Diabo-da-tasmânia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaDiabo-da-tasmânia
Macho adulto no Tasmanian Devil Conservation Park em Taranna, península de Tasman.

Macho adulto no Tasmanian Devil Conservation Park em Taranna, península de Tasman.
Estado de conservação
Status iucn3.1 EN pt.svg
Em perigo (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Infraclasse: Marsupialia
Ordem: Dasyuromorphia
Família: Dasyuridae
Género: Sarcophilus
Espécie: S. harrisii
Nome binomial
Sarcophilus harrisii
(Boitard, 1841)
Distribuição geográfica
Distribuição geográfica atual (em cinza).
Distribuição geográfica atual (em cinza).
Sinónimos
  • Didelphis ursina Harris, 1808 [non Shaw, 1808]
  • Sarcophilus satanicus Thomas, 1903

O diabo-da-tasmânia ou demônio-da-tasmânia (nome científico: Sarcophilus harrisii, do grego, sarx, carne + philos, amigo; e harrisii, em homenagem a George Harris) é um mamífero marsupial da família Dasyuridae endêmico da ilha da Tasmânia, Austrália. Através do registro fóssil sabe-se que a espécie habitou também a Austrália continental, tendo se extinguido há cerca de três mil anos. As causas do desaparecimento são desconhecidas, mas acredita-se que tenha sido influenciado pela introdução do dingo, pela chegada e expansão dos aborígenes e por influência climática do El Niño durante o Holoceno.

Com uma aparência de urso, que lhe rendeu a descrição científica de Didelphis ursina, é um animal robusto e musculoso. Sua pelagem é escura com manchas brancas na região da garganta, das bochechas e lombar. Os dentes molares são adaptados à sua dieta de carniça. É um caçador pouco eficiente, preferindo animais de pequeno porte. Pode ser encontrado em vários tipos de habitat, incluindo áreas urbanas, mas prefere bosques costeiros e florestas esclerófitas. Noturno e solitário, habita uma área de vida definida, mas não tem tendências territoriais. Ocasionalmente, vários animais se reúnem para se alimentar de uma carcaça, gerando interações agressivas. Promíscuos, acasalam-se uma vez ao ano, gerando ninhadas de dois a quatro filhotes, que são desmamados aos oito meses de idade. É o maior marsupial carnívoro existente, após a extinção do tilacino, e possui convergência ecomorfológica com as hienas.

Inicialmente, o animal foi visto pelos colonizadores europeus como uma ameaça aos rebanhos domésticos, sendo então caçado e envenenado, com significativa redução populacional. Em 1941, a espécie foi oficialmente protegida e os números começaram a aumentar. No final da década de 1990, uma doença neoplásica reduziu drasticamente a população e agora ameaça a sobrevivência da espécie, que em maio de 2009 foi declarada em perigo de extinção. Programas de manejo estão sendo conduzidos pelo governo da Tasmânia para reduzir o impacto da doença, incluindo uma iniciativa para formar um grupo de diabos saudáveis ​​em cativeiro, isolados da doença. O animal é o símbolo da Tasmânia e de muitas organizações, grupos e produtos associados ao estado. Ficou popularmente conhecido através do personagem Taz dos desenhos animados Looney Tunes. Devido a restrições de exportação e do fracasso reprodutivo dos demônios no exterior, quase não há indivíduos fora da Austrália.

Nomenclatura e taxonomia[editar | editar código-fonte]

Gravura do Didelphis ursina e Didelphis cynocephala publicada em 1808, junto da descrição de George Harris.
Gravura do "Sarcophile oursin" publicada no "Histoire Naturelle des Mammifères" em 1837 por Frédéric Cuvier.

O naturalista George Harris fez a primeira descrição do diabo-da-tasmânia em 1808, nomeando-o Didelphis ursina,[2] por lembrar a aparência de um urso, devido às orelhas arredondadas.[3] Em 1810, Étienne Geoffroy Saint-Hilaire recombinou o nome científico para Dasyurus ursinus alegando uma maior relação entre o diabo e as espécies do gênero Dasyurus.[4] Frédéric Cuvier, em 1837, descreveu o gênero Sarcophilus para o ursinus, alegando que a espécie era mais próxima ao Thylacinus que ao Dasyurus, porém com características distintivas o suficiente para garantir a descrição de um novo gênero.[5] Em 1838, Richard Owen descreveu uma espécie fóssil, Dasyurus laniarius, com base em espécimes do Pleistoceno coletados na caverna Wellington, em Nova Gales do Sul.[6]

Como o nome proposto por Harris, já estava pré-ocupado pelo Didelphis ursina descrito por George Shaw em 1800, ele foi substituído para Ursinus harrisii por Pierre Boitard em 1841.[7] Em 1903, Oldfield Thomas, sem ter conhecimento da substituição feita por Boitard, renomeou o Didelphis ursina de Harris para Sarcophilus satanicus,[8] mas em 1913, reconhecendo que o harrisii antecede sua nomeação, recombina o Ursinus harrisii para Sarcophilus harrisii, estabelecendo a combinação válida para a espécie.[9]

Werdelin, em uma revisão taxonômica publicada em 1987, determinou que as espécies do Pleistoceno e as do Recente não possuíam características distintas marcantes e deviam ser consideradas como uma única espécie, cujo nome seria Sarcophilus laniarius (1838), que possuía prioridade sobre Sarcophilus harrisii (1841).[10] O trabalho de Werdelin não foi muito aceito pela comunidade científica, e ambos os nomes foram usados para o diabo-da-tasmânia no decorrer dos anos. Colin Groves, na segunda edição do "Mammals Species of the World" de 1993, utilizou o nome Sarcophilus laniarius para a espécie,[11] entretanto, na terceira revisão de 2005, tornou a usar Sarcophilus harrisii, deixando o nome S. laniarius para a espécie fóssil, que deveria ser retida como uma espécie distinta já que as medidas da espécie fóssil e atual não coincidem em muitas variáveis.[12]

