia com 10 gols. A torcida elogiou a postura guerreira do time e apoiou a diretoria na continuação do trabalho.

2009[editar | editar código-fonte]

Em 2009, o clube anuncia um projeto ambicioso, que visaria colocar o clube na Série A do Campeonato Brasileiro no ano de 2014, ano da Copa do Mundo no Brasil e que Manaus será uma das sedes. Mas, como o clube não conseguiu acesso a Série D de 2010, por ter ficado no 4º lugar geral no Campeonato Amazonense de 2009, o clube se vê obrigado em passar por todas as divisões do futebol brasileiro sem poder ficar mais de um ano numa mesma divisão.

2010[editar | editar código-fonte]

Em 2010, com um início de temporada conturbado, o clube se vê sem opções para técnico e o ex-zagueiro Donizete assume o comando do clube. Sem maiores experiências, o "técnico" não conseguiu um bom resultado e nem o controle do time, que em ação de retaliação deixou-se vencer dois jogos seguidos por 4x0 (Princesa do Solimões e América). Com a pressão de suas torcidas organizadas, os dirigentes se viram obrigados a tomarem medidas drásticas para melhorar o desempenho do time, assim escapando de um possível rebaixamento no campeonato amazonense. Então, no segundo turno, trouxeram de volta o ex-jogador e ex-técnico do clube em 2009, Luís Carlos Winck que mesmo com o mesmo elenco, conseguiu estruturar o time e com a contratação de alguns reforços não só livrou o time do rebaixamento, mas chegou a final do segundo turno e num jogo emocionante em Itacoatiara perdeu nos pênaltis. Diante de um estádio lotado de moradores do município torcendo contra, mas impulsionado pela sua fiel torcida que mesmo longe se mobiliziou para acompanhar o time do coração, enquanto o time se lamentava sua torcida alvi-celeste de pé os aplaudiam, pois reconheceram o quanto o time havia sido guerreiro. Em 2010, novas eleições aconteceram, dos tempos áureos, Orlando Saraiva foi aclamado presidente, tendo Mozart Luís dos Santos como vice. No início de 2011, devido problemas pessoais, Mozart o substituiu até o fim do mandato. No fim do mesmo ano foi aclamado presidente, cargo que exerce até os dias atuais.

Rivalidades[editar | editar código-fonte]

O maior e mais ferrenho rival do São Raimundo é o Sul América do bairro vizinho da Glória, que desde 1932 (ano em que foi fundado) acirra as disputas com o time "colinense". Depois do seu período de crescimento, o São Raimundo começou a fazer rivalidades com Nacional, Rio Negro e Fast Clube. Sendo que com estes o São Raimundo disputou várias finais nos últimos anos.

Clássico do Galo Preto[editar | editar código-fonte]

O maior clássico do São Raimundo é contra o Sul América. A partir de 1956, o sempre inteligente jornalista Irisaldo Godô apelida o São Raimundo de "Tufão" e o Sul América de "Trem", e começam os tradicionais clássicos "Galo-pretos" (por causa do tradicional despacho de Umbanda, realizado antes dos jogos).

Clássico Azul[editar | editar código-fonte]

O Clássico Azul recebeu esse nome devido as cores dos uniformes do São Raimundo Esporte Clube e do Nacional Futebol Clube. A partida ganhou status de clássico somente a partir da década de 1990, com a ascensão do São Raimundo no cenário futebolístico regional, e hoje é considerado o segundo maior clássico do Amazonas, somente atrás do Rio-Nal.

Clássico da Luta[editar | editar código-fonte]

O confronto conhecido como Clássico da Luta é realizado entre o Atlético Rio Negro Clube e o São Raimundo. Assim como o Clássico Azul, é um confronto que ganhou o status de clássico recentemente.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Estádio[editar | editar código-fonte]

O São Raimundo é o único clube a possuir em Manaus, um estádio próprio - O Estádio da Colina, que passou por uma intensa reforma para a Copa de 2014 em que Manaus foi uma das sedes e o estádio foi um Centro de Treinamento. Possui a capacidade para aproximadamente 11.000 pessoas.

Sede[editar | editar código-fonte]

A sede social e oficial do clube se localiza na Rua 5 de Setembro, a "Rua da Ponte", no bairro São Raimundo, em Manaus.

Símbolos[editar | editar código-fonte]

Hino do Clube[editar | editar código-fonte]

O hino do São Raimundo é de autoria de Francisco da Silva e foi composto em 1997. Trecho:

"II São Raimundo tu me fascinas No campo ou em qualquer lugar Vem do alto da Colina A força para lutar Vamos meu clube querido Para o gramado com muita união Buscando novas alegrias Mostrando que és o campeão"

Escudo[editar | editar código-fonte]

O escudo do São Raimundo é inspirado diretamente em um dos mais tradicionais e antigos clubes do Rio de Janeiro, o São Cristovão, fundado em 1898. A diferença é que o escudo do São Cristovão é alvinegro e para o São Raimundo, os detalhes na cor preta foram modificados para a cor azul.

