Copa Conmebol

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
COPA CONMEBOL
C. Conmeboljpg.jpg
Dados gerais
Organização CONMEBOL
Edições 8
Local de disputa Flags of the Union of South American Nations.gif América do Sul
Sistema Eliminatórias
editar

A Copa Conmebol ou Taça Conmebol foi uma importante competição sul-americana oficial de futebol, organizada pela Confederação Sul-Americana de Futebol ("Conmebol") e disputada de 1992 a 1999. É considerada como precursora da atual Copa Sul-Americana.[1] [2] [3]

Histórico[editar | editar código-fonte]

A competição envolveu diversos clubes do continente, dentre eles os melhores classificados em seus respectivos campeonatos nacionais.[4] [5] A classificação para a competição era similar ao formato adotado pela Copa da UEFA onde Brasil e Argentina obtinham mais vagas na competição por serem os países mais bem colocados no ranking da Conmebol, assim como ocorre atualmente na Copa Libertadores da América. A Copa Conmebol pode ser considerada uma das precursoras da atual Copa Sul-Americana pelas formas muito similares de classificação, importância e por imitar seu formato em jogos de ida e volta.[6] [7] [8] [9] [10] [11]

A Copa Conmebol era um torneio de nível técnico maior que a atual Copa Sul-Americana, principalmente entre os anos de 1992 a 1997, pois reunia as equipes mais bem colocadas nos campeonatos nacionais do ano anterior. Se os métodos de classificação da Copa Conmebol fossem aplicados atualmente, a Copa Sul-Americana reuniria boa parte dos times que participam da Copa Libertadores da América. No caso do Brasil, em geral, o vice campeão da Copa do Brasil junto com os clubes que obtivessem uma colocação do 2º ao 4º lugar no campeonato nacional estavam automaticamente classificados para a disputa da competição.[12] A partir de 1995, a CBF determinou que os clubes brasileiros não poderiam disputar a Copa Conmebol e a Supercopa Libertadores simultaneamente. Os clubes classificados para a Copa Conmebol e que fossem disputar a Supercopa no mesmo ano seriam substituídos pelos times de maior colocação no Campeonato Brasileiro.[13]

No ano de 1998, com a criação da Copa Mercosul e a eminente abundância de outros torneios em nível internacional no calendário, mesmo que os demais não tivessem tanta expressão, tal como ocorria com a Copa Master da Conmebol, Copa Master da Supercopa e Copa Ouro, a Copa Conmebol teve o seu critério de classificação alterado de modo a favorecer a Copa Mercosul, competição que havia sido criada em 1998 em decorrência do tratado político firmado e que, por consequência, passou a concentrar os clubes que haviam se classificado para a Copa Conmebol. Dessa forma, a Copa Conmebol, especificamente no ano de 1999, sua última edição, permitiu a participação apenas de times indicados pelas confederações (grande parte times de pequena expressão) resultando na desvalorização do torneio naquele ano.

Segundo vários meios de comunicação e a Confederação Sul-Americana de Futebol ("Conmebol"), a atual Copa Sul-Americana é considerada uma continuação da Copa Conmebol, que seria a sua precursora pelas formas muito similares de classificação, e por imitar seu formato em jogos de ida e volta.[14] [15] [16] [17] [18]

A competição protagonizou jogos e finais eletrizantes, tendo em sua história uma das maiores viradas em finais de campeonatos internacionais, sendo que a maioria de suas finais ocorreram entre times de grande tradição no continente sul americano.

Os campeões da Copa Conmebol de 1992 até 1995, ganharam uma vaga para disputar a Copa Master da Conmebol em 1996. O Botafogo de Futebol e Regatas campeão de 1993, ganhou também uma vaga para disputar o título da Recopa Sul-Americana em 1994 contra o São Paulo Futebol Clube (o São Paulo sagrou-se campeão e disputou aquela edição da Recopa mesmo tendo sido - no mesmo ano - campeão da Libertadores e da Supercopa da América, então a Conmebol acabou indicando somente naquele ano o campeão da Copa Conmebol de 1993, para disputar o título da Recopa. Em 1991, o Club Olimpia alcançara o mesmo feito e fora declarado automaticamente campeão da Recopa do ano seguinte).