O diabo-da-tasmânia é uma espécie politípica, possuindo duas subespécies reconhecidas: S. h. harrisii, da Tasmânia, e S. h. dixonae, um táxon extinto descrito por Werdelin (1987) com base em material subfóssil encontrado em Nelson Bay, Vitória.[12] Análises filogenéticas demonstraram que o diabo tem maior relação com as espécies do gênero Dasyurus do que com o Thylacinus, ao contrário do que postulou Frédéric Cuvier em 1837.[13]

Distribuição geográfica e habitat[editar | editar código-fonte]

O diabo-da-tasmânia é endêmico da Austrália, onde pode ser encontrado apenas na ilha da Tasmânia e algumas ilhas costeiras próximas, como Robbins, Bruny e Badger. A população da Ilha Bruny sobreviveu até meados do século XIX, não havendo mais registros para a espécie após 1900.[14] A população da Ilha Badger foi ilegalmente introduzida na metade da década de 1990, sendo removida em agosto de 2007.[1] Registros subfósseis indicam também a presença da espécie na ilha Flinders até o início do século XIX.[15]

A espécie extinguiu-se no continente australiano entre 3 000 e 4 000 anos a.p.[16] Dentre os fatores que a levaram à extinção, três hipóteses são levantadas: (1) competição com os dingos por alimento,[17] (2) pressão sofrida pela expansão dos aborígenes,[18] e (3) mudança climática em decorrência da intensificação da Oscilação Sul-El Niño (OSEN).[16] O S. harrisii estava bem distribuído através da Austrália durante o Pleistoceno, declinando e ficando restrito a três populações remanescentes durante o Holoceno Médio, a cerca de 3 000 anos atrás.[16] Uma no norte, próxima a Darwin, Território do Norte, baseada em um único registro fóssil e na arte rupestre. Uma no sudoeste da Austrália Ocidental baseada em registros descritos por diversos autores. E uma no sudeste, baseada em registros feitos em várias localidades que vão do delta do rio Murray até as vizinhanças de Port Phillip, Vitória. Em 1972, um dente fóssil encontrado na região de Augusta, Austrália Ocidental, foi datado tendo entre 430±160 anos de idade,[19] entretanto, essa datação radiométrica foi rejeitada em 2006, devido a incertezas quanto à origem do depósito onde foi encontrado o dente, especialmente porque os outros achados do mesmo sítio foram datados com cerca de 3 000 anos.[16]

Os diabos podem ser encontrados em todos os habitats da ilha, incluindo os arredores das áreas urbanas, mas preferencialmente habita bosques costeiros e florestas esclerófilas. O "núcleo" da distribuição, onde se concentram as maiores densidades populacionais, está localizado nas zonas com precipitação anual de baixa a moderada do leste e norte da ilha.[20] Densas florestas úmidas de eucalipto, áreas alpinas, brejos densos e úmidos e pastagens abertas suportam apenas baixas densidades populacionais.[21] Diabos também evitam encostas íngremes e áreas rochosas.[22]

Características[editar | editar código-fonte]

Ficha técnica[23] [24]
Peso 5,5 - 11,8 (Machos)
4,1 - 8,1 (Fêmeas)
Comprimento
(média)
652 mm (Machos)
570 mm (Fêmeas)
Cauda
(média)
258 mm (Machos)
244 mm (Fêmeas)
Tamanho de ninhada 2 - 4
Gestação 14 - 22 dias
Desmame 8 meses
Maturidade sexual 11 meses (Machos)
2 anos (Fêmeas)
Longevidade 5 - 6 anos

O diabo-da-tasmânia possui uma aparência superficial de urso, exceto pela cauda. Possui porte robusto, com uma cabeça curta, larga e musculosa, focinho curto e orelhas arredondadas. As orelhas são peludas com tufos bem demarcados na base. Sua pelagem é de castanha escura a negra, exceto pela mancha branca na região da garganta e por uma ou duas manchas nas regiões lombar e lateral do corpo.[23] Cerca de 16% dos animais apresentam melanismo, ou seja, são completamente negros, sem qualquer tipo de mancha.[3]

Os membros dianteiros tendem a ser maiores que os traseiros. O primeiro dedo do pé está ausente, fazendo com que o diabo tenha 5 dedos nas mãos e apenas 4 nos pés.[23] As garras não são retráteis. A cauda, não-preênsil, curta e uniformemente coberta de pelos, tem importante papel na fisiologia, no comportamento social e na locomoção. Ela funciona como um depósito de gordura, e diabos saudáveis tendem a ter caudas grossas,[25] e age como um contrapeso que ajuda a dar estabilidade quando o animal se movimenta rapidamente.[3] Glândulas ad-anais na base da cauda são usadas na demarcação e na comunicação social pelo seu odor forte e característico.[26]

Dentição do diabo-da-tasmânia.

O crânio e os dentes são maciços e resistentes. A dentição assemelha-se a dos marsupiais fósseis e aos gambás sul-americanos.[27] Os quatro molares são bem desenvolvidos e adaptados, permitindo que o diabo triture ossos e rasgue carne, os três primeiros têm formato triangular, enquanto os dois últimos são análogos ao dente carniceiro dos carnívoros placentários. Os caninos são proeminentes e mais arredondados e os pré-molares são bem reduzidos. Machos têm caninos mais fortes que as fêmeas, provavelmente por causa da dominância sexual exercida na estação reprodutiva. A fórmula dentária é Superior: 4.1.2.4 / Inferior: 3.1.2.4, Total = 42.[28]

As fêmeas possuem 4 mamas e o marsúpio é completamente fechado e voltado para trás na estação reprodutiva, ao contrário da maioria das espécies da família.[23] O tamanho varia consideravelmente com o habitat, a dieta e a idade. Os machos são geralmente maiores que as fêmeas.[29]

Longas vibrissas se estendem na face e no topo da cabeça, e têm função sensorial na localização de presas e de outros indivíduos da espécie.[3] A audição é o sentido dominante, mas o olfato também é apurado, alcançando distâncias de até 1 km.[3] Devido ao hábito noturno, a visão é fortemente monocromática, conseguindo detectar objetos em movimento rapidamente, mas tendo dificuldade para visualizar objetos estacionários.[25]

Ecologia e comportamento[editar | editar código-fonte]

Embora noturno, o diabo-da-tasmânia aprecia banho de sol.