Apesar de sempre ter sido historicamente um clube "pequeno", o São Cristovão sempre foi um clube importante e tradicional, mais ainda na época em que o São Raimundo foi fundado, quando disputava sempre a primeira divisão do campeonato do Rio de Janeiro e possuía um time bastante competitivo.

Notáveis jogadores[editar | editar código-fonte]

  • Brasil Bolo
  • Brasil Marco
  • Brasil Careca
  • Brasil Caroço
  • Brasil Delmo
  • Brasil Santarém
  • Brasil Waldir
  • ((BRAb)) Marcelo Araxa

Presidentes[editar | editar código-fonte]

  • Brasil David Jerônimo
  • Brasil João Dias Neto
  • Brasil Orlando Saraiva

Treinadores[editar | editar código-fonte]

  • Brasil Renato Donizeti
  • Brasil Édson Tavares
  • Brasil Carlos Prata

Mascote[editar | editar código-fonte]

O mascote do São Raimundo é o "Tufão", o que surgiu como uma alcunha, adotada no hino e que acabou virando mascote do clube. A exemplo do Fast Clube, o São Raimundo não tinha devidamente um mascote, então sua torcida adotou por um grande período o personagem de desenhos animados Taz-Mania como representação de seu mascote. O Diabo-da-tasmânia já foi cogitado como mascote do clube, porém não se confirmou, sendo reconhecido como mascote o "Tufão", que geralmente é caracterizado.

Torcida[editar | editar código-fonte]

Sem dúvidas é a torcida mais fanática e violenta do Amazonas, sempre apoiando o seu time e nunca aceitando erros de arbitragem e nem "corpo mole" de seus jogadores, protestando na maioria das vezes de maneira hostil e violenta, fazem uma festa muito bonita nas arquibancadas e boas caravanas para o interior. No geral, em se tratando de "povão" é a terceira maior do estado em número de torcedores.

Organizadas[editar | editar código-fonte]

  • Torcida Organizada Furacão Azul (ativa)
  • Torcida Uniformizada Força Azul (ativa)
  • Barra brava Bucheiros da Colina (A primeira no Amazonas) (ativa)
  • Movimento Organizado Inferno Azul (ativa)
  • Torcida Tufão Gol (ativa)
  • Tufão Chopp (ativa)
  • Torcida Tufão Celeste (ativa)
  • Torcida Comando Feminino Furacão Azul (ativa)

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Internacionais[editar | editar código-fonte]

Flags of the Union of South American Nations.gif Copa Conmebol
Ano 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999
Pos.


Nacionais[editar | editar código-fonte]

Brasil Campeonato Brasileiro - Série B
Ano 1971 1972 1973 1974 1975 1976 1977 1978 1979
Pos. - - - - - - - - -
Ano 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989
Pos. - - - - - - - - - -
Ano 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999
Pos. - - - - - - - - - -
Ano 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009
Pos. 11º 11º 19° 19° 16° 14° 19° - - -
Ano 2010
Pos. -


Brasil Campeonato Brasileiro - Série C
Ano 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989
Pos. - - - - - - - - -
Ano 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999
Pos. - - - - - - 47º 19°
Ano 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009
Pos. - - - - - - - 50º - -
Ano 2010
Pos. -


Brasil Copa do Brasil
Ano 1989
Pos. -
Ano 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999
Pos. - - - - - - - - 31º 55º
Ano 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009
Pos. 17º 17º 47º 45º - 34º - 40º - -
Ano 2010
Pos. -


Estadual[editar | editar código-fonte]

Amazonas Campeonato Amazonense*
Ano 1964 1965 1966 1967 1968 1969 1970 1971 1972
Pos.
Ano 1973 1974 1975 1976 1977 1978 1979 1980 1981 1982
Pos. - -
Ano 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992
Pos.
Ano 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002
Pos. - - -
Ano 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012
Pos.
Ano 2013 2014
Pos.


*Por falta de registros, só foram computados os anos de profissionalismo

Títulos[editar | editar código-fonte]

Regionais
(1999, 2000, 2001)
Estaduais
(1961, 1966, 1997, 1998, 1999, 2004 e 2006)
  • Amazonas Torneio Início: 4
(1956, 1963, 1998 e 2005)
(2006)
(2006)

Campanhas notórias[editar | editar código-fonte]

(1999)
(1999)
(1998 e 2002)
(1964 e 2000)

Rankings[editar | editar código-fonte]

Ranking da CBF[editar | editar código-fonte]

  • Posição: 72º
  • Pontuação: 198 pontos
  • Região Norte:
  • Estadual:

Ranking criado pela Confederação Brasileira de Futebol que pontua todos os times do Brasil.

Outros Rankings[editar | editar código-fonte]

Clubes brasileiros no Ranking da Conmebol

  • Posição: 29º
  • Pontuação: 6 pontos

Ranking Placar

  • Posição: 73º
  • Pontuação: 13 pontos

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]