Resultado[editar | editar código-fonte]

Ano Final Semifinalistas
Campeão Placar Vice
1992
Detalhes
Brasil
Atlético Mineiro
2 – 0
0 – 1
Paraguai
Olimpia
Equador
El Nacional
Argentina
Gimnasia y Esgrima
1993
Detalhes
Brasil
Botafogo
1 – 1
2 – 2
(3 – 1 pên.)
Uruguai
Peñarol
Argentina
San Lorenzo
Brasil
Atlético Mineiro
1994
Detalhes
Brasil
São Paulo
6 – 1
0 – 3
Uruguai
Peñarol
Brasil
Corinthians
Chile
Universidad de Chile
1995
Detalhes
Argentina
Rosario Central
4 – 0
0 – 4
(4 – 3 pên.)
Brasil
Atlético Mineiro
Colômbia
América de Cali
Paraguai
Atlético Colegiales
1996
Detalhes
Argentina
Lanús
2 – 0
0 – 1
Colômbia
Santa Fé
Brasil
Vasco da Gama
Argentina
Rosario Central
1997
Detalhes
Brasil
Atlético Mineiro
4 – 1
1 – 1
Argentina
Lanús
Peru
Universitário
Argentina
Colón
1998
Detalhes
Brasil
Santos
1 – 0
0 – 0
Argentina
Rosario Central
Brasil
Sampaio Corrêa
Brasil
Atlético Mineiro
1999
Detalhes
Argentina
Talleres
2 – 4
3 – 0
Brasil
CSA
Chile
Deportes Concepción
Brasil
São Raimundo-AM

[19]

Títulos por equipe[editar | editar código-fonte]

O Atlético-MG é o primeiro campeão da Copa Conmebol.
O Botafogo é o único clube carioca a conquistar um título internacional no Maracanã em 1993.
O Rosário Central proporcionou a maior virada em uma final de competição sul-americana em 1995.
O Peñarol, pentacampeão uruguaio de 1993-1997, bateu na trave em 1993 e 1994.
O Olimpia, campeão automático da Recopa Sul-Americana de 1991, fez a primeira final em 1992.
O América de Cali morreu na praia em 1995.
O goleiro Rogério Ceni ficou famoso no Brasil e na América do Sul após a conquista da Copa Conmebol de 1994.

.

Carlos Alberto Torres, capitão da Copa do Mundo de 1970, comandou o Botafogo em 1993.
O ex-goleiro Taffarel jogou 3 edições da competição.
Marcelinho Carioca foi semifinalista em 1994.
Álvaro Recoba jogou as edições de 1993 e 1994 pelo Danubio.
Denilson e Túlio Maravilha também jogaram a competição.
Ézio representou o Fluminense e o Atlético-MG.
Clube Títulos Vices
Brasil Atlético Mineiro 2 (1992 e 1997) 1 (1995)
Argentina Lanús 1 (1996) 1 (1997)
Argentina Rosario Central 1 (1995) 1 (1998)
Brasil Botafogo 1 (1993)
Brasil São Paulo 1 (1994)
Brasil Santos 1 (1998)
Argentina Talleres 1 (1999)
Uruguai Peñarol 2 (1993 e 1994)
Paraguai Olimpia 1 (1992)
Colômbia Santa Fé 1 (1996)
Brasil CSA 1 (1999)

Títulos por país[editar | editar código-fonte]

País Títulos Vices
 Brasil 5 (1992, 1993, 1994, 1997 e 1998) 2 (1995 e 1999)
 Argentina 3 (1995, 1996, e 1999) 2 (1997 e 1998)
Uruguai 2 (1993 e 1994)
Paraguai 1 (1992)
 Colômbia 1 (1996)

Participantes[editar | editar código-fonte]

O Brasil foi um país peculiar na competição: 21 equipes brasileiras chegaram a disputar a Copa Conmebol, sendo que 4 conquistaram o título sul-americano.

Do grupo dos 12 grandes clubes brasileiros, somente 3 não disputaram a Copa Conmebol: Internacional, CR Flamengo e Cruzeiro EC. Os demais: Santos FC; São Paulo FC; Vasco da Gama; Botafogo; Fluminense; Grêmio; Corinthians, Palmeiras; Clube Atlético Mineiro todos classificaram e jogaram ao menos uma edição.