O diabo-da-tasmânia é um animal de hábito noturno e crepuscular.[23] Ambos os sexos constroem ninhos com gravetos e folhas em buracos cavados pelos próprios ou tocas de vombates vazias, onde passam o dia. Em áreas tranquilas podem ser vistos tomando banho de sol.[30] Apresenta um comportamento solitário, com interações macho-fêmea na estação reprodutiva. Fora dessa época as interações entre fêmeas é um pouco comum, mas entre machos é rara.[31] Ocasionalmente, quando os indivíduos se reúnem em torno de uma carcaça, eles interagem de modo agressivo, mas não apresentam um sistema de hierarquia social. Quando reunidos utilizam-se de um repertório para comunicação social que incluiu posturas, vocalizações e utilização de urina e secreção glandular.[26] Em condições de cativeiro, os diabos-da-tasmânia organizam-se num sistema hierarquizado.[32]

Não possui comportamento territorial, apesar de habitar uma área de vida definida, que frequentemente se sobrepõe a áreas de indivíduos do mesmo sexo ou do sexo oposto.[33] A localização e o tamanho dessa área depende basicamente da disponibilidade de alimento. Uma típica área de vida é estimada em 13 km², variando entre 4 e 27 km².[34] Não há registros de movimentos sazonais, embora no inverno os animais se movimentem mais a procura de alimento. Ocupa diferentes tocas, mudando a cada 1-3 dias, percorrendo uma distância entre elas que pode variar de 3,2 km a 8,6 km, sempre à noite.[3]

Com a extinção do tilacino em 1936, o diabo-da-tasmânia tornou-se o maior marsupial carnívoro existente.[35] O tilacino representava um importante predador, tanto de adultos quanto de filhotes de diabos.[30] Os juvenis são predados por águias (Aquila audax fleayi), corujas (Tyto novahollandiae), Dasyurus maculatus e por cães domésticos e errantes. O diabo possui uma função ecológica no ecossistema, limpando as carcaças do ambiente, evitando assim a proliferação de moscas-varejeiras e outras pragas, como Vespula germanica e Oncopera spp., e controlando as populações da raposa-vermelha e de cães e gatos errantes.[30] Através de uma convergência ecomorfológica, o diabo e a hiena compartilham uma mandíbula e dentes fortes, capazes de triturar ossos, além de hábitos carniceiros, desempenhando papéis semelhantes nos diferentes ecossistemas.[36] O diabo possui distribuição simpátrica com duas espécies do gênero Dasyurus, D. maculatus e D. viverrinus, mas apenas com o primeiro compete diretamente por alimento.[30]

Dieta e hábitos alimentares[editar | editar código-fonte]

Diabo-da-tasmânia se alimentando de um pequeno canguru atropelado.

A dieta da espécie é bastante variável e depende da disponibilidade de alimento,[3] e inclui uma grande variedade de vertebrados e invertebrados, como também frutos e plantas.[23] Grande parte da alimentação é derivada de pequenos a médios cangurus dos gêneros Macropus, Wallabia, Thylogale, Bettongia e Potorous, vombates (Vombatus ursinus), carneiros e coelhos.[33] Geralmente consumindo as carcaças de animais atropelados ou mortos por outras causas. O diabo não é um caçador eficiente, e quando caça, geralmente ataca animais de pequeno porte, como aves, sapos, répteis, vombates, cangurus pequenos, cordeiros fracos e doentes.[30] Em média, o diabo come cerca de 15% do seu peso corporal por dia, embora possa ingerir mais de 40% caso tenha a oportunidade.[26]

Reprodução[editar | editar código-fonte]

Três filhotes tomando banho de sol.

O diabo-da-tasmânia tem hábitos promíscuos e se reproduz uma vez ao ano entre os meses de fevereiro e junho.[24] Em estudos mais antigos, a estação reprodutiva era mais curta, concentrando-se nos meses de fevereiro e março.[37] O período gestacional varia entre 14 a 22 dias e resulta numa ninhada de 2 a 4 filhotes. Como na maioria dos marsupiais, o restante do desenvolvimento ocorre no interior do marsúpio. Até os 90 dias, as crias ficam agarradas às mamas, aos 105 dias deixam o marsúpio pela primeira vez e são desmamadas aos 8 meses.[23]

Os machos disputam as fêmeas na estação reprodutiva e a fêmea se acasala com o macho dominante.[3] O maior contato entre os indivíduos nessa época resultada em maiores taxas de lesões como resultado da agressão intra/inter-sexual. O acasalamento se dá tanto de dia como de noite. As fêmeas normalmente atingem a maturidade sexual aos dois anos de idade, entretanto, devido ao aparecimento da doença tumoral facial, a maturidade já pode ser observada no primeiro ano de vida.[38]

Genética[editar | editar código-fonte]

O diabo-da-tasmânia tem uma baixa diversidade genética quando comparado a outros marsupiais australianos e a placentários carnívoros.[21] Este achado é consistente com o efeito fundador insular, mas reduções populacionais pré-doença também podem ter colaborado. Embora a sobrevivência e reprodução da espécie não seja comprometida por essa baixa diversidade,[21] ela pode reduzir a resistência a doenças.[39] A falta de diversidade no complexo principal de histocompatibilidade (MHC) é possivelmente um dos principais fatores atrás da disseminação do tumor facial.[40]

As populações de diabos do noroeste e do leste são geneticamente distintas.[21] O fluxo gênico pode ser reduzido por barreiras naturais à dispersão, entretanto, essas barreiras não são intransponíveis. Os diabos do noroeste também possuem um MHC ligeiramente distinto dos diabos do leste.[40] Em junho de 2011, foi divulgada a análise do sequenciamento total do genoma de dois exemplares da espécie, um do noroeste e um do sudeste da ilha, e também do tumor presente no indivíduo do sudeste.[41] O sequenciamento do genoma tem como objetivo ajudar no manejo genético da espécie a fim de preservar a diversidade genética nas populações futuras.[42]

Conservação[editar | editar código-fonte]

Diabo-da-tasmânia no Cleland Wildlife Park, próximo à cidade de Adelaide.