A competição contou também com outros grandes nomes do futebol sul-americano,[20] como:

Participações por equipe[editar | editar código-fonte]

Clube País Participações Edições
Atlético Mineiro  Brasil 5 1992, 1993, 1995, 1997 e 1998
Danubio Uruguai 4 1992, 1993, 1994 e 1997
Rosario Central  Argentina 4 1995, 1996, 1998 e 1999
Peñarol Uruguai 3 1992, 1993 e 1994
Bragantino  Brasil 3 1992, 1993 e 1996
Fluminense  Brasil 3 1992, 1993 e 1996
Deportivo Táchira  Venezuela 3 1993, 1996 e 1997
Lanús  Argentina 3 1994, 1996 e 1997
Gimnasia y Esgrima La Plata  Argentina 3 1992, 1995 e 1998
Deportivo Español  Argentina 2 1992 e 1993
Deportivo Oriente Petrolero  Bolívia 2 1992 e 1994
Grêmio  Brasil 2 1992 e 1994
El Nacional Equador 2 1992 e 1994
Huracán  Argentina 2 1993 e 1994
San Lorenzo  Argentina 2 1993 e 1994
Botafogo  Brasil 2 1993 e 1994
Corinthians  Brasil 2 1994 e 1995
Vasco da Gama  Brasil 2 1993 e 1996
Emelec Equador 2 1993 e 1996
Cobreloa  Chile 2 1995 e 1996
Universitario  Peru 2 1992 e 1997
Sportivo Luqueño Paraguai 2 1993 e 1997
Vitória  Brasil 2 1994 e 1997
Universidad de Chile  Chile 2 1994 e 1997
The Strongest  Bolívia 2 1995 e 1997
América de Cali  Colômbia 2 1995 e 1997
Defensor Uruguai 2 1995 e 1997
Deportes Tolima  Colômbia 2 1996 e 1997
Cerro Corá Paraguai 2 1994 e 1998
River Plate Uruguai 2 1996 e 1998
Estudiantes de Mérida  Venezuela 2 1997 e 1999
Deportes Quindío  Colômbia 2 1998 e 1999
Vélez Sársfield  Argentina 1 1992
O'Higgins  Chile 1 1992
Junior Barranquilla  Colômbia 1 1992
Olimpia Paraguai 1 1992
Marítimo  Venezuela 1 1992
Colo-Colo  Chile 1 1993
Deportivo Sipesa  Peru 1 1993
Caracas  Venezuela 1 1993
São Paulo  Brasil 1 1994
Sporting Cristal  Peru 1 1994
Minervén  Venezuela 1 1994
Ceará  Brasil 1 1995
Guarani  Brasil 1 1995
Independiente Medellín  Colômbia 1 1995
Barcelona Equador 1 1995
Atlético Colegiales Paraguai 1 1995
Ciclista Lima  Peru 1 1995
Sud América Uruguai 1 1995
Deportivo Mineros  Venezuela 1 1995
Bolívar  Bolívia 1 1996
Palmeiras  Brasil 1 1996
Santa Fé  Colômbia 1 1996
Guaraní Paraguai 1 1996
Alianza Lima  Peru 1 1996
Porongos Uruguai 1 1996
Colón  Argentina 1 1997
Real Santa Cruz  Bolívia 1 1997
Portuguesa  Brasil 1 1997
Rio Branco - AC  Brasil 1 1997
Técnico Universitario Equador 1 1997
Jorge Wilstermann  Bolívia 1 1998
América-RN  Brasil 1 1998
Sampaio Corrêa  Brasil 1 1998
Santos  Brasil 1 1998
Audax Italiano  Chile 1 1998
Once Caldas  Colômbia 1 1998
LDU Equador 1 1998
Melgar  Peru 1 1998
Huracán Buceo Uruguai 1 1998
Deportivo Itália  Venezuela 1 1998
Talleres  Argentina 1 1999
Independiente Petrolero  Bolívia 1 1999
CSA  Brasil 1 1999
Paraná  Brasil 1 1999
São Raimundo  Brasil 1 1999
Vila Nova  Brasil 1 1999
Concepción  Chile 1 1999
Atlético Huila  Colômbia 1 1999
Deportivo Cuenca Equador 1 1999
San Lorenzo Paraguai 1 1999
Sport Boys  Peru 1 1999

Artilheiros[editar | editar código-fonte]

Edição Futebolista(s) Clube Gols
1992 Brasil Aílton Brasil Atlético Mineiro 6
1993 Brasil Sinval Brasil Botafogo 8
1994 Brasil Tupãzinho Brasil Corinthians 5
Uruguai Martín Rodríguez Uruguai Peñarol
Brasil Juninho Paulista Brasil São Paulo
1995 Argentina Horacio Carbonari Argentina Rosario Central 4
Uruguai Rubén da Silva
1996 Argentina Óscar Mena Argentina Lanús 5
1997 Brasil Valdir Brasil Atlético Mineiro 7
1998 Equador Carlos Morales Equador LDU 4
Brasil Viola Brasil Santos
1999 Brasil Missinho Brasil CSA 4
Brasil Marcelo Araxá Brasil São Raimundo

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]