A espécie foi listada como vulnerável sob o Threatened Species Protection Act 1995 da Tasmânia em 2005[43] e pelo Environment Protection and Biodiversity Conservation Act 1999 da Austrália em 2006[34] , entretanto, essa categoria foi retificada em 2009 para em perigo.[44] A União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN), que classificava o S. harrisii como pouco preocupante em 1996, reclassificou-o em 2009 como em perigo.[1]

Historicamente, os colonizadores europeus consideraram o diabo-da-tasmânia uma praga que atacava e matava as aves domésticas e os cordeiros. Como consequência, foi intensivamente caçado por vários anos até a proteção oficial em junho de 1941, quando a população começou a se recuperar gradualmente.[30]

Registros indicaram baixas densidades populacionais ao menos três vezes nos últimos 150 anos (nas décadas de 1850, 1900 e 1940), com recuperação levando de duas a três décadas.[35] Sem nenhum agente causal identificado. Estimativas populacionais feitas na metade da década de 1990 indicavam entre 130 000 e 150 000 indivíduos, com aproximadamente 50% de adultos, entretanto os números são considerados superestimados.[35] A doença tumoral já reduziu a população total em mais de 70%, incluindo toda a metade oriental da ilha onde já causou uma redução de mais de 90%.[40] A extinção na natureza é uma possibilidade real de acontecer entre 25 a 35 anos, caso a neoplasia continue se espalhando.[45]

A principal ameaça que atinge o diabo-da-tasmânia é a doença do tumor facial. Outras ameaças conhecidas são: atropelamento, caça ilegal, perda do habitat e competição com a raposa-vermelha. No passado pré-doença eram as principais causas de mortalidade e controle populacional da espécie.[30]

Tumor facial[editar | editar código-fonte]

O tumor facial causa tumorações em torno da boca, levando o animal à morte por inanição e sepse.

Visto pela primeira vez em 1996 na região noroeste, no Parque Nacional Monte William, a doença do tumor facial do diabo-da-tasmânia (DTFD) tem devastado os diabos selvagens na Tasmânia, com estimativas de impacto variando de 20% para mais de 50% de declínio na população, e com mais de 65% do território afetado até 2004. A área costeira ocidental e o extremo noroeste são os únicos lugares onde os demônios estão livres do tumor.[46] [47]

A doença é exclusiva do S. harrisii, não afetando outras espécies próximas como o Dasyurus viverrinus.[48] O tumor facial é um câncer transmissível, o que significa que ele é passado de um animal infectado para outro sadio através do contato físico. A neoplasia inicia-se com pequenas lesões e nódulos dentro e ao redor da boca (lábios e mucosa oral) e rapidamente se desenvolve em grandes tumores na face, pescoço e ombros, disseminando-se por metástase para vários órgãos.[49] Os diabos infectados morrem por septicemia derivada de infecção secundária, inanição ou falência múltipla dos órgãos em 3 a 8 meses após o aparecimento das lesões.[50] A taxa de mortalidade é de 100%. Não foi detectada imunidade ou resistência frente às células cancerosas.[51] O tumor tem origem clonal monofilética e é derivado das células de Schwann.[52]

Outras ameaças[editar | editar código-fonte]

Raposa-vermelha na Austrália continental.
Placa de sinalização rodoviária indicando a presença do diabo-da-tasmânia nas redondezas.

A introdução e o estabelecimento da raposa-vermelha (Vulpes vulpes) na Tasmânia expôs o diabo a um novo e eficiente competidor.[35] A raposa-vermelha tem sido introduzida na Tasmânia desde o início da colonização européia, entretanto, ela nunca se estabeleceu devido à presença do diabo-da-tasmânia.[53] Raposas e diabos possuem tamanho similar, predando os filhotes um do outro. Eles compartilham preferências por tocas e habitats, competindo assim tanto por comida quanto por abrigo.[30] Desde 2001, uma variedade de evidências coletadas indicam um baixo nível populacional de raposas.[53] Embora em baixa densidade, raposas já foram registradas em todas as regiões exceto extremo sul, oeste e noroeste. Coincidentemente, a maioria dos registros ocorreu em áreas onde a doença neoplásica reduziu significativamente as populações de diabos.[30] A raposa não é considerada uma ameaça direta ao diabo, entretanto, ela pode causar problemas na recuperação e no restabelecimento da espécie.[30]

O atropelamento tem sido identificado como uma ameaça a algumas populações da fauna australiana.[54] Os diabos costumam usar as estradas para viagens longas e também são atraídos por elas pelas carcaças de outros animais atropelados.[30] Em 2008, um estudo sugeriu que mais de 3 000 diabos são mortos nas estradas a cada ano,[55] o que pode causar um impacto significativo na população já reduzida. A caça, muito comum no passado, foi reduzida com a proteção oficial de 1941, apesar de ainda continuar até a década de 1990, quando foram concedidas permissões de caça a fazendeiros que reivindicavam o controle populacional nas redondezas das fazendas de criação de ovinos. Estimativas indicam que cerca de 10 000 animais foram mortos por ano na metade da década de 1990, na maioria dos casos ilegalmente.[30]

A perda do habitat, que ocorre desde o início da colonização da ilha, principalmente na área leste, que concentra as maiores densidades populacionais, também é uma ameaça à sobrevivência da espécie.[30] Apesar do diabo ser a espécie menos susceptível a essa ameaça, já que se movimenta muito em busca de alimento e é um generalista em termos de preferência de habitat, pode sofrer indiretamente pela falta de áreas para fazer tocas.[30]

Estratégias de conservação[editar | editar código-fonte]

Vídeo feito no National Zoo and Aquarium, Canberra, em 10 de maio de 2008.

As opções disponíveis para o manejo de uma doença no meio selvagem são limitadas.[56] Um tratamento efetivo contra o tumor facial não foi ainda desenvolvido, mas mesmo que disponível, tratar animais doentes na natureza não é considerada uma estratégia prática.[57] O tratamento pode ser uma opção viável para salvar indivíduos cativos de alto valor genético.[58] Entre as medidas conservativas empregadas estão o estabelecimento de uma população em cativeiro saudável, a remoção de indivíduos doentes e o manejo genético.[57]

Em 2005, iniciou-se um programa de manutenção de uma população saudável em cativeiro com vinte e cinco juvenis coletados em áreas livres da doença e dois animais que existiam em zoológicos do continente.[58] Em janeiro de 2010, o número de animais cativos já chegava a 277, mantidos em zoológicos e reservas tanto na Tasmânia quanto na Austrália continental.[59] A manutenção de demônios na natureza em áreas cercadas da Tasmânia, na Austrália continental ou ilhas costeiras têm sido discutida como uma opção de manejo que assegure que os animais permaneçam ecologicamente funcionais. Entretanto, nenhuma dessas opções foi implementada.[58]

A detecção e remoção (eutanásia) de indivíduos infectados, muitas vezes, pode ser a opção mais viável para o controle de doenças infecciosas em hospedeiros selvagens ameaçados, mas raramente tem sido implementada ou avaliada como uma ferramenta de manejo para a conservação de espécies ameaçadas.[60] Um manejo experimental de supressão da doença começou a ser realizado em 2006 na península de Forestier, uma área onde a doença tinha surgido recentemente e possuía baixa prevalência, e também por restringir o movimento dos animais, já que é conectada ao restante da ilha por uma estreita ponte.[57] A supressão seletiva de todos os indivíduos infectados não diminuiu a taxa de progressão da doença, nem reduziu o impacto sobre a população.[60] A eutanásia simplesmente compensou a mortalidade provocada pela doença. A falha na supressão seletiva foi atribuída à natureza do tumor facial, a seu longo período de latência, ao alto grau de infectividade e à presença de um reservatório críptico ou à migração contínua de animais doentes.[60]

O manejo genético consiste em desenvolver seleção artificial para a resistência, e a subsequente introdução desses animais resistentes nas áreas afetadas.[57] Ainda não há evidência de que indivíduos resistentes existam em qualquer população, sendo assim, essa estratégia permanece como uma opção remota. As populações ocidentais, que ainda não foram afetadas pela doença, mostram alguma diferenciação de microssatélites da população oriental.[21] Se essa diferença também existir nos loci funcionais associados com a resistência da doença, como no MHC, então pode ser que indivíduos com o genótipo resistente existam entre os animais da porção oeste da ilha.[57]

Cativeiro[editar | editar código-fonte]

Exemplar em cativeiro no Australian Reptile Park em Somersby, Nova Gales do Sul.

O primeiro registro de diabos-da-tasmânia em cativeiro data de meados de 1810, quando George Harris manteve dois indivíduos presos por alguns meses. Em 1833, já havia exemplares no Zoológico de Londres e em 1909, no Zoológico de Nova Iorque, sendo amplamente exibidos em zoológicos da Austrália a partir da década de 1850, e ocasionalmente em zoológicos no exterior até o século XX, quando as exportações foram restringidas.[61] O último exemplar fora da Austrália, um macho com 7,5 anos, morreu em 18 de maio de 2004 no Zoológico Infantil de Fort Wayne, Indiana, EUA.[62] Em outubro de 2005, o governo da Tasmânia enviou 4 animais, dois machos e duas fêmeas, ao Zoológico de Copenhague, como presente pelo nascimento do primeiro filho de Frederico, Príncipe Herdeiro da Dinamarca com sua mulher de origem tasmaniana.[63] Estes são os únicos demônios conhecidos fora da Austrália desde então.[34]

A reprodução em cativeiro do diabo tem um sucesso limitado. Em 1914, o Zoológico de Beaumaris, em Hobart, foi o primeiro a ter êxito, e em 1952, o Santuário Healesville, em Vitória, também conseguiu.[61] Existem também registros de sucessos reprodutivos, na década de 1990, no Zoológico de Cincinnati e no Zoológico de Toronto na América do Norte.[64]

Aspectos culturais[editar | editar código-fonte]

Personagem Taz numa parada na Califórnia.

O diabo-da-tasmânia é um ícone na Austrália, particularmente na Tasmânia, sendo o símbolo do Serviço de Parques e Vida Selvagem da Tasmânia.[25] A espécie também apareceu em várias moedas comemorativas na Austrália no decorrer dos anos.[65] [66] [67] [68] É muito popular entre os turistas e a possibilidade de extinção pode causar danos significativos ao segmento turístico da Austrália.[69]

Devido à sua personalidade única, o diabo tem sido objeto de numerosos documentários e livros de ficção e não-ficção para crianças. Em meados da década de 1950, a espécie inspirou os estúdios Warner Bros a criar uma personagem chamada Taz que figurou nos desenhos Looney Tunes. Inicialmente a personagem ficou em cartaz entre 1957 e 1964, sendo retirada do ar, mas voltando na década de 1990, com um desenho só seu, Taz-Mania.[3]

Tuz, um diabo-da-tasmânia com um bico de pinguim, foi o mascote da conferência linux.conf.au realizada em 2009 na cidade de Hobart, que arrecadou quarenta mil dólares australianos, doados para o programa de conservação da espécie.[70] No mesmo ano, Linus Torvalds escolheu o mascote para ser o logo da versão 2.6.29 do núcleo da Linux em apoio aos esforços para salvar o diabo-da-tasmânia da extinção.[70]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c HAWKINS, C.E.; McCALLUM, H.; MOONEY, N.; JONES, M.; HOLDSWORTH, M. (2008). Sarcophilus harrisii (em Inglês). IUCN 2010. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2010 Versão 4. Página visitada em 11 de novembro de 2010.
  2. HARRIS, G.P.. (1808). "Description of two new Species of Didelphis from Van Diemen's Land". Transactions of The Linnean Society of London 9: 174–78 pp.. DOI:10.1111/j.1096-3642.1818.tb00336.x.
  3. a b c d e f g h i OWEN, D.; PEMBERTON, D.. Tasmanian Devil: a unique and threatened animal. Crows Nest, New South Wales: Allen & Unwin, 2005. 225 pp. ISBN 9781741143683
  4. GEOFFROY SAINT-HILAIRE, E.. (1810). "Description de deux espèces de Dasyures (Dasyurus cynocephalus et Dasyurus ursinus)". Annales du Muséum Histoire Naturelle (Paris) 15: 301-06 pp..
  5. CUVIER, F.G.. "Sarcophile oursin". In: GEOFFROY SAINT-HILAIRE, É. & CUVIER, F.G.. Histoire Naturelle des Mammifères. Paris: Chez A. Belin, Libraire-Éditeur, 1837. 1-6 pp. vol. pt. 4.
  6. OWEN, R.. Report on fossils from Wellington Caves. In: MITCHELL, T.L. (ed.). Three expeditions into the interior of eastern Australia with descriptions of the recently explored region of Australia Felix, and of the present colony of New South Wales. Londres: W. Boone, 1838. p. 359–366.
  7. BOITARD, P.. Le Jardin des plantes: description et murs des mammifères de la Ménagerie et du Muséum d'histoire naturelle. Paris: J. J. Dubochet, 1842 [1841]. p. 290.
  8. THOMAS, O.. (1903). "Note on the Technical Name of the Tasmanian Devil". Annals and Magazine of Natural History series 7 11: 289 pp..
  9. THOMAS, O.. (1913). "The Technical Name of the Tasmanian Devil". Proceedings of the Biological Society of Washington 25: 116 pp..
  10. WERDELIN, L.. (1987). "Some observations on Sarcophilus laniarius and the evolution of Sarcophilus". Records of the Queen Victoria Museum, Launceston 90: 1–27 pp..
  11. GROVES, C.. Order Dasyuromorphia. In: WILSON, D.E.; REEDER, D.M.. Mammal Species of the World: A Taxonomic and Geographic Reference. 2 ed. Washington: Smithsonian Institute Press, 1993. 29-37 pp.
  12. a b GROVES, C.. Order Dasyuromorpha. In: WILSON, D.E.; REEDER, D.M.. Mammal Species of the World: A Taxonomic and Geographic Reference. 3 ed. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2005. 23-37 pp. vol. 1. ISBN 9780801882210
  13. KRAJEWSKI, C.; DRISKELL, A.C.; BAVERSTOCK, P.R.; BRAUN, M.J.. (1992). "Phylogenetic relationships of the thylacine (Mammalia: Thylacinidae) among dasyuroid marsupials: evidence from cytochrome b DNA sequences". Proceedings of the Royal Society B-Biological Sciences 250 (1327): 19–27 pp.. DOI:10.1098/rspb.1992.0125.
  14. MEDLOCK, K.M.; PEMBERTON D.. (2010). "Historical evidence of the existence of Tasmanian devils on Bruny Island in the late 1800’s". Internal report DPIPWE, Hobart.
  15. LUNNEY, D.; JONES, M.; McCALLUM, H.. (2008). "Lessons from the looming extinction of the Tasmanian devil". Pacific Conservation Biology 14 (3): 151-153 pp..
  16. a b c d BROWN, O.. (2006). "Tasmanian devil (Sarcophilus harrisii) extinction on the Australian mainland in the mid-Holocene: multicausality and ENSO intensification". Alcheringa: An Australasian Journal of Palaeontology 31: 49-57 pp.. DOI:10.1080/03115510608619574.
  17. GUILER, E.R.. (1982). "Temporal and spatial distribution of the Tasmanian Devil, Sarcophilus harrisii (Dasyuridae: Marsupialia)". Papers and Proceedings of the Royal Society of Tasmania 116: 153-163 pp..
  18. JOHNSON, C.N.; WROE, S.. (2003). "Causes of extinction of vertebrates during the Holocene of mainland Australia: arrival of the dingo, or human impact?". Holocene 13 (6): 941-948 pp.. DOI:10.1191/0959683603hl682fa.
  19. ARCHER, M.; BAYNES, A.. (1972). "Prehistoric mammal faunas from two small caves in the extreme southwest of Western Australia". Journal of the Royal Society of Western Australia 55: 80–89 pp..
  20. JONES, M.E.; ROSE, R.K.. Preliminary assessment of distribution and habitat associations of the spotted-tailed quoll (Dasyurus maculatus maculatus) and eastern quoll (D. viverrinus) in Tasmania to determine conservation and reservation status: Report to the Tasmanian Regional Forest Agreement Environment and Heritage Technical Committee. Hobart, Tasmania: Tasmanian Public Land Use Commission, 1996.
  21. a b c d e JONES, M.E.; PAETKAU, D.; GEFFEN, E.; MORITZ, C.. (2004). "Genetic diversity and population structure of Tasmanian Devils, the largest marsupial carnivore". Molecular Ecology 13 (8): 2197-2209 pp.. DOI:10.1111/j.1365-294X.2004.02239.x.
  22. JONES, M.E.; BARMUTA, L.A.. (2000). "Niche differentiation among sympatric Australian dasyurid carnivores". Journal of Mammalogy 81 (2): 434-447 pp.. DOI:<0434:NDASAD>2.0.CO;2 10.1644/1545-1542(2000)081<0434:NDASAD>2.0.CO;2.
  23. a b c d e f g NOVAK, R.M.. Order Dasyuromorphia. In: _____. Walker’s Mammals of the World. 6 ed. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1999. 64-65 pp. ISBN 0-8018-5789-9
  24. a b HESTERMAN, H.; JONES, S,M.; SCHWAZENBERGER, F.. (2008). "Reproductive endocrinology of the largest dasyurids: Characterization of ovarian cycles by plasma and fecal steroid monitoring. Part I. The Tasmanian devil (Sarcophilus harrisii)". General and Comparative Endocrinology 155 (1): 234-244 pp.. DOI:10.1016/j.ygcen.2007.05.013.
  25. a b c HORTON, M.. Tasmanian devil - Frequently Asked Questions. Parks and Wildlife Service Tasmania. Página visitada em 1 de julho de 2011.
  26. a b c PEMBERTON, D.; RENOUF, D.. (1993). "A Field-Study of Communication and Social-Behavior of the Tasmanian Devil at Feeding Sites". Australian Journal of Zoology 41 (5): 507-526 pp.. DOI:10.1071/ZO9930507.
  27. TYNDALE-BISCOE, H.. Life of marsupials. Collingwood, Victoria: CSIRO Publishing, 2005. 141-143 pp. ISBN 0643062572
  28. GREEN, R.H.. An illustrated key to the skulls of the mammals in Tasmania. Launceston: Queen Victoria Museum and Art Gallery, 1983. 100 pp.
  29. DEWEY, T.; FAHEY, B.; KINDER, A. (2001). Sarcophilus harrisii. Animal Diversity Web. Página visitada em 15 de janeiro de 2012.
  30. a b c d e f g h i j k l m n Department of Primary Industries, Parks, Water and Environment (2010). Draft Recovery Plan for the Tasmanian devil (Sarcophilus harrisii). Department of Primary Industries, Parks, Water and Environment, Hobart. Página visitada em 2 de julho de 2011.
  31. HAMEDE, R.K.; BASHFORF,J.; McCALLUM, H.; JONES, M.E.. (2009). "Contact networks in a wild Tasmanian devil (Sarcophilus harrisii) population: using social network analysis to reveal seasonal variability in social behaviour and its implications for transmission of devil facial tumour disease". Ecology Letters 12 (11): 1147–57 pp.. DOI:10.1111/j.1461-0248.2009.01370.x.
  32. Tasmanian devil. Ballarat Wildlife Park. Página visitada em 16 de dezembro de 2011.
  33. a b GUILER, E.R.. (1970a). "Observations on the Tasmanian devil, Sarcophilus harrisii (Marsupialia: Dasyuridae). I. Numbers, home range, movements, and food in two populations". Australian Journal of Zoology 18 (1): 49-62 pp.. DOI:10.1071/ZO9700049.
  34. a b c Sarcophilus harrisii — Tasmanian Devil. Department of Sustainability, Environment, Water, Population and Communities.
  35. a b c d BRADSHAW, C.J.A.; BROOK, B.W.. (2005). "Disease and the devil : density-dependent epidemiological processes explain historical population fluctuations in the Tasmanian devil". Ecography 28 (2): 181-190 pp.. DOI:10.1111/j.0906-7590.2005.04088.x.
  36. JONES, M.. Convergence in ecomorphology and guild structure among marsupial and placental carnivores. In: JONES, M.; DICKMAN, C.; ARCHER, M. (eds.). Predators with Pouches: The Biology of Carnivorous Marsupials. Collingwood, Victoria: CSIRO Publishing, 2003. 285-296 pp. ISBN 0-643-06634-9
  37. GUILER, E.R.. (1970b). "Observations on the Tasmanian devil, Sarcophilus harrisii II. Reproduction, Breeding and Growth of Pouch Young". Australian Journal of Zoology 18 (1): 63–70 pp.. DOI:10.1071/ZO9700063.
  38. JONES, M.E.; COCKBURN, A.; HAMEDE, R.; HAWKINS, C.; HESTERMAN, H.; LACHISH, S.; MANN, D.; McCALLUM, H.; PEMBERTON, D.. (2008). "Life-history change in disease-ravaged Tasmanian devil populations". Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America 105 (29): 10023–10027 pp.. DOI:10.1073/pnas.0711236105.
  39. de CASTRO, F.; BOLKER, B.. (2005). "Mechanisms of disease-induced extinction". Ecology Letters 8: 117–126 pp.. DOI:10.1111/j.1461-0248.2004.00693.x.
  40. a b c SIDDLE, H.V.; MARZEC, J.; CHENG, Y.; JONES, M.; BELOV, K.. (2010). "MHC gene copy number variation in Tasmanian devils: Implications for the spread of a contagious cancer". Proceedings of the Royal Society B 277 (1690): 2001-2006 pp.. DOI:10.1098/rspb.2009.2362.
  41. HARMON, K. (05 de julho de 2011). Tentando salvar os diabos-da-tasmânia. Scientific American Brasil. Página visitada em 27 de julho de 2011.
  42. MILLER, W. et al.. (2011). "Genetic diversity and population structure of the endangered marsupial Sarcophilus harrisii (Tasmanian devil)". Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America 108 (30): 12348-12353 pp.. DOI:10.1073/pnas.1102838108.
  43. EPBC Policy Statement 3.6 — Tasmanian Devil (Sarcophilus harrisii) (PDF). Department of the Environment and Heritage (Julho). Página visitada em 30 de setembro de 2010.
  44. Threatened Species Scientific Committee (2009). Advice to the Minister for the Environment, Heritage and the Arts from the Threatened Species Scientific Committee (the Committee) on Amendment to the list of Threatened Species under the Environment Protection and Biodiversity Conservation Act 1999 (EPBC Act) Sarcophilus harrisii (Tasmanian Devil) Listing Advice (PDF). Department of Sustainability, Environment, Water, Population and Communities. Página visitada em 10 de julho de 2011.
  45. McCALLUM, H.; TOMPKINS, D.M.; JONES, M.E.; LACHISH, S.; MARVENEK, S.; LAZENBY, B.; HOCKING, G.J.; WIERSMA, J.; HAWKINS, C.. (2007). "Distribution and impacts of Tasmanian devil facial tumour disease". EcoHealth 4 (3): 318–325 pp.. DOI:10.1007/s10393-007-0118-0.
  46. Department of Primary Industries, Parks, Water and Environment (Fevereiro de 2005). Tasmanian Devil Facial Tumour Disease (DFTD) Disease Management Strategy (PDF). Department of Primary Industries, Parks, Water and Environment, Hobart. Página visitada em 29 de junho de 2011.
  47. Department of Primary Industries, Parks, Water and Environment (Junho de 2005). Devil Facial Tumour Disease Update (PDF). Department of Primary Industries, Parks, Water and Environment, Hobart. Página visitada em 29 de junho de 2011.
  48. HAWKINS, C.E.; BAARSC, C.; HESTERMANA, H.; HOCKING, G.J.; JONES, M.E.; LAZENBY, B.; MANN, D.; MOONEY, N.; PEMBERTON, D.; PYECROFT, S.; RESTANIG, M.; WIERSMA, J.. (2006). "Emerging disease and population decline of an island endemic, the Tasmanian devil Sarcophilus harrisii" 131 (2): 307-324 pp.. DOI:10.1016/j.biocon.2006.04.010.
  49. LOH, R.; BERGFELD, J.; HAYES, D.; O'HARA, A.; PYECROFT, S.; RAIDAL, S.; SHARPE, R.. (2006). "The Pathology of Devil Facial Tumor Disease (DFTD) in Tasmanian Devils (Sarcophilus harrisii)". Veterinary Pathology 43 (6): 890-895 pp.. DOI:10.1354/vp.43-6-890.
  50. PYECROFT, S.B.; PEARSE, A.-M.; LOH, R.; SWIFT, K.; BELOV, K.; FOX, N.; NOONAN, E.; HAYES, D.; HYATT, A.; WANG, L.; BOYLE, D.; CHURCH, J.; MIDDLETON, D.; MOORE, R.. (2007). "Towards a case definition for devil facial tumour disease: what is it?". EcoHealth 4 (3): 346-351 pp.. DOI:10.1007/s10393-007-0126-0.
  51. LOH, R.; HAYES, D.; MAHJOOR, A.; O'HARA, A.; PYECROFT, S.; RAIDAL, S.. (2006). "The Immunohistochemical Characterization of Devil Facial Tumor Disease (DFTD) in the Tasmanian Devil (Sarcophilus harrisii)". Veterinary Pathology 43 (6): 896-903 pp.. DOI:10.1354/vp.43-6-896.
  52. MURCHISON, E.P.; TOVAR, C.; HSU, A.; BENDER, H.S.; KHERADPOUR, P.; REBBECK, C.A.; OBENDORF, D.; CONLAN, C.; BAHLO, M.; BLIZZARD, C.A.; PYECROFT, S.; KREISS, A.; KELLIS, M.; STARK, A.; KARKINS, T.T.; GRAVES, J.A.; WOODS, G.M.; HANNON, G.J.; PAPENFUSS, A.T.. (2010). "The Tasmanian Devil Transcriptome Reveals Schwann Cell Origins of a Clonally Transmissible Cancer". Science 327 (5961): 84-87 pp.. DOI:10.1126/science.1180616.
  53. a b PARKES, J.; ANDERSON, D. (Agosto de 2009). Review of the Program to Eradicate Foxes (Vulpes vulpes) from Tasmania. Landcare Research New Zealand Ltd. Página visitada em 12 de julho de 2011.
  54. TAYLOR, B.D.; GOLDINGAY, R.L.. (2010). "Roads and wildlife: impacts, mitigation and implications for wildlife management in Australia". Wildlife Research 37 (4): 320–331 pp.. DOI:10.1071/WR09171.
  55. HOBDAY, A.J.; MINSTRELL, M.L.. (2008). "Distribution and abundance of roadkill on Tasmanian highways: human management options". Wildlife Research 35 (7): 712–726 pp.. DOI:10.1071/WR08067.
  56. McCALLUM, H.; JONES, M.. (2006). "To Lose Both Would Look Like Carelessness: Tasmanian Devil Facial Tumour Disease". PLoS Biol 4 (10): e342 pp.. DOI:10.1371/journal.pbio.0040342.
  57. a b c d e McCALLUM, H.; JONES, M.. (2010). "Sins of omission and sins of commission: St Thomas Aquinas and the devil" 35 (2): 307-314 pp..
  58. a b c JONES, M.; JARMAN, P.; LEES, C.; HESTERMAN, H.; HAMEDE, R.; MOONEY, N.; MANN, D.; PUKK, C.; BERGFELD, J.; McCALLUM, H.. (2007). "Conservation management of Tasmanian devils in the context of an emerging, extinction-threatening disease: Devil Facial Tumor Disease". EcoHealth 4 (3): 326-337 pp.. DOI:10.1007/s10393-007-0120-6.
  59. The Department of Primary Industries, Parks, Water and Environment (8 de março de 2008). Insurance population. Página visitada em 12 de julho de 2011.
  60. a b c LACHISH, S.; McCALLUM, H.; MANN, D.; PUKK, C.E.; JONES, M.E.. (2010). "Evaluation of Selective Culling of Infected Individuals to Control Tasmanian Devil Facial Tumor Disease". Conservation Biology 24 (3): 841-851 pp.. DOI:10.1111/j.1523-1739.2009.01429.x.
  61. a b JACKSON, S.. Carnivorous Marsupials. In: ______. Australian Mammals: Biology and captive management. Collingwood: CSIRO Publishing, 2003. 53-97 pp. ISBN 0 643 06635 7
  62. Last Tasmanian Devil not in Australia dies. United Press International (19 de maio de 2004). Página visitada em 29 de junho de 2012.
  63. Mary's little devils. The Sydney Morning Herald (11 de abril de 2006). Página visitada em 6 de julho de 2011.
  64. KONCZA, E.; PRYOR, W.. Regional Studbook Tasmanian Devil Sarcophilus harrisii. Miami: Zoological Society of Florida, 2001.
  65. 1994 Tasmanian Devil Two Hundred Dollars. Australian Stamp & Coin. Página visitada em 9 de fevereiro de 2012.
  66. 2009 Celebrate Australia $1 coin — Tasmania. The Perth Mint. Página visitada em 6 de outubro de 2010.
  67. Discover Australia 2011 Dreaming - Tasmanian Devil 1OZ Silver Coin. The Perth Mint. Página visitada em 9 de fevereiro de 2012.
  68. Discover Australia 2011 Dreaming - Tasmanian Devil 1/2OZ, 1/10OZ, 1/25OZ Golden Coins. The Perth Mint. Página visitada em 9 de fevereiro de 2012.
  69. World tourism can help save the Tasmanian Devil, park director tells international conference. Tasmanian Devil Conservation Park (5 de junho de 2008). Página visitada em 6 de outubro de 2010.
  70. a b CORBET (19 de março de 2009). The kernel gets a new mascot. The Linux Foundation. Página visitada em 13 de janeiro de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies